Espinosa (Minas Gerais)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Espinosa
Bandeira de Espinosa
Brasão de Espinosa
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 9 de março
Fundação 9 de março de 1924 (95 anos)
Gentílico espinosense [1]
Padroeiro(a) São Sebastião[2]
CEP 39510-000 a 39515-999[3]
Prefeito(a) Milton Barbosa Lima[4] (PT)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Espinosa
Localização de Espinosa em Minas Gerais
Espinosa está localizado em: Brasil
Espinosa
Localização de Espinosa no Brasil
14° 55' 33" S 42° 49' 08" O14° 55' 33" S 42° 49' 08" O
Unidade federativa Minas Gerais
Mesorregião Norte de Minas IBGE/2008 [5]
Microrregião Janaúba IBGE/2008 [5]
Municípios limítrofes Gameleiras, Mamonas, Monte Azul, Montezuma, Santo Antônio do Retiro, Sebastião Laranjeiras (BA), Urandi (BA) e Jacaraci (BA)
Distância até a capital 699 [6] km
Características geográficas
Área 1 876,401 km² [7]
População 31 624 hab. (GO: 110º) –  estimativa populacional - IBGE/2018[8]
Densidade 16,85 hab./km²
Altitude 570 m
Clima semiárido [9] Bsh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,657 médio PNUD/2000 [10]
PIB R$ 125 583,507 mil IBGE/2008[11]
PIB per capita R$ 3 882,14 IBGE/2008[11]
Página oficial
Prefeitura www.espinosa.mg.gov.br
Câmara www.espinosa.mg.leg.br

Espinosa é um município brasileiro do estado de Minas Gerais.

História

Várias histórias fazem parte do contexto histórico da cidade de Espinosa: Uma delas é que um Israelita, chamado Heitor Antunes, tenha sido um dos primeiros judeus a vir para o norte de Minas Gerais. Seus restos mortais encontram-se no Cemitério Israelita de Belo Horizonte.

Outra história é a da "Finada Amélia" que foi assassinada por seu marido, cuja sepultura fica à beira da avenida principal da cidade. Nela são feita romarias, queimam-se velas e foi erguida uma capela por um devoto, por ela ser uma alma milagrosa.[12]

Espinosa (na época: Lençóis ou Lençóis do Rio Verde), antigo distrito (criado em 1872 e 1891) subordinado ao município de Boa Vista do Tremendal (hoje: Monte Azul), foi elevado à vila com a denominação de Espinosa pela lei estadual nº 843, de 7 de setembro de 1923 e instalado em 9 de março de 1924.[13]

Geografia

Clima

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1974 a 1987 e a partir de 1991, a menor temperatura registrada em Espinosa foi de 9,2 °C em 21 de junho de 1978,[14] e a maior atingiu 40,3 °C em 5 de outubro de 2015.[15] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 126,7 milímetros (mm) em em 19 de março de 1997. Outros grandes acumulados iguais ou superiores a 100 mm foram 116,4 mm em 16 de janeiro de 2002, 115,8 mm em 9 de dezembro de 1987, 115,3 mm em 26 de dezembro de 2002, 104,4 mm em 15 de fevereiro de 2007 e 101,8 mm em 5 de dezembro de 1983.[16] Janeiro de 1992, com 450,2 mm, foi o mês de maior precipitação.[17]

Dados climatológicos para Espinosa
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 38,6 39,1 38,1 38,8 36,9 36,3 34,9 37 39,1 40,3 39,8 39 40,3
Temperatura máxima média (°C) 31 32 31,6 31 30,4 29,1 28,9 30,3 31,9 32,6 31,1 30,8 29,9
Temperatura média compensada (°C) 25,4 25,9 25,6 25 23,8 22,4 22,2 23,5 25,4 26,4 25,6 25,3 24,7
Temperatura mínima média (°C) 20,8 21,2 21,1 20,3 18,3 16,6 16,3 17,5 19,8 21,2 21,3 21 19,6
Temperatura mínima recorde (°C) 15,8 15,3 15 14,9 11,6 9,2 9,6 9,6 11,6 16,3 15,8 16,4 9,2
Precipitação (mm) 129,4 80 109,4 40,5 9,3 1,2 1,3 1,8 10,4 48,5 135,1 172,7 739,6
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 8 6 7 4 1 0 0 0 2 3 9 10 50
Umidade relativa compensada (%) 71,3 67,6 69,8 67,2 61,9 58,3 55,1 50,3 49,8 52,9 65,6 70,5 61,7
Horas de sol 231,6 232,6 242,4 238,2 260,4 254 270 288,5 261,9 242,9 192,8 198,4 2 913,7
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[18]
recordes de temperatura: 01/03/1974 a 31/12/1987 e 01/01/1991-presente)[14][15]

Economia

O setor industrial do município é composto por cerâmicas, por fábrica de laticínios e confecções. No comércio destacam-se lojas e supermercados.

No passado a produção do algodão era destaque na cidade, mas hoje existem várias usinas abandonadas devido ao fim do ciclo do algodão, provocado pela destruição das lavouras pelo inseto conhecido por "bicudo".

Agora a cidade se prepara para a implantação de um polo industrial, que terá como base o mercado têxtil.

Referências

  1. «IBGE Cidades@». O Brasil Município por Municipio. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 19 de agosto de 2009. Arquivado do original em 30 de abril de 2012 
  2. Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC). «Lista por santos padroeiros» (PDF). Descubra Minas. p. 1. Consultado em 14 de setembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 14 de setembro de 2017 
  3. Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. «Busca Faixa CEP». Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  4. «Espinosa». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 20 de fevereiro de 2017 
  5. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  6. «distancias-bhmunicipios». Distâncias BH/Municípios. Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER/MG). Consultado em 19 de agosto de 2009. Arquivado do original em 21 de agosto de 2009 
  7. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  8. «Estimativa populacional 2018» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  9. «World Map of the Köppen-Geiger climate classification». World Map of the Köppen-Geiger climate classification. Institute for Veterinary Public Health. Consultado em 24 de fevereiro de 2010 
  10. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  11. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  12. Daniel Antunes Júnior, "Lençóis do Rio Verde, Crônica do Meu Sertão", Editora Comunicação.
  13. «IBGE - cidades@ - Histórico - ESPINOSA (mg)». ibge.gov.br. Consultado em 14 de junho de 2012 
  14. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Espinosa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 1 de julho de 2018 
  15. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Espinosa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 1 de julho de 2018 
  16. «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Espinosa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 1 de julho de 2018 
  17. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Espinosa». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 1 de julho de 2018 
  18. «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 1 de julho de 2018 

Ligações externas

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.