Espigão Mestre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde abril de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Espigão Mestre é uma formação do relevo brasileiro, localizada na divisa dos estados de Minas Gerais, Bahia, Goiás, Tocantins e Piauí[1] e das regiões Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste[2].

A grande "serra" do chamado Espigão Mestre, que no passado se julgava a espinha dorsal do relevo brasileiro, é, na verdade, um extenso chapadão, divisor de águas, entre as bacias do Tocantins e do São Francisco onde nascem vários de seus afluentes, onde predominam grandes áreas de solos estéreis. O lado franciscano oriental é claramente menos antigo que o lado ocidental, bem mais acidentado e abrupto ou desgastado há maior tempo seguido pela bacia vizinha (em estágio mais avançado ainda de desgaste que o Tocantins está o Araguaia, que parece escavar o planalto Central há mais tempo ainda - nos mapas topográficos detalhados e outros fica claro tais padrões). Isso explica por exemplo por que o platô do alto São Francisco é da zonas mais altas do país na média e menos antigas ou desgastadas em contraste com o resto, o padrão de bacia menos antiga persiste mesmo em latitudes mais antigas comparadas a bacias vizinhas. O pico amazonense tem padrão morfológico andino residual, razão pela qual foge tanto do que se vê no plato Oriental quanto nos demais.[3]

Referências

  1. «Goiás». Rubens Otoni 
  2. «Região Centro-Oeste». Brasil Geográfico 
  3. «S.O.S São Francisco». Fundaj 
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.