Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Região Metropolitana do Rio de Janeiro
Localização
Localização da Região Metropolitana do Rio de Janeiro
Rio de Janeiro, satellite image, LandSat-5, 2011-05-09 (cropped).jpg
Unidade federativa  Rio de Janeiro
Lei Lei Complementar nº20
Data da criação 1 de julho de 1974
Número de municípios 21 [1]
Cidade-sede Rio de Janeiro
Características geográficas
Área 6 744,634 km²[2]
População 12 330 186 hab. () Estimativa Populacional IBGE/2016[3]
Densidade 1 828,15 hab./km²
IDH 0,771 – alto PNUD/2010[4]
PIB R$ 404,37 bilhões IBGE/2013[5]
PIB per capita R$ 33.856,54 IBGE/2013[5]

A Região Metropolitana do Rio de Janeiro, também conhecida como Grande Rio, foi instituída pela Lei Complementar nº20, de 1º de julho de 1974, após a fusão dos antigos estados do Rio de Janeiro e da Guanabara, unindo as então regiões metropolitanas do Grande Rio Fluminense e da Grande Niterói. Com 12 330 186 habitantes em 2016,[3] é a segunda maior área metropolitana do Brasil, terceira da América do Sul e 20ª maior do mundo (Censo 2010).[6] O termo Grande Rio refere-se a extensão da capital fluminense em uma intensa conurbação com seus municípios vizinhos, uma mancha urbana contínua. Seus limites sofreram alterações, em anos posteriores, com a exclusão dos municípios de Petrópolis e São José do Vale do Rio Preto (1993), Itaguaí e Mangaratiba (julho de 2002) e Maricá (outubro de 2001)[7], que também faziam parte da RM, conforme a primeira legislação. Itaguaí e Maricá foram novamente incluídas no Grande Rio em outubro de 2009[8].

Apesar disso, há projetos para anexar Petrópolis a região novamente, pois está ligada a capital por laços políticos, além de concentrar grande avanço econômico, contendo uma das maiores economias, e IDH do estado[9]

Em dezembro de 2013, os municípios de Rio Bonito e Cachoeiras de Macacu foram incorporados à RM, devido a localização do COMPERJ, sediado no norte de Itaboraí, próximo aos limites com as duas cidades. Com a inclusão, o número de municípios passou para 21.[10]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Entre 1991 e 2005, as taxas de incremento médio anual da população foram de 0,82% (2000-2005) e 0,75% (1991-2000) na capital fluminense, e 1,05% (2000-2005) e 1,18% (1991-2000) na região metropolitana – o que indica, no geral, uma suave desaceleração na taxa de crescimento dos demais municípios, e um pequeno aumento na taxa da capital.[11]

Economia[editar | editar código-fonte]

A Região Metropolitana do Rio de Janeiro, tal como considerada pelo IBGE (incluídos os municípios de Itaguaí, Mangaratiba e Maricá), ostenta um PIB de R$ 404,37bilhões, constituindo o segundo maior polo de riqueza nacional.[5] Concentra 70% da força econômica do estado e grande parte de todos os bens e serviços produzidos no país.[5] Congrega o segundo maior polo industrial do Brasil, contando com refinarias de petróleo, indústrias naval, metalúrgicas, petroquímicas, gás-químicas, siderúrgicas, têxteis, gráficas, editoriais, farmacêuticas, de bebidas, cimenteiras e moveleiras. No entanto, as últimas décadas atestaram uma nítida transformação em seu perfil econômico, que vem adquirindo, cada vez mais, matizes de um grande pólo nacional de serviços e negócios.

Reúne os principais grupos nacionais e internacionais do setor naval e os maiores estaleiros do país e do estado – o qual detém cerca de 90% da produção de navios e de equipamentos offshore no Brasil.[12][13]

No setor de petróleo, verifica-se um arranjo consentâneo de mais de 700 empresas, dentre as quais as maiores do Brasil (Petrobras,YPF, Shell, Esso, Ipiranga, Chevron Texaco, El Paso). A maioria mantém centros de pesquisa espalhados por todo o estado e, juntas, produzem mais de 4/5 do petróleo e dos combustíveis distribuídos nos postos de serviço do território nacional.[13]

Municipios[editar | editar código-fonte]

Município[14] Área territorial (km²) [15] População (2016)[3] PIB (2013) [5] IDH-M (2010)[16] [17] Instalação Densidade (hab./km²)
Rio de Janeiro 1.199,828 6.498.837 R$282,5 bilhões 0,799

muito alto

01.07.1974
(LC N.020)
5.397,97
São Gonçalo 247,709 1.044.058 R$14,0 bilhões 0,739
alto
01.07.1974
(LC N.020)
4.190,73
Duque de Caxias 467,62 886.917 R$25,1 bilhões 0,711
alto
01.07.1974
(LC N.020)
1.887,71
Nova Iguaçu 519,159 797.435 R$13,2 bilhões 0,713
alto
01.07.1974
(LC N.020)
1.555,38
Niterói 133,916 497.883 R$19,9 bilhões 0,837
muito alto
01.07.1974
(LC N.020)
3.709,01
Belford Roxo 77,815 494.141 R$6,3 bilhões 0,684
médio
01.01.1993 5.919,49
São João de Meriti 35,216 460.541 R$6,5 bilhões 0,719
alto
01.07.1974
(LC N.020)
13.662,17
Magé 388,496 236.319 R$3,0 bilhões 0,709
alto
01.07.1974
(LC N.020)
604,41
Itaboraí 430,374 230.786 R$5,0 bilhões 0,700
alto
01.07.1974
(LC N.020)
532,11
Mesquita 41,477 171.020 R$1,8 bilhões 0,737
alto
2009
(LC 133/2009)
4.116,76
Nilópolis 19,393 158.319 R$2,5 bilhões 0,753
alto
01.07.1974
(LC N.020)
8.163,20
Maricá 362,571 149.876 R$7,1 bilhões 0,765
alto
2009
(LC 133/2009)
404,19
Queimados 75,695 144.525 R$3,6 bilhões 0,680
médio
01.01.1993 1.573,99
Itaguaí 274,433 120.855 R$7,0 bilhões 0,715
alto
01.07.1974
(LC N.020)
523,38
Japeri 81,869 100.562 R$999,8 milhões 0,659
médio
01.01.1993 1.219,79
Seropédica 283,766 83.667 R$1,8 bilhões 0,713
alto
01.01.1997 292,11
Rio Bonito 465,455 57.963 R$1,3 bilhões 0,772
alto
27.12.2013 123,78
Guapimirim 360,766 57.105 R$721 milhões 0,700
alto
01.01.1993 156,65
Cachoeiras de Macacu 953,801 56.603 R$1,05 bilhões 0,752
alto
27.12.2013 5,90
Paracambi 179,772 50.071 R$600 milhões 0,720
alto
01.07.1974
(LC N.020)
275,47
Tanguá 145,503 32.703 R$456 milhões 0,654
médio
01.01.1997 222,85
Total 6.744,634 12.330.186 R$404 bilhões
1.820,81

Referências

  1. Municípios
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  3. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2016). «Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data referência em 1º de julho de 2016». Arquivado desde o original (PDF) em 30 de agosto de 2016. Consultado em 07 de setembro de 2016. 
  4. PNUD (2014). «Ranking de todas as RMs». Seção Região Metropolitana. Atlas do desenvolvimento Humano do Brasil. Consultado em 5 de dezembro de 2014. 
  5. a b c d e «IBGE : Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística». www.ibge.gov.br. Consultado em 2016-01-20. 
  6. «World Gazetteer – Welt: Ballungsräume». Consultado em 27 de maio de 2008. 
  7. «Anuário Estatístico 2005 – Seção I: Territórios». Fundação CIDE. Agosto de 2005. Consultado em 27 de maio de 2008. 
  8. «Itaguaí passa a integrar a Região Metropolitana do Rio». Consultado em 22 de outubro de 2009. 
  9. MELLO, Ramon (1º de setembro de 2013). «Petrópolis e a Região Metropolitana, por Ramon Mello». PSDB - Rio de Janeiro. Consultado em 28 de setembro de 2016. 
  10. «Rio Bonito e Cachoeiras de Macacu agora fazem parte da Região Metropolitana». O Globo. 27 de dezembro de 2013. Consultado em 06 de abril de 2014. 
  11. «Indicadores Demográficos do Brasil». Ministério da Saúde. 2006. Consultado em 27 de maio de 2008. 
  12. «Secretário destaca retomada da indústria naval». Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval). 30 de agosto de 2007. Consultado em 27 de maio de 2008. 
  13. a b «Estudos e Pesquisas N. 180». Instituto Nacional de Altos Estudos (INAE). 10 de maio de 2007. Consultado em 27 de maio de 2008. 
  14. Lei Complementar Estadual nº133 de 2009
  15. http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/areaterritorial/area.shtm. Visto em 7/Mai/2016.
  16. «WebCart - IBGE». www.ibge.gov.br. Consultado em 2016-01-30. 
  17. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2013. Consultado em 11 de agoto de 2013. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. IBGE (30 de agosto de 2016). «População das Regiões Metropolitanas, Regiões Integradas de Desenvolvimento e Aglomerações Urbanas com mais de Um Milhão de Habitantes». Consultado em 09 de setembro de 2016.