Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Applications-development current.svg
Este artigo ou seção contém informações sobre uma construção atualmente em andamento.

É provável que contenha informações de natureza especulativa, e seu conteúdo pode mudar drasticamente e frequentemente com o progresso da construção novas informações estarão disponíveis.


Linha 4 - Amarela
Inauguração 30 de junho de 2016 (5 meses)
Estações 7 (1 em expansão)
Bitola Larga
Estado Em serviço
Unknown route-map component "utKINTa" + Hub
Unknown route-map component "utKINTe" + Hub
Ipanema/General Osório (conexão c/ Linha 1)
Urban tunnel station on track
Nossa Senhora da Paz
Transverse water Urban tunnel below water Transverse water
Canal do Jardim de Alah
Urban tunnel station on track
Jardim de Alah
Urban tunnel station on track
Antero de Quental
Unknown route-map component "uextSTRrg" Unknown route-map component "uetABZrf"
Unknown route-map component "uextBHF" Urban tunnel straight track
Gávea
Unknown route-map component "uextSTRlf" Unknown route-map component "uetABZlg"
Urban tunnel station on track
São Conrado
Transverse water Urban bridge over water Transverse water
Ponte estaiada sobre o Canal da Joatinga
Bus station Unknown route-map component "utKINTe"
Jardim Oceânico (conexão c/ BRT TransOeste)

A Linha 4 é uma linha recentemente inaugurada do metrô do Rio de Janeiro que conecta a estação General Osório, na zona sul, à estação Jardim Oceânico, a primeira localizada na Barra da Tijuca e na zona oeste da cidade, passando por vários bairros por onde hoje circulam algumas das linhas de ônibus do serviço especial "Metrô na Superfície" e da integração "Barra Expresso".[1][2]

Informações gerais[editar | editar código-fonte]

A Linha 4 possui capacidade para transportar mais de 300 mil passageiros por dia, ligando General Osório a Jardim Oceânico em 15min31seg.[3] A Linha 4 foi inaugurada antes do início dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016 juntamente com as cinco estações — Jardim Oceânico, São Conrado, Antero de Quental, Nossa Senhora da Paz e Jardim de Alah. O custo do projeto para a construção dos 16 quilômetros da Linha 4 está estimado em R$ 8,5 bilhões. R$ 7,5 bilhões virão do tesouro estadual, da União e de financiamentos, e R$ 1 bilhão virá do consórcio Rio Barra, responsável pelas obras, por meio da compra de material rodante, equipamentos de segurança e sinalização[4]. Um conjunto de 15 novos trens será utilizado na linha, que será operada pela concessionária MetrôRio[5].

Controvérsias do Trajeto[editar | editar código-fonte]

No canto superior direito, embocadura do túnel no Morro do Focinho do Cavalo, próximo à estação Jardim Oceânico, em junho de 2012

Pensou-se em fazer a ligação à Barra da Tijuca a partir de Botafogo, passando por Jardim Botânico e Gávea. Porém, durante a inauguração do canteiro de obras da Linha 1A, na Cidade Nova, o governador Sérgio Cabral Filho afirmou que o novo projeto do Estado para a linha 4 seria fazer o trajeto Jardim Oceânico - General Osório:

Isto gerou controvérsias, devido a estudiosos[quem?] julgarem mais prudente construir uma linha transversal, saindo da Barra em direção à linha 2, passando por Jacarepaguá e Méier. Outra opinião[7] sustentava que a Linha 4 deveria ir da Barra ao Centro, via Zona Sul, mas como uma linha independente da Linha 1, fazendo com esta alguns pontos de baldeação.

Obras[editar | editar código-fonte]

Trem da linha 4 do metrô do Rio de Janeiro, apresentado em 05/02/2015. Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

As obras da Linha 4 do metrô do Rio de Janeiro foram inauguradas na Barra da Tijuca, no dia 20 de março de 2010[8]. As escavações propriamente ditas começaram no dia 26 de junho de 2010, com a perfuração do Morro do Focinho do Cavalo, parte integrante do Maciço da Tijuca[9]. Os trabalhos prosseguiram apenas na etapa Barra - Gávea até julho de 2012, quando foi iniciada a sondagem do solo no trecho Gávea - General Osório, cujos primeiros canteiros foram instalados em outubro do mesmo ano[10]. O último canteiro de obras a ser instalado foi o da estação Gávea, em julho de 2013[11].

No dia 23 de fevereiro de 2013, as estações Cantagalo e General Osório da Linha 1 foram temporariamente fechadas para que as obras pudessem prosseguir.[12][13] A estação Cantagalo foi reaberta menos de um mês depois, operando somente por meio de um serviço especial que partia da estação Siqueira Campos, temporariamente transformada em estação terminal da Linha 1.[13] Essa operação durou até o 11 de dezembro de 2013, uma quarta-feira, quando a estação Cantagalo voltou a receber os trens que circulavam no restante da linha.[14] No domingo seguinte, 15 de dezembro, a estação General Osório foi reaberta e voltou a funcionar como ponto final da Linha 1.[15][16]

O túnel de 5 km entre as estações São Conrado e Jardim Oceânico, o mais extenso túnel entre estações de metrô do mundo, foi concluído no dia 9 de dezembro de 2013.[17]

O trecho General Osório - Gávea, de 5 km de extensão, está sendo escavado por meio de uma TBM "Tunnel Boring Machine", fabricante Herrenknecht, Alemanha, tuneladora, equipamento chamado no Brasil de tatuzão. A máquina, que perfura de 15 a 18 metros de túnel diários, começou a operar no dia 23 de dezembro de 2013.[18]

Inauguração[editar | editar código-fonte]

A Linha 4 do Metrô foi inaugurada em 30 de julho de 2016, com as presenças do presidente interino Michel Temer, do governador Luís Fernando Pezão, além do prefeito Eduardo Paes[19]. Porém, só será aberta à população em geral no dia 17 de setembro, quando se encerrarem os Jogos Paralímpicos de 2016 e durante essas competições, só embarcará quem possuir um ingresso para os jogos ou fizer parte da família olímpica[20].

Estações[editar | editar código-fonte]

As seis novas estações foram construídas em cinco bairros das zonas Sul e Oeste[21].

Sigla[carece de fontes?] Estação Inauguração Integração Plataformas Posição Notas | Arredores Bairro
IGO General Osório 2009 (Linha 1)

2016 (Linha 4)

Linhas 1 e 2 Laterais e Central Subterrânea Parque Garota de Ipanema, Praia de Ipanema, Complexo Rubem Braga Ipanema
NSP Nossa Senhora da Paz 2016 Laterais Subterrânea Igreja N. Sra. da Paz, Praça N. Sra. da Paz, Praia de Ipanema
JAL Jardim de Alah 2016 Laterais Subterrânea Jardim de Alah, Lagoa Rodrigo de Freitas, Shopping Leblon, Rio Design Leblon Leblon
LBL Antero de Quental 2016 Laterais Subterrânea Praça Antero de Quental, Avenida Bartolomeu Mitre
GAV Gávea 2018 (Previsão) Subterrânea PUC-Rio, Shopping da Gávea, Planetário do Rio de Janeiro, Hospital Municipal Miguel Couto Gávea
SCD São Conrado 2016 Central Subterrânea São Conrado Fashion Mall, Praia de São Conrado, Rocinha São Conrado
JOC Jardim Oceânico 2016 BRT TransOeste Laterais Subterrânea Shopping Barra Point, Praia do Pepê, Praça Prof. José Bernardino, Delegacia da Barra, sub-bairro Jardim Oceânico Barra da Tijuca

Detalhes[editar | editar código-fonte]

  • Ipanema
    • General Osório - Surgiu pela ampliação da estação já existente da Linha 1, contando com uma nova plataforma de embarque e desembarque.
    • Estação Nossa Senhora da Paz - Construída na praça de mesmo nome, na região central de Ipanema. Os dois acessos foram construídos fora da área gradeada da praça, próximos às esquinas das ruas Maria Quitéria e Joana Angélica com a rua Visconde de Pirajá[22].
  • Leblon
    • Estação Jardim de Alah - Teria quatro acessos junto ao parque homônimo e ao Shopping Leblon, mas só foram construídos e inaugurados dois.
    • Estação Antero de Quental - Construída na praça que lhe dá nome, com acessos localizados nas ruas Bartolomeu Mitre e Ataulfo de Paiva[21].
  • Gávea
    • Estação Gávea - Ficará próxima à PUC-Rio e está sendo construída com duas plataformas paralelas de trilhos independentes, de modo que no futuro possa abrigar outra linha do metrô, abrindo espaço para a construção da Linha 5.[23] Esta estação não ficou pronta para os Jogos Olímpicos. Devido à crise financeira do Rio de Janeiro a data prevista para a inauguração desta estação é depois de 2017.
  • São Conrado
  • Jardim Oceânico

Expansões futuras[editar | editar código-fonte]

A Estação Gávea está sendo construída de modo a operar com duas linhas. A ideia seria que o sistema se prolongasse com estações nos bairros do Jardim Botânico, Humaitá e Laranjeiras em direção ao Centro. O projeto ficou inviabilizado após a falência do Estado do Rio de Janeiro, em razão da má gestão. Um sonho futuro, cada vez mais distante da realidade dos moradores da cidade, era a ligação da Estação Gávea, por baixo do maciço do Corcovado, até a Estação Uruguai, fechando o que seria o primeiro anel metroviário na cidade do Rio de Janeiro. [24][25]

Referências

  1. «Metrô + Metrô na Superfície». Concessão Metroviária do Rio de Janeiro S.A. Consultado em 29 de outubro de 2013. 
  2. «Metrô + Barra Expresso». Concessão Metroviária do Rio de Janeiro S.A. Consultado em 29 de outubro de 2013. 
  3. «Linha 4 do metrô do Rio ligará Barra a Ipanema em 13 minutos». G1. 18 de novembro de 2011. Consultado em 29 de outubro de 2013. 
  4. Luiz Ernesto de Magalhães (3 de dezembro de 2012). «Construção da Linha 4 do metrô custará 70% a mais do que o estimado inicialmente». O Globo. Consultado em 29 de outubro de 2013. 
  5. «Iniciado processo de produção dos trens da linha 4 do metrô». Grupo Invepar. 20 de setembro de 2013. Consultado em 15 de outubro de 2013. 
  6. Agência Rio de Notícias (publicação original). «Cabral inaugura obras de extensão da linha 2 do metrô». JusBrasil. Consultado em 29 de outubro de 2013. 
  7. «O que o Movimento propõe». Movimento Metrô que o Rio Precisa. 27 de outubro de 2011. Consultado em 29 de outubro de 2013. 
  8. «André Corrêa acompanha início das obras da Linha 4 do Metrô». Deputado Estadual André Corrêa. 21 de março de 2010. Consultado em 29 de outubro de 2013. 
  9. «Começa escavação para linha 4 do metrô do Rio». G1. 26 de junho de 2010. Consultado em 29 de outubro de 2013. 
  10. «Metrô avança na Zona Sul». Concessionária Rio Barra S.A. 20 de outubro de 2012. Consultado em 29 de outubro de 2013. 
  11. «Linha 4: Canteiro de obras da estação Gávea é instalado». Concessionária Rio Barra S.A. 30 de julho de 2013. Consultado em 29 de outubro de 2013. 
  12. Isabela Marinho (21 de fevereiro de 2013). «Estações Cantagalo e General Osório serão fechadas para obras da Linha 4». G1. Consultado em 1º de março de 2013. 
  13. a b «Obras da Linha 4 alteram rotina dos cariocas». Concessão Metroviária do Rio de Janeiro S.A. 8 de março de 2013. Consultado em 29 de outubro de 2013. 
  14. «Estação Cantagalo volta à operação normal». Concessão Metroviária do Rio de Janeiro S.A. 11 de dezembro de 2013. Consultado em 18 de dezembro de 2013. 
  15. «MetrôRio reabre Estação General Osório». Concessão Metroviária do Rio de Janeiro S.A. 14 de dezembro de 2013. Consultado em 18 de dezembro de 2013. 
  16. Alba Valéria Mendonça (15 de dezembro de 2013). «Estação do metrô em Ipanema, no Rio, reabre com sinalização bilíngue». G1. Consultado em 18 de dezembro de 2013. 
  17. Renata Soares (9 de dezembro de 2013). «Obra do primeiro túnel da Linha 4 do metrô no Rio é concluída». G1. Consultado em 4 de janeiro de 2014. 
  18. «Tatuzão começa a perfurar túnel da linha 4 do metrô; obras devem acabar em 2015». R7. 23 de dezembro de 2013. Consultado em 4 de janeiro de 2014. 
  19. G1. «Com Temer e Pezão, Linha 4 do Metrô no Rio é inaugurada». Consultado em 30/07/2016. 
  20. Selma Schmidt, para O Globo. «Linha 4 começa a operar a partir de segunda-feira para atender aos Jogos». Consultado em 30/07/2016. 
  21. a b c «O que é o projeto». Concessionária Rio Barra S.A. Consultado em 15 de outubro de 2013. 
  22. «Linha 4: Nova arquitetura da estação N. Sra da Paz preserva árvore mais antiga da praça». Concessionária Rio Barra S.A. 26 de janeiro de 2013. Consultado em 31 de outubro de 2013. 
  23. «Comunicado: construção da estação Gávea». Concessionária Rio Barra S.A. 14 de agosto de 2013. Consultado em 15 de outubro de 2013. 
  24. Marco Grillo (13 de agosto de 2013). «Futura estação de metrô Gávea não será mais em dois níveis». O Globo. Consultado em 26 de dezembro de 2013. 
  25. Célia Costa (11 de janeiro 2013). «Estado pensa em levar metrô também ao Recreio, afirma Pezão». O Globo. Consultado em 17 de janeiro 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]