Japeri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Japeri
Centro comercial de Engenheiro Pedreira

Centro comercial de Engenheiro Pedreira
Bandeira de Japeri
Brasão de Japeri
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 30 de junho
Fundação 30 de junho de 1991 (25 anos)
Gentílico japeriense
Prefeito(a) Carlos Moraes (PP) (2017-2020)
Localização
Localização de (Sem nome)
Localização de Japeri no Rio de Janeiro
Japeri está localizado em: Brasil
Localização de Japeri no Brasil
22° 38' 34" S 43° 39' 10" O22° 38' 34" S 43° 39' 10" O
Unidade federativa  Rio de Janeiro
Mesorregião Metropolitana do Rio de Janeiro IBGE/2008 [1]
Microrregião Rio de Janeiro IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Rio de Janeiro
Municípios limítrofes Miguel Pereira, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados e Seropédica
Distância até a capital 70 km
Características geográficas
Área 82,832 km² [2]
População 95 391 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 1 151,62 hab./km²
Altitude 30 m
Clima Tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,659 (RJ: 84º) – médio PNUD/2010
PIB R$ 509 009,783 mil IBGE/2008[4]
PIB per capita R$ 5 087,30 IBGE/2008[4]
Página oficial

Japeri é um município da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil. Localiza-se a 22º38'35" de latitude sul e 43º39'12" de longitude oeste, a 30 metros de altitude. A população verificada na contagem de 2009 foi de 101 690 habitantes[5]. Ocupa uma área de 82,954 km², limitada pelos municípios de Paracambi, Seropédica, Queimados, Miguel Pereira e Nova Iguaçu. Banhado pelos rios Guandu, Santana, Rio dos Poços, Rio d'Ouro, Santo Antônio, Ribeirão das Lages e São Pedro, é cortado pela RJ-125, chamada "Rodovia Ary Schiavo" a partir de 9 de fevereiro de 1993, segundo a Lei 2 069, e também pelo Arco Metropolitano. Os japerienses pertencem linguística e culturalmente à família dos cariocas, grupo ao qual pertence mais de 70% da população do moderno Estado do Rio de Janeiro [6].

Topônimo[editar | editar código-fonte]

Existem duas etimologias tupis propostas para "Japeri":

1) teria se originado de yaperi, termo tupi que significa "aquilo que flutua" e que designava uma planta semelhante ao junco que abundava nos pântanos da região;[7]

2) significaria "rio dos japis", pela junção dos termos tupis îapim (japi) e y (rio).[8]

História[editar | editar código-fonte]

Japeri

O primeiro nome conhecido da região hoje ocupada pela cidade foi "Engenho de Pedro Dias". Em seguida, mudou seu nome para "Belém", sendo pertencente à Freguesia da Sacra Família do Caminho Novo do Tinguá. O primeiro núcleo de povoamento da região se formou ao redor da Capela de Nossa Senhora de Belém e do Menino Deus[9].

É conhecido, principalmente, por estar localizado e ser a última estação do maior ramal da Estrada de Ferro Central do Brasil, cujo edifício histórico, além de inspirar uma das imagens do brasão municipal, já foi estampa de selos no Brasil. A construção data de 1858 e foi incorporada à Estrada de Ferro Central do Brasil em 1903. Foi a primeira parada das composições para São Paulo (entre elas, o Trem de Prata). Um raio destruiu parte do prédio histórico, nos meados dos anos 1980.

A Lei 1 472, de 28 de abril de 1952, elevou a região à condição de distrito do município de Nova Iguaçu, já com o seu atual nome: Japeri. A Lei 1 902, de 2 de dezembro de 1991, conferiu-lhe a condição de município independente[9].

Política[editar | editar código-fonte]

Na figura do 6º distrito de Nova Iguaçu, Japeri emancipou-se daquela cidade em 30 de junho de 1991, através de plebiscito estabelecido anteriormente pela Constituição Estadual de 1988. Desde então, a localidade tem experimentado os desafios da autonomia política. Os prefeitos e as legislaturas que governaram o município não conseguiram barrar o crescimento desordenado, prevalecendo ainda problemas com trânsito, transporte, água e esgoto, habitação, e educação[necessita de fontes]. Moradores apontam como causa principal dos problemas locais a inércia para o interesse público e a corrupção muito forte. A crise político-econômica que sucedeu a Copa do Mundo de 2014, acentuou drasticamente problemas de segurança, trazendo para a até então pacata cidade do limiar da Baixada Fluminense, os flagelos de outras grandes cidades como noticiário de ônibus queimados, roubos e assaltos

Economia[editar | editar código-fonte]

Hoje, o município dispõe de crescente número de lojas comerciais e serviços importantes, como comércio e bancos, não obstante todas as agências estarem localizadas no bairro de Engenheiro Pedreira, a 10 km do Centro e sede da cidade. Apresenta certa aptidão para o lazer, em virtude de sua localização às portas da Serra do Mar, a caminho de cidades importantes do Centro-Sul, como Miguel Pereira, Paty do Alferes e microrregião de Vassouras, do Pico da Coragem, com rampas utilizadas para prática de voo livre, e de sua destacada bacia hidrográfica, já que em seu território passa a maior parte das águas que abastece a região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro, incluindo o Rio Guandu que ganha seu nome a partir da divisa com Paracambi. Há diversas opções de lazer ecológico, como trilhas e cachoeiras. Paradoxalmente, diversos bairros da cidade, incluindo o Centro, sofrem com falhas duradouras do serviço de distribuição de água por parte da CEDAE, companhia estadual responsável, obrigando moradores a recorrer a carros-pipa com frequência, especialmente aquele atendidos pelo antigo Sistema do Rio São Pedro, cuja construção remonta ao Imperador Dom Pedro II nas obras empreendidas pelo Engenheiro Francisco de Paula Bicalho, em 1877, a fim de ampliar o sistema de abastecimento na capital. Nas proximidades de Engenheiro Pedreira, encontra-se o primeiro campo de golfe público do país, abonado pela Federação de Golfe do Estado do Rio de Janeiro, cujas dimensões foram reduzidas após as obras de construção do Arco Metropolitano, que divide o território da cidade ao meio. A atividade industrial tem aparecido no município, nos últimos anos, graças às políticas públicas de incentivo, que levaram em conta a permissão de desgaste social e ambiental, a renúncia fiscal e a participação estatal. Em Japeri, situa-se uma planta da Casa Granado, tradicional empresa de cosméticos e produtos farmacêuticos.

Educação[editar | editar código-fonte]

Há escolas de ensino fundamental e médio, públicas e particulares, porém nenhum campus universitário. No setor educacional, os resultados do IDEB têm sido apontados como ruins, o que é compartilhado por vizinhos da região metropolitana. Em 2016, a rede de ensino fundamental não atingiu as metas estipuladas no Índice de Desenvolvimento. O Estado, como um todo, apresentou resultados que revelam estagnação das notas obtidas anteriormente. O índice de desenvolvimento humano, índice da Organização das Nações Unidas que mensura o desenvolvimento social, baseado em avaliações de renda, educação e longevidade, posiciona o município entre as 10 piores colocações no Rio de Janeiro, o qual possui 92 municípios.[10]

Transporte[editar | editar código-fonte]

Cortam o município as rodovias RJ-125 (Ary Schiavo), que liga a BR-493 (Arco Metropolitano) e BR-116 (Dutra) à microrregião de Vassouras, a RJ-093, que liga a Dutra à cidade vizinha de Paracambi, com mais acessos a BR-493 que atravessa a cidade, na altura do Bairro Santa Inês, onde está a Prefeitura Municipal, o Fórum e a 63ª Delegacia Policial. Há linhas de ônibus regulares ligando Japeri a cidades da região Centro-Sul, como Miguel Pereira e Paty do Alferes (Arcozelo), serviço provido pela empresa Blanco. Existem também linhas rodoviárias para Nova Iguaçu, Queimados e Paracambi, operados ainda pelas empresas Expresso São Francisco e Fazeni, para onde há concorrência com o serviço de trens urbanos, existente na cidade há mais de um século e hoje administrado pela Supervia. Servem ao município duas estações: O Terminal Japeri, com ramais para a Central do Brasil e Paracambi, e a estação Engenheiro Pedreira, bairro que concentra a maior parte dos serviços e todas as agências bancárias da cidade. Ambas as estações possuem bicicletários,

Estação Ferroviária de Japeri[11]
  • Operadoras:
1858 - 1889: Estrada de Ferro Dom Pedro II
1889 - 1975: Estrada de Ferro Central do Brasil;
1975 - 1996: RFFSA Rede Ferroviária Federal S/A;
1996 - Atual: Supervia.
  • Nome original: Estação de Belém
  • Inauguração: 8 de novembro de 1858
  • Trânsito: Paracambi - Engenheiro Pedreira.
  • Distância da Capital: 61,749 km.
  • Situação: Operante.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Feriados municipais

Os feriados municipais ocorrem em 30 de junho (aniversário da cidade) e 8 de dezembro (dia de Nossa Senhora da Conceição, padroeira da cidade).

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. «Estimativas da população para 1 de julho de 2009». Estimativas de População. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 out. 2010. Consultado em 16 de agosto de 2009 
  6. Lucas, Jorge Alexandre (1 de janeiro de 2014). «Somos todos cariocas: identidade e pertencimentos no mundo globalizado». Revista Científica Ciência em Curso (em francês). 3 (2): 111–123. ISSN 2317-0077 
  7. http://www.cidades.com.br/cidade/japeri/003218.html
  8. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 580.
  9. a b http://www.japeri.rj.gov.br/omunicipio.htm
  10. «Declaração do Prefeito Eleito». Jornal O Dia. Consultado em 2 de janeiro de 2009 
  11. «Estações do Rio de Janeiro - Japeri». Site Estações Ferroviárias do Brasil. Consultado em 9 de setembro de 2008 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Tópicos relacionados[editar | editar código-fonte]