Leste Fluminense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mapa do estado do Rio de Janeiro mostrando os municípios pertencentes à região do Leste Fluminense (em vermelho).

O Leste Fluminense é a região do Estado do Rio de Janeiro que abrange a porção leste da Região Metropolitana do Rio de Janeiro (o Leste Metropolitano),[1] cuja população atual é de cerca de 2 milhões de habitantes, mais a Região das Baixadas Litorâneas (que, por sua vez, agrupa a Microrregião da Bacia de São João e a Região dos Lagos).

A região é composta por 16 municípios fluminenses: Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Tanguá, Maricá, (municípios do Leste Metropolitano),[2] Rio das Ostras, Casimiro de Abreu, Silva Jardim, Rio Bonito, Saquarema, Araruama, Iguaba Grande, São Pedro da Aldeia, Cabo Frio, Arraial do Cabo e Armação dos Búzios (municípios das Baixadas Litorâneas).[3][4]

Leste Metropolitano[editar | editar código-fonte]

O Leste Metropolitano, por vezes também chamado de Grande Niterói, difere muito do restante do Leste Fluminense. O território que compreende os municípios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Tanguá possui a maior concentração populacional da região, e foi pelos vetores de crescimento dessa área que a mancha urbana da metrópole se expandiu do núcleo (onde se concentra a oferta de trabalho) para a periferia, tendo essa área urbana de alta densidade demográfica, portanto, uma natureza econômica, ao contrário de outras áreas urbanas do Leste Fluminense.

A intensidade dos movimentos pendulares entre os municípios do Leste Metropolitano entre si, bem como entre esses municípios e a capital, é muito maior do que em outras partes da Região Leste Fluminense. Entre Niterói e São Gonçalo, por exemplo, ocorre o segundo maior fluxo de pessoas que fazem deslocamentos pendulares diários no Brasil, atrás, apenas, daquele que ocorre entre São Paulo e Guarulhos, na Grande São Paulo.[5][6]

CONLESTE[editar | editar código-fonte]

O Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento do Leste Fluminense - CONLESTE[7] é associação dos municípios do Leste Fluminense para obter contrapartidas da Petrobras para região por causa da implantação do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) nos municípios de Itaboraí e São Gonçalo. Definindo as principais reivindicações das regiões Metropolitana (porção leste) e Baixada Litorânea, com vistas à implantação do COMPERJ. As prioridades para Cachoeiras de Macacu, Casimiro de Abreu, Itaboraí, Guapimirim, Maricá, Magé, Niterói, Rio Bonito, São Gonçalo, Tanguá e Silva Jardim são nas áreas de saneamento, saúde, habitação, turismo, educação, mobilidade urbana, recursos hídricos, transporte, meio ambiente e segurança, listadas pelos especialistas nos grupos de trabalho de cada município.

Os municípios têm perdido recursos do governo federal por não apresentar, por exemplo, projetos de habitação e infraestrutura. Os municípios no entorno do Comperj terão grandes benefícios, como empregos e arrecadação de impostos, e sofrerão transformações significativas, com possíveis impactos sociais decorrentes da implantação do Complexo. Diante dessa perspectiva, os municípios da região criaram o Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento, para definir atuação de forma conjunta, diante dos problemas e vantagens que surgirão.

A sede, atualmente, é em Itaboraí, mas há uma proposta de mudança para Niterói, com o objetivo de facilitar o acesso dos prefeitos e outros representantes dos municípios do Conleste.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências