Ubá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para gramínea, veja Cana-do-rio. Para outros significados, veja Ubá (desambiguação).
Município de Ubá
"Cidade carinho"
A cidade iluminada.

A cidade iluminada.
Bandeira de Ubá
Brasão de Ubá
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 3 de julho
Fundação 3 de julho de 1857
Gentílico ubaense
Prefeito(a) Edson Teixeira Filho (PHS)
(2017–2020)
Localização
Localização de Ubá
Localização de Ubá em Minas Gerais
Ubá está localizado em: Brasil
Ubá
Localização de Ubá no Brasil
21° 07' 12" S 42° 56' 34" O21° 07' 12" S 42° 56' 34" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Zona da Mata IBGE/2008 [1]
Microrregião Ubá IBGE/2010 [1]
Municípios limítrofes Dores do Turvo, Senador Firmino, Divinésia, Visconde do Rio Branco, Guidoval, Rodeiro, Astolfo Dutra, Piraúba, Tocantins.
Distância até a capital 290 km
Características geográficas
Área 407,452 km² IBGE/2010 [2]
População 108 493 hab. IBGE/2013 [3]
Densidade 266,27 hab./km²
Altitude 338 m
Clima Tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,724 alto PNUD/2013 [4]
PIB R$ 1 376 386 mil IBGE/2010 [5]
PIB per capita R$ 13 564,99 IBGE/2010 [5]
Página oficial
Prefeitura www.uba.mg.gov.br

Ubá é um município do estado de Minas Gerais, no Brasil. É considerado o principal polo moveleiro do estado. Além dos móveis de qualidade, o município é reconhecido nacionalmente pela espécie de manga que leva o seu nome e cresce com fartura na região.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Ubá é o centro econômico da sua microrregião e de microrregiões próximas, atuando como centro sub-regional de nível A. No passado, foi um grande produtor e distribuidor de fumo, planta esta que ornamenta a bandeira do município. Hoje, concentra médias e grandes indústrias, principalmente de móveis e confecções, um comércio abundante e variado, além de apresentar um forte crescimento na prestação de serviços. É um dos municípios que mais crescem no interior do estado, sendo, assim, um dos que mais criam empresas e geram empregos.[carece de fontes?]

A cidade também é um centro cultural e de formação técnica e superior sub-regional, possuindo importantes instituições de ensino superior.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Não há consenso sobre a origem do nome da cidade. Existem duas hipóteses comumente aventadas:

  • derivaria do tupi antigo ubá, que significa "canoa[6] de uma só peça escavada em tronco de árvore".
  • derivaria de uma gramínea de folha estreita, longilínea e flexível (Gynerium sagittatum), comumente chamada de "ubá". Essa gramínea, hoje em extinção, existia em abundância em toda extensão das margens da ribeira que corta a cidade e era utilizada na confecção de cestos, gaiolas e outros objetos similares.

História[editar | editar código-fonte]

A colonização da Bacia do Rio Pomba[editar | editar código-fonte]

No final do século XVII, Capuchinhos Franceses ocupavam nove missões indígenas nos distritos dos índios Coroados, Coropós e Puris, dispostas desde a Serra do Geraldo até o Porto dos Diamantes. Os Capuchinhos, porém, foram expulsos do Brasil em 1617.

Versões diversas dizem que os jesuítas, a partir daquela data, tomaram, para si, tais missões e prosseguiram, com métodos mais brandos e suaves, à catequização dos silvícolas.

As várias tentativas dos portugueses em colonizar a região, habitada pelos Coroados, Coropós, Puris e Botocudos, terminavam sempre em sangrentas batalhas entre os verdadeiros donos da terra e os invasores brancos. Nos confrontos, utilizando flechas e machados contra armas de fogo, os índios eram gradativamente massacrados ou tornados prisioneiros para o trabalho escravo, principalmente em se tratando de jovens e mulheres.

As fortes pressões internacionais contra o genocídio convenceram o rei de Portugal a determinar que o governador Luís Diogo Lobo da Silva organizasse uma expedição na tentativa da aproximação amistosa com os índios. Dessa tarefa difícil, participaria aquele que conhecia as trilhas das matas, os costumes indígenas, e tinha familiaridade com eles: capitão Francisco Pires de Farinho, que seria um guia especial com função de comando. O desafio maior, porém, caberia a um vigário formado no Seminário de Mariana em 1757, padre Manoel de Jesus Maria, filho de um português com uma escrava índia: sua função seria catequizar os silvícolas.

A expedição de aldeamento chegou às margens do Rio Pomba em 25 de dezembro de 1767 e fixou-se no local onde seria erguida a igreja dedicada ao mártir São Manoel. Entre os anos de 1780 a 1790, padre Manoel chegou ao Ribeirão Ubá, onde viviam os índios Coroados, que usavam uma espécie de gramínea, a cana U-Uva, para fazer suas flechas. Por evolução linguística, U-Uva tornou-se Ubá. Nestas imediações, padre Manoel construiu uma capela que, mais tarde, depois de reconstruída por Antônio Januário Carneiro, recebeu o nome de São Januário, porque era o santo do dia do seu nascimento, acontecido em 19 de setembro de 1879.

Uma caminhada na história[editar | editar código-fonte]

O povoado surgiu na antiga Rua de Trás, hoje denominada Rua Santa Cruz, em 3 de novembro de 1815; em 7 de setembro de 1841, recebeu a denominação de "Capela de São Januário de Ubá". A Lei Provincial nº 854, de 17 de junho de 1853, tornou-a "Vila de São Januário de Ubá". A Lei nº 806, de 3 de julho de 1857, deu-lhe a categoria de cidade, com a atual denominação: UBÁ.

A Comarca de Ubá foi criada pela Lei Provincial nº 11, de novembro de 1892. Instalada em 23 de março de 1892.

Capela de São Januário[editar | editar código-fonte]

Antônio Januário Carneiro nasceu em Presidente Bernardes. Seguindo os impulsos de sua época, dedicou-se ao comércio. Comprando e vendendo produtos agrícolas da região, conseguiu estabelecer-se como abastado proprietário rural, sendo sua a iniciativa de doar terras para fundar o povoado que seria, mais tarde, a cidade de Ubá. Em sua Fazenda Boa Vista, hoje Fazenda Boa Esperança, Antônio Januário montou toda a infraestrutura necessária à construção da capela de São Januário, trazendo operários especializados de Presidente Bernardes e Piranga. Antes da construção da Capela, os operários construíram suas próprias casas próximas ao local onde a igreja seria erguida. Essas casas foram construídas onde hoje está situada a Rua Santa Cruz, antigamente chamada de Rua de Trás, por estar localizada atrás da igreja. Antônio Januário Carneiro morreu antes de terminar a construção da igreja, que foi terminada tempos depois por seu filho - Antônio Januário Carneiro Filho.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Ubá teve seu crescimento dentro de um vale e possui apenas 5% da sua área plana, sendo 55% ondulada e 40% montanhosa. A altitude varia entre 295 metros (Foz Córrego São Pedro) e 875 metros (Serra do Sacramento).

O município possui uma das maiores densidades demográficas da zona da mata. Esta densidade demográfica é facilmente visível nas regiões central, noroeste, leste e sudeste da cidade, onde se concentram os bairros mais populosos. A cidade possui mais de cem bairros em uma área urbana superior a trinta quilômetros quadrados, figurando entre as maiores do estado. A cidade possui três distritos: Diamante de Ubá, Ubari e Miragaia, que pouco contribuem para a sua população total. Cerca de 95% da população se concentra na zona urbana e apenas 5% na zona rural.

A maior parte do município encontra-se inserida na bacia do rio Paraíba do Sul e uma pequena porção na bacia do Rio Doce. A sede municipal dista, por rodovia, 290,88 quilômetros da capital Belo Horizonte, 284,31 quilômetros da cidade do Rio de Janeiro, e 580 quilômetros da cidade de São Paulo. A cidade se localiza praticamente no centro da zona da mata mineira.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima tropical de Ubá apresenta chuvas durante o verão e temperaturas médias anuais entre 18,2 °C e 31 °C. É considerada a cidade mais quente da Zona da Mata Mineira, podendo chegar facilmente aos 40 °C entre novembro e fevereiro.

Nuvola apps kweather.svg Médias meteorológicas para Ubá Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Média alta °C (°F) 32
(90)
32
(90)
32
(90)
29
(84)
28
(82)
26
(79)
27
(81)
28
(82)
29
(84)
29
(84)
30
(86)
31
(88)
Média diária °C (°F) 26
(79)
26
(79)
26
(79)
23
(73)
21
(70)
19
(66)
19
(66)
21
(70)
22
(72)
24
(75)
22
(72)
23
(73)
Média baixa °C (°F) 22
(72)
22
(72)
21
(70)
19
(66)
16
(61)
14
(57)
14
(57)
15
(59)
17
(63)
19
(66)
21
(70)
21
(70)
Precipitação mm (polegadas) 241
(9.49)
181
(7.13)
177
(6.97)
56
(2.2)
30
(1.18)
10
(0.39)
23
(0.91)
15
(0.59)
48
(1.89)
99
(3.9)
198
(7.8)
203
(7.99)
Fonte: The Weather Channel[7]

Economia e infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Ubá é a segunda principal cidade da zona da mata mineira, assim como o segundo centro industrial e comercial, atrás de Juiz de Fora. A cidade possui pouco mais de 1 000 estabelecimentos industriais de grande, médio e pequeno porte. Boa parte do produto interno bruto é representado pelo setor de serviços, mas a indústria desempenha o papel mais importante na economia do município, principalmente na fabricação de móveis e nas indústrias de vestuário e calçados.

A cidade é o maior polo moveleiro do estado de Minas Gerais e o terceiro do país, além de se firmar também como polo regional de confecção. A cidade sedia uma das principais feiras de móveis do país, a FEMUR (Feira de Móveis de Minas Gerais),[8] e o Arranjo Produtivo Local (APL) do segmento moveleiro é referência nacional em organização e desenvolvimento.

Possui, ainda, APL's nos setores de confecções, no setor turístico e de fruticultura. Na agropecuária, destacam-se a produção de cana-de-açúcar e a criação de galináceos.[9]

A cidade conta com um importante centro comercial e prestador de serviços que não se restringe somente à sua microrregião, o que o faz atuar também nas microrregiões limítrofes de Viçosa e Cataguases. Atualmente, se destacam, a nível comercial na cidade, as lojas de móveis, de eletroeletrônicos, de vestuários, de calçados, armarinhos e papelarias.

No setor de serviços, a cidade possui uma grande oferta de lanchonetes, bares e restaurantes, havendo ultimamente uma expansão dos serviços hoteleiros. A característica principal do comércio e prestação de serviços local é não se limitar apenas à região central da cidade, mas estar presente por quase toda a sua totalidade urbana.

Na área de comunicação em massa, conta com quatro emissoras de rádio, sendo duas em amplitude modulada (AM) e duas em frequência modulada (FM), além de uma emissora de televisão com programação local. São editados diversos periódicos impressos, entre jornais, revistas e informativos locais e regionais.

A cidade possui um importante papel na segurança pública na Zona da Mata, pelo fato de sediar o 21º Batalhão da Polícia Militar, intitulado "Sentinela da Zona da Mata". O batalhão é responsável pela segurança dos municípios situados nas microrregiões de Ubá e Viçosa e integra a 4ª Região Militar (RM), com sede em Juiz de Fora. Pela existência do batalhão, a cidade possui também a companhia da Polícia Ambiental e sedia a 2ª Companhia da Polícia Rodoviária, além de sediar a 3ª Companhia de Bombeiro Militar. A cidade sedia, também, a 2º Delegacia Regional de Segurança Pública, onde funcionam, em anexo, as Delegacias de Plantão e Atendimento à Mulher. A cidade conta também com um presídio e um Instituto Médico Legal (IML).

Por estar localizada no centro da Zona da Mata Mineira, a cidade era chamada de "cidade dos viajantes", pois estes se reuniam na cidade e dela partiam para as outras cidades da região. Em decorrência deste fato, a cidade acabou por concentrar órgãos públicos estaduais e federais, representando, assim, tanto a sua microrregião, assim como as microrregiões de Viçosa, Cataguases e Muriaé. Dentre vários órgãos públicos sediados na cidade, merece destaque o escritório regional do IEF (Instituto Estadual de Florestas) e da SUPRAM Zona da Mata, assim como outros órgãos interligados e de apoio, como o COPAM (Conselho Estadual de Política Ambiental); o SEMAD (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável); e o IGAM (Instituto Mineiro de Gestão das Águas). A cidade é sede também da 5ª Coordenadoria Regional do DER.

A cidade conta com quatro hospitais em funcionamento e um hospital onde funciona atualmente o núcleo regional de voluntários de combate ao câncer, além de uma policlínica regional. Conta também com dezenas de clínicas médicas, odontológicas entre outras.

As principais rodovias que cortam o município são a BR-265 e a MG-447. Do Terminal Rodoviário Deputado Felipe Balbi partem linhas de ônibus para os principais centros urbanos do Brasil. O Aeroporto de Ubá (ICAO: SNUB) teve uma expansão recente, com uma pista asfaltada de 1 400 metros por 30 metros de largura com balizamento noturno e pista de taxiamento, asfaltada, com dimensão de 65 metros por 15 metros. Conta também com pátio de aeronaves em concreto com 7 200 metros quadrados, Terminal de Passageiros com 500 metros quadrados, biruta, hangares, estacionamento para veículos e possui linhas de ônibus urbanos para o centro da cidade

Trânsito[editar | editar código-fonte]

Com uma frota de veículos de [10] veículos e uma média de 1 veículo para cada 2,23 habitantes, Ubá sofre atualmente com excesso de veículos, principalmente no horário de pico quando algumas ruas e avenidas ficam com um trânsito muito carregado. Obras estão sendo realizadas para redirecionar e reestruturar o trânsito carregado de Ubá.

Agências bancárias[editar | editar código-fonte]

Banco Agências
Banco do Brasil 1
Banco Santander 1
Caixa Econômica Federal 2
Banco Itaú 1
Banco Bradesco 2
Sicoob Credimur 2

Rádios[editar | editar código-fonte]

AM

FM

  • Rádio Líder 103,5
  • Rádio Educadora 94,5

Estações de televisão[editar | editar código-fonte]

TV Um - Canal 6 - Rede Minas

Saúde[editar | editar código-fonte]

  • A.B.C. - Hospital Santa Isabel
  • Hospital São Vicente de Paulo
  • Hospital Regional da FHEMIG - Colônia Padre Damião
  • Hospital São Januário
  • Hospital do Núcleo Regional de Voluntários de Combate ao Câncer
  • SAMU ( Serviço de Atendimento Móvel de Urgência )

Polo moveleiro[editar | editar código-fonte]

O polo moveleiro de Ubá, juntamente com outras oito cidades vizinhas (Guiricema, Guidoval, Piraúba, Rio Pomba, Rodeiro, São Geraldo, Tocantins e Visconde do Rio Branco), é considerado o principal de Minas Gerais. O polo formado, em sua maioria, por micro e pequenas indústrias faz do setor a principal atividade econômica da região e o mais importante arrecadador de impostos. Cerca de 20 mil empregos diretos e indiretos são gerados em aproximadamente 400 empresas que fazem parte do polo, porém o número de empresas do setor somente na cidade é superior a 500 empresas.

As indústrias moveleiras tiveram seu começo no início do século XX. O polo moveleiro começou com pequenas marcenarias que tiveram a iniciativa de fabricar móveis para suprir as necessidades do lar. Após a Segunda Guerra Mundial, João Rosignoli, instalou sua marcenaria no Lavapés. A primeira fábrica a operar em Ubá foi a dos Irmãos Trevizano, que progrediu e afamou-se na fabricação de móveis no rebuscado estilo chippendale.[11] A primeira fábrica a produzir em série foi a de José Francisco Parma, que fabricava armários, guarda-roupas, sofás e esquadrias.[12]

A madeira utilizada na fabricação de alguns móveis era extraída dos caixotes que vinham embalando mercadorias para o Armarinho Santo Antônio. Após José Francisco Parma abrir a primeira fábrica, a segunda foi a de Edgar e Edwar Cruz, que se juntaram com Luizinho Parma e criaram a firma Parma e Cruz. A terceira fábrica foi a de Maurício Singulane. José Francisco Parma incentivou seus amigos e parentes a também fabricarem móveis e associou-se a Agostinho Sales Amato e Louro Parma, surgindo, desta união, a firma J. Parma e Cia.

Em 1962, Otoci Vilela Eiras comprou, no Rio de Janeiro, um armário de aço. Ao chegar com o ele em sua residência, ficou perplexo com a utilização do aço em móveis. Desmontou-o e tornou a soldá-lo, surgindo, assim, a primeira fábrica de móveis de aço de Ubá. Em 1964, Carlos Costa Coelho vendeu-a para Lincoln Rodrigues Costa, que, na época, fabricava macarrão, passando então a fabricar móveis de aço e surgindo, assim, a Itatiaia Móveis de Aço S.A.

Em 1967, o jovem João Batista Flores convidou seu amigo Clóvis Serrano de Oliveira e montaram a Indústria de Móveis Apolo. A partir daí, as fábricas foram crescendo, realizando a grande visão de seu idealizador José Francisco Parma.

Educação[editar | editar código-fonte]

O município acabou se firmando também como um centro universitário, que se encontra em pleno crescimento.[carece de fontes?]

Uma das principais Universidades públicas do estado tem um câmpus em Ubá. A UEMG (Universidade do Estado de Minas Gerais) oferta 3 cursos de graduação na cidade, destacando-se o curso de Design de Produto, implantado para atender à demanda do polo moveleiro local. Também são ofertados os cursos de Química e Ciências Biológicas.

Outra instituição de atuação na cidade é a FUPAC (Fundação Presidente Antônio Carlos), que possui os cursos de Direito, Pedagogia, Administração, Ciências Contábeis, Enfermagem, Engenharia Civil, Engenharia da Produção, Farmácia, Fisioterapia, Psicologia e Tecnologia em Gestão Ambiental.

Já a FAGOC (Faculdade Governador Ozanam Coelho) é uma instituição de ensino superior originária da cidade. Oferece, em seu câmpus, 8 cursos de graduação - Direito, Administração, Ciência da Computação, Ciência Contábeis, Educação Física (bacharelado e licenciatura), Comunicação Social, Psicologia, Medicina e Técnico em Enfermagem, além de 10 cursos de pós-graduação lato sensu.

Existem, ainda, outras faculdades na cidade, voltadas para especialização ou cursos à distância. A cidade está na lista das contempladas com um polo avançado do Instituto Federal de Tecnologia (IFET).

Manga Ubá[editar | editar código-fonte]

Em meio à grande variedade de mangas existentes, uma delas é conhecida como Manga Ubá. Da família das Anacardiaceae, a espécie Mangifera indica L. cresce em abundância dentro da cidade e nos arredores, estando presente nos quintais das casas e na margem das rodovias. A Manga Ubá é dos mais antigos e espontâneos ícones da cidade. O saboroso fruto identifica Ubá como também a cidade identifica a manga. E não há ubaense que não se orgulhe disso.

Certamente não é bela como a manga rosa ou Tommy, pois tem um aspecto escurecido quando muito madura, mas é das mais doces e saborosas. Além de ser muito apreciada in natura, a manga é utilizada como ingrediente em muitas receitas de doces caseiros e industrializados.

Em 13 de dezembro de 2003, por meio do decreto número 4 258, o fruto foi oficialmente declarado "Patrimônio Natural de Ubá" e a "Mangada de Manga Ubá", registrada como "Patrimônio Imaterial do Município".[13]

Ubaenses ilustres[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (21 de agosto de 2013). «Área da unidade territorial». Consultado em 21 de agosto de 2013  Texto "uba" ignorado (ajuda); Texto "sintese-das-informacoes " ignorado (ajuda)
  3. IBGE (21 de agosto de 2013). «População 2010». Consultado em 21 de agosto de 2013  Texto "uba " ignorado (ajuda)
  4. «Atlas Brasil 2013». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2013. Consultado em 2 de agosto de 2013 
  5. a b IBGE (21 de agosto de 2013). «Produto Interno Bruto dos Municipios - 2010». Consultado em 21 de agosto de 2013  Texto "uba" ignorado (ajuda); Texto "produto-interno-bruto-dos-municipios-2010 " ignorado (ajuda) Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "IBGE" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  6. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 604.
  7. «The Weather Channel: Marcas e registros mensais - Ubá, MG». Consultado em 9 de fevereiro de 2010 
  8. Femur. Disponível em http://www.femur.com.br/. Acesso em 16 de março de 2017.
  9. Assembléia Legislativa de Minas Gerais [1] URL acessada em 1 de janeiro de 2009
  10. http://www.denatran.gov.br/frota.htm
  11. Vida e Ação da Colônia Italiana no município de Ubá, de Tarquínio Benevenuto Grandis
  12. Guia Comercial, cultural e turístico de Ubá - 2002
  13. Manga Ubá (Patrimônio Natural) e Mangada (Patrimônio Imaterial)


Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.