Guiricema

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2011).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Município de Guiricema
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Fundação 17 de dezembro de 1938
Gentílico guiricemense
Prefeito(a) Ari Lucas de Paula Santos
(2017–2020)
Localização
Localização de Guiricema
Localização de Guiricema em Minas Gerais
Guiricema está localizado em: Brasil
Guiricema
Localização de Guiricema no Brasil
21° 00' 28" S 42° 43' 04" O21° 00' 28" S 42° 43' 04" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Zona da Mata IBGE/2008 [1]
Microrregião Ubá IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Visconde do Rio Branco, Ervália, São Sebastião da Vargem Alegre, Miraí, Guidoval, São Geraldo
Distância até a capital 285 km
Características geográficas
Área 294,417 km² [2]
População 8 697 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 29,54 hab./km²
Altitude 261 m
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,735 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 54 836,634 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 6 001,60 IBGE/2008[5]
Página oficial

Guiricema é um município do estado de Minas Gerais, no Brasil. Sua população em 2010, de acordo com o censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, era de 8 697 habitantes. Além da sede, possui 4 distritos: Dom Silvério, Cruzeiro, Tuiutinga e Vilas Boas[6].

História[editar | editar código-fonte]

No início do século XIX, habitavam, a região, as tribos de índios coroados, coropós e puris. Então, o português José de Lucas Pereira dos Santos, visitando a região, deliberou nela instalar-se com seus familiares e escravos, tal era a fertilidade do solo. Consta que José de Lucas catequizou os índios e ensinou-lhes as primeiras letras. Mais tarde, construiu uma capela que serviu de marco inicial do povoado, primeiramente chamado Bagres, em virtude da grande quantidade de peixes dessa espécie que viviam nas águas do rio local.

Em 1851, o povoado foi elevado a distrito com o mesmo nome de Bagres, pertencente ao município de Rio Branco. Em 1895, o distrito teve seu nome alterado para Guiricema. "Guiricema" é derivado do tupi antigo guirisema, que significa "saída dos bagres" através da composição de guiri (bagre) e sema (saída).[7] O distrito se emancipou administrativamente em 17 de dezembro de 1938.

Em 12 de fevereiro de 1939, foi empossado o primeiro prefeito de Guiricema, coronel Luís Coutinho, passando a ser comemorado, nesta data, o dia do município de Guiricema.

Cultura[editar | editar código-fonte]

No aspecto cultural, possui uma biblioteca pública municipal. Conta também com a Sociedade Musical Amantes da Lira. E, no social, temos dois clubes de lazer: Pais & Filhos e Indaiá Clube. Possui bares com apresentação de música ao vivo e diversos pontos turísticos: entre eles, o Hotel Fazenda São Domingos e a Santa Montanha.

Turismo[editar | editar código-fonte]

O município possui festas religiosas, com destaque para a Festa da padroeira Nossa Senhora da Encarnação, em agosto; Guirisamba; Exposição Agropecuária; e festas nos distritos e povoados, como a festa da Cebola, em Tuiutinga, no mês de Outubro; a festa do tomate, em Vilas Boas, no mês de julho; e a festa do Tijolo e da Telha, no Cruzeiro, também no mês de julho.

Em sua extensão territorial, Guiricema conta diversas cachoeiras.

Religião[editar | editar código-fonte]

Predomina a católica, convivendo em clima harmonioso com diversas religiões evangélicas de variadas denominações. Uma vez que a religião católica predomina, a festa do Guiricemense é realizada no dia 15 de agosto, dia de Nossa Senhora da Encarnação, padroeira de Guiricema.

Saúde[editar | editar código-fonte]

Há, em Guiricema, um posto de saúde com assistência odontológica, assistência médica especializada, atendimento médico 24 horas e um grupo de enfermeiros e funcionários capacitados. Existem, também, postos de saúde nos distritos e povoados, atendimento médico nas comunidades e visitas aos pacientes pelos agentes de saúde e médicos do Programa de Saúde da Família (PSF). Por ser uma cidade pequena, não possui hospital, sendo que, para um tratamento mais preciso, é necessário deslocar-se a cidade vizinha, Visconde do Rio Branco.

Educação[editar | editar código-fonte]

Há, em Guiricema, quatro escolas estaduais, sendo que três oferecem ensino fundamental completo e uma, ensino médio. Conta também com 10 escolas municipais, sendo que duas na zona urbana e 8 na zona rural, oferecendo educação da pré-escola à 4ª série aos distritos e à zona rural em si.

Lazer[editar | editar código-fonte]

Guiricema possui poucos locais de lazer, como a Praça Coronel Luiz Coutinho, aonde as pessoas se encontram. Há a quadra situada no Bengo. Há o campo do esporte, aonde é possível jogar futebol.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. «Guiricema - MG» (PDF). Enciclopédia dos municípios brasileiros. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2007. Consultado em 15 de fevereiro de 2014 
  7. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 564.