Piranga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados de Piranga, veja Piranga (desambiguação).
Município de Piranga
Bandeira indisponível
Brasão de Piranga
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Aniversário 5 de outubro
Fundação 8 de dezembro de 1695 (322 anos)
Gentílico piranguense
Prefeito(a) José Carlos de Oliveira Marques[1][2] (PV)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Piranga
Localização de Piranga em Minas Gerais
Piranga está localizado em: Brasil
Piranga
Localização de Piranga no Brasil
20° 41' 06" S 43° 18' 00" O20° 41' 06" S 43° 18' 00" O
Unidade federativa Minas Gerais
Mesorregião Zona da Mata IBGE/2008 [3]
Microrregião Viçosa IBGE/2008 [3]
Municípios limítrofes Diogo de Vasconcelos, Mariana, Ouro Preto, Catas Altas da Noruega, Lamim, Senhora de Oliveira, Presidente Bernardes, Porto Firme, Guaraciaba
Distância até a capital 169 km
Características geográficas
Área 658,812 km² [4]
População 17 918 hab. IBGE/2017[5]
Densidade 27,2 hab./km²
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,661 médio PNUD/2000 [6]
PIB R$ 73 225,049 mil IBGE/2008[7]
PIB per capita R$ 4 120,02 IBGE/2008[7]

Piranga é um município do estado de Minas Gerais, no Brasil. Sua população estimada em 2017 era de 17 918 habitantes.[8] Sua área é de 658,812 km², o que corresponde a uma densidade populacional de 26,16 habitantes por quilômetro quadrado.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

No período colonial, o povoado era conhecido pelo nome de "Guarapiranga". A mudança do termo para "Piranga" ocorreu com a elevação do arraial à categoria de Vila, em 1841[9]. Diz Lemos Barbosa, em seu Dicionário de termos originários da língua tupi-guarani, que "guará" significa garça (um pássaro que não existe na região de Piranga, pois sua ocorrência se limita à faixa litorânea). "Guarapiranga" também é designativo de "barreiras" encontradas ao longo do mar em terra alta. Aulete, porém, consigna a significação do vocábulo "Piranga" como "barro vermelho" e simplesmente como adjetivo "vermelho". Assim, unindo Guarapiranga, do Tupi, com Piranga, com a significação que lhe dá Aulete, teríamos: Guarapiranga, pássaro vermelho. Mas, o próprio Aulete, ao registrar a palavra inteira, toma "Guarapiranga" como certa árvore da flora brasileira. Por outro lado, o vocábulo "Piranga" em Aulete significa planta bignomiácea da qual os índios extraíam uma tinta vermelha, empregada nos seus corpos[10]. Importa relatar que uma memória sobre a freguesia de Guarapiranga, escrita pelo português Luís José Ferreira de Gouveia para o Senado da Câmara de Mariana em 1750, destaca que "como naquele tempo havia muito pássaro vermelho no rio, e pequenos, intitularam ao rio Guarapiranga, que é o que quer dizer este nome [...], e lhe ficou o nome e este distrito dos ditos pássaros[11]".

História[editar | editar código-fonte]

A penetração nos sertões interiores do país, desde o século XVI, ocorreu a partir de duas áreasː a) pelas Capitanias de Porto Seguro e Espírito Santo, subindo o curso do rio Doce até a divisa dessa bacia com a do São Francisco; b) pela Capitania de São Paulo, atravessando o paredão da serra da Mantiqueira na Garganta do Embaú. Não foram poucos os imaginários que desde o século XVI moveram paulistas e sertanistas rumo ao interior do país, como o da "serra de Sabarabuçu" ou o da "serra Resplandescente", além das expedições com o intuito de prear indígenas[12]. No ano de 1691, uma bandeira comandada pelos capitães Francisco Rodrigues Sirigueio e Antônio Pires Rodovalho saiu de São Paulo com destino à Casa da Casca (atual serra do Brigadeiro, em Araponga, MG). Os paulistas chegaram ao rio de "Guarapiranga" (nome como era denominado o rio Piranga no período colonial) e se arrancharam em uma capoeira do gentio à beira rio, descobrindo ouro num córrego nas proximidades de Piranga (provavelmente, no córrego da Sirigueia). O capitão Sirigueio e seu filho, Antônio Rodrigues Sirigueio, foram mortos devido às divergências entre os próprios sertanistas, motivo pelo qual se desfez a bandeira. Em 1693, uma nova bandeira, agora comandada Antônio Pires Rodovalho, chegou à mesma paragem, que passou a ser designada de "Sirigueia", por causa das mortes ocorridas. Uma légua abaixo, os exploradores fizeram roças e descobriram ouro num córrego que fazia barra com o rio Guarapiranga. Como encontram vários ossos humanos enterrados, denominaram o curso d'água de córrego das Almas. A descoberta ensejou a formação de um povoado, o de Guarapiranga. O sertão de Guarapiranga se tornou ponto de passagem para várias bandeiras que almejavam alcançar a tão famosa "Casa da Casca". E não poucas bandeiras se dirigiram à área citada passando por Guarapiranga, a exemplo das bandeiras de Antônio Rodrigues Arzão (1693) e Bartolomeu Bueno (1697). Em 1694, de acordo com relato de Luís José Ferreira de Gouveia, citado no códice Costa Matoso, os paulistas Bernardo de Chaves Cabral e seus irmãos Inácio Moreira e João de Godoy, juntamente com o sargento-mór Luíz de Barro Franco, abriram um caminho ligando o arraial de Guarapiranga ao povoado de Sumidouro (atual distrito de Mariana). Os paulistas continuaram o trabalho no córrego das Almas e construíram uma "capela ou oratório" com a invocação a Nossa Senhora da Conceição, onde passou a celebrar missa um frade chamado frei José de Jesus. No ano de 1695, fizeram 'igreja" com a mesma invocação e por provisão do Bispado do Rio de Janeiro veio para ela o padre Roque Pinto de Almeida[9].

Antiga matriz de Nossa Senhora da Conceição. Créditosː Arquivo do Conhecimento Claudio Manoel da Costa.

O códice Matoso comprova os erros de Diogo de Vasconcelos (História Antiga das Minas Gerais), o qual afirma que o arraial de Guarapiranga teria sido erigido pelo taubateano João de Siqueira Afonso, em 1707. Desde 1695, o arraial de Guarapiranga já possuía pároco colado e igreja, decerto muito modesta devido ao pouco tempo gasto na construção. Da data citada até 1750, onze vigários passaram pelo distrito, o que reforça a sua importância e perenidade, mesmo não possuindo grandes reservas do metal precioso durante a fase expansiva da sua exploração[9].

Nas primeiras décadas do século XVIII, várias diligências foram criadas para explorar as bordas sudeste e sul dos arraiais de Vila rica e Ribeirão do Carmo. Bento Fernandes Furtado, de acordo com o códice Matoso, salientou que entre 1702 e 1703, o coronel Salvador Fernandes Furtado de Mendonça, estabelecido nas minas do ribeirão do Carmo, mandou-o com uma turma de escravos e camaradas para penetrarem ao sul do dito ribeirão "pelo sertão incógnito que se achava entre ele e Guarapiranga". Várias faisqueiras foram descobertas nos lugares chamados Pinheiro (Pinheiros Altos Distrito de Piranga), Pirapetinga (atual distrito de Santo Antônio do Pirapetinga), Bacalhau (Distrito de Piranga) e Rocha (atual Senador Firmino)ː a primeira área viria a fazer parte da freguesia do Sumidouro, enquanto as três últimas, da de Guarapiranga. Menos ricas que as do Carmo, ainda assim atraíram correntes migratórias que seguiram as "picadas" e "lavrando estas faisqueiras foram achando aumento nelas, razão por que foram povoando sítios, arraiais, capelas, freguesia". De acordo com Diogo de Vasconcelos (História Antiga das Minas Gerais), os mineiros que se dirigiram para as minas estavam interessados tanto nas produções do ouro, quanto nas de cereais, graças à uberdade do solo, particularmente no caso do arraial de Guarapiranga, situado no entorno das minas, numa zona de fronteira agrícola aberta. Nos arredores da primeira mina, a do Pinheiro, originou-se um arraia que hoje corresponde a Pinheiros Altos, localizado na divisa de Piranga com Mariana. Em 1738, o arraial do Pinheiro já possuía Companhia de Ordenança. As minas do Pirapetinga se situavam no atual distrito de Santo Antônio do Pirapetinga ou Bacalhau. O título Santo Antônio do Bacalhau também figurou no arraial, designado quando da sua elevação á categoria de freguesia, em 1875. Porém, de acordo com Waldemar de Almeida Barbosa (Dicionário Histórico Geográfico de Minas Gerais), Dom Benevides negou-se a instituir essa freguesia, "criada apenas para satisfação de mesquinhos interesses políticos locais[9]".

A conquista e os avanços os pioneiros foram se dando pelos sertões do arraial de Guarapiranga. Devido á sua posição geográfica, entre a região mineradora e a zona de fronteira, o distrito se tornou uma porta de entrada para as investidas nos Serões do leste. a existência de riquezas minerais, a exemplo dos veios auríferos, explorados, principalmente, nas serras do Tatu, do Carmo e dos Cardosos e nos ribeirões Bacalhau, Pirapetinga e Almas, afluentes do rio Piranga, exerceram forte incentivo ao deslocamento da fronteira demográfica, bem como as características geográficas favoráveis à implantação da agropecuária, devido às características favoráveis do solo quando comparado ao da região das minas, assim como a presença de tribos indígenas para captura e formação de mão-de-obra barata. A economia de Guarapiranga era formada tanto pela atividade de mineração quanto pela atividade agropecuáriaː a posição geográfica do distrito, assim como as características geológicas favoráveis, lhe conferiu importância no abastecimento da região das minas[9].

No final da primeira década do século XVIII (1708), o arraial de Guarapiranga teve importância política num episódio da Guerra dos Emboabas, pois a derrota da comitiva de Manuel Nunes Viana, no terceiro episódio do confronto, ocorreu nas proximidades do distrito. O capitão mór Rafael da Silva e Souza evitou que o arraial fosse destruído pelos paulistas ao partir em direção ao antigo povoado do Pirapetinga ou Bacalhau[9].

Em 1720, o arraial de Guarapiranga já apresentava importância econômica expressiva, ao ocupar a sexta posição entre os dezenove núcleos auríferos fiscalizados pela Câmara de Mariana, com a soma de 1.193 escravos africanos e crioulos, segundo estudos de Renato Pinto Venâncio (Os últimos Carijósː escravidão indígena em Minas Gerais). Esse destaque foi reconhecido pela administração colonial que, em 1724, elevou o distrito à condição de Freguesia. No mesmo ano, na Carta Régia do Rei de Portugal que promoveu vinte igrejas mineiras à condição de vigaria com título colativo, pois possuíam "alto rendimento e número de fregueses", constava a matriz de Guarapiranga. A freguesia que aí se formou possuía quatro irmandades de compromissoː a de Nossa Senhora da Conceição, a das Almas, a do Santíssimo e a de Nossa Senhora do Rosário dos pretos, respectivamente , criadas em 1718, 1727, 1744 e 1745. Nas relações de sesmarias concedidas entre o período de 1711 e 1739 nos vales dos rios Piranga, Xopotó e Turvo, estudadas por Ângelo Carrara (Estruturas Agrárias e Capitalismo), a maioria está situada nas margens do primeiro curso d'água citado, em função do seu vale abrigar os principais ribeirões e serras com veios auríferos, além dos distritos mais populosos criados sertão adentro, como os de Pirapetinga, Pinheiro e Guarapiranga. A sesmaria, de forma semelhante ao que ocorreu ao longo do Caminho Novo, procurou regularizar, em grande medida, a apropriação anterior via posse ou compra de terras nas áreas de fronteira[9].

A proximidade da freguesia de Guarapiranga de distritos populosos como Ribeirão do Carmo (Mariana) e Vila Rica, a circulação monetária comandada pelo ouro em pó e as ameaças do "gentio" quanto à ocupação de novos espaços a leste impulsionaram a tendencia de transformação gradativa em mercadoria do meio de produção mais importante na Colônia. igualmente, não pode ser descartado o estímulo, mesmo que de forma indireta, da política colonial ao desenvolvimento de novas minas por uma população que se empregou na produção de alimentos para o consumo e, eventualmente, comercializou os excedentes no mercado interno[9]. Um documento de 1750 escrito por Luís José Ferreira de Gouveia, publicado no Códice Matoso, descreve o amplo povoamento existente no Vale do Piranga à época. Dentre os povoados figuravam os de Manja Léguas, Calambau (Presidente Bernardes), Senhora dos Remédios, Nossa Senhora da Oliveira e São Pedro (Senhora de Oliveira), Nossa Senhora do Rosário ou Brás Pires, Tapera (Porto Firme) etc. Dentre os arraiais, sobressaíam Guarapiranga, São Caetano (Cipotânea), Barra do Bacalhau (Guaraciaba, Pirapetinga (Bacalhau) e Pinheiro (Pinheiros Altos). Waldemar de Almeda Barbosa (Dicionário Histórico Geográfico de Minas Gerais) destacou que os povoados de São José (Alto Rio Doce), Tapera, Lamim, Melo (Desterro do Melo) e Espera (Rio Espera) teriam surgido posteriormente a 1753. Os registros do dízimo das freguesias de Guarapiranga e Itaverava e as várias concessões de sesmarias para o vale do ribeirão Tapera (afluente do rio Piranga) e para os vales dos ribeirões Santo Antônio, Cachoeirinha, Espera, Santana, Lamim etc (afluentes do rio Xopotó) demostram que os vestígios da marcha pioneira, responsável pela formação dos povoados anteriormente citados, remontam às décadas de 1730, 1740 e 1750. A maioria desses arraiais pertencia à freguesia de Guarapiranga[12].

A despeito do deslocamento da fronteira demográfica ao longo da freguesia de Guarapiranga, com avanços em direção á barra do rio Bacalhau, o povoamento entre 1726 e 1750 parece ter se agrupado nos vales do rios Xopotó (margem esquerda) e, sobretudo, no do rio Piranga e afluentes como o Pirapetinga. O sertão mais aleste, notadamente nos vales dos rios Turvo Limpo e Casca, continuou praticamente rarefeito em relação ao povoamento de população branca. Os principais afluentes da margem esquerda dos rios Piranga, Bacalhau e, principalmente, Pirapetinga, segundo relato de Luís José Ferreira de Gouveia (1750), estavam ocupados com lavras, roças e capelas da foz até as cabeceiras. A freguesia de Guarapiranga dispunha de capacidade para se fazer "uma povoação muito grande pelo terreno, águas, muita terra para mantimentos e o rio que passa pelo pé do distrito, navegável por toda a freguesia". Nela constavam "12 vigários de provisão, três igrejas, um colado, 5.200 pessoas, sete capelas, engenhos de água quatro, de bois seis, de pilões dez, roças quinhentas, mais vinte ou menos". Mas, de acordo como relato citado, a causa da freguesia não ser maior do Tripuí (ribeirão de Vila Rica) para dentro do sertão era o gentio, que não somente não deixava entrar a descobrimentos como arrasavam os que já estavam povoados. A condição de instabilidade da freguesia de Guarapiranga era inevitável devido ao fato dela estar intercalada entre a região mineradora e a área propícia à expansão de novos projetos econômicos. Os avanços dos colonos, visando o apresamento e a escravização de indígenas e a implantação da atividade agropastoril e/ou mineral sobre territórios dominados pelos índios e quilombolas, fizeram da tensão a principal característica do extenso espaço de fronteira da freguesia. Num primeiro momento, ocupação territorial e avanço militar se tornaram sinônimos. Apesar das expedições militares com o intuito de deslocar o "gentio" par ao mato, como a comandada pelo mestre de campo Matias Barbosa da Silva com setenta pessoas na zona do rio Doce em 1734, a expansão sobre a fronteira não dependia, exclusivamente, dos anseios dos desbravadores ou da administração colonial, dado que o índio, em alguns momentos, impunha o recuo dos colonos. No vale do Piranga, o "obstáculo" imposto pelos indígenas estava mais presente a leste, pois à medida que o povoamento avançava da região das minas para os sertões de Guarapiranga, os Puris e Botocudos, quando não conseguiram fazer frene à marcha, se viram obrigados a se refugiarem, respectivamente, no vale do Pomba e no médio vale do Rio Doce. A freguesia de Guarapiranga e o vale do rio Doce emergiam como cenários estratégicos para os projetos de alargamento da colonização, seja na ampliação da exploração aurífera ou, principalmente, na expansão da atividade agropecuária, especialmente a partir da segunda metade do século XVIII. Dada a distância da área da rota do Caminho Novo, uma alternativa apontada por Luís José Ferreira de Gouveia foi a abertura de uma estrada do distrito sede para o Rio de janeiro, passando pelo vale do rio Xopotó. O pedido de Luís José Ferreira de Gouveia para que se alargasse o sertão visava combater o indígena, principalmente a leste do vale do Piranga, pois ao destruir fazendas e assassinar colonos tornava-se o principal obstáculo ao avanço da colonização e à consolidação das áreas de fronteira desbravadas[12].

Em 1750, a freguesia de Guarapiranga dispunha dos maior número de lavradores avençados da capitania, cerca de 424 foram registrados nos livros de dízimo, imposto sobre a produção agrária. Esse dado reflete a condição de fronteira "aberta" dessa área, sustentada pela disponibilidade em abundância do principal fator de produçãoː a terra. Apesar da freguesia apresentar o quarto maior valor da produção agrária mercantil entre as quarenta e oito freguesias da época, em termos de montante médio pago por lavrador ela figurava no 32º lugar. A explicação para essa aparente contradição pode ser elucidada pela expressividade do setor de subsistência, notável na grande soma de roceiros avençados com valores diminutos[12]. Os inventários estudados por Luís Henrique de Oliveira (Nas Malhas da Incerteza. Dissertação de Mestrado, UFJF, 2006), indicam com frequência a presença de pequenos plantéis de bovinos e a criação de porcos. Na agricultura, o destaque advinha do plantio do feijão e do milho, utilizado na produção de farinha, angu e canjica e na engorda dos suínos. No universo da produção agrária mercantil, duas atividades se destacavam nos arredores do distrito de Calambau e no vale do rio Xopotóː o plantio de fumo e o cultivo de cana-de-açúcar, associada aos engenhos e alambiques para fabricação de aguardente, açúcar e rapaduras. Em 1813, a freguesia de Guarapiranga era a mais povoada do Termo de Mariana, à qual pertencia, com a expressiva soma de 13.814 pessoas[9].

Em 1 de abril de 1841 (Lei Provincial n.º 202), o arraial de Guarapiranga foi elevado à categoria de Vila. Houve a supressão do termo "Guará", haja vista a adoção apenas do nome "Piranga". Em 17 de novembro de 1865 (Lei Provincial n.º 1249), a vila foi extinta e o território anexado ao município de Mariana. Em 20 de julho de 1868 (Lei Provincial n.º 1537), a sede foi novamente elevada à categoria de Vila, desmembrada de Mariana. Em 5 de outubro de 1870 (Lei Estadual n.º 1729), a vila foi elevada à categoria de cidade. Em 8 de outubro de 1870 (Lei Estadual n.º 1740), foi instalada a Comarca, suprimida pela Lei n.375, de 19 de setembro de 1903, restabelecida pela Lei n.º 663, de 18 de setembro de 1915. No recenseamento de 1872, o município de Piranga era constituído de seis distritosː a sede (Nossa Senhora da Conceição do Piranga), São Caetano do Chopotó (Cipotânea), São José do Chopotó (Alto Rio Doce), Nossa Senhora da Oliveira do Piranga (Senhora de Oliveira), Nossa Senhora da Conceição do Turvo (Senador Firmino) e Santo Antônio do Calambáo (Presidente Bernardes). A população recenseada foi de 18.241 habitantes. Pinheiros, Santo Antônio do Pirapetinga, Santana da Barra do Bacalhau, Porto Seguro e Brás Pires, que chegaram a pertencer a Piranga nessa época, foram elevados à categoria de distrito somente após 1870, por isso não aparecem no recenseamento. Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município de Piranga era constituído de 9 distritosː Piranga (sede), Braz Pires, Calambau, Conceição do Turvo, Guaraciaba, Oliveira, Pinheiros, Porto Seguro e Santo Antônio do Pirapetinga. Em 1919, a população do município de Piranga era de cerca de 60.000 habitantes (1.506 eleitores)[13]. Ao longo do século XX, perdeu por desmembramento os distritos de Conceição do Turvo, Braz Pires, Guaraciaba, Porto Firme, Piraguara e Calambau. Atualmente é constituído, além do distrito-sede, pelos distritos de Pinheiros Altos, Santo Antônio de Pirapetinga e Santo Antônio dos Quilombolas.[14]

Religião[editar | editar código-fonte]

A capela de Nossa Senhora da Conceição foi inaugurada em 8 de dezembro de 1695, enquanto que a paróquia de mesmo nome foi fundada em 16 de fevereiro de 1718. A igreja matriz foi concluída em 1758 e demolida em 1966.[15]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Destaca-se o turismo histórico com suas igrejas e fazendas centenárias.

Entre os eventos, está a Festa do Piranguense - realizada desde 1980 no mês de julho na Praça do Rosário (até 2006), com apresentações culturais que envolvem desde congado a shows de rock e sertanejo . Hoje é realizada no Ginásio Poliesportivo. Outro evento que se destaca e que atrae muitas pessoas da região é o Carnaval - que se caracteriza pelo desfile da Escola de Samba local (Acadêmicos Unidos de Piranga) e também pelos blocos de rua, principalmente o Bloco da Jujutura.[16][17]

Deve-se evidenciar também a tradicional festa religiosa que ocorre anualmente no mês de agosto, no distrito de Santo Antônio de Pirapetinga, a qual reverencia o Bom Jesus de Matozinhos.[18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Administração Site Prefeitura de Piranga
  2. Zé Carlos é Prefeito Eleito de Piranga pelo PV na coligação Com a Força do Povo. Eleições 2016
  3. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  4. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  5. «População estimada 2017». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. Consultado em 26 de março de 2017. 
  6. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  7. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  8. «População estimada 2017». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. Consultado em 26 de março de 2017. 
  9. a b c d e f g h i CARNEIRO, Patrício (2008). Conquista e povoamento de uma fronteira: a formação regional da Zona da Mata no leste da Capitania de Minas Gerais (1694-1835). Dissertação de Mestrado. Belo Horizonte: UFMG 
  10. Jornal Estrela da Manhã. Publicado em 24 de julho de 1960. Ano VIII, Número 100. Piranga (MG).
  11. COSTA MATOSO, Caetano (1992). Coleção das notícias dos primeiros descobrimentos das minas na América que fez o doutor Caetano da costa Matoso, sendo ouvidor geral das do Ouro Preto, de que tomou posse em fevereiro de 1749, & vários papéis. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro 
  12. a b c d CARNEIRO, Patrício Aureliano Silva. Do Sertão ao Território das Minas e das Gerais: entradas e bandeiras, política territorial e formação espacial no período colonial. Tese de Doutorado, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.
  13. Almanaque Laemmertː Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ) - 1891 a 1940. 4º volume. Estados do Sul. Disponível na Fundação Biblioteca Nacional.
  14. «Histórico». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 4 de junho de 2018. 
  15. «História». Prefeitura Municipal de Piranga. Consultado em 4 de junho de 2018. 
  16. http://www.piranga.mg.gov.br/index.php/noticias/258-piranga-folia-2014-e-sucesso
  17. Gontijo, Luisana. (14 de julho de 2010). Tout Court Minas. Jornal Estado de Minas
  18. DE SOUZA, Víviam Lacerda (2013). «O discurso religioso como elemento de comunicação: análise do santuário do Bom Jesus de Matozinhos». Revista Internacional de Folkcomunicação. 11 (22): 117-129. ISSN 1807-4960. Consultado em 8 de agosto de 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.