Lassance

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Lassance
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Fundação 12 de dezembro de 1953
Gentílico lassancense
CEP 39250-000
Prefeito(a) Doutor Idson Fernandes Brito (PCdoB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Lassance
Localização de Lassance em Minas Gerais
Lassance está localizado em: Brasil
Lassance
Localização de Lassance no Brasil
17° 53' 13" S 44° 34' 40" O17° 53' 13" S 44° 34' 40" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Norte de Minas IBGE/2008 [1]
Microrregião Pirapora IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Várzea da Palma, Corinto, Três Marias, Buritizeiro, Buenópolis, Augusto de Lima, Joaquim Felício, Francisco Dumont.
Distância até a capital 269 km
Características geográficas
Área 3 213,578 km² [2]
População 6 490 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 2,02 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,681 médio PNUD/2000 [4]
PIB R$ 63 757,477 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 9 591,92 IBGE/2008[5]
Página oficial

Lassance é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. É conhecido por ter sido o local onde Carlos Chagas identificou a Doença de Chagas.

História[editar | editar código-fonte]

Lassance é uma cidade do Norte de Minas que ficou conhecida por ser a cidade onde Carlos Chagas descobriu a Doença de Chagas e identificou o protozoária flagelado causador da infecção, Tripanossoma cruzi. Carlos Chagas foi designado para cuidar dos trabalhadores da antiga Ferrovia Central do Brasil que estava sendo construída em Lassance, e identificou a doença em campo, em seu laboratório que havia sido estabelecido inicialmente dentro de um vagão.

Carlos Chagas, em seu laboratório no Instituto Oswaldo Cruz.

A doença foi nomeada em homenagem ao cientista brasileiro e infectologista Carlos Chagas, que foi o primeiro a descrevê-la em 1909,[6][7][8][9] mas a enfermidade não foi vista como um problema maior de saúde pública até a década de 1960 (a epidemia da doença de Chagas no Brasil na década de 1920 foi amplamente ignorada[10]). Chagas descobriu que o intestino da Triatomidae (atualmente Reduviidae) abrigava um protozoário flagelado, uma nova espécie do gênero Trypanosoma, e foi capaz de provar experimentalmente que poderia ser transmitida a saguis do gênero Callithrix que haviam sido mordidos pelo inseto infectado. Estudos posteriores mostraram que o macaco-de-cheiro também era vulnerável a infecção.[11]

Chagas nomeou o parasita patogênico como Trypanosoma cruzi[6] e posteriormente no mesmo ano como Schizotrypanum cruzi,[8] ambos homenageando o epidemiologista Oswaldo Cruz, que havia combatido com sucesso as epidemias de febre amarela, varíola e peste bubônica na cidade do Rio de Janeiro e outras cidades no início do século XX. O trabalho de Chagas permanece único na história da medicina por ter sido o único pesquisador a descrever por completo uma nova doença infecciosa, seu patógeno, vetor, hospedeiro, manifestações clínicas e epidemiologia.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Situada a 263 km de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, Lassance inicialmente era uma região cortada por tropeiros, ligando lugares distantes como Montes Claros, Sabarabussu (Sabará), Diamantina e Coração de Jesus. Em 1850, um tropeiro chamado Liberato Nunes de Azevedo construiu os primeiros ranchos às margens do Córrego Maria Grande, hoje Córrego São Gonçalo. Em 1907, surgem as primeiras fazendas dedicadas à agropecuária e à extração de látex em seringueiras e, com a chegada da estrada de ferro, o desenvolvimento local foi impulsionado. O primitivo arraial era muito modesto, situando-se à beira do Rio das Velhas. A denominação Lassance foi dada em fevereiro de 1908, em homenagem ao engenheiro chefe da construção da estrada de Ferro Central do Brasil, Dr. Ernesto Antônio Lassance Cunha. O município emancipou-se em dezembro de 1953 sob a administração de José Soares Dias.

Atualmente conta com uma população de 6.490 (2010) habitantes e tem como atividades econômicas básicas a extração de quartzo e de sempre-vivas, ao lado do cultivo de café, mandioca, milho, fumo e arroz. Há também áreas de reflorestamento com eucalipto para a produção de carvão vegetal e pecuária de corte.

Na questão do turismo, Lassance conta com a Área de Proteção Ambiental da Serra do Cabral. A área conta com circuito turístico com várias cachoeiras e preserva exemplares de vegetação do cerrado. A região do município ainda abrange os rios São Francisco e das Velhas.

Distância dos Polos e outras cidades importantes[editar | editar código-fonte]

Distância dos municípios vizinhos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. a b Chagas C (1909). «Neue Trypanosomen». Vorläufige Mitteilung Arch Schiff Tropenhyg. 13: 120–2 
  7. Redhead SA, Cushion MT, Frenkel JK, Stringer JR (2006). «Pneumocystis and Trypanosoma cruzi: nomenclature and typifications». J Eukaryot Microbiol. 53 (1): 2–11. doi:10.1111/j.1550-7408.2005.00072.x. PMID 16441572 
  8. a b Chagas C (1909). «Nova tripanozomiase humana: Estudos sobre a morfolojia e o ciclo evolutivo do Schizotrypanum cruzi n. gen., n. sp., ajente etiolojico de nova entidade morbida do homem [New human trypanosomiasis. Studies about the morphology and life-cycle of Schizotripanum cruzi, etiological agent of a new morbid entity of man]». Mem Inst Oswaldo Cruz. 1 (2): 159–218. doi:10.1590/S0074-02761909000200008. ISSN 0074-0276  (in Portuguese with German full translation as "Ueber eine neue Trypanosomiasis des Menschen.")
  9. Kropf SP, Sá MR (2009 Jul). «The discovery of Trypanosoma cruzi and Chagas disease (1908–1909): tropical medicine in Brazil». Hist Cienc Saude Manguinhos. 16 (Suppl 1): 13–34. PMID 20027916  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. Coutinho M (1999). «Review of Historical Aspects of American Trypanosomiasis (Chagas' Disease) by Matthias Perleth». Isis (fee required). 90 (2): 397. doi:10.1086/384393. JSTOR 237120 
  11. Hulsebos LH, Choromanski L, Kuhn RE (1989). «The effect of interleukin-2 on parasitemia and myocarditis in experimental Chagas' disease». J Protozool. 36 (3): 293–8. PMID 2499678