Vetor (epidemiologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Janeiro de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Vetor é todo ser vivo capaz de transmitir um agente infectante, de maneira ativa ou passiva.

Um agente infectante é qualquer parasita, protozoário, bactéria ou vírus capaz de infectar um organismo. A transmissão ativa ocorre quando o vetor é infectado e então infecta outra espécie de organismo. A maneira passiva ocorre quando o vetor não é infectado pelo agente infectante, mas causa a infecção de outra espécie de organismo.

O mosquito comum (Culex) é capaz de transmitir encefalites como a causada pelo vírus do oeste do Nilo e filaríases (à direita) e um dos transmissores da malária (Anopheles)(à esquerda)

Um bom exemplo de transmissão mecânica ou passiva são os patógenos transmitidos pela mosca doméstica. O Aedes aegypti, é o mosquito transmissor do vírus flaviviridae, causador da dengue que também não desenvolve o germe que transmite por seu adoecimento, ocorre apenas a passagem pelo seu trato gastrointestinal ou probóscida.

Segundo Benenson (1983) a transmissão por vetor biológico distingue-se da mecânica ou passiva porque na transmissão ativa por vetor biológico é necessária a propagação (multiplicação), o desenvolvimento cíclico ou a combinação desses processos (ciclo propagativo) para que o artrópode (ou outra espécie de vetor) possa transmitir a forma infectante do agente infeccioso ao homem. A transmissão pode ser feita pela saliva durante a picada ou mordedura, tal como na transmissão do vírus da raiva, ou pela regurgitação, deposição na pele de fezes (feito na transmissão do Trypanosoma cruzi pelo barbeiro (triatoma).

A disciplina entomologia médica estuda os insetos capazes de transmitir infecções entre animais e para os seres humanos (zoonoses) com seus hábitos, nem sempre hematófagos, mas capazes de produzir lesões através das quais os agentes patogénicos que hospedam são transmitidos.

Vetores mais conhecidos[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Benenson, Abram S. (Ed.) Controle das doenças transmissíveis no homem (Public. Científica nº 442). México, OPAS/OMS, 1983

Berlinguer, Giovanni. Minhas Pulgas. SP, Hucitec, 1991

Consoli, Rotraut A. G. B.; Oliveira, Ricardo Lourenço de. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. RJ, FIOCRUZ, 1994. Disponível no Scielo Books Acesso, Jan. 2015

Forattini, O.P. - Entomologia médica. Parte geral, Diptera, Anophelini. v. 1, São Paulo, Faculdade de Saúde Pública da USP, 1962.

Forattini, O.P. - Entomologia médica. Culicini: Culex, Aedes e Psorophora. v. 2, São Paulo, Ed. da Universidade de São Paulo, 1965.

Forattini, O.P. - Entomologia médica. Culicini: Haemagogus, Mansonia, Culiseta, Sabethini, Toxorhynchitini, Arboviroses, Filariose bancroftiana, Genética. v. 3, São Paulo, Ed. da Universidade de São Paulo, 1965.

Forattini, O.P. - Entomologia médica. Psychodidae, Phlebotominae, Leishmanioses, Bartonelose. v. 4, São Paulo, Ed. Edgard Blücher/Ed. Univ. S.Paulo, 1973.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Vetor (epidemiologia)
Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.