Luziânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Luiziana.
Município de Luziânia
Foto panorâmica de Luziânia Goiás.jpg

Bandeira de Luziânia
Brasão de Luziânia
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 13 de Dezembro
Fundação 13 de dezembro de 1746 (269 anos)
Gentílico luzianiense
CEP 5212501
Prefeito(a) Cristóvão Vaz Tormin (PSD)
Localização
Localização de Luziânia
Localização de Luziânia em Goiás
Luziânia está localizado em: Brasil
Luziânia
Localização de Luziânia no Brasil
16° 15' 10" S 47° 57' 00" O16° 15' 10" S 47° 57' 00" O
Unidade federativa  Goiás
Mesorregião Leste Goiano IBGE/2008[1]
Microrregião Entorno do Distrito Federal IBGE/2008[1]
Região metropolitana RIDE-DF
Municípios limítrofes Alexânia, Santo Antônio do Descoberto, Valparaíso de Goiás, Novo Gama e Cidade Ocidental ao Norte; Orizona ao Sul; Cristalina a Leste e Silvânia a Oeste
Distância até a capital 196 km
Características geográficas
Área 3 961,099 km² [2]
População 194 039 hab. (GO: 5º) –  IBGE/2014[3]
Densidade 48,99 hab./km²
Altitude 930 m
Clima Tropical de altitude
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,701 alto PNUD/2010 [4]
PIB R$ 2,040 bilhão GO: 9º IBGE/2009[5]
PIB per capita R$ 9 715,27 IBGE/2009[5]
Página oficial
Prefeitura http://www.luziania.go.gov.br/
Câmara http://www.luziania.go.leg.br/

Luziânia é um município brasileiro do estado de Goiás. É o quinto município mais populoso do Estado, com uma população estimada em 194 039 habitantes,[3] ficando atrás apenas da capital Goiânia, e dos municípios de Aparecida de Goiânia, Anápolis e Rio Verde. No entanto, é pertencente também a região do entorno do Distrito Federal, em razão de sua proximidade com a capital federal (58 km). É o município mais populoso da região do entorno de Brasília e o mais populoso de todo o leste do Estado. É também um dos maiores municípios do Estado por extensão de área com 3 961,536 km². Luziânia é uma das cidades mais antigas de Goiás, fundada em 13 de dezembro de 1746. De Luziânia surgiram outros municípios do Estado como Santo Antônio do Descoberto, Valparaíso de Goiás, Novo Gama e Cidade Ocidental.

Luziânia situa-se ao sul de Brasília, numa distância de 58 Quilômetros da capital federal, tendo como principal acesso a BR-040, a mesma rota que liga Brasília à Belo Horizonte e ao Rio de Janeiro. Localiza-se à 196 km de Goiânia, capital estadual sendo conectada pela GO-010. Luziânia possui dois núcleos urbanos (Centro de Luziânia e seus arredores e o Distrito do Jardim do Ingá).

Topônimo[editar | editar código-fonte]

Seu nome é uma homenagem à santa padroeira do município, Luzia, a quem foi erguido um cruzeiro em 1746. O município, que era chamado de "Santa Luzia", passou se chamar "Luziânia", conforme o decreto estadual nº 8.305, de 31 de dezembro de 1943.

História[editar | editar código-fonte]

No Período Colonial do Brasil (em meados do Século XVIII), diversos bandeirantes paulistas saíram de São Paulo para explorar as terras distantes do litoral. Foi quando descobriram abundantes lavras na região que hoje corresponde ao Estado de Goiás. Houve descobertas de ouro em diversas regiões.

Descoberta de ouro e o povoado de "Santa Luzia"[editar | editar código-fonte]

À procura de novas minas de ouro, o bandeirante paulista Antônio Bueno de Azevedo partiu de Paracatu. seguindo para noroeste até se aproximar do Rio São Bartolomeu. Após três meses, seguiu para o oeste e alcançou as margens do Rio Vermelho. Em 13 de dezembro de 1746, enquanto descansava sentado às margens de um córrego, notou que no leito do rio havia pepitas de ouro. No dia seguinte ergueu festivamente um cruzeiro e dedicou as minas e o futuro povoado a Santa Luzia. As minas atraíram tanta gente que em menos de um ano o arraial contava com mais de 10.000 pessoas.[6]

A primeira missa foi celebrada em 1746, pelo padre Luiz da Gama Mendonça e assistida por mais de 6.000 garimpeiros. Elevada à categoria de Comarca Eclesiástica em 6 de dezembro de 1758, seu primeiro vigário foi o padre Domingos Ramos. Em abril de 1758 iniciou-se a construção de um rego, denominado Saia Velha, para facilitar a garimpagem. O rego tinha 42 quilômetros de extensão e foi feito em dois anos por milhares de escravos negros.

O primeiro núcleo de povoamento já era chamado de Arraial de Santa Luzia em fins do século XVIII.

No final do século XVIII, a mineração começou a declinar e muitas famílias se transferiram para a zona rural, dedicando-se à lavoura e à criação de gado.

Em Luziânia também foi executado o último homem livre do Brasil antes da abolição da pena de morte. José Pereira da Silva foi enforcado na chácara São Caetano na "Forca da Mangueira", então vila de Santa Luzia, em 30 de outubro de 1861.

Mudança de nome para "Luziânia"[editar | editar código-fonte]

O arraial foi elevado à categoria de vila em no dia primeiro de abril de 1833 e à de cidade em 5 de outubro de 1867. Contudo, foi somente a partir de 31 de dezembro de 1943 que passou a se denominar "Luziânia" quando foi criado o decreto-lei estadual nº 8305, de 31 de dezembro de 1943.

Década de 1960 e construção de Brasília[editar | editar código-fonte]

Desde sua fundação, no século XVIII, até 1960, data da inauguração de Brasília, Luziânia não teve grandes marcos. A transferência da capital trouxe um surto de desenvolvimento, beneficiado pela BR-040 e BR-050. Para o rápido crescimento populacional, concorreu a legislação do uso do solo do Distrito Federal, definindo previamente as áreas para expansão urbana, além da especulação imobiliária, levando parte da população da nova Capital a procurar alternativas de localização.

Construções Remanescentes[editar | editar código-fonte]

A Igreja Nossa Senhora do Rosário, remanescente do século XVIII, guarda imagens de madeira daquela época e sinos de bronze. O Morro da Canastra, o Palácio das Andorinhas e a Cachoeira de Saia Velha são atrações do turismo ecológico de Luziânia.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Vista aérea da região central.

Segundo estimativa do IBGE, de 31 de agosto de 2014, a população de Luziânia é de 191.139 habitantes. Em termos demográficos, é uma das maiores cidades do estado de Goiás e a maior do Leste Goiano, embora venha indicando estagnação ou mesmo decréscimo sutil de sua população, especialmente a partir de 2005/2006. O fenômeno da diminuição populacional é de ordem socioeconômica, sendo percebido, nos últimos anos, em diversas regiões do Brasil. Fator preponderante desse declínio demográfico deve-se sobretudo ao maior acesso à informação por parte da população brasileira.[7]

Luziânia possui dois aglomerados urbanos principais, os quais são a própria cidade e seu centro, além de setores e bairros periféricos (que se estendem ao longo da margem da BR-040) e o distrito do Jardim do Ingá, localizado no norte da cidade, com uma população de quase 100 mil habitantes, fazendo do distrito o quarto maior do estado. O Jardim do Ingá é dividido em 24 bairros. A maioria da população residente no Jardim do Ingá trabalha no Distrito Federal.

Localização[editar | editar código-fonte]

A cidade de Luziânia está localizada no estado de Goiás, região Centro-Oeste do Brasil. Fica a 196 km de Goiânia e aproximadamente 58 km de Brasília. A cidade mais próxima é Valparaíso de Goiás (25 km).

Localização de cidades importantes em relação à Luziânia
cidade UF distância orientação principal via de ligação
Brasília DF 59 km ao norte BR-040
Goiânia GO 196 km ao sudoeste GO-010
Belo Horizonte MG 678 km ao sudeste BR-040
São Paulo SP 950 km ao sul BR-050
Rio de Janeiro RJ 1.109 km ao sudeste BR-040

Economia[editar | editar código-fonte]

Luziânia tem o PIB de aproximadamente R$ 2 bilhões, de acordo com os dados do IBGE em 2012, sendo assim a 9ª maior economia do estado de Goiás.

Em 2005, foi implantado em Luziânia o Programa de Desenvolvimento Econômico de Arranjo Produtivo Local (APL) de Fruticultura. Neste município, o programa APL está promovendo assessoria técnica e tecnológica em 91 propriedades locais rurais e 120 pessoas participaram de cursos de informática básica, que faz parte de um trabalho de inclusão digital junto aos filhos dos agricultores.

Além disso, o programa APL promoveu um plano de desenvolvimento sustentável para Luziânia e região e um estudo de pré-viabilidade econômica

da plataforma comercial de fruticultura para o município.Uma visita técnica com 33 produtores rurais ao APL de fruticultura irrigada de Juazeiro e Petrolina também foi realizada.

Barragem do Corumbá VI

O programa APL é uma iniciativa do Ministério da Integração Nacional, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Goiás, Senai e Instituto Euvaldo Lodi com apoio da Central de Associações de Produtores Rurais, Agência Rural, Sebrae, Secretaria de Planejamento e prefeitura de Luziânia. O projeto conta com recursos da ordem de R$ 330 mil, para atender 40 associações rurais que representam mais de 2 mil produtores rurais.

Indicadores socioeconômicos[editar | editar código-fonte]

PIB municipal (2008)
[5] R$ 1,806 bilhão
PIB per capita (2008)
[5] R$ 8.859,35
Composição do PIB (2008)[8]
  • Valor adicionado bruto da agropecuária: R$ 0,169 bilhão
  • Valor adicionado bruto da indústria: R$ 0,596 bilhão
  • Valor adicionado bruto dos serviços: R$ 0,865 bilhão
  • Impostos sobre produtos líquidos de subsídios: R$ 0,173 bilhão

Comércio[editar | editar código-fonte]

Luziânia possui um dos comércios mais dinâmicos e promissores do Entorno. Atualmente registra-se no município mais de 4 mil estabelecimentos comerciais de diversos produtos ou serviços. O setor de alimentos e bebidas representa 15% (por número de estabelecimentos) do comércio, sendo o ramo mais participativo[9]. Com a inauguração do "Luziânia Shopping", em 31 de maio de 2012, o comércio na região cresceu consideravelmente. Com um novo espaço de entretenimento, a população poderá usufruir de maior comodidade, praticidade e lazer no próprio município, sem a necessidade de se deslocar para outras cidades, especialmente a capital federal, Brasília.[10]

Em breve será instalado um mega empreendimento na cidade goiana, o Alvorada Power Center (em construção). Quando concluído será o maior Shopping Center da América Latina, ultrapassando em Área Bruta Locável (ABL) o Centro Comercial Leste Aricanduva em São Paulo (atualmente o maior da América Latina). As empresas Mirante Luziânia Empreendimentos Imobiliários S/A e São Tiago Empreendimentos Imobiliários e Participações Ltda. são as responsáveis pela implantação do Centro Comercial.

Luziânia também conta com grandes redes de supermercados como Hipermercado Da Terra, Super Max, Leão entre outras. A cidade também abriga a Goiás Verde Alimentos, uma grande exportadora de grãos e enlatados.

Atividades comerciais de Luziânia
setor participação
1 Alimentos e bebidas 15%
2 Moda e acessórios 12%
3 Construção 10%
4 Serviços empresariais 10%
5 Automóveis e veículos 9%
6 Restaurantes 5%
7 Serviços financeiros 5%
8 Casa e decoração 3%
9 Agricultura 3%
10 Transporte 2%
11 Outros 28%

Luziânia Shopping[editar | editar código-fonte]

O Luziânia Shopping foi inaugurado em 31 de maio de 2012, atendendo a necessidade dos habitantes de possuir em sua própria cidade um shopping center para que estes não tenham que se locomoverem para as cidades vizinhas como Valparaíso de Goiás e Brasília. O shopping de Luziânia possui uma moderna arquitetura, integrada a dois edifícios residenciais. Várias lojas de diversos produtos e serviços funcionam no prédio que possui três pisos. Marisa e as Lojas Americanas são exemplos de estabelecimentos que funcionam no local. O Cinema Lumière garante aos frequentadores a exibição de filmes lançamentos (estrangeiros e nacionais).

Segurança[editar | editar código-fonte]

Mãe de um dos jovens desaparecidos em Luziânia participando da Comissão de Direitos Humanos, em 2010.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

A cada mil jovens de 12 a 18 anos do município, 5,4 morrem assassinados (o maior Índice de Homicídios na Adolescência da Região Centro-Oeste) e apenas 10,7% dos homicídios e latrocínios registrados pela polícia do município de janeiro de 2009 a fevereiro de 2010 foram solucionados.[11].

Caso "Adimar de Jesus, o serial killer"[editar | editar código-fonte]

Em 2010, a cidade foi atingida por um grande número de desaparecimentos de jovens. Revelou-se que o pedreiro Adimar de Jesus Silva era o "serial killer (assassino em série) de Luziânia". O pedreiro foi encontrado morto em sua cela no dia 18 de abril de 2010 com um lençol amarrado ao pescoço, indicando ter cometido suicídio. O caso tornou clara a fragilidade da Justiça ao conceder progressão de pena para criminosos com problemas psicológicos irreversíveis e os cuidados na carceragem.[12]

Violência e a intervenção da Força Nacional[editar | editar código-fonte]

Em suma, Luziânia ainda é considerada uma cidade violenta, sobretudo nas áreas mais afastadas do centro da cidade (onde o policiamento é menos ostensivo). Contudo, houve considerável melhoria com a entrada da Força Nacional no município, diminuindo, mesmo que de modo incipiente, o índice de violência. Ainda assim há muito a se fazer, e, neste processo, é mister o aumento e o treinamento sistemático do contingente policial; além, é claro, de uma presença mais eficaz dos órgãos relacionados à segurança pública, conforme já ressaltado. Estas ações, seja na área de segurança ou no âmbito educacional, têm papel fundamental na consolidação de Luziânia como um município promissor na região .[13]

Educação[editar | editar código-fonte]

No que tange ao ensino superior, possui um campus da Universidade Estadual de Goiás, que oferece os cursos de Administração e Pedagogia, além do Unidesc (Centro Universitário de Desenvolvimento do Centro-Oeste), sendo o Unidesc uma entidade privada. Possui também um campus do Instituto Federal de Goiás, o IFG, que proporciona cursos técnicos integrados ao Ensino Médio nas seguintes áreas: edificações, química e informática para internet. Além disso, o IFG detém a autarquia de uma faculdade, fornecendo cursos superiores de Licenciatura em Química e Bacharelado em Sistemas de Informação.

No que se refere ao ensino médio e ao ensino fundamental, destacam-se os colégios públicos CEMAS (Colégio Estadual Maria Abadia Salomão), Colégio Estadual Dona Torinha, Colégio Cônego Ramiro, Colégio Estadual Alceu de Araújo Roriz e Escola Municipal São Caetano, cujas notas no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foram as mais satisfatórias do município, embora ainda distantes do ideal. Igualmente, colégios particulares de reconhecida qualidade pedagógica são o Vovó Olívia, o Dinâmica e o Santa Luzia.

Esporte[editar | editar código-fonte]

Luziânia possui um clube profissional de futebol, a Associação Atlética Luziânia, que disputa a 1ª divisão do Campeonato Brasiliense de Futebol. A principal praça de esportes da cidade é o estádio "Serra do Lago", cuja capacidade é de 21.564 pessoas. O time conquistou o Campeonato Brasiliense de 2014, ganhando acesso à série D do Campeonato Brasileiro. No ano de 2016 associação atlética Luziânia conquistou seu segundo título invicto do campeonato brasiliense.

Turismo e cultura[editar | editar código-fonte]

Cachoeira Águas Claras

Seus pontos Turísticos mais conhecidos são a Igreja do Rosário, Igreja Matriz, Cruz do Desbravador, Academia de Letras e Artes do Planalto, Casa da Cultura, Estátua do Cristo, Praça das Três Bicas, Praça Evangelino Meireles, Flutuante Porto do Vale (Lago Corumbá IV), Vale dos Pássaros Resort Fazenda, Hotel Fazenda do Tacho, Cachoeira Águas Claras (mais conhecida como Cachoeira do R$ 1,00, agora com o valor de R$8.00) e atualmente construído com a assinatura de Oscar Niemeyer o Centro de Cultura e Convenções.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário[editar | editar código-fonte]

Considerada o principal símbolo da cidade, a igreja situa-se no bairro do Rosário, próximo ao centro da cidade. A igreja foi edificada no Século XVIII por escravos. Rumores populares afirmam que embaixo do solo da igreja estão as covas onde foram enterrados os trabalhadores escravos que participaram na construção da igreja. A Cruz do Desbravador se localiza logo à frente da igreja.

Igreja Matriz[editar | editar código-fonte]

Centro de Cultura e Convenções de Luziânia

A atual Igreja Matriz da cidade começou a ser edificada em 1765, sendo inaugurada em 1767, mesmo sem ter sido finalizada. Sua construção partiu da necessidade da população de possuir um templo religioso com as proporções de uma matriz. Outro fator é que naquela época os brancos não se misturavam com os negros que frequentavam a Igreja do Rosário.

A igreja está situada na região central da cidade, na Praça da Matriz, uma das regiões mais nobres do municípios. A igreja também é considerada um símbolo municipal.

Casa da Cultura[editar | editar código-fonte]

A Casa da Cultura se localiza na rua do Rosário. Abriga um significativo acervo de objetos usados no passado, fotografias e também produções de artistas que retrataram a cultura da cidade e suas tradições antigas através de obras de inestimável valor histórico.

Praça das Três Bicas[editar | editar código-fonte]

O  artesanato de grande expressão regional transmite toda a cultura nativa das terras tipicamente goianas, que vem desde o ciclo do ouro e das grandes fazendas de agricultura de subsistência e pecuária extensiva. Retrata toda uma complexa cultura local, deixando sempre a evidência de nele participar a unidade familiar. A Praça das Três Bicas fica na região central, na área mais nobre da cidade.

Centro de Cultura e Convenções[editar | editar código-fonte]

O Centro de Cultura e convenções também está localizado no centro da cidade. No prédio funcionam uma biblioteca, um cinema e auditório.

Religião[editar | editar código-fonte]

O catolicismo pode ser considerado a principal religião do município, visto que historicamente Luziânia evoluiu baseado na crença católica, deixando de herança a tradição e a cultura religiosa para os tempos atuais. No entanto, o protestantismo tem crescido rapidamente e representa grande parte da população luzianiense, com inúmeras igrejas e diversas denominações que ganham cada vez mais espaço na cidade. Há também outras religiões que predominam com menos intensidade na população do município, como o espiritismo, por exemplo. Portanto, é correto afirmar que não há em Luziânia uma religião majoritariamente dominante, sobretudo é inegável a importância da religião católica na evolução histórica e cultural do município.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Logotipo da TV Anhanguera, afiliada à Rede Globo.

Em Luziânia está a sede de uma das emissoras de TV da Rede Anhanguera, afiliada à Rede Globo, a TV Anhanguera Luziânia, que opera no canal 22 UHF desde 1995 em sinal analógico e no canal de 16 UHF em sinal digital desde agosto de 2010. O sinal da emissora atende a Microrregião do Entorno do Distrito Federal.

cidades atendidas:[editar | editar código-fonte]

Rádio[editar | editar código-fonte]

Luziânia possui uma estação de rádio, a Luziânia FM, que opera na frequência 98,1 MHz desde junho de 2011.

Administração[editar | editar código-fonte]

O atual prefeito de Luziânia é Cristóvão Vaz Tormin, filiado ao Partido Social Democrático. Foi eleito em 2012 e cumpre seu mandato até 2016.

Na Câmara Municipal trabalham os seguintes vereadores: Branco Carteiro, Carlos da Liga, Chico da Antártica, Diretora Ana Lúcia, Écio Carlos, Eliel Júnior, Elvis Macário, Padre Hildo Aniceto, Luzia Diretora, Maia, Marcos Cunha, Murilo Roriz, Nei Queiroz, Marcelo Braz, Pedro Roriz, Professora Edna, Rubens Soares e Télio Rodrigues.

Serviços públicos[editar | editar código-fonte]

Transporte coletivo[editar | editar código-fonte]

Luziânia possui a rede Transcoluz que opera dentro do município, atende a população de Luziânia e Jardim do Ingá. Para o transporte regional que integra Luziânia ao restante da região do entorno do Distrito Federal, Luziânia conta com a Central Expresso e G-20.

A precariedade do serviço e as altas tarifas cobradas pelas empresas de transporte são muitas vezes denunciadas pela população, que constantemente tem gerado manifestações populares não só em Luziânia mas nas demais cidades do entorno do DF.[14]

Transporte rodoviário[editar | editar código-fonte]

Luziânia possui uma rodoviária interestadual tendo como principal destino a capital goiana, além de Catalão e Caldas Novas. Estas são algumas empresas de viagens que atuam em Luziânia: Santa Luzia, Viação Nova, Vialuz Viação Luziânia, Transleles Transporte e Turismo, Alfa Viação Transportes, Emtram – Empresa de Transportes Macaubense, Expresso Araguari, Viação Anapolina e outras diversas empresas.

Saúde[editar | editar código-fonte]

A rede pública de saúde é composta por[15]:

  • 03 hospitais públicos: o CAIS, o Hospital Regional de Luziânia (fechado para reforma) e o Hospital Regional do Jardim do Ingá;
  • 01 Unidade de Pronto Atendimento (UPA);
  • 01 Clínica de Especialidades;
  • 01 Clínica de Psicologia;
  • 20 centros de saúde e 17 Unidades Básicas de Saúde (UBS) em construção;
  • 01 Centro de Atenção Psicossocial - CAPS

Em relação à rede privada de saúde a cidade conta 01 hospital - Hospital Santa Luzia - e 01 policlínica - Policlínica Luziânia. Há várias clínicas particulares no município.

Casos de dengue[editar | editar código-fonte]

Em Luziânia, registra-se um dos mais altos índices de casos dengue do Estado de Goiás e de todo o Brasil. Em 2014, o município ocupou a 2ª posição no ranking estadual de número de casos de dengue, ficando atrás apenas da capital, Goiânia, além de estar também entre as cidades com mais casos da doença em todo Brasil, segundo o levantamento feito pelo Ministério da Saúde em 2014.[16]

Em 2016, o município continua apresentando elevado número de casos de dengue, registrando 140 casos somente na primeira quinzena do mês de janeiro, deixando governo municipal e estadual em alerta mais uma vez.[17]

Bairros, setores e distritos[editar | editar código-fonte]

Centro • Chácaras Marajoara • Cidade Industrial Fracaroli • Cidade Jardim Marília • Cidade Osfaya • Distrito Industrial de Luziânia (Dial) • Engenheiro Jofre Parada • Jardim Brasília Sul • Jardim Central • Jardim Cerejeira • Jardim do Ingá • Jardim do Ingá Gleba B • Jardim Europa • Jardim Flamboyant • Jardim Jóckei Clube • Jardim Luzília • Jardim Planalto • Jardim São Paulo • Jardim Zuleika • Maniratuba • Mansões de Recreio Estrela Dalva II • Mansões de Recreio Estrela Dalva VIII • Parque Alvorada I • Parque Alvorada II • Parque Alvorada III • Parque Belo Horizonte • Parque Cruzeiro do Sul • Parque da Saudade • Parque do Cerrado • Parque Estrela Dalva I • Parque Estrela Dalva II • Parque Estrela Dalva III • Parque Estrela Dalva VI • Parque Estrela Dalva V • Parque Estrela Dalva VI • Parque Estrela Dalva VII • Parque Estrela Dalva VIII • Parque Estrela Dalva IX • Parque Estrela Dalva X • Parque Industrial Mingone • Parque Industrial São José • Parque JK • Parque Nova Iguaçu • Parque Residencial Faro • Parque Santa Fé • Parque São Judas Tadeu • Parque São Sebastião • Parque Sol Nascente • Parque Três Poderes • Residencial Alto das Caraíbas • Residencial Copaíbas • Rosário • Santa Edwirges • Santa Luzia • São Caetano • Setor Aeroporto • Setor Fumal • Setor Leste • Setor Mandu • Setor Mandu II • Setor Norte • Setor Norte Maravilha • Setor Presidente Kennedy • SHIS • Sion - Viegas • Vila Esperança • Vila Guará • Vila Juracy • Vila Portuguesa • Vila Roriz • Vila Santa Luzia • Vila São José.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. a b «Estimativa populacional 2014 IBGE». Estimativa populacional 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2014. Consultado em 29 de agosto de 2014. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de julho de 2013. 
  5. a b c d «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  6. www.jornalreporter.com.br
  7. «IBGE | Cidades | Infográficos | Goiás | Luziânia | Dados Gerais». www.ibge.gov.br. Consultado em 2016-04-04. 
  8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Banco de Dados: Cidades
  9. «Todos os estabelecimentos em Luziânia, GO». Apontador. Consultado em 2016-06-10. 
  10. «Luziânia shopping é inaugurado». 
  11. Vizinhos do pedreiro ficaram chocados com a revelação de que ele teria matado os seis jovens - Correio Brasiliense, 12 de abril de 2010 (visitado em 12-4-2010)
  12. Folha de S.Paulo. (19 de abril de 2010). Morte revela total descaso, afirma a OAB
  13. «Luziânia força nacional faz prevenção à criminalidade». 
  14. «Passagens de ônibus para o Entorno ficam mais caras a partir de domingo». Correio Braziliense. Consultado em 2016-04-08. 
  15. «Secretaria Municipal de Saúde». www.luziania.go.gov.br. Consultado em 2016-05-25. 
  16. «Três cidades goianas lideram ranking nacional de dengue no 1º bimestre». Goiás. Consultado em 2016-04-08. 
  17. «Em uma semana, Goiás tem 1736 casos de dengue | Tribuna do Planalto». Consultado em 2016-04-08. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Luziânia