Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Itacoatiara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Itaquatiara.
Município de Itacoatiara
"Cidade da pedra pintada"
"Velha Serpa[1]"
Bandeira de Itacoatiara
Brasão de Itacoatiara
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 25 de abril de 1874 (143 anos)
Gentílico itacoatiarense
Prefeito(a) Antônio Peixoto de Oliveira (PT)
(2017–2020)
Localização
Localização de Itacoatiara
Localização de Itacoatiara no Amazonas
Itacoatiara está localizado em: Brasil
Itacoatiara
Localização de Itacoatiara no Brasil
03° 08' 34" S 58° 26' 38" O03° 08' 34" S 58° 26' 38" O
Unidade federativa  Amazonas
Mesorregião Centro Amazonense IBGE/2008[2]
Microrregião Itacoatiara IBGE/2008[2]
Região metropolitana Manaus
Municípios limítrofes Oeste: Manaus e Rio Preto da Eva;
Norte: Silves e Itapiranga;
Sul: Autazes, Careiro e Nova Olinda do Norte;
Sudeste: Maués;
Leste: Boa Vista do Ramos e Urucurituba;
Distância até a capital 270 km[3]
Características geográficas
Área 8 891,993 km² [4]
População 99 854 hab. (AM: 3º) –  estimativa populacional - IBGE/2017[5]
Densidade 11,23 hab./km²
Altitude 26 m[6]
Clima Equatorial Am
Fuso horário UTC-4
Indicadores
IDH-M 0,644 médio PNUD/2010[7]
PIB R$ 1 445 182 mil (AM: 3º) – IBGE/2013[8]
PIB per capita R$ 15 328,94 IBGE/2013[8]
Página oficial

Itacoatiara é um município brasileiro localizado na Região Metropolitana de Manaus, no estado do Amazonas. É a terceira cidade mais populosa do estado, com 99 854 habitantes, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2017.[5]

Considerada um dos maiores pólos agropecuário da Região Norte do Brasil,[9] a cidade vem ocupando uma relevante posição nacional, sendo considerada uma das mais dinâmicas do Brasil[10] Ocupa uma área de 8 891,993 km²,[4] representando 0.5661 % do Estado, 0.2308 % da Região e 0.1047 % de todo o território brasileiro.[11] Desse total 10,2412 km² estão em perímetro urbano.[12]

O município possui uma temperatura média anual mínima de 25 °C e de 34 °C como média máxima. Na vegetação do município predomina o bioma amazônico. Em relação à frota automobilística, em 2009 foram contabilizados 22 580 veículos.[13] O município contava, em 2009, com 106 estabelecimentos de saúde.[14] O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,711, sendo considerando inferior à média nacional, e comparado com o IDH do estado, que foi de 0,780.[15]

A cidade é conhecida como Cidade da Pedra Pintada[16] por possuir na entrada da área urbana uma pedra pintada com um escrito indígena do tupi ou nheengatu itá: pedra; e coatiara: (pintado, gravado, escrito, esculpido) que deu origem ao nome atual da cidade. Itacoatiara possui um importante porto fluvial, responsável por uma grande quantidade de transporte de cargas, sendo o segundo maior porto fluvial escoador do país, pois chegam diariamente cargas vindas de cidades como Belém, Cuiabá, Manaus e Santarém.[17]

A vegetação, típica da região amazônica, é formada por florestas de várzea e de terra firme, tendo, ao seu redor, um relevo composto por lagos, ilhotes e uma pequena serra.[18]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Mapa de 1562 da região do rio Amazonas.

O nome Itacoatiara, que segundo a ortografia vigente deve ser grafado Itaquatiara, é originário da língua indígena e significa "Pedra Pintada",[19] devido as inscrições gravadas em algumas pedras localizadas no rio Urubu em frente à cidade. Teve como primeiros habitantes os índios Muras, Juris, Abacaxis, Anicorés, Aponariás, Cumaxiás, Barés, Jumas, Juquis, Pariguais e Terás.[20]

Itacoatiara é um vocábulo indígena que significa pedra pintada, pedra escrita. Procede do tupi ou nheengatu itá: pedra; e coatiara: pintado, gravado, escrito, esculpido.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1655 é criada pelo Padre Antônio Vieira a missão Arroquis na Ilha Albi. Em 1757, os habitantes da Aldeia dos Abacaxis são transferidos para a outra margem do Rio Amazonas (margem esquerda), onde está atualmente a cidade de Itacoatiara. Na foz do rio Mataurá, afluente do Rio Madeira, Frei João Sampaio fundou, nos meados do século XVIII, o primeiro núcleo de povoamento na região do atual município. Todavia, os constantes ataques dos silvícolas e a procura de terras propícias à colonização motivaram a retirada dos habitantes para a ribeira do Canumã e mais tarde para o rio Abacaxis. Por esse último local passou, em 1755, o Capitão-general Francisco Xavier de Mendonça Furtado, Governador do Grão-Pará e Maranhão que, em carta dirigida ao Ministro de Ultramar (1758), descreveu a viagem e especificou as deliberações tomadas em sua visita às terras amazonenses. Existem controvérsias quanto à origem da povoação, pois há os que admitem ter o padre Antônio Vieira criado uma missão de Aroaquis, numa das ilhas próximas de Itacoatiara - a de Aibi, em 1655.[21] No ano de 1759 a aldeia de Itacoatiara é elevada a vila, com a denominação de Serpa, nome de origem portuguesa. Foi a terceira vila instalada no Amazonas, antecedida apenas por Borba e Barcelos. Era, então, das mais importantes aglomerações da região.[22] Suprimido o município em 1833, dois anos depois era assolado pela Cabanagem, sedição que veio a terminar em 1840.[21] A restauração verificou-se em 1857. Mais tarde, em 1874, a vila de Serpa recebeu foros de cidade passando a denominar-se Itacoatiara. Depois de Manaus e Tefé foi a primeira localidade amazonense a ter categoria de cidade.[23]

Itacoatiara, na língua Tupi-Guarani, significa pedra pintada; entretanto, segundo Antônio Cantanhede, em Outras Histórias do Amazonas, o topônimo tem a seguinte decomposição: Itá - pedra; Coati - o mamífero; Ára - o que nasce.[24]

Formação administrativa[editar | editar código-fonte]

Em 28 de novembro de 1830, pelo Ato Estadual nº. 45, o município de Urucará é anexado ao de Itacoatiara.[25] Em 14 de setembro de 1931, pelo Ato Estadual no. 33, o município de Urucurituba também é anexado ao de Itacoatiara.[26] Em 1935, com a reconstitucionalização do estado, Urucará e Urucurituba retornam à condição de municípios.[27]

História recente[editar | editar código-fonte]

Em decorrência do crescimento demográfico de Itacoatiara, que atualmente ostenta a posição da terceira cidade mais populosa do Amazonas e uma das maiores em população da região Norte, o município foi incluído à Região Metropolitana de Manaus em 2008.[28] Possui atualmente 8,991  km²[4] e seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,711.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Itacoatiara está localizado na porção centro-leste do estado, na microrregião de Itacoatiara e na mesorregião do Centro Amazonense, numa área de baixo planalto, com uma pequena inclinação em direção aos cursos d'água. Localiza-se a uma latitude 12º44'26" leste e a uma longitude 60º08'45" oeste, estando a uma altitude de 612 metros.[29] Possui uma área de 8.600 km² e seu território tem como limite as cidades de: Manaus, Urucará, Rio Preto da Eva, Nova Olinda do Norte, Silves, Itapiranga e São Sebastião do Uatumã.[30] Localiza-se na Região Metropolitana de Manaus.[4]

Região metropolitana[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Região Metropolitana de Manaus
Imagem de satélite da Região Metropolitana de Manaus, à qual Itacoatiara pertence.

A Região Metropolitana de Manaus, também conhecida como Grande Manaus, foi criada pel Lei Complementar Estadual nº 52 de 30 de maio de 2007. A Região metropolitana é formada por mais sete cidades: Manaus, Presidente Figueiredo, Rio Preto da Eva, Careiro da Várzea, Iranduba, Manacapuru, Novo Airão. Inicialmente, o município de Manacapuru não era acrescentado à região metropolitana da capital, porém, com a construção da Ponte Rio Negro, que ligará a capital ao interior do estado.[28]

A Região Metropolitana de Manaus, à qual pertence Itacoatiara, é a maior Região metropolitana do Brasil em área territorial, com 101 474 km².[4] Com 2 106 866 habitantes, é a mais populosa da Região Norte brasileira e a décima primeira mais populosa do país, de acordo com o censo demográfico realizado pelo IBGE em 2010.[31]

Clima[editar | editar código-fonte]

Itacoatiara possui clima tropical úmido, presente em toda a Amazônia. O clima é amenizado por alta pluviosidade e pelos ventos alísios que sopram do Atlântico. Quedas de temperatura são comuns no município e diminuem bastante os rigores de calor, acontecendo quase sempre à noite. Há duas estações distintas: inverno, que se inicia em dezembro, e verão, que se inicia em maio.[29]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), desde 1971 a menor temperatura registrada em Itacoatiara foi de 16,9 °C em 23 de julho de 1981,[32] e a maior atingiu 38,8 °C em 31 de outubro de 1988.[33] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 140,4 mm em 17 de janeiro de 2011.[34] O menor índice de umidade relativa do ar foi observado na tarde de 12 de maio de 1981, de 13%.[35]

Dados climatológicos para itacoatiara
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima absoluta (°C) 35,8 36,2 36,5 36,4 36,1 35,6 37,9 36,8 37,8 38,8 37,6 37,4 38,8
Temperatura máxima média (°C) 30,2 30,5 30,1 30,2 30,6 30,9 31,1 32 32,4 32,5 32,6 31,3 31,2
Temperatura média (°C) 25,8 25,8 25,9 26 26,3 26,3 26,2 26,7 27,1 27,2 27,1 26,4 26,4
Temperatura mínima média (°C) 22 22 22,3 22,1 22,1 22,1 21,8 21,9 22,1 22,2 22,4 22,2 22,1
Temperatura mínima absoluta (°C) 18,9 18,8 18 17,5 18 17,5 16,9 18,4 18,3 19,2 18,5 18,8 16,9
Precipitação (mm) 335,8 294,9 348 326,9 275,8 176 129,5 82,8 87,6 113,2 138,2 230,9 2 539,6
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 17 18 18 18 16 15 11 7 7 8 8 13 156
Horas de sol 91,6 82,2 85,7 98,1 123,7 152,9 180,9 187,2 163,6 136,2 121,1 109 1 532,2
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (normal climatológica de 1961-1990;[36][37][38][39][40][41] recordes de temperatura: 1971-presente).[32][33]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Itacoatiara está localizada junto à bacia hidrográfica Amazônica. Os rios que passam por Itacoatiara são os rios Solimões e o Rio Negro, que formam o Rio Amazonas.[42] O rio Solimões começa no Peru e, ao entrar no Brasil, no município de Tabatinga, recebe o nome de Solimões.[43]

Além dos grandes rios que passam pela cidade, outras pequenos igarapés e lagoas cortam a cidade, que também conta com um considerável número de afluentes em suas redondezas.[29]

Fauna e flora[editar | editar código-fonte]

A fauna e flora da Amazônia é diversificada, sendo encontrada a mesma fauna da floresta tropical úmida presente em diversos municípios da região. É possível encontrar no município, inúmeras espécies de plantas e pássaros, inúmeros anfíbios e milhões de insetos.[44]

Os grandes mamíferos da água, como o peixe-boi e o boto, são encontrados principalmente em regiões sem muita movimentação do Rio Negro. Algumas árvores de origem amazônica, como a andiroba e mafumeira (também conhecida como sumaúma), são encontradas em algumas regiões da cidade, principalmente em áreas intactas. Na área urbana, pouco se encontra tais árvores. Répteis como tartarugas, caimões e víboras também ali habitam. Há pássaros e peixes de todas as espécies, plumagens e peles. Em algumas regiões ao longo dos rios, encontramos a planta vitória-régia, cujas folhas circulares chegam a mais de um metro de diâmetro.[45]

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população do município, de acordo com estimativas de 2016 provenientes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) era de 98 503 habitantes, sendo o 3º mais populoso do estado e apresentando uma densidade populacional de 11,08 habitantes por km².[46] De acordo com o censo demográfico de 2010, também realizado pelo IBGE, 48,85% da população de Itacoatiara eram homens (42 421 habitantes) e 51,15% (44,419 habitantes) eram mulheres. Também registrou-se que 77% da população vivia em zona urbana (65 327 habitantes) e 23% vivia na zona rural e ribeirinha (19 513 habitantes).[47]

O crescimento populacional de Itacoatiara na última década foi de 18,76%.[48] Em um período de dezenove anos, entre 1991 e 2010, a população de Itacoatiara teve uma taxa média de crescimento anual de 4,26%, onde sua população se elevou de 58 757 habitantes em 1991 para 72 105 habitantes em 2000. A taxa de urbanização cresceu 13,38% passando de 63,62% de urbanização no município, em 1991, para 77,00% em 2010.[47] Em 2000, a população do município representava 2,56% da população do estado e 0,04% da população do país.[47]

Ainda no período de 1991 a 2000, houve um declínio no quesito razão de dependência. Em 1991, a razão de depedência entre os habitantes era alta: 86,8%. Em 2000, com o declínio, este índice baixou para 70,4% dos habitantes.[47]

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Itacoatiara é considerado médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). No ano de 2000, considerando apenas a educação, o valor do índice é de 0,825 enquanto o do Brasil é 0,849. O índice da longevidade é de 0,741 (o brasileiro é 0,787) e o de renda é de 0,568 (o do Brasil é 0,723).[47] Comparado aos outros municípios do Brasil, Itacoatiara apresenta uma situação intermediária, ocupando a 2.787ª posição no quesito IDH, sendo que 2.776 municípios (50,6%) estão em situação melhor e 2,720 municípios (49,4%) estão em situação pior ou semelhante.[47] Comparando com os municípios do Amazonas, Itacoatiara apresenta uma boa situação: ocupa a 3ª posição, sendo que 2 municípios (3,2%) estão em situação melhor e 59 municípios (66,8%) estão em situação pior ou semelhante.[47] No período de 1991 a 2000 o IDH de Itacoatiara cresceu 8,22% passando de 0,657 em 1991 para 0,711 em 2000. A educação foi o que mais contribuiu para este crescimento, com 47,2%, seguida pela Educação, com 45,4%.[47] Caso Itacoatiara mantivesse esta taxa de crescimento de IDH, levaria 28,2 anos para alcançar São Caetano do Sul, o município com o melhor IDH do Brasil (0,919) e 9,3 anos para alcançar Manaus, o município com o melhor IDH do estado (0,774).[47]

Evolução demográfica de Itacoatiara[49][50][51][52]


Problemas sociais[editar | editar código-fonte]

Em relação ao trabalho infantil, a cidade apresenta pequenos casos, o que é um retrocesso comparados aos anos anteriores.[47]

De acordo com a Fundação Getúlio Vargas, em junho de 2006, no Brasil, a taxa baseada em renda de trabalho era de 18,57% da população, com queda de 19,8% nos quatro anos anteriores.[53] A taxa de miséria é parcialmente atribuída à desigualdade econômica do país, que de acordo com o Coeficiente de Gini, é uma das maiores do mundo.[54] Em Itacoatiara, a situação é abaixo da média nacional, sendo que a taxa de miséria vem caindo gradativamente nos últimos anos.

A região com maior concentração de pobreza é a região oeste da cidade,[47] que possui áreas com grandes índices de pobreza, devido a uma estrutura socioeconômica frágil, o que tem sido utilizado para fins eleitorais e oportunistas. Contrariamente ao senso comum, os dois bairros com maior índice de riqueza e mais nobres, localizam-se nessa região. Porém, a pobreza existente é pequena comparada aos índices das grandes cidades do país na forma de subúrbios e favelas,[47] comunidades pobres das cidades grandes.[47]

A Incidência de pobreza é de 56,78%,[55] o limite inferior da incidência da pobreza é 51,99%,[56] o limite inferior da incidência da pobreza é 61,57%,[56] a incidência de pobreza subjetiva é 67,50%,[57] O Limite inferior da Incidência da Pobreza Subjetiva é de 64,55%,[58] O Limite superior Incidência da Pobreza Subjetiva é 70,46%.[59] O Coeficiente de Gini é 0,45,[60] o Limite inferior do Índice de Gini é 0,42,[61] e por fim o limite superior ao índice Gini é 0,47.[59]

Composição étnica[editar | editar código-fonte]

Os índios correspondem por cerca de 3,09% da população.

Os traços culturais, políticos e econômicos herdados dos portugueses, espanhóis e holandeses marcam o município de Itacoatiara. Cresceu assim, mas voltando um pouco atrás na história, não se pode esquecer a importância dos ameríndios no quesito contribuição étnica. Foram os ameríndios que iniciaram a ocupação humana na Amazônia, e seus descendentes, os caboclos, desenvolveram-se em contato íntimo com o meio ambiente, adaptando-se às peculiaridades regionais e oportunidades oferecidas pela floresta.

Na sua formação histórica, a demografia de Itacoatiara é o resultado da miscigenação das três etnias básicas que compõem a população brasileira: índios, europeus e negros, formando, assim, os mestiços da região (caboclos). Mais tarde, com a chegada dos imigrantes, especialmente japoneses,[62] árabes[63] sírios e libaneses[64] e judeus vindos em sua maioria do Marrocos,[65] formou-se uma cultura singular, que caracteriza a população da cidade, seus valores e modo de vida.

Segundo o censo de 2000 do IBGE, a população de Itacoatiara está composta por: pardos (58,37 % ou 41,367 habitantes), brancos (32,21 % ou 22,504 habitantes), pretos (5,7 % ou 4 110 habitantes), indígenas (3,09 % ou 2,228 habitantes) e amarelos (0,63% ou 430 habitantes).[66][67] Há ainda, 50 pessoas que não declararam suas etnias, representando 0,10 % do total da população.[66][67]

Religião[editar | editar código-fonte]

A variedade cultural em Itacoatiara se faz presente e são diversas as manifestações religiosas presentes na localidade. Assim como diversos municípios brasileiros, o município se desenvolveu sobre uma matriz social eminentemente católica e é possível encontrar atualmente na cidade dezenas de denominações protestantes diferentes. Também é notório o crescimento dos sem-religião que, segundo dados de 2000, totalizavam 146 habitantes da população religiosa da cidade.[68] Itacoatiara está localizada no país mais católico do mundo em números absolutos. A Igreja Católica teve seu estatuto jurídico reconhecido pelo governo federal em outubro de 2009,[69] ainda que o Brasil seja atualmente um estado oficialmente laico.[70]

De acordo com dados do censo de 2000, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população de Itacoatiara é composta por: Católicos, dentre esses, romanos, siríacos e ortodoxos (80,68%), protestantes (5,73%), pessoas sem religião (6,08%), budistas (0,01%), muçulmanos (0,01) e 2,14% estão divididas entre outras religiões.[68] Entre as igrejas protestantes, destacam-se a Assembleia de Deus (15,36%), Igreja Batista (2,09 %) e Igreja Adventista do Sétimo Dia (1,72 %).[68] Entre as denominações cristãs restauracionistas, destacam-se A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (1,16 %) e as testemunhas de Jeová (0,40 %).[68] O espiritismo, judaísmo, a umbanda e o candomblé não foram identificados entre a população religiosa.[68]

Política[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Constituição de 1988, Itacoatiara está localizada em uma república federativa presidencialista. Foi inspirada no modelo estadunidense, no entanto, o sistema legal brasileiro segue a tradição romano-germânica do Direito positivo.[71] A administração municipal se dá pelo poder executivo e pelo poder legislativo.[72]

O Poder executivo é representado pelo prefeito e gabinete de secretários, em conformidade ao modelo proposto pela Constituição Federal. O Poder legislativo é constituído à câmara, composta por 15 vereadores eleitos para mandatos de quatro anos, em observância ao disposto no artigo 29 da Constituição do Brasil.[73] Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao Executivo, especialmente o orçamento participativo (Lei de Diretrizes Orçamentárias). O município de Itacoatiara se rege por leis orgânicas.[74]

O Poder legislativo é constituído pela câmara, composta por quinze vereadores eleitos para mandatos de quatro anos (em observância ao disposto no artigo 29 da Constituição[75]) e está composta da seguinte forma: três cadeiras do Partido Social Democrático (PSD); duas cadeiras do Partido Progressista (PP); duas cadeiras do Partido da República (PR); duas cadeiras do Partido dos Trabalhadores (PT); uma cadeira do Partido Comunista do Brasil (PC do B); uma cadeira do Partido Democrático Trabalhista (PDT); uma cadeira do Partido Republicano da Ordem Social (PROS); uma cadeira do Partido Republicano Progressista (PRP); uma cadeira do Partido Social Cristão (PSC) e uma cadeira do Partido Trabalhista Nacional (PTN). Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao Executivo, especialmente o orçamento participativo (Lei de Diretrizes Orçamentárias).

O atual prefeito de Itacoatiara é Antônio Peixoto de Oliveira, filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT), que cumpre seu mandato como prefeito desde 1º de janeiro de 2017. De acordo com o TRE-AM (Tribunal Regional Eleitoral), o município possuía em 2016 cerca de 62.343 eleitores.

Símbolos municipais[editar | editar código-fonte]

Os símbolos do município de Itacoatiara são: a bandeira, o brasão e o hino.[76]

Bandeira[editar | editar código-fonte]

A bandeira do município de Itacoatiara é de autoria de Antonildes Bezerra Mendonça. Foi instituída através da Lei nº 14 de 18 de maio de 1982, do ex-vereador Getúlio Borsa Lima. No alto à esquerda há uma estrela simbolizando o município. No centro encontramos a Pedra Histórica de Itacoatiara de onde origina-se o nome Itacoatiara contendo inscrições hieroglíficas (“1744 a 1754, uma “cruz com três degraus” e palavra “TROPA”). A mesma pedra também simboliza o período de colonização do Amazonas pelos portugueses, sendo que os mesmos sempre estavam acompanhados dos jesuítas que vinham catequizar os índios juntamente com soldados que os defendiam de possíveis ataques indígenas. Ainda no centro da bandeira, vê-se uma faixa vermelha provinda da Bandeira do Amazonas. A cor verde representa a exuberante floresta itacoatiarense e a esperança do povo que anseia pelo progresso e a cor azul, representa a cor do céu do município.[76]

Brasão e hino[editar | editar código-fonte]

O brasão de Itacoatiara foi instituído através da lei nº 14 de 18 de maio de 1982, do ex-vereador Getúlio Borsa Lima e de autoria do artista Antonildes Bezerra Mendonça.[76]

O brasão apresenta em sua parte superior o sol nascente, que reflete a esperança da população. Conta com a data de fundação da localidade. Ao fundo, é vista a paisagem natural itacoatiarense exibindo o rio Amazonas. Há dois tucunarés simbolizando a fartura pesqueira do município e, no centro, há uma árvore de castanheira (bertholletia excelsa), uma árvore nativa da região. A árvore dá origem à castanha do Amazonas, um dos principais produtos de importação do município no século XX.

Há ainda a vitória-régia, símbolo da beleza aquática do Amazonas; uma corda tecida em fibra de juta, cujo produto é bastante produzido neste município e exportado para o sul do país e, circulando a corda, é possível ver parte de um ramo representando a botânica da região de Itacoatiara.[76][77]

Percebe-se que toda a paisagem surge em forma da “cabeça de boi gir”, simbolizando a pecuária do município. Entre a paisagem e a âncora, há várias sementes de seringueira, árvore esta que representa a propulsora economia itacotiarense durante o século XIX. Finalizando o brasão, exibi-se uma âncora que representa a exportação de todos os produtos do município para diversos lugares do mundo.[76][77]

O hino do município de Itacoataira foi oficializado por Miron Osmário Fogaça, então prefeito, em março de 1997 e sua primeira apresentação oficial foi feita no 123º aniversário de Itacoatiara e executado pelo coral municipal.[78]

Letra
Menina Itacoatiara vive assim
Com ares de prima-dona
Que grande orgulho eu sinto em mim
E a serpente raivosa a vibrar
Eu tenho um presente venturoso
Crescer, viver, reinar>>>
Estribilho do hino do município de Itacoatiara.[79]

Economia[editar | editar código-fonte]

Itacoatiara possui o terceiro maior Produto interno bruto (PIB) dentre os municípios amazonenses, superado apenas por Manaus e Coari, estando caracterizada também como a 409ª maior economia do Brasil. Segundo dados do IBGE, em 2009 seu Produto Interno Bruto foi de R$ 919 967 000 000,00[8] O PIB per capita era de R$ 6 339,61 mil[8] e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de renda, em 2000, era de 0,568 sendo que o do Brasil era de 0,723.[47]

Caracteriza-se especialmente pela indústria, além da pecuária, exploração de caça, pesca, pecuária extensiva nos campos naturais e incipiente agricultura itinerante nas terras firmes, salientando-se nos últimos anos a cultura da juta e da pimenta-do-reino.[80] Com relação a Itacoatiara, observa-se que tem muitas indústrias de fabricação de materiais de construção, produtos de beleza, alimentos, entre outras.

Produção agrícola[80]
Produto Quantidade (t)
Mandioca 67.355
Banana 674.124
Milho 13.214
Laranja 6.325
Feijão 420

Setor primário[editar | editar código-fonte]

A agricultura em Itacoatiara é uma das principais fontes de renda. O valor total do PIB total da agricultura é de R$ 273 929,00 deste fato a cidade é considerada o maior pólo agropecuário da Região Norte do Brasil.[9] Em Itacoatiara destaca-se também outros produtos como a mandioca, banana, milho, laranja, feijão, café e hortaliças.[81] O PIB agropecuário do município é o 29º maior entre os municípios brasileiros.[82]

A pecuária e a pesca também constituem um forte empreendedor econômico do município, com destaque para a criação de bovinos eqüinos e suínos. Em 2009, foram registradas 283.773 bovinos efetivos no município, além de 62.897 bubalinos e 53.000 eqüinos.[83] Na pesca, as espécies mais comuns são o pacu, sardinha, curimatá, branquinha, jaraqui, matrinxã, acari-bodó e outras espécies de peixes oriundos de água doce.[81]

A avicultura também concentra uma representação econômica para a cidade, existindo uma granja com criação de galinhas de postura. O extrativismo vegetal ainda é uma atividade de grande significado para a economia local, através da exploração de produtos como a borracha, pupunha e madeira. Existem diversos viveiros de peixes na localidade, voltados à criação de espécies de peixes da Amazônia.[81] Na fruticultura, produz-se no município maracujá, cupuaçu, mamão, abacaxi, banana, abacate, laranja, limão e melancia.[81]

Setor secundário[editar | editar código-fonte]

Tipos de Indústria de Itacoatiara
Madeireira

46 %

Mobiliária

16 %

Construção

12 %

Metalúrgica

9 %

Outras

17 %

A produção industrial no município está intimamente ligada à indústria local. Há indústrias voltadas a atividades agropecuárias, produção de minerais não metálicos, metalúrgica, mecânica, materiais elétricos, material de transporte, madeira, mobiliário, papel, borracha, couro, produtos farmacêuticos e veterinários, materiais plásticos, têxtil, vestuário, bebida, fumo, editorial e gráfica, calçados e construção.[81]

Em 2008, havia 1.447 empresas regularizadas no município, de acordo com o IBGE, gerando cerca de 10.458 empregos diretos.[84]

Setor terciário[editar | editar código-fonte]

O município mantém transações comerciais com as praças de Manaus e Belém. Entre os produtos que importa aparecem em primeiro lugar gêneros alimentícios, tecidos, medicamentos, ferragens e material elétrico.[85] De acordo com dados de 2008, a sede municipal conta com 1198 estabelecimentos de comércio, gerando aproximadamente 10 458 empregos diretos com salários de R$ 93.537, uma média de 4 salários mínimos.[86]

Estrutura urbana[editar | editar código-fonte]

Habitação, infraestrutura básica e segurança[editar | editar código-fonte]

Itacoatiara possui uma ótima infraestrutura. Em 2010 a cidade possuía 24 700 domicílios entre apartamentos, casas, e cômodos. Desse total 11 608 eram imóveis próprios, sendo 24 645 próprios já quitados, 207 em aquisição e 1.871 alugados; 1 010 imóveis foram cedidos, sendo 326 por empregador e 294 cedidos de outra maneira. Ainda 680 foram ocupados de outra forma .[87] Parte dessas residências conta com água tratada, energia elétrica, esgoto, limpeza urbana, telefonia fixa e telefonia celular. Em 2000, 81,56% dos domicílios eram atendidos pela rede geral de abastecimento de água;[88] 92,8% das moradias possuíam coleta de lixo[89] e apenas 42,16% das residências possuíam escoadouro sanitário.[90]

No período entre 1991 e 2000 o acesso a bens de consumo era considerado médio. Em 1991, 57,7% das residências possuíam geladeira; 62,6% televisão; 15,8% telefone e apenas 0,10% possuiam computador. Em 2000 o índice se elevou: 79,21% das residências possuíam geladeira; 76,25% televisão; 26,24% telefone e 6,33% computador.[47]

Por força da Constituição Federal do Brasil, a Guarda Municipal de Itacoatiara, juntamente com a Polícia Militar, possui a função de proteger os bens, serviços e instalações públicas. Ainda, atendendo o interesse público e no exercício do seu poder de polícia, atua na prevenção e repressão de alguns crimes, especialmente contra bens e serviços públicos, podendo inclusive prender em flagrante delito os infratores e conduzi-los até a presença de um delegado de polícia, de acordo com o disposto na lei processual penal.[91]

A criminalidade em Itacoatiara está em razoável decrecimento, como em poucas cidades do Brasil. Em 2006 a taxa de homicídios no município foi de 4,7 para cada 100 mil habitantes, sendo que em 2005 a taxa era de 6,7. O índice de óbitos por arma de fogo, após apresentar grande crescimento entre 2002 e 2005, caiu em 2006, sendo de 2,7 para cada 100 mil habitantes neste ano. A taxa de óbitos por acidentes de trânsito, que era de um em 2002, subiu para 19 por cada 100 mil habitantes em 2006.[92]

Saúde e educação[editar | editar código-fonte]

O município possui centro e quantro estabelecimentos de saúde, sendo que a maioria são público e uma pequena parte particular. Dos cento e quatro estabelecimentos de saúde, trinta e sete prestam serviços odontológicos e atuam como unidades básicas de saúde.[93]

Itacoatiara possui escolas em todas as regiões do município.[94] O município em 2009 contava com aproximadamente 24 834 matrículas, 1030 docentes e 172 escolas nas redes públicas e particulares, sendo 27 escolas estaduais, 115 municipais e 30 particulares.[94] 25 escolas municipais atuavam em atividades pré-escolares.[94] No ensino superior, o município possui um campus da Universidade do Estado do Amazonas (UEA)[95] e da Universidade Federal do Amazonas[96] (UFAM), além disso conta com várias universidades privadas.

Serviços e comunicações[editar | editar código-fonte]

O município é abastecido pela Usina Hidrelétrica de Balbina, localizada em Balbina, distrito do município de Presidente Figueiredo. Juntamente com a Usina Hidrelétrica de Samuel, Balbina abastece grande parte dos municípios da Amazônia Ocidental. A distribuição de energia no município é fornecida pela Eletrobras Eletronorte.[97]

O serviço de abastecimento de água de toda a cidade é feito pelo Serviço de Abastecimento de Água e Esgoto (SAAE).[98] Já a coleta de esgoto é realizada pela própria prefeitura. Ainda há serviços de internet discada e banda larga (ADSL) sendo oferecidos por diversos provedores de acesso gratuitos e pagos. O serviço de telefonia móvel, é oferecido pelas operadoras Claro, Oi,TIM e Vivo. O código de área (DDD) de Itacoatiara é 92 e o Código de Endereçamento Postal (CEP) da cidade é 69100-000.[99]

Itacoatiara recebe sinais de televisão aberta de várias emissoras brasileiras.[100] Entre as emissoras regionais que veiculam programas ligados ao município, destacam-se a Rede Calderaro de Comunicação, que veicula a TV A Crítica,[100] afiliada da Rede Record; TV Bandeirantes Amazonas - antiga TV Rio Negro[100] - emissora da própria Rede Bandeirantes; a TV Em Tempo, afiliada do SBT; e a TV Itacoatiara,[100] afiliada da Rede Globo.[100]

Transporte[editar | editar código-fonte]

O município possui muita tradição no transporte hidroviário, tendo em vista a abundância dos rios que cortam a localidade. Itacoatiara, assim como os demais municípios amazonenses, não é cortada por ferrovias em seu território.[101] O transporte público em Itacoatiara, assim como em toda a Região Metropolitana de Manaus, é administrado pela Superitendência de Transporte Urbano da Grande Manaus[8] (STU-RMM). O transporte aéreo também é usado, embora em menor escala.[8]

De acordo com o IBGE, a cidade contava com 7.272 bicicletas, 9.910 motos, 3.542 carros, 32 microônibus, 80 ônibus, 622 camionetas, 566 caminhões, e 556 caminhonetes.[8]

Fluvial[editar | editar código-fonte]

Barco no rio Amazonas. O transporte fluvial nessa região é muito comum, pois existem poucas estradas.

Os rios amazônicos são ainda hoje, como no tempo do Brasil-Colônia, as únicas vias de penetração nessa região.[102] A navegação fluvial é muito intensa no Amazonas, que possui o maior rio em volume de águas do mundo, o Rio Amazonas. Os rios de pequeno porte da região são navegáveis até o alto curso, como acontece nos rios juruá e Purus.[103] Os tipos de embarcação hidroviária utilizadas na região variam desde pquenos barcos até a navios de cruzeiro.[17] São usadas ainda embarcações a vela, geralmente chamadas de "canoas", "geleiras" ou "vigilengas", que realizam grande parte do tráfego à capital, Manaus,[17] e outras localidades rurais do município. O Porto de Itacoatiara é um dos principais da região.[17]

Cultura e sociedade[editar | editar código-fonte]

A cultura do município, assim como do Amazonas, foi largamente influencidada pelos povos nativos da região e pelos diversos grupos de imigrantes e migrantes que ali se estabeleceram, principalmente espanhóis.[104] Itacoatiara tornou-se uma cidade com ampla miscigenação cultural e diversificadas culturas.[104] Os nordestinos que migraram para a Amazônia no fim do Século XIX e início do Século XX, atraídos pelo Ciclo da borracha, também contribuíram para a formação da cultura municipal.[105] Tudo isso gerou na localidade e no estado uma cultura mestiça e com grande contribuição e permanência da cultura indígena.[105] A prefeitura promove cultura por órgãos culturais. Todos os anos no mês de Setembro, acontece o FECANI, com o objetivo de desenvolver e divulgar novos talentos amazonenses da música. O maior festival de música do Norte, o Festival da Canção de Itacoatiara (Fecani), reuni músicos de todo o Brasil.[106]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Itacoatiara é um dos maiores destinos turísticos no Amazonas, recebendo um elevado número de turistas que visitam as praias, lagos e igarapés das proximidades, que contam com diversos hotéis de selva.[107]

A cidade alcançou em 2005 o oitavo destino mais procurado na Região Norte do Brasil por turista em viagens de negócios, segundo a EMBRATUR a cidade ficou atrás somente de Manaus, Belém, Palmas, Boa Vista, Porto Velho, Rio Branco e Marabá. O ecoturismo, também chamado de turismo de natureza, atrai milhares de turistas ao município.[107] Entre as atrações naturais da cidade, destacam-se: a Praça Central de Itacoatiara, que possui grandes prédios em construção constratando com a grande arborização que é a marca da cidade. Também destacam-se festas populares, como a festa do padroeiro, o festival da canção, o museu de Itacoatiara, além do ecoturismo.[108]

A cidade também possui praias, lagos e prédios históricos localizados nas ruas do Cais do Porto, atualmente o agronegócio também tem trazido turistas a cidade, em busca das feiras agropecuárias e rodeios realizados ao decorrer do ano.[108]

Festival da Canção de Itacoatiara[editar | editar código-fonte]

É o principal evento da cidade, atrai todos os anos milhares de turistas, além disso vários artistas populares brasileiros e regionais se apresentam nos dias da festa.[109]

Futebol[editar | editar código-fonte]

No futebol, o principal clube de futebol de Itacoatiara é o Penarol Atlético Clube, tendo sido fundado no dia 8 de agosto de 1947.[110] Embora a grafia do seu nome seja motivo de dúvida pela imprensa, que grafa erradamente Peñarol[111] ou Penharol,[112] o nome correto é Penarol,[113][114] conforme consta no sítio oficial e nos registros da Federação Amazonense de Futebol.[115]

Na cidade está localizado o Estádio Floro de Mendonça, também conhecido como Floro, na época de sua inauguração, década de 1960, chegou a receber jogos de grandes equipes como o Flamengo e o Vasco da Gama. O Estádio Municipal de Itacoatiara é acanhado. Com capacidade para 2.710 pessoas,[116] está localizado na parte central do município de Itacoatiara. O gramado mede 105x68m, entretanto as áreas laterais e de fundo são menores.[116]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Segundo a Prefeitura de Itacoatiara, em Itacoatiara há dois feriados municipais, oito feriados nacionais e três pontos facultativos. Os feriados municipais são: o dia do padroeira Nossa Senhora do Rosário, em 7 de outubro, e o dia de aniversário de emancipação política, comemorado em 25 de abril.[117] De acordo com a lei federal nº 9.093, aprovada em 12 de setembro de 1995, os municípios podem ter no máximo quatro feriados municipais, já incluída a Sexta-Feira Santa.[118][119]

Referências

  1. «A cidade da Pedra Pintada - Itacoatiara». Rádio Pintada. 2011. Consultado em 26 de maio de 2011 
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. http://distanciacidades.com/calcular?from=Manaus+-+AM%2C+Brasil&to=Itacoatiara+-+AM%2C+Brasil
  4. a b c d e «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). IBGE. 10 de outubro de 2002. Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  5. a b «Estimativa populacional 2017» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 2 de setembro de 2017 
  6. «Amazonas». Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Consultado em 2 de julho de 2011 
  7. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  8. a b c d e f g «Produto Interno Bruto dos Municípios 2010-2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  9. a b «Posição ocupada pelos 100 maiores municípios em relação ao valor adicionado bruto da agropecuária e participações percentuais relativa e acumulada, segundo os municípios e as respectivas Unidades da Federação – 2008». IBGE. Consultado em 17 de maio de 2011 
  10. FLORENZO. «300 cidades mais dinâmicas do Brasil.». Consultado em 17 de maio de 2011 
  11. «Dados gerais do município de Itacoatiara - AM». Confederação Nacional dos Municípios (CMN). Consultado em 2 de agosto de 2010 
  12. «Estado do Amazonas». Embrapa Monitoramento por Satélite. Consultado em 2 de agosto de 2010 
  13. «Frota 2009». Cidades@ - IBGE. Consultado em 1 de fevereiro de 2011 
  14. «Serviços de saúde 2009». Cidades@ - IBGE. Consultado em 1 de fevereiro de 2011 
  15. «O IDH no Brasil». Brasil Escola. Consultado em 17 de maio de 2011 
  16. «Cidade de Itacoatiara». Brasil Channel. Consultado em 17 de maio de 2011 
  17. a b c d «Porto de Itacoatiara (AM) é o segundo maior porto fluvial do Brasil». Agroonline. Consultado em 17 de maio de 2011 
  18. «História de Parintins, AM». Ache tudo e Região. 2008. Consultado em 14 de janeiro de 2011 
  19. «Itacoatiara (Amazonas)» (PDF). Histórico de Itacoatiara. IBGE. 10 de outubro de 2002. Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  20. «Itacoatiara Brasil Channel». Brasil Channel. Itacoatiara. Consultado em 25 de maio de 2011 
  21. a b «Itacoatiara - História da cidade». City Brazil. 2008. Consultado em 17 de dezembro de 2010 
  22. «Histórico da cidade de Itacoatiara». IBGE cidades @. 2010. Consultado em 25 de maio de 2011 
  23. «Itacoatiara». IBGE cidades @. 2010. Consultado em 25 de maio de 2011 
  24. «Itacoatiara AM». Mapa Vivo. 2011. Consultado em 25 de maio de 2011 
  25. «Urucará - História da cidade». City Brazil. 2008. Consultado em 17 de dezembro de 2010 
  26. «Urucurituba - História da cidade». City Brazil. 2008. Consultado em 17 de dezembro de 2010 
  27. «Itacoatiara». Amazônia de A a Z. 2011. Consultado em 5 de junho de 2011 
  28. a b «Senac vai promover o workshop em Itacoatiara e Parintins» 🔗. Portal Amazônia. 26 de maio de 2010. Consultado em 17 de dezembro de 2010 
  29. a b c «Detalhes sobre a cidade de Itacoatiara». MF Rural. Consultado em 24 de dezembro de 2010 
  30. «Limites de Itacoatiara». City Brazil. 2008. Consultado em 17 de dezembro de 2010 
  31. «Censo Demográfico 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  32. a b «BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (°C) - Itacoatiara». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 21 de julho de 2015 
  33. a b «BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (°C) - Itacoatiara». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 21 de julho de 2015 
  34. «BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Itacoatiara». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 21 de julho de 2015 
  35. «BDMEP - Série Histórica - Dados Horários - Umidade Relativa (%) - Itacoatiara». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 21 de julho de 2015 
  36. «Temperatura Média Compensada (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 21 de julho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  37. «Temperatura Máxima (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 21 de julho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  38. «Temperatura Mínima (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 21 de julho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  39. «Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 21 de julho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  40. «Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 21 de julho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  41. «Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 21 de julho de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  42. «Itacoatiara (AM)». Viagens Maneiras. Consultado em 22 de dezembro de 2010 
  43. «Rio Solimões». PortalAmazônia. 6 de setembro de 2010 
  44. «Fauna & Flora da Amazônia». Portal EmDiv. 6 de setembro de 2010 
  45. «Vitória régia». Canal Kids. 6 de setembro de 2010 
  46. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome IBGE_Pop_2016
  47. a b c d e f g h i j k l m n o «Perfil municipal - Itacoatiara». Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico do Amazonas (SEPLAN). 2000. Consultado em 14 de janeiro de 2011 
  48. «Itacoatiara». O Genial. 2010. Consultado em 1 de fevereiro de 2011 
  49. «Itacoatiara - AM». População. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 27 de novembro de 2010 
  50. Thiago Vieira (1999). A Velha Serpa. Do Itacoá a Itacoatiara 2ª Edição ed. Manaus: NAEA/UFAM. 174 páginas 
  51. «Demografia - População Total/Itacoatiara - AM». Confederação nacional dos Municípios (CMN). Consultado em 27 de novembro de 2010 
  52. «Dados do Censo 2010 publicados no Diário Oficial da União/Amazonas» (pdf). IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. 4 de novembro de 2010. Consultado em 1 de dezembro de 2010 
  53. «FGV - Miséria em queda» (PDF) 
  54. «Pnud: Brasil tem 3ª pior desigualdade do mundo - O Globo». O Globo. 2011. Consultado em 4 de junho de 2011 
  55. «IBGE Cidades @ ::Comparativo». IBGE. Consultado em 4 de junho de 2011 
  56. a b «IBGE Cidades @ ::Comparativo». IBGE. Consultado em 4 de junho de 2011 
  57. «IBGE Cidades @ ::Comparativo». IBGE. Consultado em 4 de junho de 2011 
  58. «IBGE Cidades @ ::Comparativo». IBGE. Consultado em 4 de junho de 2011 
  59. a b «IBGE Cidades @ ::Comparativo». IBGE. Consultado em 4 de junho de 2011 
  60. «IBGE Cidades @ ::Comparativo». IBGE. Consultado em 4 de junho de 2011 
  61. «IBGE Cidades @ ::Comparativo». IBGE. Consultado em 4 de junho de 2011 
  62. «A quarta raça». Japão 100. 2007. Consultado em 28 de janeiro de 2011 
  63. «Árabes». Wikipédia, a enciclopédia livre. 28 de abril de 2017 
  64. «Libaneses». Wikipédia, a enciclopédia livre. 20 de abril de 2017 
  65. «Judeus marroquinos que vieram para a Amazônia». Revista Morashá. Dezembro de 2010. Consultado em 28 de janeiro de 2011 
  66. a b «Tabela 2094 — População residente por cor ou raça e religião». IBGE. 2000. Consultado em 28 de janeiro de 2010 
  67. a b «Tabela 2094 — População residente por cor ou raça e religião». IBGE. 2000. Consultado em 28 de janeiro de 2011 
  68. a b c d e «Contagem por cor, raça e religião». Ministério de Apoio com Informação. IBGE. 2010. Consultado em 14 de janeiro de 2011 
  69. Cristiane Agostine (8 de outubro de 2009). «Senado aprova acordo com o Vaticano». O Globo. Consultado em 12 de outubro de 2010 
  70. Fernando Fonseca de Queiroz (Outubro de 2005). «Brasil: Estado laico e a inconstitucionalidade da existência de símbolos religiosos em prédios públicos». Jus Navigandi. Consultado em 12 de outubro de 2010 
  71. «The Brazilian Legal System». Organization of American States (OAS) (em inglês). Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  72. Flávio Henrique M. Lima (8 de fevereiro de 2006). «O Poder Público Municipal à frente da obrigação constitucional de criação do sistema de controle interno». JusVi. Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  73. DJI. «Constituição Federal - CF - 1988 / Art. 29». Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  74. «Estado do Amazonas - Prefeitura Municipal de Itacoatiara» (PDF). Diário Oficial do Município. 31 de outubro de 2007. Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  75. DJI. «Constituição Federal - CF - 1988 / Art. 29». Consultado em 3 de fevereiro de 2011 
  76. a b c d e «Símbolos Oficiais». Câmara Cidadã. Consultado em 29 de maio de 2011 
  77. a b «Símbolos Oficiais de Itacoatiara». Itacoatiara acontece. Consultado em 29 de maio de 2011 
  78. Professor Ricardo Abreu. «Hino de Itacoatiara». Consultado em 29 de maio de 2011 
  79. «Hino do município de Itacoatiara». Letras - Terra. Consultado em 29 de maio de 2011 
  80. a b «Produção Agrícola». @Cidades - IBGE. Consultado em 7 de fevereiro de 2011 
  81. a b c d e «Características de Itacoatiara». Consultado em 22 de dezembro de 2010 
  82. «100 maiores PIBs da agropecuária». 2010. Consultado em 15 de fevereiro de 2013 
  83. «Pecuária 2009». Cidades@ - IBGE. 2009. Consultado em 22 de dezembro de 2010 
  84. «Estatísticas do Cadastro Central de Empresas 2008». Cidades@ - IBGE. 2008. Consultado em 22 de dezembro de 2010 
  85. «Características econômicas». Feriastur. 2008. Consultado em 1 de fevereiro de 2011 
  86. «Estatísticas do Cadastro Central de Empresas 2008». Cidades@ - IBGE. 2008. Consultado em 1 de fevereiro de 2011 
  87. «Infra-Estrutura - Domicílios Particulares Permanentes e Moradores». Confederação nacional de municípios (CMN). Consultado em 29 de janeiro de 2011 
  88. «Infra-Estrutura - Abastecimento de Água». Confederação nacional de municípios (CMN). Consultado em 29 de janeiro de 2011 
  89. «Infra-Estrutura - Destino do Lixo». Confederação nacional de municípios (CMN). Consultado em 29 de janeiro de 2011 
  90. «Infra-Estrutura - Esgotamento Sanitário». Confederação nacional de municípios (CMN). Consultado em 29 de janeiro de 2011 
  91. «Constituição Federal do Brasil». Planalto. 14 de setembro de 2010 
  92. «Base de dados dos municípios» (xls). Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros-2008. Ritla. 2008. Consultado em 30 de janeiro de 2011 
  93. «Serviços de Saúde 2009». Cidades@ - IBGE. 2009. Consultado em 14 de janeiro de 2011 
  94. a b c «Ensino - matrículas, docentes e rede escolar 2009». @ Cidades - IBGE. Consultado em 14 de janeiro de 2011 
  95. «Acadêmicos da UEA fazem mobilização contra construção de uma obra no terreno do campus». Canal Itacoatiara. 2011. Consultado em 5 de junho de 2011 
  96. «Campus Itacoatiara». UFAM. 2011. Consultado em 5 de junho de 2011 
  97. «Água demais, água de menos - Onde tem água de sobra». Editora Horizonte. Consultado em 7 de fevereiro de 2011 
  98. «Serviço de Abastecimento de Água e Esgoto (SAAE)» (PDF). Associação Amazonense de Municípios (ASAM). Consultado em 7 de fevereiro de 2011 
  99. «Município de Itacoatiara - Informações». Grande Brasil. Consultado em 7 de fevereiro de 2011 
  100. a b c d e «Canais de Itacoatiara». Portal BDS. 2011. Consultado em 5 de junho de 2011 [ligação inativa] 
  101. «Qual a solução pra o transporte na amazônia...» (PDF). IDESAM. Consultado em 4 de junho de 2011 
  102. «Dados técnicos sobre as bacias hidroviárias - Hidrovia do Solimões». Ministério dos Transportes. Consultado em 1 de fevereiro de 2011 
  103. «Rio Amazonas». Brasil Escola. Consultado em 5 de junho de 2011 
  104. a b «Cultura da Amazônia». Portal Amazônia. Consultado em 1 de fevereiro de 2011 
  105. a b «As Várias Faces da Amazônia: Migrações, Deslocamentos e Mobilidade Social na Região Norte». Com Ciência. Consultado em 1 de fevereiro de 2011 
  106. «Qual o tamanho do FECANI?». Overmundo. Consultado em 4 de junho de 2011 
  107. a b «Mamirauá e Projetos de Desenvolvimento Sustentável - AM». Ministério do Turismo. 3 de fevereiro de 2011 
  108. a b «Turismo». Prefeitura de Itacoatiara. 3 de fevereiro de 2011 
  109. «Turismo». Overmundo. 3 de fevereiro de 2011 
  110. «Princesa do Solimões Esporte Clube». Arquivo de Clubes. 3 de fevereiro de 2011 
  111. http://www.futeboldonorte.com/exibenot.php?id=33594
  112. http://www.bolanaarea.com/estaduais_am_2008_div2.htm
  113. http://www.penarol.com.br/simbolo.html
  114. http://www.futeboldonorte.com/exibenot.php?id=33858
  115. http://www.futebolamazonense.com/downloads/campeonatos/seriea2009/seriea2009-CampeonatoProfissionalde2009Regulamento.doc
  116. a b «CNEF - Cadastro Nacional de Estádios de Futebol» (PDF). CBF/DCO. 15 de setembro de 2009. Consultado em 21 de setembro de 2009 
  117. «Anexo III - Feriados Municipais» (pdf). Associação do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (AMPERN). Consultado em 26 de março de 2011 
  118. Sérgio Ferreira Pantaleão. «Carnaval - é ou não feriado? folga automática pode gerar alteração contratual». Guia Trabalhista. Consultado em 3 de março de 2011 
  119. «Lei Nº 9.093, de 12 de setembro de 1995». Presidência da República. Consultado em 26 de março de 2011 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]