Brejo da Madre de Deus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Brejo da Madre de Deus
"Capital Agroecológica[1]"
Cidade-brejo-PE.jpg

Bandeira de Brejo da Madre de Deus
Brasão de Brejo da Madre de Deus
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 26 de maio de 1751 (266 anos)
Emancipação 20 de junho de 1892 (125 anos)
Gentílico brejense
Padroeiro(a) São José
Prefeito(a) Hilário Paulo da Silva (PSD)
(2017–2020)
Localização
Localização de Brejo da Madre de Deus
Localização de Brejo da Madre de Deus em Pernambuco
Brejo da Madre de Deus está localizado em: Brasil
Brejo da Madre de Deus
Localização de Brejo da Madre de Deus no Brasil
08° 08' 45" S 36° 22' 15" O08° 08' 45" S 36° 22' 15" O
Unidade federativa  Pernambuco
Mesorregião Agreste Pernambucano IBGE/2008[2]
Microrregião Vale do Ipojuca IBGE/2008[2]
Municípios limítrofes ao norte:Santa Cruz do Capibaribe e Taquaritinga do Norte; ao sul: Belo Jardim, Tacaimbó e São Caetano; ao leste: Caruaru; ao oeste: Jataúba
Distância até a capital 202 2 km
Características geográficas
Área 762,088 km² [3]
População 49 624 hab. estatísticas IBGE/2016[4]
Densidade 65,12 hab./km²
Altitude 627 m
Clima Semiárido/Mesotérmico BSh/Cs'a
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,562 baixo PNUD/2010[5]
PIB R$ 239 457 mil IBGE/2012[6]
PIB per capita R$ 5 177 67 IBGE/2012[6]
Página oficial
Prefeitura http://www.brejomdeus.pe.gov.br/

Brejo da Madre de Deus é um município brasileiro do estado de Pernambuco.[7]

O município tem como seus principais distritos, A Sede, São Domingos e Fazenda Nova. Na Sede se encontra o Palácio Municipal Pedro Aleixo de Sousa onde funciona a Prefeitura Administrativa. No Distrito de Fazenda Nova está localizado o icônico Teatro de Nova Jerusalém, onde se realiza anualmente a popular encenação "Paixão de Cristo de Nova Jerusalém" desde 1967.

História[editar | editar código-fonte]

Pré-História[editar | editar código-fonte]

No Sitio arqueológico da Furna do Estrago, em Brejo da Madre de Deus foi descoberta uma importante necrópole pré-histórica, com 125 metros quadrados de área coberta, de onde foram resgatados 83 esqueletos humanos em bom estado de conservação além de várias pinturas rupestres; estes vestígios ajudaram a desenvolver pesquisas sobre rituais fúnebres, a alimentação, a cultura e a religiosidade de grupos de caçadores e coletores que viveram na região a aproximadamente 10 mil anos.[8][9][10]

Os indivíduos encontrados na Furna do Estrago possuíam uma cultura adaptada à caatinga e acredita-se que são precursores dos índios da etnia xucuru. O clima da região ajudou a conservar esqueletos de crianças e adultos e pedaços de cérebro. Dentre os 83 esqueletos destaca-se o de um homem de aproximadamente 45 anos que foi enterrado com uma flauta feita de tíbia humana entre os braços. Não se sabe para que o instrumento era usado. Uma das teorias é de que o indivíduo poderia ser uma espécie de vigia, que avisava a população por meio do som. Também foram encontrados apitos no cemitério.[11][12][13]

A análise dos restos mortais comprova que esses povos eram bem alimentados, praticavam a antropofagia, fabricavam a tecelagem a partir das fibras de palmeiras da região e possuíam uma divisão social relativamente acentuada.[14][15] Este sítio foi escavado durante duas campanhas de campo, a primeira em 1983 e a segunda em 1987, sob a responsabilidade da arqueóloga Jeannette Maria Dias de Lima da Universidade Católica de Pernambuco.[16][17]

Origens e Povoamento[editar | editar código-fonte]

O território pertencia à sesmaria de 21 léguas, concedida a Manuel da Fonseca Rego pelo governador da capitania de Pernambuco, o Marquês de Montebelo.

O povoamento do Brejo da Madre de Deus tem suas origens em 1710 quando o português André Cordeiro dos Santos estabeleceu-se na localidade que chamou de tabocas construindo ali um engenho de açúcar. O mesmo nome foi dado a um rio que passava nas extremidades, o Rio Tabocas.[18]

O nome Brejo provém de sua situação em um vale formado pelas serras da Prata, do Estrago e do Amaro; e Madre de Deus é devido aos evangelizadores franciscanos, os chamados recoletas, da confraria da Madre de Deus do Recife, mais conhecidos como da Congregação de São Filipe Néri que adentraram-se pelo interior da capitania, seguindo o curso do Rio Capibaribe e estabeleceram-se num local que hoje fica a quinze quilômetros da sede municipal. Ali, iniciaram a construção de um hospício mas, como naquele ano houve uma grande seca, resolveram mudar-se do lugar e foram para o Sítio Brejo de São José, também conhecido como Brejo de Fora, edificando então, em 1752, uma capela dedicada a São José.

A partir da capela, a povoação que já parecia existir antes dela, passou a se denominar Brejo da Madre de Deus, evoluindo até tornar-se a sede municipal. Em 1760, a Congregação de São Filipe Néri doou meia légua de terras para patrimônio da Capela, área essa que corresponde ao atual perímetro urbano. A elevação à categoria de freguesia ocorreu em 1797 sendo o primeiro vigário, o padre Antônio da Costa Pinheiro.

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Centro do Brejo, primeira metade do século XX.
Rua de São José, década de 1940. Em destaque o sobrado do século XIX no qual hoje se localiza o Museu.
Antiga igreja de Nossa Senhora do Bom Conselho, década de 1940.
Igreja de Nossa Senhora do Bom Conselho, década de 1950. Em segundo plano o Cinema Carlos Gomes.

No início do século XIX a povoação pertencia a Vila de Cimbres, devido a localização e o clima o Brejo era um lugar prospero, tanto é que abrigava a residência dos Ouvidores e de autoridades militares.[19]

Em 1823 ocorreu a primeira tentativa de elevar o povoado a categoria de vila, naquele ano foram enviadas duas representações a Assembleia Geral Constituinte, eram assinadas por Manuel Joaquim Cerqueira, Francisco Xavier Pais de Melo Barreto e outros moradores do Brejo; a petição solicitava ao Imperador D. Pedro I que fosse elevada a categoria de Vila o referido povoado. Os pedidos, contudo não foram acolhidos devido à dissolução da assembleia.[20][21]

No ano seguinte, o revolucionário António Joaquim de Mello se achava foragido no Brejo da Madre de Deus, na ocasião ele escreveu "Os Cahetés: Cantata Nacional", a canção ficou conhecida como: o Hino da Confederação do Equador.[22][23] No dia 3 de Outubro de 1824 o Frei Caneca, Líder da Confederação, levantou acampamento próximo ao então povoado do Brejo no episódio da fuga que ele empreendeu, junto de seus companheiros, pelo interior de Pernambuco.[24]

Em 1825 e em 1831 os moradores da povoação do Brejo dirigiram requerimentos ao Presidente da Província e ao Conselho Geral da Província, pedindo a criação da Vila, os pedidos não foram exitosos. Em 1833 dirigem-se novamente ao mesmo Conselho, fazendo igual pedido, e finalmente foram atendidos.

A povoação do Brejo da Madre de Deus, foi elevada à categoria de vila em 20 de maio de 1833, constituindo-se em sede do município de igual nome, desmembrado do município de Flores.

A Vila foi devidamente instalada no dia 26 de outubro de 1833, sendo os seus primeiros Vereadores: Tomás Alves Maciel, João Lúcio da Silva, Antônio Francisco Cordeiro de Carvalho, José Pedro de Miranda Henriques, Simeão Coreia de Albuquerque, o Padre Luís Carlos Coelho da Silva e João José Velho, os quais, deferido o competente juramento, entraram logo em exercício, funcionando a Câmara de Vereadores em um prédio localizado na Rua das Laranjeiras, em frente ao local foi erguido o pelourinho.

Constava então a Vila de oito ruas e dois pátios, com cerca de cem prédios, e tinha uma Escola Primária com aulas de latim e de francês ministradas pelo padre Pedro Marinho Falcão.[25]

O Bispo de Olinda Dom João da Purificação Marques Perdigão visitou o Brejo em 1836, ele esteve na localidade entre os dias 23 de Novembro e 1° de Dezembro daquele ano; em seu relatório questionou a falta de cuidado do padre Pedro Marinho Falcão com a conservação da Igreja Matriz, o sacerdote mostrou ainda uma preocupação com o grande número de casais que viviam em concubinato. O Bispo crismou durante a visita cerca de 2000 pessoas e celebrou missas tanto na Igreja Matriz quanto na capela de Nossa Senhora da Conceição (Atual co-Matriz do Bom Conselho).[26]

Por decisão do Conselho da Província, em 1833 foi criada a comarca do Brejo da Madre de Deus, sendo instalada em 22 de outubro do mesmo ano, tendo como primeiro Juiz de Direito o Dr. João José Teixeira da Costa. É classificada comarca de primeira entrância pelos decretos números 687 de 1850 e 5139 de 13 de novembro de 1872.[27] Em 1841 Jerônimo Martiniano Figueira de Melo ocupou cargo de juiz da comarca, posteriormente ele foi ministro do Supremo Tribunal de Justiça e senador do Império.[28] O cargo de juiz do Brejo foi exercido também por Antônio Epaminondas de Barros Correia, que mais tarde se tornou governador de Pernambuco.

Durante a primeira metade do século XIX o Brejo foi um lugar bastante rico e muito povoado, contudo a prosperidade foi se diluindo, em parte graças as secas frequentes, cabe destacar a Grande estiagem que durou de 1877 até 1879; que fizeram declinar consideravelmente as fontes de receita do município enfraquecendo grandemente a pecuária e a agricultura além de matar inúmeras pessoas.[29][30]

O Brejo teve o predicamento de cidade - cronologicamente a 11ª em Pernambuco - em virtude da Lei Provincial nº 1.327, de 4 de fevereiro de 1879.

Pela lei Estadual nº 52, de 20 de junho de 1893, Brejo da Madre de Deus foi constituído em município autônomo, sendo seu primeiro prefeito Francisco Alves Cavalcanti Camboim, o Barão de Buíque e sub-prefeito Constantino Magalhães da Silva.

Século XX[editar | editar código-fonte]

Com a criação de novos municípios pela Lei Estadual nº 1.931, de 11 de setembro de 1928, o município de Brejo da Madre de Deus perdeu os distritos de Belo Jardim, Serra dos Ventos e Aldeia Velha (atual Xucuru), que passaram a construir um novo município: Belo Jardim. Voltando a cidade do Brejo da Madre de Deus ser sede municipal, condição que havia perdido para Belo Jardim desde 1924.

Pelo decreto-lei estadual nº 235, de 9 de dezembro de 1938, o município de Brejo da Madre de Deus passou a denominar-se simplesmente Madre de Deus. Pela lei estadual nº 421, de 31 de dezembro de 1948, o município de Madre de Deus voltou a denominar-se Brejo da Madre de Deus. 

Pela lei estadual nº 3333, de 31 de Dezembro de 1958, o distrito de Jataúba é elevado à categoria de município. Entretanto, o governador do estado vetou esta elevação. O veto foi derrubado pelo STF. O Brejo então foi desmembrado novamente, perdendo o distrito de Jataúba, que em 2 de março de 1962 passou a ser um município autônomo.[31]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 08º08'45" sul e a uma longitude 36º22'16" oeste. A Cidade de Brejo da Madre de Deus está a cerca de 190 km da capital do estado de Pernambuco, Recife. Sua população, segundo estimativas de 2014, é de aproximadamente 48 541 habitantes.

A Serra do Ponto tem altitude média de 800m metros onde se localiza o Pico da Boa Vista com 1.240 metros.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Segundo a contagem do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2010, o município possuía 45 180 habitantes, sendo a maioria do sexo feminino, com 23 000 habitantes mulheres, e os 22 180 restantes do sexo masculino. Ainda segundo o censo, 35 124 habitantes viviam na zona urbana e 10 056 habitantes na zona rural.[32]

Evolução Populacional[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1872 28 530
1890 20 514 -28,1%
1900 27 512 34,1%
1920 48 784 77,3%
1940 29 131 -40,3%
1950 35 459 21,7%
1960 33 410 -5,8%
1970 25 877 -22,5%
1980 24 935 -3,6%
1991 31 206 25,1%
2000 38 109 22,1%
2010 45 180 18,6%
Est. 2016 49 624 30,2%

No primeiro Censo demográfico do Brasil realizado em 1872 o município tinha 28 530 habitantes; sendo 12 688 pessoas na paróquia de São José do Brejo e 15 842 habitantes na paróquia de Santa Águeda de Pesqueira.[33]

No censo seguinte ocorrido em 1890 a população do município era de 20 514 habitantes; sendo 13 635 pessoas na paróquia de São José do Brejo, 4 493 pessoas na paróquia de Nossa Senhora do Belo Jardim e 2 366 habitantes na paróquia de Santo António de Jacarará.[34][35]

No censo de 1920 o município possuía 48 784 habitantes; a nomenclatura "paróquia" foi substituída pela palavra "distrito", sendo 10 154 residentes em Brejo, 7 880 no distrito de Serra dos Ventos, 14 126 no distrito de Belo Jardim, 7 250 no distrito de Jatobá, 5 137 no distrito de Mandaçaia e 4 237 no distrito de Aldeia Velha.[36]

No censo de 1940 além de perder os distritos de Belo Jardim, Serra dos Ventos e Aldeia Velha, o município mudou de nome, passou a se chamar Madre de Deus, naquele ano possuía 29 131 habitantes; sendo 15 255 na sede, 10 245 no distrito de Jatobá e 3 631 no distrito de Fazenda Nova.[37]

No censo de 1950 o município volta a se chamar Brejo da Madre de Deus, eram 35 459 habitantes, sendo 17 261 homens e 18 198 mulheres, sendo 19 803 pessoas em Brejo, 12 559 habitantes no distrito de Jataúba e 3 097 residentes no distrito de Fazenda Nova.[38][39][40][41]

Limites[editar | editar código-fonte]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O município encontra-se na bacia do Rio Capibaribe. Os principais açudes da cidade são: Machado (1.228.340m 3 ) e Oitís (3.020.159m 3 ).

Clima[editar | editar código-fonte]

Gráfico climático para Brejo da Madre de Deus
J F M A M J J A S O N D
 
 
33
 
29
18
 
 
50
 
28
18
 
 
98
 
28
18
 
 
117
 
26
17
 
 
132
 
26
18
 
 
172
 
24
17
 
 
129
 
23
16
 
 
72
 
25
16
 
 
47
 
26
15
 
 
20
 
28
17
 
 
25
 
30
17
 
 
29
 
29
18
Temperaturas em °CPrecipitações em mm
Fonte: Jornal do Tempo
  • Tipo de clima: Semiárido
  • Precipitação pluviométrica: 928,1 mm
  • Temperatura média anual: 22,3 °C
  • Meses chuvosos: abril a julho

Distritos e povoados[editar | editar código-fonte]

O camaleão é um animal da fauna do município
  • Distrito-sede
  • São Domingos
  • Fazenda Nova
  • Mandaçaia
  • Barra do Farias
  • Fazenda Velha
  • Povoados: Tambor de Cima, Tambor de Baixo, Tabocas, Caldeirão, Cavalo Ruço, Cacimba de Pedro, Estrago, Quatis, Logradouro, Lagoa de Pedra, Passagem, Olho D'água, São Francisco, Conceição, Amaro e Bandeira.

Relevo[editar | editar código-fonte]

Está localizado no Planalto da Borborema, numa altitude média de 627 m. O município detém a serra mais alta de Pernambuco, a Serra do Ponto, onde a altitude chega a 1.200 m.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação predominante é a caatinga hiperxerófila, apresenta também mata atlântica nas partes mas altas do município.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Nova Jerusalém[editar | editar código-fonte]

Muralhas no Teatro de Nova Jerusalém, considerado o maior teatro a céu aberto do mundo.[42]
Ver artigo principal: Nova Jerusalém

Considerado o maior teatro ao ar livre do mundo, Nova Jerusalém atrai mais de 3,5 milhões de turistas à cidade. No teatro é encenada "A paixão de Cristo". O teatro é cercado por enormes muralhas e com nove cenários, que com sua grandiosidade se torna o maior espetáculo ao ar livre do mundo. O espetáculo teve origem nas ruas do distrito de fazenda Nova, em 1951, por Epaminondas Mendonça, e os figurantes do espetáculo eram os próprios moradores do distrito.[43]

Seus cenários buscam representar uma reconstrução da cidade de Jerusalém nos tempos em que viveu Jesus. Seu projeto foi idealizado e construído por Plínio Pacheco em 1956, concluído somente em 1968. Todos os anos, durante a Semana Santa, realiza-se o popular espetáculo "Paixão de Cristo de Nova Jerusalém". Participam dessa encenação cerca de 500 pessoas, entre atores de expressão nacional, atores regionais e figurantes.

Considerado o maior teatro a céu aberto do mundo, com 100.000m², o espaço conta com lagos artificiais, nove palcos, uma muralha de 3.500 m de pedras com 9 metros de altura e 70 torres.

Parque das Esculturas Monumentais Nilo Coelho[editar | editar código-fonte]

A aproximadamente dois quilômetros do teatro fica o Parque das Esculturas Nilo Coelho, um espaço de 60 hectares dedicado à natureza e à cultura. O Parque retrata as figuras do nordeste por meio de esculturas feitas em pedra granítica, algumas medindo até 7 metros de altura.[44]

Centro Histórico[editar | editar código-fonte]

Antiga Casa da Câmara e Cadeia da cidade. Hoje abriga um Centro Cultural.

Na sede do Município encontram-se vários edifícios e prédios históricos que se destacam por sua tipologia e arquitetura. Entre esses as igrejas, os casarios do século XIX e alguns edifícios isolados chamam bastante a atenção por sua beleza, sendo alguns tombados pela FUNDARPE.[45]

O edifício de maior destaque na cidade é a Casa da Câmara e Cadeia, construída entre 1837 e 1847, foi projetada pelo engenheiro francês Louis Léger Vauthier, autor de obras importantes na capital como o Teatro de Santa Isabel, o prédio foi concluído pelo engenheiro recifense José Mamede Alves Ferreira.[46] Entre 1847 e 2005 o edifício foi ocupado por várias repartições públicas, no prédio já funcionou o fórum, a Prefeitura, a Câmara Municipal, a cadeia e a delegacia. Hoje a construção abriga um centro cultural.[47][48][49]

O Brejo conta ainda com o Museu Histórico instalado num sobrado construído em 1854 na Rua de São José, número 46. O sobrado de dois pavimentos dispõe de oito compartimentos no térreo, cinco compartimentos no primeiro andar e é revestido de azulejos portugueses; a construção é atribuída ao engenheiro pernambucano José do Rego Couto Maciel. Durante boa parte do século XX o proprietário do prédio foi o comerciante Alípio Magalhães da Silva Porto, que na década de 1970 autorizou que o sobrado fosse transformado no museu local.[50] O espaço foi fundado, pela brejense Dulce de Souza Pinto, em fevereiro de 1977. Com o apoio da população local foi reunido um riquíssimo acervo de aproximadamente mil e duzentas peças, incluindo mobiliário, armaria, arte sacra, utensílios domésticos, instrumentos de suplício, fotografias, documentos, artefatos tecnológicos de uso cotidiano e material etnográfico indígena; que ajudam a contar parte da história do Brasil desde o período pré-colonial até os nossos dias.[51] Recebeu inicialmente o nome de "Museu Sobrado Colonial" e, a partir de 1991, tornou-se o "Museu Histórico do Brejo da Madre de Deus".[52] Trata-se do único museu do interior de Pernambuco montado nos padrões museológicos e o único a dispor de acervos arqueológicos e paleontológicos resgatados em pesquisas no município, realizadas pela Universidade Católica de Pernambuco.[53][54]

Entre as igrejas, a Matriz de São José se mostra imponente na paisagem, localizada num ponto alto da cidade e construída em 1792 em estilo barroco, a igreja foi reconstruída em 1853, aumentada em 1858 e novamente outras vezes durante o século XX. Há também a Capela da Mãe Rainha construída em novembro de 1990, situada no alto de uma colina onde se tem uma bela visão panorâmica da localidade. A Igreja de Nossa Senhora do Bom Conselho (localizada na praça de mesmo nome) já existia desde as primeiras décadas do século XIX, porém era dedicada a Nossa Senhora da Conceição [25][26], a capela foi transformada em igreja no começo da década de 1850, as obras só foram concluídas em 1868, e reformada no início da década de 1950 pelo Cônego António Duarte Cavalcanti, o mesmo que escreveu a letra do hino da cidade.

Serra do Ponto[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Serra do Ponto

O fator geográfico também atrai turistas o ano todo à cidade. A Serra do Ponto tem uma das mais belas e altas vistas do estado de Pernambuco, onde a altitude chega a 1.190 m.

Serra do Ponto com sua formação rochosa bastante conhecida, já foi cenário de filmes como Auto da Compadecida (Iª Versão), Noite do Espantalho, Riacho de Sangue e Terra sem Deus. Considerado o Ponto mais alto do Estado de Pernambuco, com uma altitude relativa há 1.200 metros acima do nível do mar, para quem gosta de esportes de aventura, existe a possibilidade de fazer Trekking, Rapel e Escalada.

No alto da Serra do Ponto, encontra-se uma pirâmide de pedra, construída pelo Arquiteto francês Louis Léger Vauthier, com o intuito de elaborar o mapa do estado de Pernambuco e está centralizada com os pontos cardeais.

Mata do Bitury[editar | editar código-fonte]

A Mata do Bitury, com uma fauna diversificada e resquícios de Mata Atlântica, tendo uma área de 700 hectares, faz com que os amantes dos esportes radicais sempre estejam em contato com a natureza, sendo a floresta localizada há 1.050 metros acima do nível do mar.

Economia[editar | editar código-fonte]

A atividade econômica predominante é a sulanca (como é chamada a atividadetêxtil,na região) que emprega maioria da população do município. No distrito sede é grande o número de agricultores e trabalhadores do setor de serviços, destaca-se também o uso e a adaptação do toyota bandeirante um dos símbolos da cidade[55][56]. No distrito de Fazenda Nova o setor de turismo é o que predomina através da localização do Teatro de Nova Jerusalém. No distrito de São Domingos o setor predominante é o da Sulanca devido a proximidade com a cidade de Santa Cruz do Capibaribe que é o polo regional desse tipo de confecção.[57][58]

Personalidades[editar | editar código-fonte]

São naturais do Brejo da Madre de Deus figuras Históricas como:

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://legis.alepe.pe.gov.br/arquivoTexto.aspx?tiponorma=1&numero=14612&complemento=0&ano=2012&tipo=
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Estimativa Populacional 2016» (PDF). Estimativa Populacional 2016. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Setembro de 2016. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 1 de outubro de 2013 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2012». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. de 2014 
  7. «Brejo da Madre de Deus, Pernambuco - IBGE». Consultado em 26 de agosto de 2014 
  8. Martin, Gabriela (1997). Pré-história do Nordeste do Brasil 5° ed. Recife: Editora Universitária UFPE. pp. pp. 70–72 
  9. http://brejoaventura.com/tudo-sobre-brejodamadrededeus-pe/furna-do-estrago
  10. http://bodegadahistoria.wordpress.com/2012/01/17/sitio-arqueologico-furna-do-estrago/
  11. «Museu de arqueologia da Unicap será reinaugurado na próxima segunda-feira (18)». m.jc.ne10.uol.com.br. Consultado em 5 de junho de 2017 
  12. de Souza, Sheila Mendonça, Jeannette Maria Dias de Lima, and Olívia Alexandre de Carvalho. "Restos humanos calcinados: cremação em abrigo ou sepultamento de cinzas?." Revista de Arqueologia 11 (2015): 107-124. Disponível em: http://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/40581020/Cremacao_Furna.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1496689447&Signature=1OW9y%2B3qxrbzBdyVnbCqVgABlbk%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3DRESTOS_HUMANOS_CALCINADOS.pdf
  13. DIAS, J. M. (1984). ARQUEOLOGIA DO BREJO DA MADRE DE DEUS. PERNAMBUCO. Disponível em: https://www.ufpe.br/clioarq/images/documentos/1984-N1/1984%208.pdf
  14. Ana, Valeria Araujo Menezes, (1 de janeiro de 2000). «Estudo dos macro-restos vegetais do sítio arqueológico Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus, Pernambuco, Brasil» 
  15. dos, Santos, Isabel Teixeira (1 de janeiro de 2014). «Alimentação de grupos humanos pré-históricos do sítio arqueológico Furna do Estrago, Pernambuco, Brasil» 
  16. UNICAP. «Pesquisa arqueológica desenvolvida pela UNICAP iniciadas em 1982 no município de Brejo da Madre de Deus.» 
  17. Castellan Medeiros, Pedro; Paulino, Thiago; Silva Nogueira, Nathalia (2013). «PRESERVAÇÃO DAS PINTURAS RUPESTRES DO SÍTIO ARQUEOLÓGICO FURNA DO ESTRAGO SEGUNDO AS LEIS PATRIMONIAIS» (PDF) 
  18. http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/pernambuco/brejodamadrededeus.pdf
  19. «Representação da câmara da Vila de Simbres se manifestando contra a elevação do Brejo da Madre de Deus à Vila e requerendo a extinção da tutela dos índios locais» (PDF). 2 de janeiro de 1813 
  20. «Petição de Francisco Xavier Pais de Melo Barreto - Arquivo Histórico». arquivohistorico.camara.leg.br. Consultado em 30 de maio de 2016 
  21. «Representação de Manuel Joaquim Cerqueira e outros moradores do Termo do Brejo da Madre de Deus, Comarca do Sertão de Pajaú de Flores. Pernambuco - Arquivo Histórico». arquivohistorico.camara.leg.br. Consultado em 30 de maio de 2016 
  22. Mello, Antonio Joaquim de (1856-1859). Biografias de alguns poetas e homens illustres da província de Pernambuco - Tomo II. Recife: Typ. Universal. pp. 100–103 
  23. Costa, Francisco Augusto Pereira da (1882). Diccionario biographico de pernambucanos celebres. Recife: Typ. Universal. 106 páginas 
  24. Mello, Evaldo Cabral (2001). Frei Joaquim do Amor Divino Caneca. São Paulo: Editora 34. 582 páginas 
  25. a b Gama, Joze Bernardo Fernandes (1844). Memorias históricas da província de Pernambuco - Tomo I. Recife: Typ. M.F. de Faria. pp. pp. 68–69 
  26. a b Marques Perdigão, João da Purificação (1892). «Itinerário das visitas feitas pelo Bispo de Pernambuco na sua diocese nos anos de 1833-1840». Revista Insituto Histórico e Geografico Brasileiro (Tomo LV - Parte I): pp. 96-99. ISSN 0101-4366. Consultado em 6 de Dezembro de 2016 
  27. «DECRETO Nº 5.139, DE 13 DE NOVEMBRO DE 1872 - Publicação Original - Portal Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br. Consultado em 1 de junho de 2016 
  28. «Ministros :: STF - Supremo Tribunal Federal». www.stf.jus.br. Consultado em 30 de maio de 2016 
  29. "Offício ao Cidadão Governador do Estado de Pernambuco em 22 de agosto de 1890." Transcrito do Livro de Registro de Correspondência da Câmara do Brejo, fls. 178/179 verso, pertencente ao Museu Histórico do Brejo.
  30. "Ao Illmº. e Exmº. Snr. Dr. Bevenuto Augusto de Magalhães Taques em 23 de Janeiro de 1858" Fls. 156 do Livro de Correspondências Recebidas e Expedidas da Câmara do Brejo da Madre de Deus-PE. Pertencente ao Museu Histórico do Brejo.
  31. «Cidades | IBGE». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 2 de janeiro de 2017 
  32. «Brejo da Madre de Deus » infográficos: evolução populacional e pirâmide etária». evolução populacional e pirâmide etária. IBGE: Censo Demográfico 2010. 2010. Consultado em 6 de maio de 2016 
  33. «O Censo Geral do Império de 1872» (PDF). Recenseamento do Brazil em 1872. Typ. G. Leuzinger. 1874. Consultado em 6 de maio de 2016 
  34. «Synopse do recenseamento de 31 de dezembro de 1890.». Synopse do recenseamento de 31 de dezembro de 1890. Officina da Estatistica - Rio de Janeiro. 1898. Consultado em 6 de maio de 2016 
  35. «Synopse do recenseamento de 31 de dezembro de 1900». Synopse do recenseamento de 31 de dezembro de 1900. Officina da Estatistica - Rio de Janeiro. 1905. Consultado em 6 de maio de 2016 
  36. «Recenseamento do Brazil. Realizado 1920». População do Brazil por Estados, municipios e districtos, segundo o sexo, o estado civil e a nacionalidade. Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio. Directoria Geral de Estatística. 1926. Consultado em 6 de maio de 2016 
  37. «Recenseamento Geral do Brasil 1940». Censo Demográfico. População e Habitação. Quadros de totais referentes ao Estado e de distribuição segundo os municípios. IBGE: Serviço Nacional de Recenseamento. 1950. Consultado em 6 de maio de 2016 
  38. «Censo demográfico : 1950». IBGE. Departamento de População. 1955. Consultado em 6 de maio de 2016 
  39. «Enciclopédia dos municípios brasileiros» (PDF). Enciclopédia dos municípios brasileiros. IBGE. 1957. Consultado em 6 de maio de 2016 
  40. «Censo de 1960 em Pernambuco» (PDF) 
  41. «Sinopse do Censo de 1980» (PDF) 
  42. «Qual é o maior teatro do mundo?». Superinteressante. Consultado em 19 de abril de 2014 
  43. «50 anos da Paixão de Cristo em Nova Jerusalém; FOTOS». G1 
  44. «Em Fazenda Nova, PE, Parque das Esculturas mistura tradição e natureza». G1 PE. Consultado em 19 de Dezembro de 2014 
  45. «O DESAFIO DA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO URBANO DO BREJO DA MADRE DE DEUS» (PDF). FUNDARPE - Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco. 2011 
  46. «Casa de Câmara e Cadeia de Brejo da Madre de Deus». Cultura.PE. Consultado em 19 de Dezembro de 2014 
  47. «A presença de Vauthier em Pernambuco». jconline.ne10.uol.com.br. Consultado em 27 de maio de 2016 
  48. «Brejo da Madre Deus ganha centro cultural | Roberta Jungmann». www.robertajungmann.com.br. Consultado em 27 de maio de 2016 
  49. «Pernambuco: Celas prisionais do agreste se tornaram salas expositivas abertas ao público». www.portaljaguarari.com.br. Consultado em 13 de janeiro de 2017 
  50. Pernambuco, Diario de (12 de maio de 2017). «Museu Histórico de Brejo da Madre de Deus tem pedido de tombamento aprovado». Diario de Pernambuco 
  51. «Conselho acata pedido de tombamento do Museu Histórico de Brejo da Madre de Deus». G1 
  52. «O Nordeste.com – Enciclopédia Nordeste - Museu Hist%C3%B3rico do Brejo da Madre de Deus, Pernambuco». www.onordeste.com. Consultado em 1 de maio de 2016 
  53. «Museu Histórico do Brejo da Madre de Deus». Folha PE. Consultado em 19 de Dezembro de 2014 
  54. «Os primeiros brasileiros que não veremos». Revista Raiz. Consultado em 19 de Dezembro de 2014 
  55. Paulo Emílio (Valor OnLine) (30 de novembro de 2005). «Jipe é alongado e vira ônibus no Agreste». newslog.com.br. Consultado em 26 de outubro de 2014 
  56. Alberto Barreto (13 de janeiro de 2012). «Toyota Bandeirante a "Limousine do Agreste"». Essevaleumafoto.com. Consultado em 26 de outubro de 2014 
  57. achetudoeregiao.com.br (28 de janeiro de 2014). «Brejo da Madre de Deus - Economia». Consultado em 26 de outubro de 2014 
  58. globotv.com (16 de abril de 2014). «Paixão de Cristo de Nova Jerusalém movimenta economia de Brejo da Madre de Deus, PE». Consultado em 26 de outubro de 2014 
  59. «Perfil de Antônio Wanderley Navarro Pereira Lins». MyHeritage.com. Consultado em 5 de junho de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Pernambuco é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.