Francisco Alves Cavalcanti Camboim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Francisco Alves Cavalcanti Camboim
Nascimento 1810
Morte 2 de fevereiro de 1896 (86 anos)
Cidadania Brasil
Ocupação político

Francisco Alves Cavalcanti Camboim, primeiro e único Barão de Buíque (Pernambuco, ca. 1808Brejo da Madre de Deus, 2 de fevereiro de 1896), foi um fazendeiro e político brasileiro.[1][2]

Filho do Alferes Francisco Alves e de Leonarda Bezerra Cavalcanti de Albuquerque. Durante a juventude participou como voluntário de um dos batalhões armados para combater a Cabanada, revolta de caráter anti-regencial e claramente restauradora ocorrida no interior da província, no episódio ganhou o epíteto de "Camboim",  alcunha que carregou durante toda a vida.[3]

Foi Deputado da Assembleia Legislativa da Província de Pernambuco na 1ª legislatura (1835-1837).[4][5][6] Exerceu o cargo de Diretor Geral dos Índios da Província entre 1869 e 1879, ele assumiu o posto ainda como Cel. Francisco Cavalcanti Camboim, antes de receber o baronato, permanecendo anos na interinidade.

Agraciado com o título de barão por decreto de 17 de maio de 1871, e faz referência à cidade pernambucana de Buíque.[7] Era oficial da Imperial Ordem da Rosa.[8]

O Barão de Buíque, foi o primeiro prefeito republicano de Brejo da Madre de Deus  eleito em 1892, na mesma cidade foi Juiz de paz, comandante-superior da Guarda Nacional e vereador por várias legislaturas.[9][10] Foi ainda um dos chefes do partido Conservador no interior da província durante mais de meio século, membro presigado da agremiação, o Barão se correspondia e era conhecido por grandes figuras do partido como o Duque de Caxias e o Conselheiro João Alfredo Correia de Oliveira.[11]

Faleceu em 02 de Fevereiro de 1896, aos 88 anos, no Brejo da Madre de Deus, onde possuía a Fazenda Poço, na época muito visitada por barões, condes, viscondes e autoridades - e por isso o titular ficou conhecido popularmente como Barão do Poço. Outros o chamavam de Barão de Camboim.[12][13]

Casou-se com Ana Olímpia de Siqueira Cavalcanti, com quem teve cinco filhos: Dr. Cincinato Alves Cavalcanti Camboim, Ana de Siqueira Cavalcanti Camboim, Francisco Alves Cavalcanti Camboim, Clara de Siqueira Cavalcanti Camboim e André Alves Cavalcanti Camboim que foi senhor de engenho e primeiro sub-prefeito da cidade de Barreiros.[14]

Seu neto Natalício Camboim de Vasconcelos foi deputado federal pelo estado de Alagoas entre 1909 e 1926.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Archivo nobiliarchico brasileiro - Barão de Buíque». Consultado em 10 de outubro de 2014 
  2. «Archivo nobiliarchico brasileiro José Smith de Vasconcelos e Rodolfo Smith de Vasconcelos (Barão de Buíque)». 9 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de outubro de 2014  line feed character character in |título= at position 33 (ajuda)
  3. «029033_01 - DocReader LIGHT». memoria.bn.br. Consultado em 8 de abril de 2018 
  4. «705110 - DocReader LIGHT». memoria.bn.br. Consultado em 8 de abril de 2018 
  5. «029033_01 - DocReader LIGHT». memoria.bn.br. Consultado em 8 de abril de 2018 
  6. «A primeira Legislatura da Assembléia da Província de Pernambuco (1835-1837)». ALEPE. Consultado em 9 de maio de 2015. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2015 
  7. «709506 - DocReader LIGHT». memoria.bn.br. Consultado em 9 de abril de 2018 
  8. Lázaro Cambuim. «BARÃO DE BUÍQUE - FRANCISCO ALVES CAVALCANTI CAMBUIM». Consultado em 10 de outubro de 2014 
  9. «Cavalcanti de Albuquerque e a nobreza». Consultado em 10 de outubro de 2014 
  10. «029033_02 - DocReader LIGHT». memoria.bn.br. Consultado em 8 de abril de 2018 
  11. «Carta enviada pelo Barão de Buique para o conselheiro João Alfredo Correia de Oliveira» 
  12. «705110 - DocReader LIGHT». memoria.bn.br. Consultado em 9 de abril de 2018 
  13. «705110 - DocReader LIGHT». memoria.bn.br. Consultado em 9 de abril de 2018 
  14. Thaumaturgo, Newton (1993). O Barão de Buíque, "Barão do Poço" 1808 - 1896. [S.l.: s.n.]