Bom Conselho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a devoção mariana, veja Nossa Senhora do Bom Conselho. Para o município baiano anteriormente assim denominado, veja Cícero Dantas.
Município de Bom Conselho
"Papacaça"
"BC"
"BC City"
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Aniversário 28 de dezembro
Fundação 23 de julho de 1712 (305 anos)
Gentílico conselhense
Padroeiro(a) Nossa Senhora do Bom Conselho
CEP 55330-000
Prefeito(a) Danilo Godoy (PSB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Bom Conselho
Localização de Bom Conselho no/em Pernambuco
Bom Conselho está localizado em: Brasil
Bom Conselho
Localização de Bom Conselho no Brasil
09° 10' 11" S 36° 40' 47" O09° 10' 11" S 36° 40' 47" O
Unidade federativa Pernambuco
Mesorregião Agreste Pernambucano IBGE/2008 [1]
Microrregião Garanhuns IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Norte: Terezinha, Saloá e Iati Pernambuco
Sul: Quebrangulo, Palmeira dos Índios e Minador do Negrão Alagoas
Leste: Iati Pernambuco e Minador do Negrão Alagoas
Oeste: Lagoa do Ouro Pernambuco e Quebrangulo Alagoas
Distância até a capital 282 km
Características geográficas
Área 792,181 km² [2]
População 47,991 hab. (PE: 37°) –  estatísticas IBGE/2016[3]
Densidade 0,06 hab./km²
Altitude 654 m
Clima Semiárido BSh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,563 (PE: 143°) – baixo PNUD/2010 [4]
PIB R$ 322 775 mil (PE: 42°)) – IBGE/2012[5]
PIB per capita R$ 7 019 43 IBGE/2012[5]
Página oficial
Prefeitura Prefeitura Municipal de Bom Conselho
Câmara Câmara Municipal de Bom Conselho

Bom Conselho é um município brasileiro do estado de Pernambuco, localizado na Região Nordeste do país. Pertence à Mesorregião do Agreste Pernambucano e a Microrregião de Garanhuns. Dista aproximadamente 282 km da capital do estado, Recife, 36 km de Garanhuns, 28 km de Palmeira dos Índios, no estado de Alagoas e 176 km da capital alagoana, Maceió.

As referências históricas da relação do município com a presença holandesa na cidade vão desde arquitetura até religião e turismo ao ecoturismo. Um dos locais turísticos é a Caverna dos Holandeses, que atualmente em uma propriedade privada e precisa-se de guias para levar a uma espécie de gruta, que foi um abrigo para os holandeses durante a invasão holandesa no nordeste brasileiro. Também ocorre a visitação nas cachoeiras do Pinta e da Rainha Isabel e a corredeira Poço da Nêga.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros povos e invasão holandesa (1630-1654)[editar | editar código-fonte]

As terras onde atualmente localizam-se o município de Bom Conselho, foram inicialmente habitadas pelas tribos Xucuru e Fulni-ô.

Em 1630, no período da invasão holandesa, organizou-se na localidade um quilombo, conhecido como Quilombo de Pedro Papa-Caça que atualmente corresponde-se como Quilombo de Angico.[7] O nome se referia à estratégia utilizada pelos habitantes de esconderem-se nas matas, cultivando mais a caça do que a agricultura.

Sabe-se que durante vários meses, o Capitão holandês Johannes Blaer van Rijnbach ou João Blaer (em português) permaneceu nas terras onde atualmente correspondem a região do Bulandi, em Bom Conselho, com o objetivo de descrever e destruir o Quilombo dos Palmares, juntamente com Bartolomeu Lintz e sob ordem do Governo de Johan Maurits van Nassau-Siegen ou Maurício de Nassau, como era conhecido. Era a “Guerra do Mato”, já em 1645.[8]

Em 1645, a comunidade foi desmantelada pela expedição militar chefiada por Johannes Blaer van Rijnbach, que estabeleceu ali uma colônia holandesa. Com o triunfo da Insurreição Pernambucana, que levou às duas batalhas do Guararapes, a primeira em 19 de abril de 1648 e a segunda em 19 de fevereiro de 1649, respectivamente, terminou o domínio holandês sobre o Nordeste brasileiro, culminando na partida dos últimos navios holandeses em 1654. No entanto, é de conhecimento público que boa parte dos colonizadores oriundos dos Países Baixos decidiram permanecer no Brasil, como o caso da família Holanda, ainda existente no município.

Final do século XVII até atualmente[editar | editar código-fonte]

Durante o final do século XVII e início do século XVIII, espalharam-se rumores que Johannes Blaer van Rijnbach teria enterrado um tesouro nesta região, e em meados de 1680, um grupo de holandeses sob a liderança de René Belosch, que tinha posse de um suposto mapa que revelava a localização deste tesouro, vieram para Bom Conselho, onde por sua vez começaram a cavar e construir abrigos no topo de uma serra. Após alguns anos morando em cavernas, esse grupo, tendo sido perseguido por portugueses e luso-brasileiros, fugiram para Alagoas e de lá seguiram rumo desconhecido, abandonando sua busca.

As terras do atual município se tornaram uma uma sesmaria concedida a Jerónimo de Burgos de Sousa e Eça e, em 23 de julho de 1712, foi vendida para o português de origem judia e convertido ao cristianismo Manuel da Cruz Vilela, que deu início à organização da fazenda Papa-Caça.[9] É também especulado que a família Vilela teria vindo para a localidade a fim de procurar ao suposto tesouro de van Rijnbach, e que por muitos anos e gerações se dedicou a esta tarefa, no entanto sem obter sucesso.

Após o falecimento de Manuel da Cruz Vilela, seu filho Antônio Anselmo da Costa Vilela assumiu as fazendas e associando-se a Joaquim Antônio da Costa, deu início ao povoamento de Bom Conselho. Com o crescimento da população, em 1887, transformou-se em freguesia.

A partir de 1860 passou a denominar-se Bom Conselho em razão da construção do monumental Colégio Nossa Senhora do Bom Conselho, o primeiro educandário de grande porte para a educação feminina no Nordeste e por sugestão de Frei Caetano de Messina, capuchinho italiano, natural de Messina e fundador da cidade. É célebre sua frase: "Educando-se uma menina, educa-se uma mãe; educando-se uma mãe, transforma-se uma sociedade".

Em 3 de agosto de 1892, Bom Conselho tornou-se município autônomo, através da Lei provincial nº 52. Seu primeiro governo municipal foi empossado em 28 de dezembro do mesmo ano, data em que ocorre anualmente a festa de emancipação de Bom Conselho.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 09º10'11" sul e a uma longitude 36º40'47" oeste, estando a uma altitude de 654 metros. Sua população estimada em 2009 era de 45.250 habitantes.

Possui uma área de 786,2 km².

O município está incluído na área geográfica de abrangência do semiárido brasileiro, definida pelo Ministério da Integração Nacional em 2005.[10] Esta delimitação tem como critérios o índice pluviométrico, o índice de aridez e o risco de seca.

O município está inserido em sua maior parte no Planalto da Borborema, com relevo suave e ondulado. Ao sul, parte da área insere-se na Depressão Sertaneja. A vegetação nativa é composta por caatinga hiperxerófila com trechos de Floresta Caducifólia.

Bom Conselho encontra-se nos domínios do Grupo de Bacias de Pequenos Rios Interiores e tem como ´principais tributários são os rios Paraíba, Bálsamo, Salgado e Traipu, e os riachos do Umbuzeiro, do Barro, do Trigo, do Caboclo, Seco, dos Mares, dos Campos e o Córrego Lambari. Todos estes cursos d'água são intermitentes.

O microclima do município possui três regiões distintas: o sertão, o agreste e a mata. O sertão ocorre próximo aos municípios de Saloá, Iati (PE), Minador do Negrão e Palmeira dos Índios (AL) e aí desenvolve-se a agricultura de sequeiro. O clima característico do agreste é observado próximo aos municípios de Terezinha e Saloá. As principais atividades econômicas neste microclima são a pecuária, o extrativismo e a cultura de café, algodão, milho, feijão e leguminosas nativas. Na fronteira com Lagoa do Ouro (em Pernambuco) e Palmeira dos Índios e Quebrangulo (Alagoas), observa-se clima próprio da zona da mata possui nascentes e remanescentes da mata atlântica.

Distritos[editar | editar código-fonte]

O município é formado por 7 distritos, exceto a sede, são eles:

  • Barra do Brejo
  • Cachoeira do Pinto
  • Caldeirões dos Guedes
  • Igreja Nova
  • Lagoa de São José
  • Logradouro dos Leões
  • Rainha Isabel

Bairros[editar | editar código-fonte]

  • Alto do Vera Cruz;
  • Boa Vista - Parmalat;
  • Cohab;
  • José Araújo Tenório - Vavá;
  • Nossa Senhora de Fátima - 50 casas;
  • Novo Jardim;
  • Avenida Santa Teresinha - Serra;
  • São Rafael - Cigano;
  • São Vicente;
  • Ceru
  • Cidade de Deus
  • Santiago

Potencialidades de Turismo e Visitação[editar | editar código-fonte]

A cidade de Bom Conselho conta com os hotéis Raízes e Sol Nascente além de restaurantes como Status, Gizelda Lanches, e Pizzarias, além de contar com a infra-estrutura turística vinda de municípios próximos, como Garanhuns.

  • Corredeira "Poço da Nêga"
  • Departamento de Cultura, Turismo e Desportos (antiga Cadeia pública);
  • Açude da Nação;
  • Cavalgada de Nossa Senhora do Bom Conselho - Inicio do ano;
  • Feira livre - sextas e sábados;
  • Exposição de Animais e Torneio Leiteiro (EXPOBOM) - 14 a 18 de setembro;
  • Forrobom - 06 a 30 de junho;
  • Carnaval de Zé Puluca;
  • Caverna dos Holandeses;
  • Cachoeira do Pinto;
  • Cachoeira da Rainha Isabel;
  • Igreja do Colégio de Nossa Senhora do Bom Conselho;
  • Furna de Maria Dantas;
  • Mirante de Santa Terezinha.

Cidadãos célebres[editar | editar código-fonte]

  • Pedro de Lara - ex-personalidade de rádio e televisão no Brasil;
  • Marechal Dantas Barreto - ex-militar e político brasileiro, governador da capitania de Pernambuco, durante 19 de dezembro de 1911 a 18 de dezembro de 1915;
  • José Duarte Tenório (Zé Puluca);
  • Sebastião Pereira de Moraes (Basto Peroba);
  • Tomaz Aquino Leão (Mestre Galo Preto) - cantor de origem quilombola.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Estimativa Populacional 2016» (PDF). Estimativa Populacional 2016. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Janeiro de 2017. Consultado em 5 de junho de 2017 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 1 de outubro de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2012». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2014 
  6. Rotas PE - O Diário de Pernambuco. «Fé e Arte - Rotas PE». Consultado em 5 de junho de 2017 
  7. SEPPIR (27 ago. 2014). «Quilombolas do Sítio Angico recebem chaves de 87 imóveis do Minha Casa, Minha Vida». Consultado em 30 de maio de 2017 
  8. História Brasileira (18 dez. 2009). «Guerra dos Palmares - a destruição do Quilombo dos Palmares». Consultado em 30 de maio de 2017 
  9. IBGE. «infográficos: histórico». Consultado em 30 de maio de 2017 
  10. «Ministério da Integração Nacional, 2005. Nova delimitação do semiárido brasileiro» .

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Pernambuco é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.