Ipojuca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Ipojuca (desambiguação).
Ipojuca
  Município do Brasil  
Estaleiro Atlântico Sul, localizado no Porto de Suape
Estaleiro Atlântico Sul, localizado no Porto de Suape
Símbolos
Bandeira de Ipojuca
Bandeira
Brasão de armas de Ipojuca
Brasão de armas
Hino
Gentílico ipojucano
Localização
Localização de Ipojuca em Pernambuco
Localização de Ipojuca em Pernambuco
Ipojuca está localizado em: Brasil
Ipojuca
Localização de Ipojuca no Brasil
Mapa de Ipojuca
Coordenadas 8° 23' 56" S 35° 03' 50" O
País Brasil
Unidade federativa Pernambuco
Região metropolitana Recife
Municípios limítrofes Ao Norte Cabo de Santo Agostinho, Ao Sul Sirinhaém, Ao Leste Oceano Atlântico, Ao Oeste Escada
Distância até a capital 43 km
História
Fundação 1846 (176 anos)
Administração
Prefeito(a) Célia Sales[1] (PTB, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [2] 527,317 km²
População total (estatísticas IBGE/2019[3]) 96 204 hab.
Densidade 182,4 hab./km²
Clima Tropical (As')
Altitude 10 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[4]) 0,619 médio
PIB (IBGE/2019[5]) R$ 12 718 762,30 mil
 • Posição PE: 3º) (BR: 85º
PIB per capita (IBGE/2019[5]) R$ 132 206,17
Sítio http://www.ipojuca.pe.gov.br/ (Prefeitura)

Ipojuca é um município da Microrregião de Suape, na Mesorregião Metropolitana do Recife, no estado de Pernambuco, no Brasil. É um dos integrantes da Região Metropolitana do Recife, distando cerca de 43 quilômetros ao sul da capital pernambucana. Ocupa uma área territorial de cerca de 514,8 km², tendo 0,368 km² desse total formando a área urbana municipal, e os 514,5 km² constituindo a zona rural.[6] De acordo com a estimativa populacional do ano de 2013, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a sua população total era de 87 926 habitantes, sendo o décimo quinto mais populoso município de Pernambuco, ocupa ainda a décima colocação quando os números são comparados aos dos municípios do Grande Recife.[7]

A sede do município tem uma temperatura média anual de 24,5 °C,[8] sendo sua vegetação nativa composta por mata atlântica, possuindo vastos manguezais.[9] Aproximadamente 74,06 % da população ipojucana vive no perímetro urbano,[10] dispondo de 29 estabelecimentos de saúde, segundo dados do IBGE, tendo como referência o ano de 2009.[11] Em 2010, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) municipal foi de 0,619, considerado médio e abaixo da média estadual, ocupando o 43° colocação no comparativo entre os municípios pernambucanos.[12]

A ocupação do atual território é bastante antiga, ocorrendo sobretudo após a doação de sesmarias. Os primeiros colonos a se estabelecerem após a expulsão dos índios caetés do sul de Pernambuco foram as famílias: Lacerda, Cavalcanti, Rolim, Moura e Accioly. O desenvolvimento da monocultura da cana-de-açúcar se deu pela fertilidade do solo massapê predominante no município e pela existência de dois portos naturais: Suape e Porto de Galinhas.[13]

O município se destaca por possuir o terceiro maior Produto Interno Bruto (PIB) de Pernambuco, impulsionado principalmente pelo turismo no seu litoral, com praias internacionalmente conhecidas, como: Porto de Galinhas, Cupe, Muro Alto, Maracaípe e Serrambi.[14] Detém o quarto maior PIB industrial do estado.[15] Ainda possui um dos principais portos públicos do nordeste e um dos mais tecnologicamente avançados do país,[16] abrangendo, em seu território, o maior estaleiro do hemisfério sul, o Estaleiro Atlântico Sul, responsável pela construção de navios petroleiros, gaseiros, conteineiros, de perfuração e plataformas offshore.[17] Ipojuca ainda abriga, no seu complexo portuário, a Refinaria Abreu e Lima, que processa petróleo pesado, transformando-o majoritariamente em diesel e nafta petroquímica, ambos com propriedades de baixa emissão de enxofre na atmosfera. Além desses produtos, a refinaria também produz GLP (gás liquefeito do petróleo), óleo combustível e coque, entregando seus produtos regionalmente e para outras regiões do país por meio de cabotagem pelo Porto de Suape, por onde também saem cargas da refinaria para exportação. Atualmente, a refinaria se notabiliza por ter a maior produção de diesel S10 do país.[18] Sedia a Petroquímica Suape, responsável pela principal produção de resinas PET e ácido terefitálico purificado (PTA) do país, além de ser o mais importante polo integrado de produção de polímeros e filamentos de poliéster da América Latina.[19]

História[editar | editar código-fonte]

Por volta do ano 1000, os índios tapuias que habitavam a região foram expulsos para o interior do continente devido à chegada de povos tupis procedentes da Amazônia. No século XVI, quando chegaram os primeiros europeus à região, a mesma era habitada por um desses povos tupis: o dos caetés[20].

A colonização europeia de Ipojuca teve início em 1560, após a escravização dos índios caetés. A partir daí, os colonos de origem europeia puderam ocupar as terras férteis e ricas em massapê de Ipojuca. As terras eram bastante propícias para o cultivo da cana-de-açúcar, o que causou um rápido surgimento de diversos engenhos. Entre eles, os pioneiros, estavam as famílias Lacerda, Cavalcanti, Rolim, Moura. Há inúmeras controvérsias sobre a data de fundação de Ipojuca, mas, segundo um vigário da freguesia, seria no ano de 1596.

Quando os holandeses invadiram Pernambuco, no século XVII, já havia diversos engenhos estabelecidos na região. Este local participou da resistência aos holandeses, sob a liderança do capitão-mor Amador de Araújo, em uma luta iniciada em 17 de julho de 1645. A derrota holandesa deu-se em 23 de julho de 1645.

Dessa forma, Ipojuca consolidou-se como uma das mais importantes regiões do sistema colonial. Com um porto - Suape -, além da maior várzea de massapê da região, Ipojuca fazia parte do comércio colonial triangular. Porto de Galinhas ganhou esse nome porque era assim que eram comumente chamados os escravos chegados da África, naquele período.

A vila surgiu com sede na povoação de Nossa Senhora do Ó. Depois, foi transferida para a povoação de São Miguel de Ipojuca. Com o decreto estadual 23, de 4 de outubro de 1890, a sede foi restabelecida em Nossa Senhora do Ó. O distrito de Ipojuca foi criado pela lei municipal 2, de 12 de novembro de 1895. No Menos de um ano depois, o distrito é elevado à condição de cidade por força da lei estadual 173, de 6 de junho de 1896.[21]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do município é uma referência ao Rio Ipojuca, que banha seu território.[22]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a 08º23'56" de latitude sul e 35º03'50" de longitude oeste, a uma altitude de 10 metros. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o município tem uma população estimada em 87 926 no ano de 2013.[23]

Limites[editar | editar código-fonte]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O município de Ipojuca encontra-se inserido nos domínios das bacias hidrográficas dos rios Ipojuca, Sirinhaém e do Grupo de Bacias de Pequenos Rios Litorâneos.[24]

Clima[editar | editar código-fonte]

O município tem clima tropical, do tipo Am, com verão quentes, cujas máximas podem alcançar os 35 °C. O inverno é chuvoso e ameno, com mínimas que descem a 16 °C em alguns dias. O município registra em média 2 144 mm de precipitação anualmente. A temperatura média é de 24,8 °C.[25]

Dados climatológicos para Ipojuca
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 29,1 29 28,9 28,5 27,6 26,7 26,1 26,3 26,9 27,8 28,4 28,7 27,8
Temperatura média (°C) 26 25,9 25,7 25,3 24,7 23,8 23,2 23,2 23,8 24,7 25,3 25,7 24,8
Temperatura mínima média (°C) 22,9 22,9 22,6 22,2 21,8 21 20,3 20,1 20,8 21,6 22,2 22,7 21,8
Precipitação (mm) 124 131 196 263 290 326 313 202 108 65 55 71 2 144
Fonte: Climate-Data.org[25]

Bairros, distritos e povoados[editar | editar código-fonte]

  • Distrito-sede
  • Camela
  • Nossa Senhora do Ó
  • São Miguel
  • Engenhos
  • Rurópolis
  • Povoados: Muro Alto, Porto de Galinhas, Cupe, Maracaípe, Serrambi, Touquinhos e Suape.

Relevo[editar | editar código-fonte]

O relevo do município é composto por mar de morros, onde são encontrados muitos engenhos de cana-de-açúcar.[24]

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação é composta por mata atlântica.[24]

Geologia[editar | editar código-fonte]

Geologicamente, o município está inserido na unidade da Província da Borborema. O tipo do solo é o massapê.[24]

Economia[editar | editar código-fonte]

O Complexo Industrial de Suape, localizado entre Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho, abriga empreendimentos como o Estaleiro Atlântico Sul, maior estaleiro do Hemisfério Sul.[29][30]

Por conta das praias visitadas por turistas de todas as partes do mundo, Ipojuca tem, como um dos principais fatores econômicos, o turismo. A rede hoteleira é bastante desenvolvida, assim como a gastronômica.

O município de Ipojuca também é considerado um dos grandes polos industriais de Pernambuco, pois, ali, estão situadas algumas grandes empresas surgidas ao redor do Porto de Suape. Em 2005, a Petrobras anunciou a construção de uma refinaria de petróleo em Ipojuca, justamente para aproveitar as facilidades de Suape; a refinaria certamente trará significativo crescimento adicional para a indústria da região.[31]

Além disso, por estar localizada na Região Metropolitana do Recife, também tem o setor de serviços e a indústria de transformação bastante desenvolvida. Ainda existem algumas usinas de açúcar funcionando no município.

De janeiro a abril de 2015, o município foi o segundo que mais perdeu postos de trabalho com carteira assinada em decorrência da crise econômica de 2014 no país.[32]

Megainvestimentos[editar | editar código-fonte]

O estado tem recebido pesados investimentos neste tipo de geração de energia.

Durante a década de 2000, o estado recebeu vários investimentos bilionários. Entre eles, podemos citar como os mais importantes:

  • Usina Siderúrgica de Pernambuco, com 10 bilhões de reais investidos. Quando atingir a sua carga máxima, a USP terá a capacidade de processar 3,5 milhões de toneladas de minério de ferro/ano. Ao final de todo o projeto, cerca de 5 600 pernambucanos serão empregados de maneira direta e outros quase 15 mil de forma indireta.
  • Refinaria Abreu e Lima, com 20 bilhões de reais investidos.[33] Fará o refino de 200 000 barris/dia. Deve gerar 20 mil empregos durante o processo de construção e outros 1,5 mil quando entrar em operação, em 2015.
  • Estaleiro Atlântico Sul, com 2 bilhões de reais investidos.[34] Será o maior estaleiro do hemisfério sul e tem uma receita prevista de 2,4 bilhões de reais dos primeiros dez navios produzidos.[35] Com capacidade de processamento de 100 mil toneladas/ano de aço para a construção de embarcações de grande porte, criação prevista de 5 mil empregos diretos e cerca de 20 mil empregos indiretos.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Porto de Galinhas foi considerada, por 10 vezes consecutivas, a melhor praia do Brasil — segundo a Revista Viagem e Turismo, da Editora Abril.[36]

Referências

  1. Prefeita e vereadores de Ipojuca tomam posse Portal G1 - acessado em 6 de janeiro de 2021
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Estimativa Populacional 2015». População estimada » Comparação entre os municípios: Pernambuco. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Agosto de 2015. Consultado em 11 de dezembro de 2015 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 15 de fevereiro de 2014 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos municípios - 2019». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  6. CNPM. «Urbanização». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  7. IBGE. «Estimativa da População - 2013». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  8. Jornal do Tempo. «Climatologia do município de Ipojuca - PE». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  9. Companhia Pernambucana de Recursos Hídricos (CPRH). «Diagnóstico do município de Ipojuca» (PDF). Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 11 de maio de 2014 
  10. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. «Perfil do município de Ipojuca». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  11. IBGE. «Serviços de Saúde - 2009». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  12. PNUD. «Ranking IDH Municípios 2010». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  13. IBGE. «Infográficos: histórico». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  14. IBGE. «Produto Interno Bruto dos municípios - 2011». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  15. IBGE. «Valor adicionado bruto da indústria a preços correntes » comparação entre os municípios: Pernambuco». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  16. Suape - Complexo Industrial Portuário. «Institucional - O que é Suape?». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  17. Estaleiro Atlântico Sul. «Produtos». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  18. Petrobrás. «Primeiro trem da Refinaria Abreu e Lima já tem 87,5% de avanço físico». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  19. PetroquímicaSuape. «PQS é um Complexo Industrial Químico-Têxtil que tem o objetivo de produzir os principais insumos do poliéster em suas várias formas.». Consultado em 12 de maio de 2014. Cópia arquivada em 12 de maio de 2014 
  20. BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 19.
  21. «Ipojuca». IBGE Cidades. Consultado em 1 de maio de 2022 
  22. Eduardo de Almeida Navarro (2013). Dicionário de Tupi Antigo. [S.l.]: São Paulo: Global. 570 páginas 
  23. [1]
  24. a b c d http://www.cprm.gov.br/rehi/atlas/pernambuco/relatorios/IPOJ176.pdf
  25. a b «Clima: Ipojuca». Climate-Data.org. Consultado em 6 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2016 
  26. «Clima: Camela». Climate-Data.org. Consultado em 24 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2016 
  27. «Clima: N. do Ó». Climate-Data.org. Consultado em 24 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2016 
  28. «Clima: Porto de Galinhas». Climate-Data.org. Consultado em 6 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2016 
  29. [2]
  30. [3]
  31. [4]
  32. «As 100 cidades que mais fecharam empregos no Brasil». EXAME. Consultado em 26 de julho de 2017. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2020 
  33. SUAPE. «Governo doa terreno para a Refinaria Abreu e Lima» 
  34. Centro de Estudos em Gestão Naval. «Lula assina contrato do estaleiro Atlântico Sul incluído no PAC» 
  35. Portal Naval. «Atlântico Sul deverá acelerar obras» 
  36. «Pela 10ª vez, Porto de Galinhas é eleita a Melhor Praia do Brasil». UOL. Consultado em 31 de agosto de 2013