Porto de Suape

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Porto de Suape
Complexo Industrial Portuário - SUAPE.
Localização
País  Brasil
Localização Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco
Coordenadas 08° 23′ S 34° 58′ W
Detalhes
Inauguração 1983
Operado por Companhia Docas de Pernambuco
Proprietário Governo de Pernambuco
Tipo de porto Marítimo
Estatísticas
Carga anual de toneladas 23,6 Mi de toneladas (2017) [1]
Website www.suape.pe.gov.br

O Complexo Industrial Portuário Governador Eraldo Gueiros,[2] mais conhecido como Porto de Suape, é um porto brasileiro localizado no estado de Pernambuco, entre os municípios do Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife. É o maior porto público da Região Nordeste e ocupa a quinta posição no ranking nacional.[1] Seu projeto foi baseado na integração porto-indústria tendo como exemplo portos bem sucedidos da França e Japão.

A data marco do Porto de Suape é 7 de novembro de 1978, dia em que foi sancionada a Lei Estadual nº 7.763 que criou a empresa SUAPE (Suape Complexo Industrial Portuário) vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de Pernambuco que administra o porto.[3] Destaca-se como sendo o maior porto do Norte/Nordeste brasileiro[4] e em vias de tornar-se o segundo maior do país[5]. Sua área de influência abrange toda a área dos estados de Pernambuco, Alagoas e da Paraíba, além de parte do Rio Grande do Norte, Ceará e interior do Maranhão.[3]

Na década de 50 o padre francês Louis Joseph Lebret se reuniu com técnicos do Condepe-Fidem e deram início aos estudos de viabilidade técnica para construir um porto industrial baseado em modelos de portos industriais como os situados em Marselha (França) e Kadima (Japão). Já no ano de 1974, houve o lançamento da pedra fundamental pelo governador Eraldo Gueiros, determinando essa área para a construção do porto industrial. Em 07 de novembro de 1978, foi criada a empresa Suape - Complexo Industrial Portuário Governador Eraldo Gueiros, pelo então governador Moura Cavalcanti.

Além de distrito industrial e porto marítimo o complexo também abriga uma reserva ambiental cerca de 59% de seu território é considerado área preservada, como também a Refinaria Abreu e Lima e o estaleiro Atlântico Sul.[6] Essa região era habitada pela tribo Caetés e por conta da sua constituição geomorfológica a batizaram de Suape. Esta é uma palavra de origem tupi-guarani a qual significa caminhos sinuosos.

Localização[editar | editar código-fonte]

Vista de Suape em 2012.

Suape localiza-se no litoral sul do estado de Pernambuco nos municípios de Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca, a 40 quilômetros ao sul da cidade do Recife, entre a foz dos rios Ipojuca e Massangana.

O acesso ao porto externo por mar tem profundidade mínima de 16,5 m e o calado máximo permitido de 14,5 m na preamar. O acesso terrestre pode ser feito pelas rodovias federais BR-101 e BR-232, pelas rodovias estaduais PE-060 e a PE-028, bem como pela ferrovia EF–101, gerido pela Transnordestina Logística (TNL).[3] Por vias aéreas o acesso é feito principalmente através do Aeroporto Internacional do Recife.

Além destes, o porto também conta com a infraestrutura do modal duto-viário, ficando o transporte de líquidos e inflamáveis feitos diretamente da indústria ao terminal portuário responsável.[2]

Clima[editar | editar código-fonte]

A região do porto de Suape apresenta um clima tropical úmido. A temperatura é elevada, com média anual em torno dos 25 °C. A média anual de precipitação é superior a 2000 milímetros, concentrados entre os meses de abril e julho.[7] Os ventos predominantes tem direção entre leste e sudeste, com alguns vindos da direção nordeste.

O regime de marés é caracterizado por ser semidiurno e as variações médias são 2,04 metros em sizígia e 0,91 em quadratura.[2]

Dados climatológicos para Porto de Suape
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 29,2 29,2 29,1 28,7 27,8 27 26,4 26,6 27,1 28 28,6 28,7 28
Temperatura média (°C) 26,2 26,2 26 25,6 24,9 24,2 23,5 23,5 24,2 25 25,6 25,8 25,1
Temperatura mínima média (°C) 23,3 23,3 23 22,5 22,1 21,4 20,7 20,5 21,3 22,1 22,7 23 22,2
Precipitação (mm) 109 128 199 260 289 320 309 193 105 60 50 66 2 088
Fonte: Climate-Data.org[7]

Movimentação[editar | editar código-fonte]

Volume de produtos transportados em Suape
(observado e projetado)[2]
2010 7.419.117
2015 44.642.146
2020 49.531.211
2025 56.252.599
2030 67.207.581

Em 2018, Suape apresentou um total de 23,6 milhões de toneladas de produtos transportados, sendo responsável pelo maior movimentação nacional de granéis líquidos (17,5 milhões de toneladas) e de navegação por cabotagem (15,3 milhões de toneladas).[1] Os produtos derivados de petróleo foram os que causaram maior impacto na movimentação do porto, devido a necessidade de movimentação da Refinaria Abreu e Lima. Outros produtos em destaque no porto de Suape são as exportações de automóveis, minério de ferro, soja e açúcar e a exportação de contêineres.[2][8]

Considerando os dados de 2014, os produtos exportados que partem de Suape são produzidos em sua maioria no estado de Pernambuco (70,41%), ficando produtos paraibanos em segundo lugar (9,1%) e os produtos provenientes do Rio Grande do Norte em terceiro com 6,32%. Por outro lado os produtos importados vêm em sua maioria para Pernambuco (88,37%), seguindo o restante principalmente para a Paraíba (3,95%) e o Ceará (2,56%).[2]

Cais[editar | editar código-fonte]

Porto Interno (Cais de Suape).
TECON (Terminal de contêineres).
PGL

O Porto de Suape possui quatro Píeres de Granéis Líquidos, o PGL 1 e o PGL 2, que somam 288 metros e destinam-se à movimentação de combustíveis, óleos minerais e outros produtos semelhantes e o PGL 3 que se divide em dois píeres petroleiros A e B.[3]

Cais 1

Com 275 metros, o Cais 1 destina-se principalmente à movimentação de minérios escorias e cinzas e produtos siderúrgicos.

TECON

O TECON (Terminal de contêineres) destina-se à movimentação de contêineres ao longo dos seus 660m de comprimento e dois píeres (Píer 2 e Píer 3). A movimentação deste terminal foi de 190.466 toneladas em 2010 e contou com 543 atracações.[2]

Cais 4

Com um comprimento de 350 este cais destina-se principalmente à movimentação de trigo. Em 2010, o cais movimentou aproximadamente 448.410t com 70 atracações.

Cais 5

Ao longo dos seus 330 metros de comprimento o Cais 5 é destinado a movimentação de automóveis e passageiros.

Cais 6, 7 e 8.

Em uma etapa posterior de ampliação do porto, Deverão serem construídos os terminais 6, 7 e 8, visando atender à crescente demanda e especializados para a movimentação de milho (Píer6), soja (Píer 7) e fertilizantes (Píer 8).

Terminal Multiuso da Cocaia.

O Terminal de Graneis Sólidos Minerais, ou Terminal Multiuso da Cocaia, por localizar-se na Ilha da Cocaia, é um projeto para construção de um terminal ao norte dos píeres 1, 2 e 3, afim de atender à crescente demanda por minério de ferro no porto.

Parcerias[editar | editar código-fonte]

O Estaleiro Atlântico Sul, possui uma estrutura de 400 metros de extensão, 73 metros de boca e 12 metros de profundidade.

Diversos empreendimentos de grande porte se instalaram em Suape e suas proximidades, uns já iniciaram suas atividades, outros estão em fase de investimento. Entre as principais indústrias/marcas que se instalaram na região destacam-se[2]:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Lima, Jéssica. «Recordes mantêm Suape entre os cinco maiores portos públicos do país - Suape». www.suape.pe.gov.br. Consultado em 17 de fevereiro de 2018 
  2. a b c d e f g h «Plano Mestre Porto de Suape» (PDF). Laboratório de Transporte e Logística. 12 de Setembro de 2015 
  3. a b c d «Plano Mestre Porto de Suape» (PDF). Antaq. 12 de Setembro de 2015 
  4. SOUZA, Grance. Suape. Suape lidera movimentação de cargas entre portos do Norte/Nordeste. Disponível em <http://www.suape.pe.gov.br/news/matLer.php?id=472>. Acesso em setembro de 2015.
  5. UFPE. Suape trabalha para ser o segundo maior do país. Disponível em <https://www.ufpe.br/engnaval/index.php?option=com_content&view=article&id=432:suape&catid=36&Itemid=122>. Recife. Acesso em setembro de 2015.
  6. http://www.grandesconstrucoes.com.br/br/index.php?option=com_conteudo&task=viewMateria&id=663
  7. a b «Clima: Porto de Suape». Climate-Data.org. Consultado em 29 de junho de 2016. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2016 
  8. «Nova pauta de exportações dá fôlego a Suape». folhape.com.br. Consultado em 17 de fevereiro de 2018