Manari

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Manari
"<Terra do Feijão>"
Bandeira de Manari
Brasão indisponível
Bandeira Brasão indisponível
Hino
Aniversário 12 de julho
Fundação 12 de julho de 1995
Gentílico manariense
Padroeiro(a) São Sebastião
Prefeito(a) Gilvan Albuquerque de Araújo (PSDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Manari
Localização de Manari em Pernambuco
Manari está localizado em: Brasil
Manari
Localização de Manari no Brasil
08° 57' 50" S 37° 37' 40" O08° 57' 50" S 37° 37' 40" O
Unidade federativa  Pernambuco
Mesorregião Sertão Pernambucano IBGE/2008[1]
Microrregião Sertão do Moxotó IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Ao norte com Ibimirim, ao sul com o estado de Alagoas, a leste com Inajá e a oeste com Itaíba.
Distância até a capital 400 km
Características geográficas
Área 406,636 km² [2]
População 20 302 hab. estatísticas IBGE/2015[3]
Densidade 49,93 hab./km²
Altitude 570 m
Clima Semiárido BSh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,487 muito baixo PNUD/2010[4]
PIB R$ 87 871 mil IBGE/2013[5]
PIB per capita R$ 4 440 61 IBGE/2013[5]
Página oficial

Manari é um município brasileiro do estado de Pernambuco. No início dos anos 2000, foi considerado o município mais pobre do Brasil. Ainda é um dos poucos do país a apresentar um baixo Índice de Desenvolvimento Humano.[6]

História[editar | editar código-fonte]

A história da povoação de Manari, se dá com a chegada de dois fazendeiros, Antonio Pereira e Manoel Pereira, de origem Portuguesa, que aportaram na região, após a compra de boa parte de terra que pertenciam a família Aranha, proprietária de extensa faixa de terra no sertão de Pernambuco.

Junto com esses fazendeiros que por aqui se instalaram, vieram alguns escravos, para ajudar na lida e no preparo da terra; dentre estes, nota-se uma cativa de origem indígena, chamada de Mariana.

Certa vez, Mariana e seus dois filhos foram apanhar umbu, lenha e água na lagoa e, defrontaram-se com porcos selvagens, muito abundante na região e eram conhecidos como "queixadas", e segundo contam os mais velhos, eles foram atacados e devorados.

Após o ocorrido do fato, o lugar antes sem denominação, passou a chamar-se de Mariana, em homenagem a escrava. Com o passar dos tempos, foram se estabelecendo famílias de outros lugares, e com isso as raças foram se misturando, sobrevivendo da agricultura, como: o milho, o feijão e o algodão, produto com grande aceitação no mercado da época.

Como parte de um fenômeno que era comum à época, a migração de famílias como: Rocha, Queiroz, Anjos, Monteiro, Pires e os Maltas, instalaram-se na região e doaram partes de suas terras para fixação de outras famílias que advinham de localidades distintas e também para a construção da Capela de Nossa Senhora da Conceição na pequena Vila.

O distrito de Mariana foi criado pela lei municipal nº 2, de 10 de Janeiro de 1929, subordinado ao município de Moxotó.[7] Seu nome foi convertido para Manari pelo decreto-lei estadual nº 952, de 31 de Dezembro de 1943, segundo costume da época de nomear as localidades brasileiras com nomes indígenas. O topônimo Manari, do tupi amana-r-i, significa "riacho, água da chuva", em alusão a um curso de rio que corria nas suas proximidades.

O distrito foi elevado à categoria de município 12 de julho de 1995, segundo os preceitos da Lei estadual complementar nº 15, de 1990, que estabeleceu condições para a emancipação de distritos.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 08º57'50" sul e a uma longitude 37º37'42" oeste, estando a uma altitude de 570 metros acima do nível do mar. Sua população em 2000, segundo o Censo Demográfico realizado pelo IBGE, era de 13.028 habitantes. As principais atividades econômicas são agricultura, pecuária e comércio. Possui uma área de 407 km².

Indicadores sociais[editar | editar código-fonte]

Não é mais considerado o município brasileiro com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), tendo ganho 12 posições desde o censo de 2000. O IDH de Manari é de 0,487, sendo classificado como "muito baixo" pela ONU.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Estimativa da população 2015 » População estimada » Comparação entre os municípios: Pernambuco». Estimativa Populacional - 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Agosto de 2015. Consultado em 11 de dezembro de 2015 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  5. a b «Pernambuco » Manari » Produto Interno Bruto dos municípios - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. de 2015 
  6. Manari se livra de pior IDH, mas não da miséria. Estadão, 18 de junho de 2011.
  7. «Histórico de Manari» 

Fontes[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Manari por ela mesma. Universitária nascida na "pior cidade do Brasil" filma a vida de seus conterrâneos. Por Paulo Rebêlo. Carta Capital, 31 de outubro de 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Pernambuco é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.