Turismo em Manaus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O turismo na cidade de Manaus oferece diversas atrações culturais, gastronômicas e naturais. A capital do Amazonas é mundialmente conhecida,[1] sendo o maior destino de turistas da Amazônia e oferece uma ampla rede hoteleira, incluindo hotéis de selva em sua Região Metropolitana.[2] Um dos principais pontos turísticos de Manaus é o Teatro Amazonas, inaugurado em 1896, sendo a obra mais significativa da época áurea da borracha e tombado como Patrimônio Histórico Nacional.[3]

A cidade foi uma das primeiras cidades brasileiras a possuir o AmazonBus, veículo oferecido aos turistas que visitam à cidade, aos moldes de veículos turísticos que já operam em cerca de setenta cidades turísticas do exterior.[4] O AmazonBus percorre 40 pontos turísticos da cidade. Dentre os incluídos no roteiro, estão o Teatro Amazonas e a Praia da Ponta Negra.[5] Manaus recebeu o prêmio de melhor destino verde da América Latina, prêmio este concedido em votação feita pelo mercado mundial de turismo, durante a World Travel Market, ocorrido em Londres em 2009.[6]

Em pesquisa realizada em 2018 e 2019, a taxa de satisfação dos turistas de navios cruzeiros que passaram pelo Amazonas alcançou o percentual de 77,38%. Os turistas entrevistados em um estudo realizado pela Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur) responderam a um questionário contendo 16 itens, entre comidas regionais, internet, opções de lazer, informações turísticas, bares e restaurantes. Entre os pontos melhores avaliados pelos visitantes, em passagem pelo estado, estão: comida típica (98,34%); opções de lazer (96,22%); informações turísticas (95,85%); internet (91,47%); Centro de Atendimento ao Turista (89,15%); bares e restaurantes (88,25%) e segurança pública (87,23%).[7]

Atrativos culturais[editar | editar código-fonte]

Teatro Amazonas, inaugurado em 1896, é considerado uma das mais belas casas de ópera do mundo.[8]
Mercado Municipal Adolpho Lisboa, inaugurado em 1883, é o mais antigo e importante espaço de comercialização de alimentos e produtos amazônicos em Manaus.
A Ponte Benjamin Constant é datada de 1893 e simboliza o auge da cidade de Manaus durante o ciclo da borracha.
  • Mercado Municipal Adolpho Lisboa, com mais de 135 anos de história, foi inaugurado em 15 de julho de 1883, sendo um dos mais importantes espaços de comercialização de produtos e alimentos típicos da Amazônia, em função da variedade de espécies de peixes de água doce, artesanatos, frutas, legumes e especiarias, atraindo a atenção e a curiosidade de quem o visita.[10] Por ser um dos principais exemplares da arquitetura de ferro sem similar em todo mundo, foi tombado como Patrimônio Histórico Nacional pelo IPHAN em 1987.[11]
  • Palacete Provincial é um imóvel datado de 1861 que serviu por mais de 100 anos como quartel da Polícia Militar do Amazonas. Atualmente abriga 5 museus de diferentes linguagens: Museu de Arqueologia, Museu da Imagem e do Som (MISAM), Museu de Numismática do Amazonas, Museu Tiradentes e a Pinacoteca do Estado do Amazonas.[12]
  • Palácio da Justiça é uma obra centenária concluída no início do século XX para abrigar o Poder Judiciário do Amazonas. Sua inauguração foi realizada em 21 de abril de 1900. É um dos principais exemplares da arquitetura clássica do período áureo da economia da borracha e suas linhas estruturais seguem o estilo renascentista. É um patrimônio cultural do Amazonas, aberto à visitação pública e, também, à promoção das artes, por meio de exposições, espetáculos musicais, teatro, cinema e apresentação de palestras.[13]
  • Palácio Rio Negro foi construído em estilo eclético, em 1903, para ser residência particular de um abastado comerciante da borracha, o alemão Karl Waldemar Scholz. É um dos prédios mais emblemáticos desse período, que marcou a economia do Estado. O local funcionou como sede do Governo e, em 3 de outubro de 1980, foi tombado como Patrimônio Histórico e Artístico do Estado do Amazonas. Ao longo dos anos, foi reformado, restaurado e adaptado e, em virtude de sua beleza arquitetônica e relevância histórica, foi transformado em Centro Cultural.[14]
  • Biblioteca Pública do Amazonas está localizada no Centro Histórico da cidade. Fundada em 1871, é a mais antiga biblioteca pública no estado e a maior em número de acervos. No local é possível encontrar uma coleção de mais 30 mil jornais, que datam até 1886 e que podem ser consultados.[15]
  • Catedral Metropolitana de Manaus, a primeira grande obra arquitetônica da cidade datada de 1858. A catedral remonta a primeira igreja construída pelos missionários carmelitas em 1695.[16]
  • Igreja de São Sebastião, construída a partir de 1868, sob a direção de Gesualdo Marchetti de Lucas, possui estilo neoclássico, com alguns elementos medievalistas. Seu interior é marcado por painéis e vitrais europeus, bem ao estilo da época.[17]
  • Alfândega da cidade, outro ponto turístico, é um conjunto arquitetônico tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional.[18]
  • Museu do Homem do Norte, dispondo de 2.000 itens, foi idealizado pelo sociólogo-antropólogo Gilberto Freyre e criado com o objetivo de reunir um significativo acervo que representasse e refletisse as características e peculiaridades da vida da região norte do Brasil. O acervo foi adquirido ao longo do tempo, por meio de doações, compras, cessões e incorporações.[20]
  • Museu do Índio foi fundado pela Madre Maddalena Mazoni. Nas seis salas, é possível conhecer sobre rituais e ver objetos usados pelas tribos Tukana, Tikuna, Banivwa, Yanomami e Xavante. As salas são divididas pelos temas: organização social; cerâmica; trançados; usos e costumes; ritos, músicas e danças; e memória.[21]
  • Teatro Chaminé foi construído em 1910, pela empresa inglesa Manaós Improviments, concessionária de serviços de saneamento, com a finalidade de ser uma usina de tratamento de esgotos da cidade. Com características neo-renascentistas, o espaço possui, ao lado direito, uma chaminé de 24 metros, construída com tijolos compactos refratários, coroada por um chapeló em ferro moldado. Por isso, ficou conhecido como Chaminé.[22]
  • Monumento à Abertura dos Portos foi construído em 1899 para comemorar a liberação dos portos e rios da Amazônia às nações estrangeiras em 1866. Está localizado em frente ao famoso Teatro Amazonas.
  • Relógio Municipal, construído em 1929, sendo autor do projeto o amazonense Coriolano Durand, possui estilo neoclássico e engrenagem de origem suíça. Nele há dois mostradores. Em um deles há a inscrição latina Vulnerant omnes, ultima necat, que significa "Todas ferem, a última mata".[23]

Entre prédios e lugares que destacam-se por algum acontecimento histórico ocorrido neste, há a o Colégio Amazonense Dom Pedro II, que surgiu com a designação de Lyceu Provincial Amazonense, através do Regulamento nº 18, de 14 de março de 1869, do presidente da Província, João Wilkens de Mattos, sendo instalado nas dependências do Seminário Episcopal de São José, que a época localizava-se onde hoje se ergue uma das agências do Banco do Brasil, na antiga praça 15 de Novembro.[24]

Panorama do Palacete Provincial e Praça Heliodoro Balbi. É um imóvel datado de 1861 que abriga 5 tipos de museus.[25]

Referências arquitetônicas[editar | editar código-fonte]

Atrativos naturais[editar | editar código-fonte]

O Parque Nacional de Anavilhanas é um arquipélago que abrange cerca de 400 ilhas. Trata-se de uma unidade de conservação integral, reconhecida como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.[26]
Um dos maiores espetáculos da natureza, o Encontro das Águas representa a confluência dos rios Negro, de águas escuras, e Solimões, de águas barrentas.

O ecoturismo, também chamado de turismo de natureza, todos os anos atrai milhares de turistas à cidade de Manaus.[27] Dentre seus visitantes mais ilustres, está o Papa João Paulo II, que esteve na cidade em 11 de julho de 1980. Durante sua visita à capital amazonense, o Santo Padre participou de uma procissão fluvial embarcado no navio Pedro Teixeira.[28] Em seu discurso de despedida do Brasil, feito em Manaus, estão as seguintes palavras:

Levo nos olhos e no coração tantas imagens de vida e beleza, que me impressionaram neste dinâmico e promissor País, e as últimas e mais impressionantes serão as imagens portentosas destes rios e florestas do Amazonas. — Papa João Paulo II [29]
  • Encontro das águas é um fenômeno natural causado pelo encontro das águas barrentas do rio Solimões com as águas escuras do rio Negro, as quais percorrem cerca de seis quilômetros sem se misturarem. Esse fenômeno acontece em decorrência da temperatura e densidade das águas, e, ainda a velocidade de suas correntezas.[30]
  • Jardim Botânico de Manaus, considerado o maior fragmento de floresta preservada dentro de área urbana do Brasil, o jardim botânico possui 5 km² distribuídos em uma faixa de 500 metros de largura por 6 km de comprimento ao longo da borda sul e 4 km ao longo da borda oeste da Reserva Florestal Adolpho Ducke. O local oferece contato direto com a natureza e atrai turistas de diversos lugares do mundo, além disso conta com o Museu da Amazônia (MUSA) e uma torre de observação.[31]
  • Praia da Ponta Negra, localizada à margem esquerda do rio Negro, a aproximadamente a 13 km do centro de Manaus, é um dos principais cartões-postais da cidade. Possui orla urbanizada, quadras para prática de esporte e um anfiteatro onde são realizadas apresentações musicais, espetáculos teatrais e outras atrações, tornando-a um dos principais pontos turísticos de Manaus.[32]
  • Zoológico do CIGS é um local destinado à manutenção de coleções de animais com as finalidades de exibição, conservação, reprodução e educação ambiental, voltada para a rica fauna e flora presente na região. Para isso, mantém projetos educativos, científicos e culturais, contribuindo para a conservação da fauna e da flora, e para a formação do cidadão. Sua área de visitação constitui espaço ideal para lazer e conhecimento. A Educação Ambiental é realizada diariamente, são mais de 140 mil visitante por ano e metade desses visitantes são alunos da rede pública de ensino, crianças, adolescentes e jovens que estão firmando suas convicções referentes à conservação e preservação ambiental.[33]
  • Parque Nacional de Anavilhanas é um arquipélago que abrange mais de 400 ilhas localizadas entre os municípios de Manaus (30%) e Novo Airão (70%), no Estado do Amazonas, foi criado com o objetivo de preservar o arquipélago fluvial de Anavilhanas, um dos maiores do mundo, bem como suas diversas formações florestais, além de estimular a produção de conhecimento por meio da pesquisa científica e valorizar a conservação do bioma Amazônia com base em ações de educação ambiental e turismo sustentável. Foi reconhecido como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.[34]
  • Parque Estadual Sumaúma foi criado através do decreto N.º 23 721 de 5 de setembro de 2003 com uma área de 51 hectares. É a primeira unidade de conservação estadual localizada na cidade de Manaus.[35]
  • Parque Municipal do Mindu Com 40,8 hectares de biodiversidade, no centro geográfico de Manaus e a 15 minutos do Centro Histórico, o Parque Municipal do Mindu foi criado a partir de um movimento popular iniciado em 1989, pelos moradores do bairro Parque Dez de Novembro, como forma de proteger o habitat do sauim-de-coleira (Saguinus bicolor). Em 1993 foi oficialmente instituído como espaço protegido, em área de 30,9 ha, e após o Decreto nº 9.043/2007, passa a ter uma área de 40,8 ha. Trata-se de uma Unidade de Conservação de Proteção Integral, sendo admitido o uso indireto dos seus recursos.[36]
  • Praia da Lua, pertencente ao município de Iranduba (região metropolitana de Manaus), localizada à margem esquerda do rio Negro, distante 23 quilômetros de Manaus, por via fluvial. Tem o formato de uma lua em quarto crescente e uma vegetação de rara beleza natural com uma extensão de areia branca e banhada pelas águas negras do rio Negro, límpidas.[37] O acesso ao lugar é feito por barcos regionais que saem de alguns portos da cidade, lanchas fretadas localizadas no pier ao lado do hotel Park Suites, na Ponta Negra.[37]
  • Praia do Tupé está localizada na margem esquerda do Rio Negro, a 34 km de Manaus. Ela é considerada uma reserva de desenvolvimento sustentável, uma prática que promove a sustentabilidade do ambiente e trazendo retorno financeiro para a população local.[38]
  • Praia Dourada, uma praia da zona rural de Manaus, distante 20 quilômetros do centro da cidade, sendo banhada pelo igarapé do Tarumã e o rio Negro.[39]
A imensidão da floresta amazônica junto com o encontro dos rios Negro e Solimões, onde formam o rio Amazonas, considerado o maior rio em volume de água do mundo.[40]

Eventos[editar | editar código-fonte]

A inserção da cidade de Manaus na rota dos grandes eventos nacionais — e internacionais — é um ciclo que foi iniciado com os preparativos para a Copa do Mundo de 2014 e que atraiu eventos subsequentes, confirmando a cidade como um novo destino dos eventos de grande porte. Os Jogos Olímpicos Rio 2016 foram exemplo disso. Manaus só conseguiu entrar no seleto grupo de seis cidades brasileiras que sediaram a Olimpíada por conta dos excelentes resultados obtidos com a organização da Copa do Mundo. Foi uma das poucas cidades no País e uma das únicas no mundo a sediar os dois principais mega-eventos esportivos mundiais.[42]

Carnaval[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Carnaval de Manaus

O Carnaval de Manaus é uma festa popular brasileira de cunho religioso e histórico-social realizada durante cinco dias consecutivos no mês de fevereiro. É composto pelo desfile das escolas de samba no Sambódromo de Manaus, blocos de rua, bandas e o desfile de fantasias no Teatro Amazonas.[43] A diversidade é umas das principais características do Carnaval de Manaus, que o coloca como um dos maiores e mais importantes eventos populares do Brasil.[44][45]

Ópera[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Festival Amazonas de Ópera

O Festival Amazonas de Ópera (FAO) é um festival de ópera brasileiro realizado no Teatro Amazonas, na cidade de Manaus. Criado em 1997, até 2001 mantinha-se como o único do gênero na América Latina.[46]

Marcha para Jesus[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Marcha para Jesus

A Marcha para Jesus é um evento internacional e interdenominacional (ou seja, realizado conjuntamente por diversas denominações evangélicas) que ocorre anualmente em milhares de cidades espalhadas pelo mundo. Todos os anos o evento reúne milhares de pessoas na cidade de Manaus.[47]

Natal[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Natal

Organizado inicialmente como evento de encerramento das atividades anuais, o Concerto de Natal foi sendo ampliado e sofrendo mutações no seu conceito, a ponto e ser transformado em espetáculo que já reuniu quase quatro mil artistas em cena, dos grupos profissionais, semiprofissionais, não profissionais e grupos populares de várias manifestações artísticas.[48]

Todos os anos, o Concerto de Natal conta com a participação de artistas do Corpos Artísticos do governo do Estado, dentre eles, a Orquestra Amazonas Filarmônica, Coral do Amazonas, Corpo de Dança do Amazonas e Balé Folclórico do Amazonas. Há também a participação de alunos do Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro.[48]

Réveillon[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Véspera de Ano-Novo

Manaus consolidou seu Réveillon como produto turístico junto ao mercado exterior devido ao trabalho realizado desde 2014, quando o evento deixou o palco do Anfiteatro e passou a ser realizado na praia da Ponta Negra, às margens do Rio Negro, reunindo um público médio de mais de 200 mil pessoas e transformando o Réveillon de Manaus em um dos principais produtos turísticos da região Norte do País. Somente as últimas cinco edições reuniram um público de 1,3 milhão de pessoas.[42]

Panorama da Praia da Ponta Negra onde todos os anos acontece a tradicional queima de fogos com 10 minutos de duração.[49]

Boi Manaus[editar | editar código-fonte]

O mês de aniversário da Cidade é marcado tradicionalmente pelo Boi Manaus, evento que traduz a hospitalidade do povo manauara no ritmo que é uma das bases de sua cultura plural: o boi-bumbá. O evento, nascido em 1997, passou a ser uma das comemorações oficiais de aniversário da cidade desde então.[42]

Realizado no Complexo Turístico Ponta Negra desde 2015, quando teve formatação repaginada para se tornar produto turístico nacional, o Boi Manaus costuma reunir um público de mais de cem mil pessoas em dois dias de festa. Os artistas e itens dos bumbás se apresentam em cima dos trios elétricos, levando o público a uma experiência diferenciada ao som do ritmo regional.[42]

Passo a Paço[editar | editar código-fonte]

Iniciado em 2015, o Passo a Paço, projeto de ocupação cultural do Centro Histórico de Manaus, vem expandindo fronteiras a cada edição, consolidando-se como o Festival de Artes Integradas da Amazônia, por meio da promoção do encontro de variadas expressões e linguagens artístico-culturais, nacionais e locais, no berço histórico da capital amazonense.[42]

A programação, realizada pela Prefeitura de Manaus, conecta gastronomia contemporânea regional a música, teatro, dança, instalações culturais e exposições de artes plásticas, proporcionando novas vivências e experiências ao público em meio ao sítio histórico manauara.[42]

O evento acontece anualmente, no segundo semestre, no entorno do Paço da Liberdade, um dos últimos exemplares da arquitetura neoclássica do Brasil e que hoje abriga o Museu da Cidade de Manaus.[42]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Manaus é destaque em feira de turismo no Japão». Viva Manaus. 30 de outubro de 2019. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  2. «Onde ficar». Viva Manaus. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  3. a b «Teatro Amazonas (Manaus, AM)». Iphan. 20 de dezembro de 1966. Consultado em 25 de julho de 2018 
  4. «AmazonBus mostrará capital amazonense». Tribuna. 29 de outubro de 2008. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  5. «Serviço de city tour pela cidade de Manaus no ônibus inglês passa a ser gratuito». Associação Comercial do Amazonas (ACA). 2 de maio de 2018. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  6. «Amazonas conquista, em Londres, prêmio de "Melhor destino verde da América Latina"». Governo do Estado do Amazonas. 12 de novembro de 2009. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  7. «Média de satisfação dos turistas no Amazonas é de 77,38%». Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur). Consultado em 12 de outubro de 2019 
  8. «Manaus's opulent Amazon Theatre» (em inglês). The Guardian. 14 de abril de 2015. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  9. «Cultura e Conhecimento: Teatro». Brasilcult. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  10. «Mercado Municipal Adolpho Lisboa». Jornal do Mercado. 16 de junho de 2019. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  11. «Mercado Municipal de Manaus». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). 1 de julho de 1987. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  12. «Palacete Provincial». Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas (SEC). Consultado em 27 de novembro de 2019 
  13. «Palácio da Justiça». Portal Cultura Amazonas. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  14. «Centro Cultural Palácio Rio Negro». Portal Cultura Amazonas. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  15. «Biblioteca Pública do Amazonas». Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas (SEC). Consultado em 27 de novembro de 2019 
  16. «Catedral Metropolitana de Manaus — Nossa Senhora da Conceição». Arquidiocese de Manaus. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  17. «Igreja de São Sebastião, Manaus». Manaus Ágil. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  18. «Alfândega de Manaus». Instituto Durango Duarte. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  19. «Ponte Benjamin Constant — Centenária». Equatorial Turismo. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  20. «Museu do Homem do Norte». Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas (SEC). Consultado em 27 de novembro de 2019 
  21. «Museu do Índio preserva mais de 2 mil peças de 5 etnias na Amazônia». G1. 19 de abril de 2015. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  22. «Centro Cultural Usina Chaminé». Portal Cultura Amazonas. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  23. «Monumentos e Espaços Públicos Tombados». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Consultado em 27 de novembro de 2019 
  24. «Colégio Amazonense Dom Pedro II celebra 150 anos com atividades culturais». Secretaria de Estado de Educação (SEDUC). 15 de março de 2019. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  25. «Palacete Provincial». Portal Cultura Amazonas. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  26. «Complexo de Conservação da Amazônia Central». UNESCO. Consultado em 17 de agosto de 2018 
  27. «Manaus: um passeio pela capital econômica e cultural do Amazonas». Ministério do Turismo. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  28. «NPaFlu Pedro Teixeira». Poder Naval. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  29. «Manaus, 11 de julho de 1980: Discurso do Papa João Paulo II na cerimônia de despedida do Brasil». Vaticano. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  30. Costa, Rafael (30 de novembro de 2015). «Por que as águas dos rios Negro e Solimões não se misturam?». Super Interessante. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  31. «Maior floresta em área urbana do país é opção para turismo ecológico no AM». G1. 28 de junho de 2012. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  32. «Praia da Ponta Negra». Portal GuiaTur. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  33. «Histórico do Zoológico». Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS). Consultado em 27 de novembro de 2019 
  34. «Parque Nacional de Anavilhanas». Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Consultado em 27 de novembro de 2019 
  35. «Parque Estadual Sumaúma». Sistema de Meio Ambiente do Amazonas. 25 de abril de 2015. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  36. «Parque Municipal do Mindu». Secretaria de Meio Ambiente (Sema). 4 de novembro de 2019 
  37. a b «Praia da Lua». Visit Brasil. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  38. «Praia do Tupé». Férias Brasil. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  39. «Confira 13 balneários imperdíveis em Manaus». Em tempo. 11 de maio de 2018. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  40. «Rio Amazonas». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 26 de novembro de 2019 
  41. «Escolas de samba do Grupo Especial desfilam no Sambódromo de Manaus». G1. 7 de fevereiro de 2016. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  42. a b c d e f g «Grandes Eventos». Viva Manaus. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  43. «Carnaval de Manaus». Portal Cultura Amazonas. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  44. «Melhores carnavais do Brasil». Tá Por Onde. Consultado em 9 de outubro de 2019 
  45. «Carnaval de Manaus leva 120 mil pessoas ao sambódromo». Terra. 22 de fevereiro de 2009. Consultado em 8 de outubro de 2019 
  46. «Festival Amazonas de Ópera». Portal Cultura Amazonas. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  47. «Marcha para Jesus leva 1 milhão de pessoas às ruas de Manaus, diz PM». G1. 1 de junho de 2013. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  48. a b «Concerto de Natal». Portal Cultura Amazonas. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  49. «Manaus dá as boas-vindas a 2019 com queima de fogos e multidão na Ponta Negra». G1. 1 de janeiro de 2019. Consultado em 4 de novembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]