Gravatá (Pernambuco)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gravatá
  Município do Brasil  
Paróquia de Sant'Ana
Paróquia de Sant'Ana
Símbolos
Bandeira de Gravatá
Bandeira
Brasão de armas de Gravatá
Brasão de armas
Hino
Lema Rica jóia do nosso Brasil
Gentílico gravataense
Localização
Localização de Gravatá em Pernambuco
Localização de Gravatá em Pernambuco
Gravatá está localizado em: Brasil
Gravatá
Localização de Gravatá no Brasil
Mapa de Gravatá
Coordenadas 8° 12' 03" S 35° 33' 54" O
País Brasil
Unidade federativa Pernambuco
Municípios limítrofes Passira, Bezerros, Pombos, Chã Grande, Amaraji, Cortês, Barra de Guabiraba e Sairé
Distância até a capital 84 km
História
Fundação 15 de março de 1893 (129 anos)
Administração
Prefeito(a) Joselito Gomes (PSB, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [1] 513,367 km²
População total (estimativa IBGE/2021[2]) 85 309 hab.
Densidade 166,2 hab./km²
Clima tropical (As')
Altitude 447 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,634 médio
PIB (IBGE/2013[4]) R$ 831 676 mil
PIB per capita (IBGE/2013[4]) R$ 10 337,80
Sítio prefeituradegravata.pe.gov.br (Prefeitura)
camaramunicipaldegravata.pe.gov.br (Câmara)

Gravatá é um município brasileiro do estado de Pernambuco. Está a uma altitude de 447 metros e distante 84 km da capital Recife.

História[editar | editar código-fonte]

O município de Gravatá teve origens numa fazenda, em 1808, pertencente a José Justino Carreiro de Miranda, local esse que servia como hospedagem para os viajantes que iam comercializar o açúcar e a carne bovina, principais produtos da época, que eram levados em embarcações do Recife até o interior para as cidades de Caruaru, Pesqueira, Arcoverde, entre outras cidades do agreste e sertão pernambucanos. Como a navegação pelo rio Ipojuca era difícil, os comerciantes eram obrigados a fazer paradas estratégicas para evitar também que o gado perdesse peso.

Museu Memorial de Gravatá.
Casario Histórico em Gravatá.

Uma dessas paradas ficou conhecida como Crauatá, denominação, que deriva do tupi Karawatã ("mato que fura"), por conta da predominância de uma planta do gênero da família das bromélias, também chamada caraguatá, caroatá, caroá e gravatá.

Foi nos fins do século XVIII - 1797 ou princípios de 1798 que José Justino Carreiro de Miranda tomou posse da Fazenda Gravatá que, por muito tempo, serviu de hospedagem para viajantes e, como consequência natural, surgiram dois arruados, um em cada margem do rio.

Em 1816 iniciou-se a construção de uma capela dedicada a Sant'Ana que, em 1822 provavelmente em 26 de Julho, dedicado pela Igreja Católica a Sant'Ana, seria concluída por seu filho João Félix Justiniano. Em seguida, as terras foram divididas em 100 lotes e vendidas aos moradores, dando início ao povoado de Gravatá, sendo um distrito do município de Bezerros.

Finalmente no dia 25 de Maio de 1857, 35 anos de pois da inauguração da capela, pela Lei Provincial 422 foi a povoação elevada a Freguesia de Gravatá. Foi o primeiro vigário encomendado da nova freguesia o padre Joaquim da Cunha Cavalcanti, sendo feito o registro competente no Livro 1 de Casamentos desse ano. No Termo de Abertura está o nome do provisor Francisco José Tavares da Gama e a data de 7 de Setembro de 1857, quando chegou o padre interino. A inscrição datal da paróquia foi feita com solenidade no mesmo dia da chegada do tonsurado, da fundação efetiva do grande sonho dos católicos gravataenses. Na ocasião foi levado a efeito o primeiro batizado oficial destas terras.Foi do parvolo José, nascido no mês de julho desse ano e filho legítimo de Firmino José e Maria da Conceição. Vinte dias mais tarde, a 27 do dito mês, verificava-se o primeiro casamento, que foi,conforme documento do ato, realizado "no oratório privado do engenho "Penon", e oficiado pelo padre Francisco Seabra d'Andrade,- com certeza convidado de outra paroquia - sendo os noivos Manuel Tomás da Silva e Inez Francisca Lisboa. Um dos seus tataranetos dos Cablocos Nordestinos e Tupi-Guarani o Sr. Firmino José e de Dona Maria da Conceição é o Jornalista Carlos Amaro Gomes, residente na cidade do Ipojuca/PE e sua família participou da formação da cidade, no litoral sul de Pernambuco, na década de 60.

Em 13 de junho de 1884, a sede do município foi elevada à categoria de cidade (Lei Provincial nº 1.805), porém sua emancipação política só veio a ocorrer após a Proclamação da República, pela Lei Orgânica dos Município, de 15 de março de 1893, quando a cidade adquiriu sua autonomia municipal e elegeu o seu primeiro prefeito, Antônio Avelino do Rego Barros.

No final do século XIX, com a inauguração da Ferrovia Great Western Railways, ligando o Recife ao sertão pernambucano, a cidade tomou considerável impulso e, aos poucos, foi definida sua vocação para o turismo, sobretudo com a construção da BR-232, em 1950, o que permitiu um melhor acesso, encurtando o tempo de viagem e vencendo o desafio da Serra das Russas. Atualmente comemora a emancipação do município no dia 15 de março.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Relevo acidentado em Gravatá.

Composto por três distritos (Gravatá, Mandacaru e Uruçumirim),[5] o município de Gravatá encontra-se a 81 km da capital pernambucana, Recife. Sua população, conforme estimativas do IBGE de 2021, era de 85 309 habitantes[2], distribuídos em uma área de 506,785 km².

Situa-se às margens do Planalto da Borborema onde ergue-se através dos contrafortes da Serra das Russas ao leste, e sua altitude média é de 447m. Tendo picos, que ultrapassam esta, como na Serra do Maroto, no Alto do Cruzeiro etc. Seu relevo é acidentado, formado por falésias (falhas geológicas, provocadas pela erosão continuada de anos), tendo algumas regiões planas, em especial, as que margeiam o Rio Ipojuca.

Gravatá possui clima ameno por estar localizada no Planalto da Borborema.

Por ser uma região de transição entre o Sertão e a Zona da Mata, podem ser encontrados diversos exemplares tanto da Mata Atlântica, quanto da Caatinga. Enfim a vegetação da cidade é composta pela caatinga, formada por plantas caducifólias (que perdem as folhas devido aos fatores físicos externos, por exemplo, baixas temperaturas, falta de umidade etc.), plantas xerófilas (plantas com capacidade de armazenar água, e que possuem folhas especiais, com uma espessa camada de ceras [lipídios], que impedem/minimizam a evaporação) e plantas hiperxerófilas, e por plantas da mata atlântica.

O município está inserido na bacia do rio Ipojuca e do rio Capibaribe, além do rio Amaraji.

O clima de Gravatá é considerado semiárido (tipo Bsh na classificação climática de Köppen-Geiger),[6] com influência da Serra das Russas, que, devido à sua altitude, provoca chuvas orográficas, impedindo chuvas mais abundantes no município. A temperatura média anual de 22 °C, com mínimas chegando a 15 °C nos meses mais frios, enquanto na época mais quente as temperaturas máximas podem chegar próximas de 30 °C. A precipitação média anual é de 725 milímetros (mm), concentrados entre março e julho, sendo julho o mês de maior precipitação (108 mm).[7]

Dados climatológicos para Gravatá
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 28,2 27,8 27,6 26,7 25,5 24,2 23,8 24 25,3 26,7 27,6 27,8 26,3
Temperatura média (°C) 23,5 23,3 23,2 22,7 22 20,8 20,2 20,2 21,2 22,1 22,8 23,1 22,1
Temperatura mínima média (°C) 18,8 18,9 18,9 18,8 18,5 17,4 16,6 16,4 17,1 17,5 18 18,5 18
Precipitação (mm) 37 46 95 101 98 103 108 47 31 16 15 28 725
Fonte: Climate-Data.org[7]

Política[editar | editar código-fonte]

O atual prefeito é Joselito Gomes (PSB, 2021 – 2024))..

Esta é a lista de prefeitos do município.

  • Antônio Avelino do Rego Barros (1898/1902).
  • José Bezerra do Rego Barros (1903/1907).
  • Joaquim Didier do Rego Maciel (1908/1913 – 1917/1919).
  • Possidônio Ponce do Rego Barros (1914/1916).
  • Francisco Galdino Chaves (1920/1922 – vice).
  • José Alves Varella (1920/1922 – 1926/1928).
  • Rodolfo Coelho de Moraes (1923/1925).
  • Antônio Avelino da Silva (1929/1932).
  • Aarão Lins de Andrade (não tomou faleceu em 04/1936).
  • Isaltino Edgar de Lemos Poggi (1937 – vice).
  • Atenógenes Costa de Oliveira (1948/1951).
  • Devaldo Borges Alheiros Dias (1951/1954).
  • Aarão Lins de Andrade Filho (1955/1958).
  • João Noberto Regalado (1959/1963).
  • Aarão Lins de Andrade Filho (1964/1968).
  • Paulo da Veiga Pessoa (1969/1972).
  • Aarão Lins de Andrade Filho (1973/1976).
  • Cônego Paulo Cremildo Batista de Oliveira (1977/1982).
  • José Emídio Fernandes (1983/1985 – morreu durante o mandato).
  • Arnaldo Pereira de Lucena (vice – substituto 24/08/1985 a 31/12/1988).
  • Chucre Mussa Zarzar (1989/1992).
  • Luís Alves de Oliveira (1993/1996).
  • Silas Salgado da Silva (1997/2000).
  • Aluízio José de Lorena (vice – substituto 06/2000 a 21/12/2000).
  • Sebastião Galvão Martiniano Lins (2001 – morreu durante o mandato).
  • Joaquim Neto de Andrade Silva (vice – substituto 05/2002 a 31/12/2004).
  • Joaquim Neto de Andrade Silva (2005/2008).
  • Ozano Brito Valença (2009/2012).
  • Bruno Coutinho Martiniano Lins (2013/2015)
  • Interventor Mário Cavalcanti (18/11/2015 a 31/12/2016).
  • Joaquim Neto de Andrade Silva (2017/2020)

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. a b «Estimativa populacional 2021 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de agosto de 2021. Consultado em 28 de agosto de 2021 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 9 de setembro de 2013 
  4. a b «Pernambuco » Gravatá » Produto Interno Bruto dos municípios - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. de 2015 
  5. «Gravatá». IBGE Cidades. Consultado em 4 de maio de 2022 
  6. «Nova Delimitação do Semi-Árido Brasileiro» (PDF). Ministério da Integração Nacional. 2005. Consultado em 9 de março de 2015. Arquivado do original (PDF) em 22 de fevereiro de 2015 
  7. a b «Clima: Gravatá». Climate-Data.org. Consultado em 9 de março de 2015. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015