Rio Branco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Rio Branco (desambiguação).
Rio Branco
  Município do Brasil  
Acima à esquerda, o pórtico do Parque da Maternidade; acima a direita, o Novo Mercado Velho de Rio Branco, as margens do Rio Acre; na centro-esquerda a Ponte JK; na centro-direita a passarela Joaquim Macedo; abaixo tomada aérea do 1º distrito.
Acima à esquerda, o pórtico do Parque da Maternidade; acima a direita, o Novo Mercado Velho de Rio Branco, as margens do Rio Acre; na centro-esquerda a Ponte JK; na centro-direita a passarela Joaquim Macedo; abaixo tomada aérea do 1º distrito.
Símbolos
Bandeira de Rio Branco
Bandeira
Brasão de armas de Rio Branco
Brasão de armas
Hino
Lema Ubique Patria Memor
"Em qualquer lugar, terei sempre a pátria em minha memória"
Gentílico rio-branquense[1]
Localização
Localização de Rio Branco no Acre
Localização de Rio Branco no Acre
Rio Branco está localizado em: Brasil
Rio Branco
Localização de Rio Branco no Brasil
Mapa de Rio Branco
Coordenadas 9° 58' 16" S 67° 48' 40" O
País Brasil
Unidade federativa Acre
História
Fundação 28 de dezembro de 1882 (139 anos)
Administração
Prefeito(a) Tião Bocalom (PP, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [1] 8 834,942 km²
População total (estatísticas IBGE/2021[1]) 419 452 hab.
 • Posição AC: 1º
Densidade 47,5 hab./km²
Clima tropical monçônico, isotérmico (Am)
Altitude 153 m
Fuso horário Hora do Acre (UTC-5)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[2]) 0,727 alto
 • Posição AC: 1º
PIB (IBGE/2014[3]) R$ 8 192 366 mil
 • Posição BR: 121º
PIB per capita (IBGE/2014[3]) R$ 22 510,95
Sítio www.riobranco.ac.gov.br (Prefeitura)
www.riobranco.ac.leg.br (Câmara)

Rio Branco é um município brasileiro, capital do estado do Acre, na Região Norte do país e principal centro financeiro, corporativo, político e cultural do estado. Sendo a capital mais ocidental do Brasil, a 3 030 quilômetros de distância de Brasília, capital federal,[4] Rio Branco localiza-se às margens do Rio Acre.

Sua população, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de 419 452 habitantes, fazendo de Rio Branco a sétima cidade mais populosa da Região Norte do Brasil. Sua área territorial é de 8 834,942 km², sendo o quinto município do estado em tamanho territorial. De toda essa área, 44,9559 km² estão em perímetro urbano, o que classifica Rio Branco como sendo a 62ª maior do país.[5]

Sendo a 4ª capital mais antiga da Região Norte do Brasil, após Belém, Manaus e Macapá, o povoamento da região de Rio Branco se deu no fim do século XIX, com a chegada de nordestinos. O desenvolvimento do município ocorreu durante um grande período dado pelo Ciclo da Borracha.[6] Nesta época ocorreu ainda uma miscigenação intensa da população, com a união entre o branco nordestino de ascendência portuguesa, os afro-brasileiros e os índios, principalmente da etnia Culinas, em conjunto com povos vindos de outras regiões do mundo, principalmente os espanhóis, portugueses, libaneses, italianos e turcos.[7]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A capital ganhou este nome em homenagem a José Maria da Silva Paranhos Júnior, que tornou-se amplamente conhecido pelo seu título nobiliárquico: Barão do Rio Branco.[8] Antes estabelecida no Seringal Volta da Empresa, a prefeitura teve sua sede transferida em 1909 para onde se localizava o Seringal Empreza.[8] Em 1912 a Vila Pennápolis, que se chamava assim em homenagem ao então Presidente do Brasil, Afonso Pena teve seu nome alterado para Rio Branco, em homenagem ao diplomata que anexara o Acre ao Brasil.[8]

O Barão do Rio Branco nasceu em 20 de Abril de 1845 no Rio de Janeiro. Iniciou-se na carreira política como promotor e deputado, ainda no Império. Assumiu o Ministério das Relações Exteriores, de 3 de dezembro de 1902 até sua morte, em 1912. Além de diplomata, foi geógrafo e historiador. Junto com Assis Brasil e José Plácido de Castro, teve papel de destaque na Questão do Acre, que culminou com a assinatura do Tratado de Petrópolis, entre Brasil e Bolívia, pondo fim ao conflito dos dois países em relação ao território do Acre, que passou a pertencer ao Brasil mediante compensação econômica e pequenas concessões territoriais.

História[editar | editar código-fonte]

Fundação[editar | editar código-fonte]

A capital do estado do Acre surgiu a partir do seringal fundado em 28 de dezembro de 1882, pelo cearense Neutel Maia. Segundo a tradição, em fins de 1882, numa pronunciada volta do rio Acre, uma frondosa gameleira chamou a atenção de exploradores que subiam o rio e levou-os a abrir um seringal ali mesmo. Tratava-se do seringalista Neutel Maia, que, com sua família e trabalhadores, chegava à região do Acre. Maia fundou o seu primeiro seringal, Seringal Volta da Empresa, à margem direita do rio Acre, ao longo da grande curva do rio, onde ainda hoje está a gameleira - no local em que hoje se encontra o Segundo Distrito. Ali foi iniciada a construção de barracões, em terras antes ocupadas pelas tribos indígenas Aquiris, Canamaris e Maneteris. Em seguida, Maia abriu um outro seringal, na margem esquerda do rio Acre - onde atualmente está instalado o Palácio do Governo do Acre - com o nome de Seringal Empresa.[carece de fontes?]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Anos depois, a mesma gameleira seria testemunha dos combates travados na Volta da Empresa, entre revolucionários acreanos e tropas bolivianas, durante o crítico período da Revolução Acreana, que tornou o Acre parte do Brasil, no início do século XX. Terminada a Revolução Acreana, após a assinatura do Tratado de Petrópolis, em 17 de novembro de 1903, e a anexação definitiva do Acre - agora Território Federal do Acre - ao Brasil, Rio Branco foi elevada à categoria de vila, tornando-se sede do departamento do Alto Acre. Cunha Matos, a mando do governo federal, chegou ao Acre em 18 de agosto de 1904, para governar, como prefeito, o departamento do Alto Acre, cargo que exerceu até 1905. No dia 19 de agosto de 1904, Cunha Matos decidiu estabelecer a sede provisória de sua prefeitura no povoado criado em torno do seringal Volta da Empresa, onde hoje está o Segundo Distrito da capital, à margem direita do rio Acre. A povoação passou a ser chamar-se Vila Rio Branco no dia 22 de agosto de 1904.[carece de fontes?]

Residência do Prefeito e Fórum de Rio Branco, em 1908. Documento sob guarda do Arquivo Nacional.
Grande enchente de 1908 do rio Acre, há mais de um século. Rua Sen.Eduardo Assmar, Gameleira, Rio Branco, Acre.

A "Villa Rio Branco" afirmou-se como o principal centro urbano de todo o vale do Acre, o mais rico e produtivo do território. Em 13 de junho de 1909, o então prefeito do Departamento do Alto Acre, coronel Gabino Besouro, mudou a sede da prefeitura para a margem esquerda do rio Acre, onde hoje funcionam os principais órgãos públicos como o Palácio do Governo, Tribunal de Justiça, Assembleia Legislativa e Palácio das Secretarias, nas terras do Seringal Empresa, recebendo o nome de Penápolis (em homenagem ao então Presidente Afonso Pena) , onde a terra era mais alta, não sujeita às alagações do rio Acre. Foi uma instalação definitiva. Em 1910, o prefeito Leônidas Benício de Melo, assinou uma Resolução criando o município de Empresa, juntando a Vila Rio Branco (no Seringal Volta da Empresa, do lado direito do rio Acre) e a localidade de Penápolis (Seringal Empresa, do lado esquerdo do rio Acre).[carece de fontes?]

Em fevereiro de 1911, o prefeito Deocleciano Coelho de Sousa, adotou novamente o nome de município de Penápolis. De forma definitiva, em 1912, os dois lados da cidade passam a se chamar "Rio Branco", em homenagem ao Barão de Rio Branco, chanceler brasileiro cuja ação diplomática resultou no Tratado de Petrópolis. Em 1920 o município de Rio Branco passa a ser a capital do então Território do Acre - depois Estado do Acre. Durante todos esses acontecimentos, a rua surgida em torno da gameleira, na margem direita do rio Acre, era o centro da vida comercial e urbana dessa parte da Amazônia. Ali se situavam os bares, cafés e cassinos que movimentavam a vida noturna da cidade; ali se encontravam os principais representantes comerciais das casas aviadoras nacionais e estrangeiras que movimentavam milhares de contos de réis naquela época de riqueza e fausto. Ali moravam as principais famílias da elite urbana composta por profissionais liberais e pelo funcionalismo público.[carece de fontes?]

Embora a administração política do Território tivesse sido transferida para a margem esquerda do rio Acre, cujas terras eram mais altas e não inundáveis, as ruas do centro da cidade - ruas Cunha Matos, 17 de novembro e 24 de janeiro - permaneceriam como a principal zona comercial, sendo paulatinamente dominadas pelos imigrantes sírio-libaneses, a ponto de, em meados da década de 1930, a área ser também conhecida como "Bairro Beirute". Porém, a partir da década de 1950, teve início um pronunciado processo de decadência econômica da histórica margem direita de Rio Branco, que passou a ser chamada Segundo Distrito. Isso resultou da transferência de boa parte de suas principais casas comerciais para o Primeiro Distrito da cidade, na margem esquerda do rio, onde já estavam instaladas as principais repartições públicas e as residências das mais importantes famílias do território.[carece de fontes?]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite de Rio Branco
Vista aérea da região central de Rio Branco

Rio Branco se localiza a 9°58'29" sul e a 67°48'36" oeste, numa altitude de 153 metros acima do nível do mar. Aproximadamente à 925 km da Cordilheira dos Andes, a cidade é cortada pelo amazônico rio Acre, que divide a cidade em duas partes denominadas; Primeiro e Segundo Distritos. Atualmente, o rio é atravessado por seis passarelas - a mais nova é a Passarela Joaquim Macedo. Limita-se ao norte com os municípios de Bujari e Porto Acre, ao sul com os municípios de Xapuri, Brasiléia e Capixaba, a leste com o município de Senador Guiomard e a oeste com o município de Sena Madureira.

Rio Branco situa-se em ambas as margens do rio Acre, sua topografia à direita (na região hoje denominada pelo Segundo Distrito) formada por imensa planície de aluvião, enquanto que o solo na margem esquerda (onde fica o centro da cidade), caracteriza-se por sucessão de aclives suaves. Sua vegetação natural é composta basicamente por floresta tropical aberta (baixos platôs e aluvial).[carece de fontes?]

Áreas verdes[editar | editar código-fonte]

O Parque da Maternidade foi inaugurado em 28 de setembro de 2002, tendo como referência no nome à Maternidade Bárbara Heliodora, é a obra de maior expressão na cidade de Rio Branco. Com uma extensão de 6 000m, corta grande parte da cidade.[9][10]

Na cidade de Rio Branco há um zoológico; este possui vários animais da região e situa-se na AC-040, dentro do famoso Parque Chico Mendes. Existe no parque vários animais, entre eles: onça pintada, jacaré-açu, sucuri, harpias, entre outros. Alguns parques ecológicos da cidade; Horto Florestal de Rio Branco, Parque Capitão Ciríaco, Parque São Francisco, Círculo Militar de Rio Branco e Parque do Tucumã.[11][12]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

No comum, os rios e igarapés de Rio Branco são bastante sinuosos, escoando em estreitas planícies fluviais de deposição, com o regime fluviométrico obedecendo ao regime pluviométrico alternando assim períodos de cheias e vazantes. Os períodos de cheias apresentam, conforme intensidade das chuvas, enchentes de diferentes magnitudes. A formação geológica e geomorfológica são indicadores de rios de águas brancas, com grande concentração de material sólido em suspensão, oriundos dos processos hidroerosivo da corrente sobre as margens.[carece de fontes?]

Rio Acre, o rio que corta a cidade

O rio Acre, afluente direto do rio Purus, por sua extensão e pelo seu caudal, constitui-se no maior representante de drenagem nessa unidade. Tem uma dinâmica geomorfológica muito comum – o deslizamento das suas margens, o que está relacionado às variações de regime fluvial de cheias e vazantes. Este fenômeno ocorre, comumente, no período das enchentes. Quando as águas começam a baixar, a pressão hidrostática diminui e a água anteriormente retida nas margens é liberada. Com isso, o deslizamento que ocorre nas suas margens configura patamares desmoronados. Em Rio Branco estes contribuem para o assoreamento do leito normal do Rio Acre influenciando o regime e a extensão das cheias sazonais que caracterizam a inundação parcial das áreas urbanas da cidade.[carece de fontes?]

O Igarapé São Francisco, com percurso de 115,6 km² e densidade de drenagem de 1,37 km/km², é de grande importância por ser, a exceção do Rio Acre, o principal coletor da bacia hidrográfica do sítio urbano de Rio Branco. Está bastante degradado devido o desmatamento de suas margens para a ocupação humana e também pela poluição de suas águas por estar servindo de depósito de lixo e esgoto a céu aberto. O Igarapé Judia possui um percurso de 26 km, possui um escoamento de drenagem do tipo dentrítica. Encontra-se bastante poluído. Canal da Maternidade encontra-se bastante poluído, por cortar a cidade é um grande coletor de águas pluviais.[carece de fontes?]

Clima[editar | editar código-fonte]

Rio Branco possui um clima quente e chuvoso. Dentre todas as capitais da Amazônia Legal e do Nordeste, é a que tem o clima mais agradável, caracterizado por temperaturas mínimas frequentemente próximas de 20 °C e máximas próximas de 30 °C e influências de frentes frias durante alguns meses do ano. O clima é equatorial, com temperatura média anual ao redor dos 25 °C e precipitação de chuvas de aproximadamente 2 000 mm/ano. O período compreendido entre os meses de novembro a abril corresponde à época mais chuvosa do ano.[13]

Maiores acumulados de precipitação em 24 horas registrados
em Rio Branco (INMET) por meses (06/1969-presente)[14]
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 118,2 mm 16/01/1974 Julho 68,4 mm 11/07/1978
Fevereiro 159,2 mm 14/02/2018 Agosto 71,9 mm 05/08/1997
Março 113,8 mm 22/03/2004 Setembro 95 mm 10/09/2014
Abril 129,2 mm 19/04/1985 Outubro 102,2 mm 11/10/1986
Maio 87 mm 22/05/1974 Novembro 134 mm 06/11/2015
Junho 57,4 mm 25/06/1993 Dezembro 135,2 mm 10/12/1987

Entre maio e setembro ocorre ocasionalmente o fenômeno da friagem, registrando temperaturas mais baixas (geralmente chegando aos 12 °C) para os padrões regionais. Porém esse fenômeno tem uma duração curta, nunca superior a uma semana consecutiva. No entanto, é nos meses de agosto e setembro que normalmente são registradas as maiores temperaturas do ano, podendo chegar aos 37 °C, baixos índices de umidade relativa do ar e precipitação, o que favorece a ocorrência de fumaça das queimadas nessa época.

No dia 21 de agosto de 2020, o Aeroporto Internacional de Rio Branco marcava 12 °C às 15 h (horário de Brasília), temperatura menor que a registrada no mesmo horário no aeroporto de Bariloche, na Argentina, de 14 °C.[15]

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), desde 1969 (a partir de 01/06) a menor temperatura registrada em Rio Branco foi de 6 °C em 19 de julho de 1975,[16] e a maior atingiu 39,8 °C em 8 de dezembro de 1970.[17] O maior acumulado de precipitação foi de 159,2 mm em 14 de fevereiro de 2018, superando os 135,2 mm registrados em 10 de dezembro de 1987. Outros grandes acumulados foram 134 mm em 6 de novembro de 2015, 129,6 mm em 24 de dezembro de 1971, 129,2 mm em 19 de abril de 1985, 121,4 mm em 19 de fevereiro de 1993, 118,9 mm em 4 de dezembro de 1998, 118,2 mm em 16 de janeiro de 1974, em 13 de novembro de 1976, 113,8 mm em 22 de março de 2004, 108,7 mm em 27 de março de 2010, 107,6 mm em 114,4 mm em 29 de dezembro de 1988, 107,1 mm em 8 de abril de 1994, 105 mm em 20 de janeiro de 1998, 102,2 mm em 11 de outubro de 1986, 101,8 mm em 10 de dezembro de 1986, 100,9 mm em 15 de fevereiro de 2003, 100,4 mm em 2 de novembro de 1978 e 100,3 mm em 6 de março de 2013.[14]

Dados climatológicos para Rio Branco
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 35,7 37,2 37,2 38,2 39,7 35,2 37,8 38,3 39,2 38,4 37,5 39,8 39,8
Temperatura máxima média (°C) 30,9 30,8 31 31,2 30,6 30,7 31,8 33,3 33,7 33,1 32,1 31,2 31,7
Temperatura mínima média (°C) 22,8 22,6 22,7 22,2 20,8 19,4 18,3 18,9 20,8 22,3 22,6 22,8 21,4
Temperatura mínima recorde (°C) 14,2 16 14 10,4 8,2 7,8 6 8 10 12,4 13,6 13,4 6
Precipitação (mm) 286,1 298,9 285,6 204,3 98,7 44,8 28,2 57 93,6 144 208,8 260,6 2 010,6
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 18 17 17 13 8 4 3 4 7 10 13 18 132
Umidade relativa compensada (%) 89,3 89,1 88,7 88 87,1 85,5 81 76,7 78,2 82,6 85,5 87,8 85
Horas de sol 115,4 94,6 118,2 143,1 169,6 182,6 228 202,7 175,5 167,8 143,6 122,8 1 863,9
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1991-2020;[18] recordes de temperatura: 01/06/1969-presente)[19]

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população do município em 2016 era estimada pelo IBGE em 377,057 habitantes, sendo o maior município do estado e o 65°mais populoso do Brasil, apresentando uma densidade populacional de 40,18 habitantes por km².[20] Segundo o censo de 2000, 51,79% da população são homens e 48,2% mulheres, e 92,73% da população vive na zona urbana e 7,22% vive na zona rural.[21] Segundo o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, a população de Rio Branco equivale a 0,16% da população nacional. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, Rio Branco possuía 233.073 eleitores em 2014.[22]

Religiões[editar | editar código-fonte]




Circle frame.svg

Religiões em Rio Branco (2010)

  Catolicismo Romano (60.44%)
  Protestantismo (19.54%)
  Sem religião (15.51%)
  Espírita (1.02%)

De acordo com o Censo 2010,[23][24] a religião católica apostólica romana constitui 60,44% da população, os segmentos evangélicos 19,54%, a religião espírita 1,02% e os demais segmentos religiosos, juntamente com os habitantes que se declaram sem religião, somam 15,51%.

A Catedral de Nossa Senhora de Nazaré foi inaugurada em 1958, é uma construção em estilo romano - basilical. No seu interior, possui três naves separadas com 36 vitrais coloridos na parte superior e 11 na inferior, doados por famílias acrianas. A parte exterior é formada por frontões, cruz e adro.[25] Em 2007, a igreja foi considerada patrimônio público do estado do Acre. Em Rio Branco também, no mês de outubro de cada ano, celebra-se o Círio de Nazaré, longa tradição religiosa regional.[26]

Rio Branco é um dos municípios do Acre em que o protestantismo teve maior crescimento que o catolicismo Romano no Censo de 2010.[27] Dentre as denominações protestantes em Rio Branco a maioria da população é pentecostal, cerca de 15% e 4% não determinaram denominação. Em 2014, constatou-se que Rio Branco seria a capital mais protestante do Brasil.[28][29]

Desenvolvimento humano[editar | editar código-fonte]

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Rio Branco é considerado Alto pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), sendo seu valor de 0,754. Considerando apenas a educação o valor do índice é de 0,860, enquanto o do Brasil é 0,849, o índice da longevidade é de 0,697 (o brasileiro é 0,638) e o de renda é de 0,704 (o do Brasil é 0,723).[30] Rio Branco possui a maioria dos indicadores médios segundo o PNUD. O coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, é de 0,52, sendo que 1,00 é o pior número e 0,00 é o melhor.[31] A incidência da pobreza, medida pelo IBGE, é de 37,21% e a incidência da pobreza subjetiva é de 39,39%.[31] Rio Branco tem melhorado todos os seus indicadores nos últimos anos, saindo de um quadro preocupante, para uma estabelecida qualidade de vida, sendo hoje, a 3ª melhor capital para se viver da Região Norte do Brasil.[32]

Política[editar | editar código-fonte]

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Rio Branco tem 3 cidades-irmãs, que são:

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de bairros de Rio Branco

A prefeitura de Rio Branco, diferente das demais prefeituras brasileiras, divide a cidade em 7 áreas urbanas, denominadas regionais. Cada regional possui peculiaridades, já que foram definidas com base em fatores socioeconômicos, compreendendo bairros e conjuntos com características semelhantes. Elas são numeradas de I a VII, sendo que cinco delas se localizam no 1º distrito: II, III, IV, V, VI; e outras duas no 2º distrito: I, VII. As regionais são compostas por aproximadamente 110 bairros:

De acordo com a divisão regional vigente desde 2017, instituída pelo IBGE,[34] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária e Imediata de Rio Branco.[35] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, fazia parte da microrregião de Rio Branco, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Vale do Acre.[36]

Economia[editar | editar código-fonte]

Complexo de Piscicultura do Acre, nos arredores de Rio Branco
Atividades econômicas em Rio Branco - (2012)[37]

Historicamente, a economia acriana baseou-se no extrativismo vegetal, sobretudo na exploração da borracha, que foi responsável pelo povoamento da região. Atualmente, a madeira é o principal produto de exportação do estado, que também é grande produtor de castanha-do-acre, carne, soja, açaí e óleo da copaíba.[38][39][40]

Os cultivos de mandioca, milho, arroz, feijão, frutas e cana-de-açúcar são a base da agricultura. A indústria, por sua vez, atua nos seguintes segmentos: alimentício, madeireiro, cerâmica, mobiliário e têxtil. Rio Branco possui o maior PIB do estado do (AC), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2013, seu Produto Interno Bruto (PIB) foi de 6,76 bilhõesde reais. Um dos maiores centros financeiros da Região Norte do Brasil, Rio Branco passa hoje por uma transformação em sua economia; transformação essa que inclui a expansão ao agronegócio, vista anualmente na ExpoAcre,[41][42] feira de exposição local; à piscicultura e ao ecoturismo, fonte da demarcada política de estado acreana: desenvolvimento sustentável.[43][44][45]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Entrada da Universidade Federal do Acre, principal centro de ensino superior do estado

A cidade de Rio Branco, em 2009, contava no ensino fundamental com 211 escolas, com o corpo docente de 2.367professores e 64.349 alunos matriculados.[46][47][48] O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica no ensino fundamental foi calculado em 4,9 , o 10º entre as capitais do Brasil, e acima da média nacional(4,6).[49] O ensino médio era assistido por 51 escolas, uma rede docente de 813 professores e 17.425 matrículas.[50][51][52] O ensino médio municipal obteve a nota 4,2 no IDEB 2009, o terceiro melhor resultado entre as capitais, acima da média nacional(3,6).[49] O ensino infantil calculava 70 pré-escolas, 402 professores e 10.168 alunos.[53][54][55]

A capital ainda conta com diversas instituições de ensino superior. São algumas delas a Universidade Federal do Acre (UFAC), Centro Educacional do Norte (UNINORTE), Centro Universitário U:VERSE (U:VERSE, antiga Faculdade da Amazônia Ocidental, FAAO), Centro Universitário Meta (UNIMETA), Instituto Federal do Acre (IFAC), Sinal Faculdade de Teologia e Filosofia, Faculdade Diocesana São José (FADISI), dentre outras. Estes absorvem a maior parte das matrículas, especialmente a primeira, por ser a única faculdade pública do estado. Em 2008, a taxa de analfabetismo no estado é de 13%, uma das mais equilibradas do Brasil. Da população, 36,2% dos acreanos são analfabetos funcionais.[carece de fontes?]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Rio Branco possuía em 2009, 95 estabelecimentos de saúde.[56] A cidade conta com vários hospitais; Fundação Hospital Estadual do Acre,[57] Pronto-Socorro de Rio Branco, um dos maiores da região,[58] Hospital Santa Juliana,[59] INTO-AC,[60] Santa Casa de Misericórdia do Acre,[61] Pronto Clínica de Rio Branco,[62] Hospital de Base, Hospital da Uninorte,[63] além de diversos postos de saúde, clínicas particulares e Unidades de Pronto Atendimento (UPA)s espalhados pela cidade.[carece de fontes?]

Comunicação[editar | editar código-fonte]

Atualmente os rio-branquenses estão bem estruturados em relação a comunicação, sendo seus principais meios a internet, os jornais, as rádios, a televisão, e as telefonias fixas e móveis. Na cidade, os primeiros programas de TV foram iniciados na década de 1970, e alguns, incrivelmente, predominam até hoje. Os jornais impressos circulam na cidade desde o final dos anos 1960, e o interessante, é que mesmo com o avanço da tecnologia, ler o jornal impresso logo cedo, continua sendo uma atividade muito apreciada pelos acreanos, coisa difícil de se ver hoje em dia.[carece de fontes?]

Circulam na cidade cinco jornais, sendo eles O Rio Branco, A Gazeta, o Página 20, A Tribuna, Opinião. As operadoras que mantém cobertura na região são: a Vivo, a TIM, a Oi e a Claro. As principais empresas que fazem a cobertura de telefonia fixa na cidade são a Embratel, Oi e a GVT.[carece de fontes?]

As principais rádios da cidade são a Gazeta FM, a Rádio CBN e a Rádio Cidade FM.[64] Entre as principais estações de televisão do estado se destacam a TV Norte Acre (SBT)[65] ,TV Rio Branco (TV Cultura)[66], a Rede Amazônica (Rede Globo), a TV5 (Band) e a TV Gazeta (RecordTV).[67]

Transportes[editar | editar código-fonte]

O terminal urbano de Rio Branco, no Centro
A Via Verde é um anel viário que liga as principais rodovias que chegam à Rio Branco, que são essas; a BR-364 e a Estrada do Pacífico.

Em 2016, Rio Branco possuía uma frota de 160 784 veículos.[68] As principais vias que ligam a cidade às rodovias são a Avenida Ceará, Via Chico Mendes e a Via Verde que funciona como anel viário.

O sistema de transporte público tem melhorado nos últimos anos, principalmente devido à reforma e ampliação do Terminal Central de Ônibus da cidade próximo ao centro, que é responsável por interligar a maior parte das linhas, de um total de 36 operados por 3 empresas: Via Verde, Floresta e São Judas Tadeu.[69] Algumas ruas da cidade têm um corredor preferencial para o transporte público, como a Avenida Brasil, por onde passa boa parte das linhas que chegam ao centro através da Avenida Getúlio Vargas. Os táxis e mototáxis também são muito utilizados pela população. Há ainda a Rodoviária Internacional de Rio Branco para as pessoas que quiserem acessar a cidade de ônibus.

Rio Branco é a capital com maior malha cicloviária proporcional por habitante do Brasil.[70][71]

O Aeroporto Internacional de Rio Branco que fica no quilômetro 18 da BR-364 na zona rural do município. O local foi construído em 1999, já que o aeroporto da época, o Aeroporto Internacional Presidente Médici, estava instalado numa área pertencente a um particular que, na justiça, conseguiu a reintegração de posse. A BR-364 então foi duplicada para facilitar o seu acesso que até hoje é complicado pela distância enorme do centro da cidade. Atende à aviação doméstica, internacional, geral e militar, com operação de companhias aéreas regulares e táxis aéreos. O terminal está preparado para receber 2,4 milhão de passageiros por ano e realiza cerca de 6 operações diárias.[72]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Área conhecida como Mercado Velho, no centro de Rio Branco, à margem esquerda do rio Acre, em 2018.

Devido à sua ocupação territorial ter sido feita por colonos nordestinos (refugiados da Seca na Região Nordeste do Brasil), movidos pelo incentivo e promessa do ciclo da borracha, no final do século XIX, é a 2ª capital mais antiga da Amazônia Ocidental Brasileira, após Manaus, e sendo assim, é, portanto, mais antiga que algumas outras capitais interioranas do país, tais como: Goiânia, Porto Velho, Brasília, Palmas e Boa Vista; a cultura da região, assim como a gastronomia local sofreram fortes influências do Nordeste do Brasil. Mas, na década de 1930, começaram a chegar no Estado vários emigrantes da Região Sul (Principalmente do Rio Grande do Sul, e do estado centro-oestino do Mato Grosso do Sul, especialmente de Campo Grande), para trabalhar nas obras de construções que tinham início no Estado na época, além dos imigrantes vindos de outras partes do mundo. Outro fato marcante da Cultura Acreana é que no Estado, a bebida chamada antes de tererê foi renomeada para tereré, sendo modificada até o modo de seu preparo, ao invés de água, é usado suco de limão ou abacaxi.

Espaços culturais[editar | editar código-fonte]

Em Rio Branco, há localmente tradicionais teatros, como o Cine Teatro Recreio, Teatro Plácido de Castro e os da Biblioteca da Floresta Marina Silva, Biblioteca Estadual do Acre, Colégio Acreano, entre outros.

O Museu da Borracha tem um acervo que reúne peças de arqueologia, paleontologia, história, e coleção de manuscritos e documentos referentes à História do Acre.

A Casa dos Povos da Floresta imita uma maloca indígena e retrata a história de ribeirinhos, seringueiros e índios. Está localizada dentro do Parque da Maternidade — em Rio Branco. Com o intuito de valorizar e guardar toda essa história é que surgiu a proposta de criação da Casa, a fim de que cada vez mais os acreanos pudessem ter conhecimento da sua história, orgulhando-se do seu passado, preservando para o futuro.[73][74]

O Casarão, foi construído na década de 1930 por Abdon Massari. Foi residência do governador do ex-território do Acre e hoje, serve de espaço para atividades culturais e ponto de encontro de artistas e intelectuais.[75][76]

A Sociedade Recreativa Tentâmen foi construída em 1924, e conta com a arquitetura Neogótica Rural, comum em Rio Branco e em certas cidades do Acre como em; Porto Acre, Xapuri, Tarauacá, Cruzeiro do Sul entre outras localidades. Serviu ao longo dos anos como renomado espaço cultural local e regional, pois foi palco de grandes eventos sociais da cidade, tais como formaturas, jantares importantes, aniversários, festas juninas e, principalmente, os famosos bailes carnavalescos que movimentavam toda a cidade, em meados dos anos 1950 e 1960. Tradicionalmente, com intensa mobilização social, em 1999 a administração foi entregue para a Fundação Elias Mansour.[77]

O Memorial dos Autonomistas possui um museu sobre a aquisição do Acre pelo Brasil, exposições de quadros de pintores regionais, um café e um teatro. O Memorial disponibiliza ao público um grande acervo de fotos históricas do estado do Acre, além de objetos históricos usados durante a Revolução Acreana.[78]

Eventos[editar | editar código-fonte]

Barracas de festa junina na Gameleira

A ExpoAcre é uma feira de indústria e comércio do Acre, promovida pelo governo do estado. Com exposição agropecuária, oferece apresentação de shows artísticos e elementos da cultura local, como artesanatos típicos acreanos, roupas, comida, e etc. Acontece durante o mês de Julho, durando um pouco mais de uma semana. Além destes, outro acontecimento que mobiliza a ExpoAcre são os rodeios de touros, que participam vários peões de todos os estados brasileiros e até estrangeiros como americanos e peruanos. É considerado o maior festival country do Norte do Brasil, e o segundo maior do país, ficando apenas atrás do Festa do Peão de Barretos. Cerca de 450 000 por ano participam da ExpoAcre, pois pessoas de todas as cidades do Acre e de outros estados marcam presença neste grande evento. Também já foi registrada a presença de turistas da Bolívia, Argentina, Chile, Equador e Peru que apreciavam este festival acreano.

O Festival do Açaí de Feijó e Festival de Praia é um evento que acontece todos os anos no mês de Agosto, na cidade de Feijó. O evento marca principalmente o grande consumo da fruta tipicamente do Norte do Brasil, o açaí. O açaí produzido em Feijó é considerado por muitos críticos da área como o melhor do Brasil, com a sua espessura mais grossa e com o sabor mais doce por natureza. Este festival mobiliza o Estado inteiro que se dirige a cidade de acontecimento do mesmo. Além de poder saborear o melhor açaí do Brasil, os festeiros poderão curtir shows de celebridades locais e nacionais, gratuitamente, o que faz com que o Festival tenha muito crédito com a população acreana. Logo após o fim do Festival do Açaí, tem início o famoso Festival de Praia de Feijó. A Praia de Feijó é conhecida regionalmente por sua beleza. A Praia de Feijó, como outras do Acre, são consideradas umas das praias mais lindas de água doce do Brasil.

O Festival Varadouro é um festival de cultura independente, com shows de música, peças de teatro e debates jornalísticos, que reúne diversos artistas da cena independente do Brasil. O Festival já é considerado o maior da cena independente da Região Norte, e faz parte do Circuito Fora do Eixo de Música Independente e da Associação Brasileira de Festivais Independentes, com patrocínio do Governo do Estado e iniciativa privada.

Estádios[editar | editar código-fonte]

Vista do interior do Estádio Arena da Floresta

São usados, atualmente, para jogos em Rio Branco, três estádios: o José de Melo, o Arena da Floresta e o estádio da Federação de Futebol do Estado do Acre.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Rio Branco». Consultado em 1 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2019 
  2. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 29 de agosto de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 
  3. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2014». Consultado em 1 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 
  4. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Distância
  5. Embrapa Monitoramento por Satélite (7 de junho de 2011). «Acre». Consultado em 29 de maio de 2016 
  6. Ferias Tur. «Envira no FériasTur». Consultado em 21 de janeiro de 2011 
  7. Valdeci Lima Ribeiro capítulo 4 - No Acre - Trajetória das construções (6 de agosto de 2016). «Acre – Resgatando a memória: O seringueiro na Amazônia». Consultado em 13 de junho de 2020 
  8. a b c Governo do Acre. «Rio Branco». Internet Archive. Consultado em 25 de Setembro de 2010 
  9. «TACACÁ DA BASE, Rio Branco - Comentários de restaurantes». Tripadvisor. Consultado em 9 de julho de 2021 
  10. AC, Eduardo DuarteDo G1 (10 de março de 2013). «Conheça um prato típico da culinária acreana, a baixaria». Acre. Consultado em 9 de julho de 2021 
  11. Vasconcelos, Vítor Jorge; Rosa, Hélio Camilo (16 de julho de 2016). «QUALIDADE DE VIDA A PRÁTICA DE ATIVIDADES FÍSICAS NO HORTO FLORESTAL EM RIO BRANCO – AC». South American Journal of Basic Education, Technical and Technological (1). ISSN 2446-4821. Consultado em 9 de julho de 2021 
  12. Rio Branco, Por GLOBOESPORTE COM Rio Branco; AC. «Círculo Militar reabre quadras e programa três torneios de tênis». globoesporte.com. Consultado em 9 de julho de 2021 
  13. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome NCB_1981-2010
  14. a b «Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Rio Branco». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 11 de abril de 2014 
  15. «Rio Branco registra tarde mais fria que em Bariloche, na Argentina». g1.globo.com. G1. 21 de agosto de 2020. Consultado em 1 de abril de 2020 .
  16. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Temperatura-Mínima-INMET_Rio-Branco-AC
  17. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Temperatura-Máxima-INMET_Rio-Branco-AC
  18. INMET. «Normais climatológicas do Brasil». Consultado em 23 de março de 2022 
  19. INMET. «Banco de dados meteorológicos». Consultado em 23 de março de 2022 
  20. «Estimativas da população para 1 de julho de 2009». Estimativas de População. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de outubro de 2010. Consultado em 16 de agosto de 2009 
  21. «População e Domicílios Censo 2000 com Divisão Territorial 2001». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 19 de dezembro de 2007. Consultado em 23 de Setembro de 2010 
  22. «Eleitores do Acre - Tribunal Superior Eleitoral». Agência de Notícias do Acre. 4 de Junho de 2008. Consultado em 23 de Setembro de 2010 
  23. «IBGE | Cidades | Acre | Rio Branco | Síntese das Informações». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 18 de fevereiro de 2016 
  24. «População de Rio Branco - Acre | População das Cidades». Consultado em 18 de fevereiro de 2016 
  25. Católica, Agência Arcanjo Comunicação. «Diocese de Rio Branco». Diocese de Rio Branco (em Portuguese). Consultado em 9 de julho de 2021 
  26. www.usinadaweb.com, Usina da Web. «Igreja católica divulga programação para o Círio de Nazaré». O RIO BRANCO. Consultado em 9 de julho de 2021 
  27. «Censo 2010: Religião de Rio Branco». Consultado em 17 de outubro de 2017 
  28. Amanda BorgesDo G1 AC (24 de janeiro de 2014). «Rio Branco tem quase 40% da população evangélica». Acre. Consultado em 9 de julho de 2021 
  29. «Rio Branco/Acre: a capital mais adiantada na transição religiosa». www.ihu.unisinos.br. Consultado em 9 de julho de 2021 
  30. IPEADATA. «Desenvolvimento humano dos municípios brasileiros». Consultado em 23 de setembro de 2010 [ligação inativa]
  31. a b IBGE. «Indicadores sociais dos municípios brasileiros». Consultado em 21 de Setembro de 2010 
  32. «Desafios dos Municípios - Ranking das Capitais - Macroplan». www.desafiosdosmunicipios.com.br/ranking_capitais.php. Consultado em 9 de julho de 2021 
  33. (em italiano) Gemellaggi e dichiarazioni di amicizia, Comune di Reggio Emilia. Consultado em 13 de abril de 2018.
  34. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 1 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 
  35. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome IBGE_DTB_2017
  36. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2016). «Divisão Territorial Brasileira 2016». Consultado em 1 de dezembro de 2017 
  37. «Atividades econômicas em Rio Branco (2012)». Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2014 
  38. «Acordo entre frigoríficos e Mapa garante exportação da carne bovina do Acre para o Peru a partir deste mês». G1. Consultado em 9 de julho de 2021 
  39. disse, Carlos Bruno Mundstock. «No Acre, ministra afirma que está negociando exportação de carne para o Peru». Consultado em 9 de julho de 2021 
  40. «PRODUÇÃO DE SOJA NO ACRE DEVE AUMENTAR 81% NA SAFRA DE 2021, COM PRODUÇÃO DE MAIS DE 18,9 MIL TONELADAS». Fórum Permanente de Desenvolvimento do Acre. 18 de fevereiro de 2021. Consultado em 9 de julho de 2021 
  41. Mir, Mirla; a (16 de julho de 2019). «Expoacre traz ações inéditas para a edição 2019». Notícias do Acre. Consultado em 9 de julho de 2021 
  42. «46ª Expoacre reúne mais de 100 zebuínos em pista». ABCZ. Consultado em 7 de dezembro de 2021 
  43. «ASN - Projeto do Sebrae no Acre busca estruturação do turismo no Estado». ASN - Agência Sebrae de Notícias. Consultado em 9 de julho de 2021 
  44. Carvalho, Ravenna (28 de novembro de 2019). «Rio Branco será contemplada com recursos do programa Investe Turismo». Notícias do Acre. Consultado em 9 de julho de 2021 
  45. «Ambiente Ecoturismo». Visite o Brasil. Consultado em 9 de julho de 2021 
  46. IBGE. «Escolas de Ensino Fundamental de Rio Branco». IBGE. Consultado em 9 de Outubro de 2010 
  47. IBGE. «Professores do Ensino Fundamental de Rio Branco». IBGE. Consultado em 9 de Outubro de 2010 
  48. IBGE. «Professores do Ensino Fundamental de Rio Branco». IBGE. Consultado em 9 de Outubro de 2010 
  49. a b O Repórter. «Números do IDEB 2009, que medem desempenho de escolas públicas, são divulgados». O Repórter. Consultado em 9 de Outubro de 2010 
  50. IBGE. «Escolas de Ensino Médio de Rio Branco - Escolas». IBGE. Consultado em 9 de Outubro de 2010 
  51. IBGE. «Escolas de Ensino Médio de Rio Branco - Professores». IBGE. Consultado em 9 de Outubro de 2010 
  52. IBGE. «Escolas de Ensino Médio de Rio Branco - Matrículas». IBGE. Consultado em 9 de Outubro de 2010 
  53. IBGE. «Pré-Escolas de Rio Branco». IBGE. Consultado em 9 de Outubro de 2010 
  54. IBGE. «Pré-Escolas de Rio Branco - Docentes». IBGE. Consultado em 9 de Outubro de 2010 
  55. IBGE. «Pré-Esclas de Rio Branco - Matrículas». IBGE. Consultado em 9 de Outubro de 2010 
  56. «cidades.ibge.gov.br». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 9 de julho de 2021 
  57. fundhacre.acre.gov.br
  58. Saab, Resley (10 de fevereiro de 2020). «Pronto-Socorro: vida e esperança no maior hospital do oeste da Amazônia». Notícias do Acre. Consultado em 9 de julho de 2021 
  59. «Hospital Santa Juliana». hsj.org.br. Consultado em 9 de julho de 2021 
  60. Acosta, Fhaidy (4 de agosto de 2020). «Into passa a ser referência para atendimento de pacientes com Covid-19». Notícias do Acre. Consultado em 9 de julho de 2021 
  61. «Santa Casa de Misericórdia Do Acre | Doctoralia». www.doctoralia.com.br. Consultado em 9 de julho de 2021 
  62. «Pronto Clínica - Rio Branco, AC». Yelp (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2021 
  63. uninorteac.edu.br/servicos-comunidade
  64. «Guia de Rádios AM / FM Rio Branco». Tudo Rádio. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  65. «Tv Rio Branco perde concessão do SBT». O Acre. 28 de março de 2022. Consultado em 29 de março de 2022 
  66. «TV Cultura terá nova afiliada em Rio Branco a partir do dia 28 de março». TV Cultura. Consultado em 17 de março de 2022 
  67. «Rio Branco-AC». Portal BSD. Consultado em 30 de janeiro de 2020 
  68. «Frota do município de Rio Branco (2012)». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2012. Consultado em 6 de setembro de 2013 
  69. Agazeta. «Prefeito Angelim apresenta dados sobre investimentos no transporte aos vereadores». Internet Archive. Consultado em 13 de Novembro de 2010 
  70. «Malha cicloviária das capitais cresce 133% em 4 anos e já passa de 3 mil quilômetros». G1. Consultado em 9 de julho de 2021 
  71. «Capitais já têm mais de 3.200 km de ciclovias». www.mobilize.org.br. Consultado em 9 de julho de 2021 
  72. Aeroflap (12 de abril de 2018). «Infraero entrega obras no Aeroporto de Rio Branco, no Acre». Aeroflap. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  73. Caroline, Deborah (18 de novembro de 2014). «Casa dos Povos da Floresta». Conhecendo Museus. Consultado em 9 de julho de 2021 
  74. «Casa dos Povos da Floresta - Guia das Artes». www.guiadasartes.com.br. Consultado em 9 de julho de 2021 
  75. «O Casarão». Foursquare (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2021 
  76. «Rio Branco - O Casarão -ipatrimônio». Consultado em 9 de julho de 2021 
  77. http://www.ipatrimonio.org/rio-branco-sociedade-recreativa-tentamen/#!/map=38329&loc=-9.98095100000001,-67.808245,17
  78. http://www.femcultura.ac.gov.br/memorial-dos-autonomistas/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Rio Branco