TV Rio Branco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
TV Rio Branco
Sociedade Acreana de Comunicação Fronteira Ltda.
20161205_010806.png
Avenida: Ceará 2804 - Abrahão Alab - Centro
Cidade de concessão Acre Rio Branco, AC
Canais
8 VHF analógico
34 UHF e 8.1 virtual (em implantação) digital
Outros canais
Slogan A TV que você vê.
Rede SBT
Proprietário
Fundação 15 de março de 1989 (28 anos)
Prefixo ZYA 201
Cobertura Estado do Acre, e extremo norte da Bolívia.
Potência 30 kHz - Alta
Página oficial http://www.oriobranco.net

A TV Rio Branco é uma emissora de televisão brasileira com sede em Rio Branco,capital do estado do Acre.Opera nos canais 8 VHF e 34 UHF (8.1 Virtual Digital). Atualmente seus estúdios estão localizados na Avenida Ceará, 2804 no Centro da capital. É afiliada ao Sistema Brasileiro de Televisão (SBT).

História[editar | editar código-fonte]

O empresário e político acriano Narciso Mendes, entrou na concorrência no Ministério das Comunicações.Mendes foi vencedor anos depois e começou a investir alto na emissora.

Em 15 de março de 1989, a TV Rio Branco entra no ar como afiliada ao Sistema Brasileiro de Televisão, mais conhecida como SBT. Na época, tornou-se a quarta emissora a entrar no ar na cidade do Rio Branco, depois das TVs Acre (1974), Aldeia (1982) e União (1988).

Da entrada do ar até hoje, a emissora permanece como umas das antigas afiliadas ao SBT na Região Norte, devido à diferença de menos de duas horas em relação de Brasília, a emissora tem a programação muito diferente da rede de São Paulo.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Escândalo da compra de votos pela reeleição em 1997[editar | editar código-fonte]

Narciso Mendes tornou-se conhecido nacionalmente no escândalo da compra de votos pela reeleição (seria o famoso “Senhor X”), autor das gravações em que os deputados (que mais tarde renunciaram mandatos) Ronivon Santiago e João Maia confessaram ter vendido seus votos em favor da emenda da reeleição por R$ 400 mil em 1997.

Oposição à Família Viana no Acre[editar | editar código-fonte]

O acesso aos meios de comunicação da Família Mendes dos políticos opositores à Família Viana e aliados (comandados pelos irmãos Jorge Viana e Tião Viana, que governam ou influenciam Acre desde 1999), fez do empresário Narciso Mendes ser suspeito de tramar por diversas vezes contra o governador Jorge.[1]

Entrevista ao traficante Palito[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2001, a TV Rio Branco fica conhecida nacionalmente, após o traficante Valtemir Gonçalves de Oliveira, mais conhecido como Palito (uns dos famosos traficantes de drogas do Brasil nos anos 90) concedeu entrevista à TV Rio Branco e ao jornal O Rio Branco. Curiosamente o jornal, além da emissora de TV, pertence ao Narciso Mendes.[1]

Palito havia fugido no mês anterior (novembro do mesmo ano) do Presídio Federal de Rio Branco, mais conhecida como Papudinha. Palito contou que o governador Jorge Viana (PT) lhe telefonara durante a passagem da CPI pelo Acre para pedir que incriminasse Hildebrando Pascoal. Em troca, seria beneficiado com a redução da pena.[1]

No entanto, no final do mês, Palito foi recapturado pela Polícia Militar do Acre. Após recaptura e o depoimento do criminoso na Polícia Federal, a PF descobriu mais tarde que ele foi pago para desmoralizar o governador. O dinheiro, R$ 2 mil reais, foi entregue ao parente do bandido, na época, ela era menor de idade.[1]

Programação local[editar | editar código-fonte]

  • Bom Dia Rio Branco/Segunda a Sexta: 06h30.
  • Rio Branco Esporte/Segunda: 11h30/Terça: 10h30/Quartas, Quintas e Sextas:11h30.
  • Programa da Jô/Segunda: 20h30.
  • Boa Noite Rio Branco/Terça a Quinta: 20h30.
  • Tribuna Livre/Sextas: 20h30. Reprises aos Sábados: 21h.
  • Rota da Noticia/Terça: 11h15.

Programas Independentes[editar | editar código-fonte]

  • Verdade Que Liberta/Segunda a Sexta: 06h00
  • Plantão de Cristo/Quintas: 11h00.
  • Justiça e Cidadania/Segunda: 11h00.
  • Celebrai Jesus/Sábados: 06h30.
  • Ministério Geração Eleita/Sábados: 07h00.
  • Igreja Renovada/ Domingos: Logo Após Chaves.

Sinal[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d O político na linha de tiro , Época, nº. 136, Editora Globo, 25 de dezembro de 2001.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]