Rede Brasil de Televisão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: "Rede Brasil" redireciona a este artigo. Para outros significados, veja Rede Brasil (desambiguação).
Rede Brasil de Televisão
Sistema de Comunicação Pantanal Ltda.
Sistema Pantanal de Produção e Comunicação - EIRELI
Tipo Rede de televisão comercial aberta
País Brasil
Fundação 7 de abril de 2007 (14 anos)
por Marcos Tolentino
Proprietário Marcos Tolentino
Presidente Marcos Tolentino[1]
Cidade de origem Campo Grande, MS
Sede Campo Grande, MS
São Paulo, SP
Estúdios São Paulo, SP
Slogan Uma TV ligada em você
Formato de vídeo 1080i (HDTV)
Canais irmãos RBTV
Rede Mais FM
TV Mato Grosso[2]
Afiliações TV JB (2007)
TV Plenitude (2018-2019)
Rede Mundial (2020-2021)
Cobertura 95% do território nacional[3]
Página oficial rbtv.com.br
Disponibilidade aberta e gratuita
Digital
Disponibilidade por satélite
Claro TV
Canal 13
Vivo TV
Oi TV
Canal 10[nota 1]
Sky
Canal 17
BluTV
Canal 247
Disponibilidade por cabo
Oi TV
Canal 15[nota 2]
Cabo Telecom
Canal 130
Jundicabo TV
Canal 47
Supermidia
Canal 81
BVCi
Canal 727
Vivo TV
Canal 526 (HD)

Rede Brasil de Televisão (também conhecida por Rede Brasil e anteriomente pela sigla RBTV) é uma rede de televisão aberta brasileira. Foi inaugurada em 7 de abril de 2007, e é presidida pelo advogado tributarista Marcos Tolentino. A rede é oriunda de Campo Grande, capital do estado do Mato Grosso do Sul, e está sediada em São Paulo, capital do estado homônimo.[1]

História[editar | editar código-fonte]

2007-2015[editar | editar código-fonte]

Antigo logotipo utilizado pela emissora até 2014

A emissora entrou no ar em 7 de abril de 2007. Até então, a emissora estava montando aos poucos sua programação e por isso, retransmitia alguns programas de outras emissoras como a TV Brasil e TV Escola. Em setembro de 2007, a Rede Brasil contava com programas como Conceição Forno & Fogão, Nei & Nani (herdado da extinta TVJB), a sessão de filmes Cine Rede Brasil e desenhos e séries como Os Cavaleiros do Zodíaco, A Feiticeira, Bonanza, Lois & Clark: As Novas Aventuras do Superman e Missão Impossível. A partir de 2008, a emissora já contava com programação própria, trazendo mais programas, séries e filmes.

Em 5 de setembro de 2012, iniciou testes com sinal digital na cidade de São Paulo no canal 56 UHF (10.1 virtual). Em 2014, iniciou suas transmissões em HDTV para São Paulo e demais operadoras de TV por Assinatura.

O canal foi acusado de exibir séries de televisão e desenhos animados ilegalmente, sem pagar pelos direitos de transmissão. O primeiro caso deste foi quando a emissora exibiu séries da Warner Bros. e Fox, que na época, pertenciam a Sistema Brasileiro de Televisão e Globo, respectivamente. Neste caso, a emissora recebeu uma notificação da justiça, retirando as séries do ar.[4]

O primeiro anime a fazer parte da programação da Rede Brasil foi Os Cavaleiros do Zodíaco, que já havia sido exibido na emissora desde setembro de 2007 até 2010 e recomeçou a ser exibido no dia 2 de abril de 2013. O anime foi exibido de maneira clandestina e gerando uma grande repercussão nas redes sociais, pois na época os direitos do anime estavam com a Rede Bandeirantes.[5] Em menos de um mês, a RBTV retirou o anime da programação. No entanto, três anos depois, o canal anuncia a reestreia de Os Cavaleiros do Zodíaco junto com a estreia de Dragon Ball Z, porém desta vez exibindo legalmente, após um contrato com a Toei Animation.[6]

Em julho de 2014, a emissora anunciou o lançamento de Mighty Morphin Power Rangers na grade, sem ter qualquer direito de exibição. A produtora Saban Brands, que na época era detentora dos direitos da série, informou na época que iria processar a emissora, caso ela exibisse o produto.[7]

Em 2015, estreou o anime Sailor Moon sendo exibido com a dublagem feita pela Gota Magica para a Rede Manchete, novamente isso gerou uma certa polêmica na época, pois novamente eles não detinham os direitos de exibição da série[8], logo em seguida Sailor Moon saiu da programação, sendo que em 2010, a primeira temporada também já havia sendo exibida, nos blocos Manhã Criança e Sessão Animada.

2016-presente[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2016, devido o dono da emissora, Marcos Tolentino, ser amigo e sócio de Celso Russomanno nas empresas Paz e Bell Hel, que estavam sendo investigadas na Operação Ararath da Polícia Federal, foi decretada uma intervenção judicial para o afastamento dos diretores da emissora. A decisão pedia que Fernando Claro Iglesias, um administrador judicial, assumisse a gestão da empresa. Foi ordenada também a busca e apreensão de documentos de arquivos da empresa. A Rede Brasil de Televisão, divulgou uma nota esclarecendo que tomou medidas judiciais, apresentando garantias e efetuando pagamentos, evitando a concretização da intervenção. Também afirmou que a Justiça foi levada ao erro devido as alegações da defesa da produtora Paparazzi de Comunicações, sendo esta a responsável por pagar a condenação.[9]

Em 1 de junho de 2018, o canal arrendou doze horas de sua programação para a TV Plenitude, canal de propriedade da Igreja Apostólica Plenitude do Trono de Deus. Em 1 de dezembro de 2020, a emissora cede doze horas de sua grade diária para a Rede Mundial, de propriedade da Igreja Mundial do Poder de Deus, que retransmite seus cultos e atividades, divididas em dois blocos: das 5h às 13h e das 19h às 23h.[10] No mesmo mês, fecha um contrato com a distribuidora A2 Filmes para a transmissão de filmes.[11] No dia 11 de março de 2020, a emissora teve o sinal suspenso na operadora Oi TV em razão da determinação judicial da Primeira Vara Cível de Comarca de São Caetano do Sul, referente ao atraso do pagamento de dívidas pendentes desde 2012 ao Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (ECAD). O valor chega a R$ 399.388,11. Outras operadoras como a Sky Brasil, Vivo TV, Claro TV (DTH e Fibra) e Algar Telecom, assim como o Ministério das Comunicações, também foram autorizados a suspender o sinal do canal. Após fechar um acordo com a empresa, o sinal foi restabelecido na Oi TV no final da tarde.[12][13] Em nota, a Claro anunciou que não renovou o contrato com a emissora em dezembro de 2019, por isso não possui o seu sinal em algumas cidades e a Vivo ainda não foi notificada da ordem judicial. Já a SKY não se manifestou sobre o assunto.[14]

Em 2 de março de 2021, a Rede Brasil é substituída em seu canal em São Paulo pela TV Templo, da Igreja Universal do Reino de Deus,[15] deslocando seu sinal para outra concessão. No dia seguinte, em uma reunião entre seus diretores, foi decidido que a rede seria reformulada, transferindo parte de sua grade para a TV Metropolitana, da cidade paulista de São Caetano do Sul, também pertencente a Marcos Tolentino, que já retransmita a RBTV,[16] e que, como anunciado posteriormente, passaria a mesclar sua programação com produções próprias oriundas da rede. A Rede Brasil segue com horários alugados à Rede Mundial.[17]

Notas e referências

Notas

  1. Canal 3 em Distrito Federal, Fortaleza e São Luís.
  2. Canal 6 em Belo Horizonte.

Referências

  1. a b Dino (13 de janeiro de 2016). «Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão – RBTV». Exame. Cópia arquivada em 1 de maio de 2001 
  2. Da Redação - Wesley Santiago/Fabiana Mendes (23 de abril de 2019). «Sergio Ricardo afirma que prova que causou seu afastamento como conselheiro do TCE foi fraudada». www.olharjuridico.com.br. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  3. «RBTV - Cobertura». Consultado em 6 de abril de 2019 
  4. ANMTV. «Os Cavaleiros do Zodíaco: Rede Brasil exibe anime sem autorização». Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  5. NaTelinha. «Emissora UHF exibe "Os Cavaleiros do Zodíaco" sem possuir os direitos». Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  6. Matheus Sousa (29 de setembro de 2016). «CDZ e DBZ: animes em outubro na Rede Brasil». ANMTV. Consultado em 29 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2017 
  7. NaTelinha. «Rede Brasil anuncia "Power Rangers" sem direitos; produtora ameaça processo». Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  8. «Rede Brasil não venceu Band e RedeTV! com filmes sem direitos». NaTelinha. Consultado em 17 de janeiro de 2020 
  9. «Emissora de TV de sócio de Celso Russomano tem intervenção judicial». glamurama.uol.com.br. 22 de junho de 2016. Consultado em 6 de novembro de 2016 
  10. Gabriel de Oliveira (1 de dezembro de 2020). «Em ofensiva contra a Universal, Valdemiro Santiago volta a investir na TV aberta». TV História. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  11. «Rede Brasil fecha parceria e investe em filmes de sucesso na programação». Na Telinha. 11 de dezembro de 2020. Consultado em 26 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2021 
  12. «Sinal da Rede Brasil é suspenso por dívida de direitos autorais - Televisão». NaTelinha. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  13. «Processo n. 0000419-76.2020.8.26.0565 do TJSP». Jusbrasil. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  14. ANDRADE, VINÍCIUS (11 de março de 2020). «Justiça determina que Rede Brasil saia do ar por dívida de R$ 400 mil». Notícias da TV. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  15. «TV Templo é inaugurada». Universal.org. 2 de março de 2021. Consultado em 4 de março de 2021 
  16. Gabriel Perline (4 de março de 2021). «Rede Brasil chega ao fim, dá espaço à Igreja Universal e prepara 'renascimento'». Notícias da TV. Consultado em 4 de março de 2021 
  17. «Rede Brasil lança novo canal com pegada retrô na pandemia». NaTelinha. 8 de março de 2021. Consultado em 9 de março de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]