SBT São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
SBT São Paulo
TVSBT Canal 4 de São Paulo S.A.
Osasco / São Paulo, SP
Brasil
Tipo Empresa privada
Cidade de concessão Bandeira da cidade de São Paulo.svg São Paulo, SP
Canais
04 VHF analógico
28 UHF e 4.1 Virtual digital
Outros canais 23 (Claro TV)
09 (Sky)
11 (Oi TV)
222 (Vivo TV)
04 e 304 HD (Vivo TV - Cabo)
17 e 509 HD (NET São Paulo)
04 (NET São José dos Campos)
222 (GVT TV)
ver mais
Sede BandeiraOsasco.svg Osasco, SP
Rodovia Anhanguera, km 18 - Avenida das Comunicações, 4 - Industrial Anhanguera
MAPA
Slogan A TV que tem torcida
Rede SBT
Fundador Silvio Santos
Pertence a Grupo Silvio Santos
Proprietário Silvio Santos
Acionista(s) Grupo Silvio Santos
Presidente Guilherme Stoliar
Fundação 19 de agosto de 1981 (35 anos)
CNPJ 45.039.237/0001-14
Prefixo ZYB 855
Prefixo(s) anterior(es) PRF 3 e ZYE 439
Nome(s) anteriore(s) TV Tupi São Paulo
TVS São Paulo (1981-1990)
Cobertura Grande São Paulo, Vale do Paraíba e Vale do Ribeira
Coord. do transmissor 23° 32' 40.9" S 46° 40' 54.1" O
Potência 60 kW
Página oficial sbt.com.br/home

SBT São Paulo é uma emissora de televisão brasileira sediada em Osasco, porém concessionada em São Paulo, capital do estado brasileiro homônimo. Opera nos canais 4 VHF e 28 UHF digital, e é uma emissora própria e matriz do SBT. Seus estúdios estão localizados no CDT da Anhanguera, no Distrito Industrial Anhanguera, em Osasco, e sua antena de transmissão, a Torre Assis Chateaubriand, está no bairro do Sumaré, na capital paulista.

A emissora pertence ao Grupo Silvio Santos, cobre toda a Região Metropolitana de São Paulo, o Vale do Paraíba e o Vale do Ribeira, e é uma das seis emissoras do SBT no estado de São Paulo, juntamente com o SBT Central, o SBT Interior, o SBT RP, a TV Sorocaba e a VTV.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Mergulhada em uma grave crise financeira, a TV Tupi São Paulo, primeira emissora de televisão do Brasil e cabeça-de-rede da Rede Tupi, tem sua concessão cassada em 14 de julho de 1980, após o Governo Federal publicar no Diário Oficial da União o decreto que declarava perempta (não renovável) a concessão dela e de mais 6 emissoras componentes da rede por dívidas com a previdência social e corrupção financeira. Em 17 de julho, técnicos do Departamento Nacional de Telecomunicações (DENTEL) lacram os transmissores da emissora, e no dia seguinte, com o fechamento da TV Tupi Rio de Janeiro, estava extinta a Rede Tupi.[1]

Dias depois, em 23 de julho, o Governo Federal abre uma concorrência para as concessões da Rede Tupi e da TV Excelsior de São Paulo, além de mais dois canais em Brasília e no Rio de Janeiro, que viria a ocorrer em setembro daquele ano. Em 19 de março de 1981, o ministro das comunicações Haroldo Corrêa de Mattos anuncia em uma coletiva que Silvio Santos (Grupo Silvio Santos) e Adolpho Bloch (Bloch Editores) saíram como os vencedores da concorrência. Silvio conquista as concessões da Rede Tupi nas cidades de São Paulo (TV Tupi São Paulo), Porto Alegre (TV Piratini) e Belém (TV Marajoara), além das concessões do Canal 12 de Brasília (que posteriormente viria a ser o SBT Brasília) e o canal 9 do Rio de Janeiro (que atualmente é a CNT Rio de Janeiro), e Bloch, com as outras cinco concessões que conseguiu, fundaria em 1983 a Rede Manchete.[2]

Silvio ainda incorporou aos ativos da futura emissora os estúdios do antigo Tele-Centro da Rede Tupi e a Torre Assis Chateaubriand (ainda em fase de construção) na Rua Catalão, Nº 75, no bairro do Sumaré, que se juntaram aos outros ativos do Grupo Silvio Santos que já eram utilizados pela TVS Rio de Janeiro na capital paulista, como o Teatro Silvio Santos no bairro do Carandiru e um prédio do grupo localizado em Osasco, onde ficava a parte administrativa. Foi adquirido ainda um prédio de 11.000m² na Rua Dona Santa Veloso, Nº 575 no bairro da Vila Guilherme, onde haviam funcionado os antigos estúdios da Rede Excelsior até seu fechamento em 1970, e construiu ainda uma fábrica de cenários na Rua dos Camarés, no bairro do Carandiru. Ao todo, a futura TVS São Paulo iria funcionar em 5 locais diferentes, o que no momento não parecia ser uma dificuldade para seu funcionamento.

TVS São Paulo (1981-1990)[editar | editar código-fonte]

A TVS São Paulo entrou oficialmente no ar às 9h30 do dia 19 de agosto de 1981,[3] como cabeça-de-rede do Sistema Brasileiro de Televisão, e em conjunto com a TVS Rio de Janeiro (que já existia desde 1976), além de mais 4 emissoras que anteriormente eram afiliadas da Rede de Emissoras Independentes (liderada pela TV Record São Paulo, da qual Silvio Santos era acionista), e mais 5 emissoras dos Diários Associados que haviam se salvado da cassação da Rede Tupi. Com o apoio da TV Anhanguera, a emissora transmitiu diretamente de Brasília o ato de assinatura da sua concessão entre Silvio Santos e o ministro Haroldo Corrêa de Mattos, sendo a primeira do mundo a realizar tal feito.

Tal qual a TVS Rio de Janeiro, de onde a emissora paulistana herdou toda a sua programação, a grade da TVS São Paulo consistia em programas de auditório, enlatados como filmes e séries norte-americanas, programas humorísticos, infantis, entre outros. Sua grade não possuía programas locais, sendo a exceção o programa O Povo na TV, que no fim de 1981 passou a ter uma versão diferente da que era feita no Rio de Janeiro. Com uma grade praticamente voltada para o público das classes C e D, a TVS São Paulo popularizou-se rapidamente, vindo a alcançar a vice-liderança de audiência na Grande São Paulo até o fim da década de 1980, embora seu faturamento fosse baixo e os anunciantes em sua maioria procurassem os canais concorrentes.

SBT São Paulo (1990-presente)[editar | editar código-fonte]

Em 1º de janeiro de 1990, a TVS São Paulo e as outras emissoras componentes do SBT abandonam a nomenclatura "TVS" e passam a utilizar o mesmo nome da rede, sendo que já faziam isso desde sua fundação quando estavam transmitindo a programação nacional. Em 19 de março de 1991, os estúdios do SBT São Paulo na Vila Guilherme sofrem um grande alagamento em função da cheia do Rio Tietê após um temporal, o que forçou a emissora a interromper sua programação normal em todo o país e improvisar um link ao vivo em cima de um bote para mostrar a situação dos estúdios. A inundação gerou um prejuízo de cerca de Cr$ 700.000.000 e uma crise que perdurou até o ano seguinte.

Somando-se a isso, o fato das instalações do SBT São Paulo estarem divididas em outros 4 pontos da cidade já estava criando barreiras para o crescimento do canal. É a partir daí que começa em 1994 a construção dos novos estúdios da emissora, no Km 18 da Rodovia Anhanguera em Osasco, na Grande São Paulo, onde já existia o departamento administrativo do SBT desde a sua fundação. Em agosto de 1996, é inaugurado oficialmente o CDT da Anhanguera, um complexo com 231.000 m² que passou a abrigar todas as produções do canal. O Teatro Silvio Santos e a fábrica de cenários no Carandiru terminam por ser desativados, enquanto a antiga sede da emissora na Vila Guilherme é vendida para a Igreja Bíblica da Paz. Os estúdios no Sumaré são alugados para a MTV Brasil, e posteriormente, para a sua atual inquilina ESPN Brasil.

Em 19 de agosto de 2015, data de aniversário do SBT, a emissora sofreu um problema técnico que acabou interrompendo a transmissão da sua programação em todo o país por cerca de 10 minutos. Enquanto era sanado o problema, a emissora exibiu alguns episódios do seriado Chaves como tapa-buraco. O SBT Brasil teve início com 29 minutos de atraso, às 20h14, e algumas de suas matérias deixaram de ser exibidas. A telenovela Cúmplices de um Resgate iniciou-se às 20h40 (dez minutos de atraso), e a programação ficou com um delay de 10 minutos daí em diante.[4]

Sinal digital[editar | editar código-fonte]

Canal virtual Canal digital Proporção de tela Programação
4.1 28 UHF 1080i Programação principal do SBT São Paulo / SBT

A emissora iniciou suas transmissões digitais em 2 de dezembro de 2007, data do início das operações da TV digital no Brasil, através do canal 28 UHF. Neste dia, foi apresentado na sessão 8 e Meia no Cinema o filme Alexandre, o Grande, exibido totalmente em alta definição, sendo a primeira transmissão da emissora com a nova tecnologia e o primeiro filme exibido no formato na TV brasileira.[5]

Transição para o sinal digital

Com base no decreto federal de transição das emissoras de TV brasileiras do sinal analógico para o digital, o SBT São Paulo, bem como as outras emissoras da Região Metropolitana de São Paulo, irá cessar suas transmissões pelo canal 04 VHF em 29 de março de 2017, seguindo o cronograma oficial da ANATEL.[6]

Programação[editar | editar código-fonte]

Desde a sua fundação, a grade do SBT São Paulo é basicamente a mesma que é exibida nacionalmente pelas demais emissoras próprias e afiliadas. Sua primeira produção local foi a versão paulistana de O Povo na TV, entre 1981 e 1983. Em 20 de agosto de 1984, surgiu o Jornal da Cidade, exibido às 19h15 da noite, com duração de 10 minutos, e o boletim Últimas Notícias, exibido durante a programação. Em 8 de setembro de 1986, o jornalismo local é reformulado com a estreia do Cidade 4, que foi apresentado por nomes como Ivo Morganti, Antonio Freitas, Sandra Teixeira, Lívio Carneiro e Felisberto Duarte. O telejornal acaba sendo extinto em 1988, quando estreou em 22 de agosto o TJ São Paulo, apresentado por Ademar Altieri, no mesmo dia do lançamento do TJ Brasil. O telejornal foi ao ar pela última vez em 18 de maio de 1991, quando cedeu espaço para o Aqui Agora, que era exibido em rede nacional.

Com o fim do jornalístico em 1997, houve uma tentativa de voltar com o jornalismo local para o estado de São Paulo, e para isso houve a criação do Noticidade, apresentado por Ricardo Carlini, Sílvia Garcia e Valéria Balbi. O telejornal ia ao ar na faixa das 20h15, após a telenovela Chiquititas, e tinha uma média de 3,0 a 4,0 pontos de audiência. Devido a isso, acabou sendo extinto em maio de 1998.

Até 2012, o SBT São Paulo manteve-se sem telejornais locais, sendo que os espaços dedicados a programação local eram preenchidos por enlatados. Em 16 de janeiro, o Jornal do SBT Manhã ganhou uma edição local apresentada por Rodolpho Gamberini, das 7h00 às 7h30.[7] Em 12 de março, o horário noturno foi preenchido pelo SBT São Paulo, apresentado por Karyn Bravo e Joyce Ribeiro, porém devido a baixa audiência, o telejornal é extinto em 8 de maio.[8] Em 5 de novembro, Rodolpho Gamberini é substituído por César Filho no Jornal do SBT Manhã, que agora passava a contar com mais meia-hora de duração. Em 18 de março de 2013, o telejornal passa a se chamar SBT Manhã 2ª edição.

Em 30 de setembro, o SBT Notícias, que até então era exibido em rede nacional, ganha mais 25 minutos de duração para a Grande São Paulo. Porém, devido ao desempenho fraco na audiência, o jornalístico perde sua versão local em 1º de novembro, e duas semanas depois acaba saindo do ar também em rede nacional.[9] Em 9 de junho de 2014, o SBT Manhã 2ª edição é substituído pelo Notícias da Manhã, uma revista eletrônica matinal. Em 6 de novembro, Neila Medeiros passa a ancorar o matinal após a saída de César Filho da emissora. O programa no entanto, ficou no ar até 10 de abril de 2015, sendo retirado da grade devido a baixa audiência.[10]

Em 17 de dezembro de 2015, a reprise matutina do Jornal do SBT ganhou mais uma exibição das 7h00 às 8h00, dessa vez ancorada por Patrícia Rocha, e com uma quantidade maior de links ao vivo em meio as matérias já exibidas anteriormente.[11]

Em 25 de janeiro de 2016, a emissora decidiu deixar de exibir o seriado Chaves antes do SBT Brasil em sua área de cobertura. Dessa forma, houve uma alteração na duração das telenovelas Cuidado com o Anjo e A Dona. Esta última passou a preencher o espaço do seriado antes do SBT Brasil, tendo 25 minutos a mais de duração do que na grade nacional. O seriado passou a ser exibido então apenas para localidades fora da área de cobertura do SBT São Paulo (com exceção do Vale do Paraíba e do Vale do Ribeira), bem como naquelas em que a emissora local não possui telejornal no slot entre 19h20 e 19h45.[12]

Em 7 de março, o seriado voltou a ser exibido regularmente, no horário das 13h45, porém foi substituído no dia 28 do mesmo mês pela novela A Mentira. Nesse mesmo dia, a reprise do Jornal do SBT durante a manhã foi substituída pelo bloco local do Primeiro Impacto, apesentado por Joyce Ribeiro e Karyn Bravo.

A emissora exibe ainda, no espaço dedicado à programação local, séries americanas e extensões dos programas exibidos em rede nacional. Na faixa diária de 11h00 às 14h15, é exibido o Bom Dia & Companhia. Aos sábados, a grade matinal é ocupada pelo Sábado Animado e a vespertina pela série Kenan e Kel, bem como o seriado Chaves na faixa noturna. Este último também é exibido aos domingos na faixa matinal.

Conselho administrativo[editar | editar código-fonte]

  • Marcelo Parada (diretor de Jornalismo)
  • Daniel Lobato (gerente vice-diretor de jornalismo)
  • Fernando Pelégio (diretor de programação)
  • Murilo Fraga (diretor de programação)
  • Daniela Beyruti (diretora de programação)
  • Silvio Santos (produtor e diretor-presidente)
Produtores

Sinal[editar | editar código-fonte]

As cidades da Região Metropolitana de São Paulo recebem o sinal da emissora gerado a partir da Torre Assis Chateaubriand, em São Paulo. Já as cidades do Vale do Paraíba e do Vale do Ribeira recebem um sinal com publicidade específica para a região.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «DENTEL lacra 7 emissoras de TVs Associadas». PUC-Rio. Jornal do Brasil. 19-07-1980. Consultado em 30-11-2015. 
  2. Lima, Reniere (17-08-2013). «Cartas e Cartazes nº 61: Silvio Santos explica na imprensa o porquê de pleitear a concessão da TVS Canal 4 de São Paulo (09/11/1980)». SBTpédia. Consultado em 30-11-2015. 
  3. Aragão, Diana (19-08-1981). «Canal 4 de São Paulo entra no ar hoje». PUC-Rio. Jornal do Brasil. Consultado em 30-11-2015. 
  4. Batista, João Gabriel (19-08-2015). «SBT tem queda de sinal em seu aniversário e Record dispara no Ibope». NaTelinha - UOL. Consultado em 30-11-2015. 
  5. Júnior, José Eustáquio. «O Dia na História (02/12/2007): SBT exibe primeiro filme em alta definição na história da TV aberta brasileira». SBTpédia. Consultado em 23-05-2015. 
  6. Higa, Paulo (15-02-2016). «Quando a TV analógica será desligada na sua cidade». Tecnoblog. Consultado em 25-07-2016. 
  7. Lima, Reniere (13-01-2015). «EXCLUSIVO: SBT Manhã estreia bloco ao vivo com Rodolpho Gamberini». SBTPédia. Consultado em 30-11-2015. 
  8. Redação (12-05-2012). «SBT não deverá demitir profissionais com fim do "SBT São Paulo"». NaTelinha - UOL. Consultado em 30-11-2015. 
  9. Falcheti, Fabrício (18-11-2013). «Após quase dois meses no ar, SBT cancela o "SBT Notícias"». NaTelinha - UOL. Consultado em 30-11-2015. 
  10. Falcão, Diego (10-04-2015). «SBT cancela o "Notícias da Manhã", de Neila Medeiros». NaTelinha - UOL. Consultado em 30-11-2015. 
  11. «Com Patrícia Rocha, SBT volta a ter jornalismo ao vivo nas manhãs». Comunique-se. 17-12-2015. Consultado em 20-12-2015. 
  12. Pacheco, Paulo (22-01-2016). «SBT tira "Chaves" de segunda a sexta e estica novelas mexicanas». UOL. Consultado em 26-01-2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.