Jarinu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jarinu
  Município do Brasil  
Paróquia Nossa Senhora do Carmo: Núcleo da fundação do município
Paróquia Nossa Senhora do Carmo: Núcleo da fundação do município
Paróquia Nossa Senhora do Carmo: Núcleo da fundação do município
Símbolos
Bandeira de Jarinu
Bandeira
Brasão de armas de Jarinu
Brasão de armas
Hino
Lema Liberdade, Paz, Cultura e Civismo
Gentílico jarinuense
Localização
Localização de Jarinu em São Paulo
Localização de Jarinu em São Paulo
Localização de Jarinu em São Paulo
Jarinu está localizado em: Brasil
Jarinu
Localização de Jarinu no Brasil
Mapa
Mapa de Jarinu
Coordenadas 23° 06' 03" S 46° 43' 40" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Região metropolitana Jundiaí
Municípios limítrofes (N) Itatiba e Bragança Paulista; (S) Campo Limpo Paulista; (O) Jundiaí; (L) Atibaia
Distância até a capital 76 km
História
Fundação 1807 (217 anos)
Emancipação 17 de abril de 1949 (74 anos)
-de Atibaia
Administração
Prefeito(a) Débora Prado (PSD, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [1] 207,671 km²
População total (estimativa IBGE/2021[2]) 31 173 hab.
Densidade 150,1 hab./km²
Clima tropical de altitude (Cwb)
Altitude 800 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 13.240-000
Indicadores
IDH (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) 0,759 alto
PIB (IBGE/2013[3]) R$ 549.542,00 mil
PIB per capita (IBGE/2013) R$ 22 549,94
Sítio www.jarinu.sp.gov.br (Prefeitura)
www.jarinu.sp.leg.br (Câmara)

Jarinu é um município brasileiro do estado de São Paulo, com 207,67 km² e uma população estimada em 30 044[4] habitantes, conforme dados do IBGE de 2019. Pertence à Região Metropolitana de Jundiaí.[5] Hoje a cidade é administrada pela prefeita Débora Prado, vencedora em eleição histórica com 9.595 votos, recorde de votos na cidade.

História[editar | editar código-fonte]

Segundo alguns historiadores, o bandeirante Garcia Rodrigues Velho Filho foi o responsável por realizar as expedições conquistadoras que desbravaram as terras da sesmaria de Cahajossara no ano de 1637-1639. A partir dos documentos testamentários (1652) [6] do bandeirante Antônio Pedroso de Barros deparamo-nos com o primeiro registro do estabelecimento colonizador português na região. Atualmente a localidade da terra de Cahajossara corresponde a muitos bairros do município de Atibaia e a totalidade do município de Jarinu.

Infelizmente não há fontes primárias da historiografia que comprovem a presença de povos autóctones (indígenas), mas de acordo com a História oral presente entre a população do bairro do Maracanã (Jarinu), os bandeirantes teriam batizado um grupo étnico-cultural indígena justamente com o nome de Maracanã, devido à grande abundância da ave Primolius maracana na região.

Em 1786, o alferes Lourenço Franco da Rocha (segundo filho de Francisco da Silveira Franco, o segundo capitão-mor de Atibaia) é denominado capitão do bairro de Campo Largo da vila de São João Batista de Atibaia. Não temos uma documentação precisa sobre a criação do bairro de Campo Largo (Jarinu), mas no censo realizado na freguesia de São João Batista de Atibaia, no ano de 1765, podemos encontrar uma menção ao bairro em questão.

Depois de 20 anos residindo no bairro de Campo Largo, Rita de Cássia de Morais (filha do abastado burguês Francisco Lourenço Cintra) convence o seu marido, Lourenço Franco da Rocha, a desmembrar parte de sua propriedade em detrimento da construção da ermida de Nossa Senhora do Carmo do Campo Largo, no dia 7 de janeiro de 1807. Devido à doação das terras, Lourenço Franco da Rocha e Rita de Cássia de Morais são considerados os fundadores oficiais do município de Jarinu.

No dia 12 de outubro de 1830, o povoado em torno da ermida de Nossa Senhora do Carmo do Campo Largo, que até então contava com 1.398 almas (habitantes) e 257 fogos (habitações), é elevado à categoria de Capela Curada por força do Bispado de São Paulo. Sob a administração do primeiro vigário, o capelão curado Estanislao José Soares, a antiga igreja construída através das técnicas de taipa começa a ganhar características arquitetônicas das igrejas paulistas do estilo Rococó (estilo de transição entre o Barroco e o Neoclássico, que conserva até hoje).

Em 1842, a capela curada de Nossa Senhora do Carmo do Campo Largo passa à categoria de Freguesia através da Lei n.º 3, de 5 de fevereiro.[7]

Em 1844, a freguesia de Nossa Senhora do Carmo do Campo Largo passa a pertencer por força da Lei Provincial n.º 251, de 15 de março, à administração da vila de Jundiaí; incorporação de brevíssima duração. A mudança ocorreu devido a Revolução Liberal de 1842, da qual o líder do Partido Liberal e presidente da Câmara Municipal da vila de São João Batista de Atibaia, o alferes José Jacinto de Araújo Cintra, declara apoio ao presidente aclamado Rafael Tobias de Aguiar e a nova capital provisória da Província de São Paulo, levando os súditos atibaianos - consequentemente os súditos campolarguenses - para a guerra contra as forças imperiais do barão de Caxias. A partir de 1846, com a anistia concedida aos envolvidos, por meio da Lei Provincial n.º 282, de 19 de fevereiro, a freguesia de Nossa Senhora do Carmo do Campo Largo volta a pertencer à administração da vila de São João Batista de Atibaia.

De acordo com os números levantados durante a pesquisa para o projeto Jarinu tem Memória, o censo demográfico da freguesia de Nossa Senhora do Carmo do Campo Largo no ano de 1876, era de 1.532 habitantes, dos quais 158 eram escravizados. A título de comparação, o censo demográfico de 1872 do município de São João Batista de Atibaia, registrava o número de 5.080 habitantes livres e 1.066 escravizados.

Através de pesquisas realizadas na Europa em meados de 1878-1885, o Dr. Antônio de Queirós Telles, futuro Conde do Parnaíba, identifica no camponês italiano do norte da Itália, o elemento humano para colonizar as terras agrícolas do interior do Estado Estado de São Paulo; os seus estudos estavam enraizados nos pensamentos de Joseph Arthur de Gobineau, autor do livro Ensaio sobre a desigualdade das raças humanas. Os primeiros imigrantes italianos chegaram no distrito de paz de Campo Largo (Jarinu), por volta do ano de 1890, muitos sob a tutela da Sociedade Promotora da Imigração. Entre as primeiras famílias italianas no distrito de paz estão: os Beasin, os Bego, os Bernucci, os Bonança, os Bulgarelli, os Brollo, os Casarim, os Cavallaro, os Censi, os Comim, os Contesini, os Doratioto, os Farinelli, os Ferrara, os Ferrarezi, os Formosinho, os Gastaldi, os Lorencini, os Manara, os Marani, os Marim, os Malerba, os Meneghim, os Musselli, os Parise, os Pauletto, os Paulini, os Perini, os Perobelli, os Rosa, os Salessi, os Soranz, os Spinassi, os Squizatto, os Tafarello, os Tofanin, os Uvinha, os Vincenzi, os Zambotto e os Zanoni; mas de acordo com Angelo Zani no livro Travessias memórias do povoamento e da imigração de uma cidade paulista: Jarinu, "um total de 50 famílias de imigrantes italianos contribuiu para a formação do universo populacional de Jarinu".

Livro Travessias memórias do povoamento e da imigração de uma cidade paulista: Jarinu

Em 1895, o coronel-comandante da Guarda Nacional do município de São João Batista de Atibaia, José Ignácio da Silveira, provocou críticas na imprensa paulista ao encaminhar o primeiro projeto de emancipação política-administrativa do distrito de paz de Campo Largo. A apresentação oficial ficou a cargo dos Deputados Estaduais José Cardoso de Almeida (PRP) e José da Costa Rangel Júnior (PRP), mas foi rejeitada pelo Congresso do Estado de São Paulo depois de averiguar as demandas políticas da Câmara Municipal de Atibaia.

Por meio da Lei Estadual n.º 1.257, de 29 de setembro de 1911, o distrito de paz de Campo Largo passa a ser denominado como distrito de paz de Jarinu. A mudança de nome ocorreu devido à confusões e extravios de correspondência para outras localidades, que também eram conhecidas como Campo Largo no Estado de São Paulo. Ao propor o nome Jarinu, uma tradução literária foi utilizada para transcrever a expressão Campo Largo para a língua guarani, através do dicionário de Montoya, um padre espanhol do século XVII. [8]

Em 1929, o fazendeiro italiano Aurélio Bulgarelli registrou a maior colheita de café da região, 60 mil pés de café, ou aproximadamente 150 toneladas do grão.

A partir de agosto de 1948, com o aumento da receita e da população, o distrito de Jarinu ficaria conhecido como município de Jarinu. Um plebiscito, em outubro, endossa a mudança que é finalmente decretada em 24 de dezembro de 1948. No dia 17 de abril de 1949, o município de Jarinu ganha sua emancipação política-administrativa, desprendendo-se em definitivo do município de Atibaia.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Antiga Estação Ferroviária de Campo Largo
  • Região com vales e montanhas, rios e lagos que permanecem como nos tempos de sua fundação, há quase 200 anos, mesmo com o grande crescimento da infraestrutura do município.

Localização[editar | editar código-fonte]

Demografia - censo do ano 2008[editar | editar código-fonte]

População total: 21.342

  • População (Censo 2008) 21.342 Habitantes
  • Densidade Demográfica (Censo 2008) 102,77 Habitantes/km²
  • Crescimento Anual da População 2,91% ao ano (2000-2008)
  • População Urbana Censo 2000 64,45%
  • População Rural Censo 2000 35,55%
  • População com Menos de 15 Anos (Censo 2008) 23,85%
  • População com 60 Anos e mais (Censo 2008)9,37%
  • Razão de sexos(Censo 2008) 105,07 homens para 100 mulheres

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 24,32

Expectativa de vida (anos): 72,25

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,37

Taxa de alfabetização: 91,22%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,789

  • IDH-M Renda: 0,732
  • IDH-M Longevidade: 0,704
  • IDH-M Educação: 0,842

(Fonte: IPEADATA)

Clima[editar | editar código-fonte]

Centro Histórico Cultural Divanir Vitório Contesini - Sala da Memória Edgard Máximo Zambotto

Clima tropical de altitude tipo Cwb segundo a classificação internacional de Köppen, para o clima do município (Com invernos frios e secos e verões amenos e chuvosos com média máxima no verão menor ou igual a 22 °C). O clima tropical de altitude é semelhante ao subtropical, porém, ele predomina acima do Trópico de Capricórnio e tem verões mais amenos e mais chuvosos, como ocorre no município.

Parque Municipal Orestes Lorencini

A média anual de Jarinu, gira em torno dos 19 °C; no inverno a média é de 10 °C, e no verão é de 25 °C.

Gráfico climático para Jarinu
JFMAMJJASOND
 
 
239
 
27
17
 
 
222
 
27
18
 
 
151
 
27
17
 
 
65
 
25
15
 
 
44
 
23
13
 
 
43
 
22
11
 
 
27
 
21
10
 
 
32
 
23
12
 
 
63
 
24
13
 
 
132
 
24
14
 
 
142
 
25
16
 
 
205
 
26
17
Temperaturas em °CPrecipitações em mm

Fonte: Canal do Tempo

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB) até 1973[9], quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[10], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[11] para suas operações de telefonia fixa.

Economia[editar | editar código-fonte]

Jarinu faz parte do Polo Turístico do Circuito das Frutas juntamente com mais oito municípios: Indaiatuba, Itatiba, Itupeva, Jundiaí, Louveira, Morungaba, Valinhos e Vinhedo.

Na cidade, encontra-se a fábrica de automóveis fora de série Chamonix, que produz réplicas de modelos antigos da marca alemã Porsche.

Produção: morangos, poncãs, laranjas, pêssegos, ameixas e uvas, além de vinho e cachaça artesanais.

Transporte Público[editar | editar código-fonte]

O município conta com um sistema de transporte municipal interligando o centro aos demais bairros urbanos e rurais, operado pela Rápido Fênix Viação.

Transporte Intermunicipal[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Estimativa populacional 2021 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de agosto de 2021. Consultado em 30 de agosto de 2021 
  3. «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome IBGE_Pop_2019
  5. «Alckmin lança Câmara de Desenvolvimento Metropolitano». SP Notícias - Governo do Estado de São Paulo. 30 de março de 2011. Consultado em 2 de abril de 2011 
  6. «Antonio Pedroso de Barros». www.projetocompartilhar.org. Consultado em 12 de dezembro de 2022 
  7. «Lei n° 3, de 05/02/1842». www.al.sp.gov.br. Consultado em 12 de dezembro de 2022 
  8. www.al.sp.gov.br https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1911/lei-1257-29.09.1911.html. Consultado em 12 de dezembro de 2022  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  9. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  10. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  11. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]