Vinhedo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Este artigo ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2011). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Nota: Se procura pelo terreiro onde são plantadas videiras, consulte Vinha.
Município de Vinhedo
"Cidade da Uva"
Bandeira de Vinhedo
Brasão de Vinhedo
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 02/04/1949
Fundação 31 de outubro de 1908 (109 anos)
Emancipação 2 de abril de 1949 (69 anos)
Gentílico vinhedense
Lema "PRO BRASILIA ET SANCTO PAULO"

Pelo Brasil e por São Paulo

Padroeiro(a) Sant'Ana
CEP 13280-000 até 13289-999
Prefeito(a) Jaime César da Cruz (PSDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Vinhedo
Localização de Vinhedo em São Paulo
Vinhedo está localizado em: Brasil
Vinhedo
Localização de Vinhedo no Brasil
23° 01' 48" S 46° 58' 30" O23° 01' 48" S 46° 58' 30" O
Unidade federativa  São Paulo
Região
intermediária

Campinas

Região
imediata

Campinas

Região metropolitana Região Metropolitana de Campinas
Municípios limítrofes Itupeva, Itatiba, Valinhos, Louveira, Jundiaí
Distância até a capital 75 km[1]
Características geográficas
Área 81,742 km² [2]
População 72 550 hab. IBGE/2015[3]
Densidade 887,55 hab./km²
Altitude 725 m
Clima tropical de altitude
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,817 (SP: 6°) – muito elevado PNUD/2010[4]
PIB R$ 7 306 490,00 mil IBGE/2014[5]
PIB per capita R$ 102 594,74 IBGE/2014[5]
Página oficial
Prefeitura www.vinhedo.sp.gov.br
Câmara www.camaravinhedo.sp.gov.br

Vinhedo é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo. Localiza-se na micro e mesorregião de Campinas, a 75 quilômetros da capital paulista. Com uma população de 72 550 habitantes segundo o censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2015, destaca-se por ser um dos municípios com maior Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do país.

História[editar | editar código-fonte]

A região do planalto paulista era habitada por diversos grupos indígenas, alguns, provenientes do litoral, que buscavam refúgio das guerras e da escravidão movidas pelos colonizadores ibéricos. Outros, como grupos de Tupi-Guaranys e Jês (como os Kaigang e os Kayapó meridionais), moravam na região desde antes da colonização.

Com a chegada de europeus ao continente sul-americano, a região foi percorrida pelas Bandeiras, que ocupavam terras consideradas inexploradas e caçavam índios para trabalho escravo, bem como buscavam recursos naturais como madeiras nobres, ouro e pedras preciosas, durante o século XVII. Para isso, as tribos indígenas foram dizimadas ou expulsas da região. Escravos africanos foram introduzidos para ajudar forçadamente nas Bandeiras ou trabalhar nas recém-criadas lavouras de subsistência que iam se formando no caminho para Goyáz.

No fim do século XIX fazendas cafeicultoras instalam-se na região norte do município de Jundiaí – muitas delas aproveitando antigas fazendas que desde o século XVIII produziam açúcar e aguardente. Todo o trabalho era realizado por escravos negros. Trabalhadores brancos, principalmente imigrantes europeus patrocinados pelo governo e por fazendeiros, ocuparam as vagas deixadas pelos escravos após a abolição.

Intenso comércio entre a região cafeicultora e a capital paulista movimentava tropas de muares pela Estrada Velha de Campinas. Partindo de São Paulo rumo ao interior do Brasil, criaram-se grandes cidades a cada cerca de 50 quilômetros, e entre uma e outra, ás vezes, um ponto de parada temporária.

Entre Jundiaí e Campinas, criou-se naturalmente, em meados de 1620, um pouso de tropeiros e, para usufruto destes, uma pequena plantação de subsistência, uma “rocinha”. Uma das primeiras propriedades instaladas no local tornar-se-ia, mais tarde, a conhecida Fazenda Cachoeira[6], que acabaria por transformar uma senzala em Quilombo, décadas depois da escravidão.

Justamente no vale entre a Fazenda Cachoeira e a Estrada Velha de Campinas, já chamada popularmente de Estrada da Boiada, a Rocinha foi se tornando, a partir de 1840, uma pequena vila onde escravos negros beneficiavam café, que logo passaria a ser vendido para cidades próximas e, posteriormente, a capital paulista. Com a abolição, os ex-escravos negros foram libertados e, sem instrução educacional nem ofertas de trabalho livre, migraram para as Minas Gerais e a capital paulista. Poucos permaneceram na pequena vila que já tinha em sua população a presença de imigrantes portugueses, espanhóis, alemães, franceses, árabes, alguns norte-americanos e principalmente italianos. Rocinha passou à condição de Vila e Distrito de Paz pertencente a Jundiaí em 31 de Outubro de 1908, por lei promulgada pelo então Presidente do Estado de São Paulo, Dr. Albuquerque Lins.

Já nesta época, com a vinda de mais imigrantes italianos para suprir a falta de mão de obra, foi introduzida na então vila de Rocinha a cultura da uva como principal produto agrícola, posto que o preço do café da região sofrera sensível queda com a expansão da produção nas cidades do centro-oeste do estado de São Paulo e a construção da estrada de ferro da Companhia Mogiana, que fazia fácil ligação entre o norte do estado e o porto de Santos, tornando obsoleta a produção cafeeira da pequena rocinha.

A uva passa então a ser a base da economia local. Espalham-se por todo o distrito as plantações de uva para produção de vinhos, vinagres, doces e o que mais se pudesse explorar das videiras que preenchem a paisagem do lugar. Rocinha então deixa de ser conhecida apenas como posto de “paragem” e entra em franca ascensão econômica e política.

Um fato curioso ocorre em 1916: o proprietário de uma fazenda na Estrada da Boiada, cerca de dois quilômetros da estrada de ferro, contratou um trabalhador para que este ampliasse um poço para captação ou reserva de água, com aproximadamente 25 metros de profundidade.

Durante os trabalhos, um desmoronamento interno soterrou parcialmente o obreiro, que ficou preso no fundo da construção. Por cinco dias tentou-se o resgate, utilizando-se para isso todos os meios disponíveis na ocasião. O fato tomou dimensão, sendo amplamente noticiado na época. O homem não sobreviveu, e a história[7] ajudou na divulgação do nome do vilarejo.

Na década de 1920 começam a chegar as primeiras indústrias à região do distrito, como alternativa aos altos custos de instalação nos municípios de Jundiaí e Campinas. O distrito já não tinha mais aspectos de uma simples vila, e principiam os movimentos emancipatórios. Em 1948, um plebiscito oficializa a emancipação de Rocinha e seu desligamento da administração de Jundiaí. Em 2 de Abril de 1949 Rocinha torna-se município, sendo sugeridos para a nova cidade nomes como Parreiral, Videiral, Videiras, Vinhalândia e o escolhido, Vinhedo. Seus habitantes são chamados Vinhedenses.

A partir de 1950 começa a ser oficialmente realizada a Festa da Uva de Vinhedo, por iniciativa do Pe. Favorino Carlos Marrone (que anos mais tarde se tornou o Monsenhor, 1917-2009), pároco da Paróquia Sant'Ana, na região que hoje compreende o centro do município, junto à pequena capela dedicada à santa, sendo uma plataforma de divulgação do principal produto da cidade. A princípio, esta foi uma pequena celebração ao estilo das quermesses interioranas, mas hoje a festa tem números metropolitanos, tanto em custos aos cofres públicos como em geração de renda aos mesmos, além de habitualmente trazer nomes famosos da música para apresentações especiais, alavancar os lucros de uma parte do comércio local e proporcionar trabalho temporário, principalmente para os jovens da região. Desta festa os pontos positivos apontados por visitantes e moradores são o clima de "carnival" e feira agrícola; os shows de artistas famosos e de artistas populares da própria cidade e região; a oportunidade de conhecer uma das cidades tidas como mais ricas do país; e o comércio de artesanato, além de um pequeno e tradicional parque de diversões, sempre presente no evento. Os pontos negativos são uma certa decepção com os pontos turísticos da cidade; a superlotação da própria festa, realizada atualmente em recinto fechado, longe do centro da cidade; os altos preços cobrados pelos restaurantes e barracas de produtos locais; e o alto índice de furtos de automóveis nas imediações da festa.

Segundo Censo do IBGE de 2010, cerca de 58,26% das pessoas que hoje residem no município nasceram em outras cidades ou estados do país. Na ocasião do Censo, havia residentes no município apenas 1,23% de imigrantes. Cerca de 670 estrangeiros e outros 122 naturalizados. O mesmo Censo mostrou que aproximadamente 73,28% da população se declarava Branca, e 25,8% se declarava Negra, sendo 21,88% Parda, 3,8% Preta e 0,12% Indígena. Outros 0,8% se declaravam Orientais, e 0,12% se declarava Mestiça, de outras raças/cores ou não responderam. Segundo a mesma pesquisa, cerca de 11,4% da população tem 60 anos ou mais. Vinhedo tem cerca de 12.740 crianças com idades até 14 anos, cerca de 20% de sua população, e enfrenta déficit de vagas em creches e escolas públicas para essa faixa de idade. Aproximadamente 16% da população de Vinhedo tem algum tipo de limitação motora, sensorial ou mental. O sistema público de saúde do município também passa por reestruturação e possui pontos aprovados e reprovados por seus habitantes.

Em geral, a cidade oferece boa qualidade de vida, enquanto por outro lado, o custo de vida seja considerado alto. Ao lado das vizinhas Valinhos e Louveira, Vinhedo é conhecida pelo grande número de condomínios com residências de alto padrão. Também é notório o sistema de vigilância monitorada em diversos pontos da cidade, o que ajuda a manter estáveis os índices de violência e criminalidade na cidade, que tendem a subir concomitante divulgam-se os dados da economia local. Devido às constantes reportagens sobre a estrutura e qualidade de vida do município (com um dos maiores IDHs do país), um grande número de pessoas vem à cidade em busca de melhores condições de vida.

Geografia e Demografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 23º01'47" sul e a uma longitude 46º58'31" oeste, estando a uma altitude de 725 metros. Sua população estimada em 2010 era de 63.685 habitantes, das quais 61.688 vivem na área urbana e 1.997 na área rural. São 43.804 eleitores e 94 seções eleitorais. A área do município é de 81,956 km².

Geografia[editar | editar código-fonte]

Ecologia e meio ambiente[editar | editar código-fonte]

A maior parte da vegetação original que tinha na cidade, a Mata Atlântica, foi devastada. Assim como outros 13 municípios da Região Metropolitana de Campinas, o município sofre severa tensão ambiental. Vinhedo, juntamente com Campinas e Artur Nogueira, é considerada uma das áreas mais sujeitas a inundações e assoreamento e responde por menos de 5% da cobertura vegetal.

Para tentar reverter esse quadro, vários projetos foram e estão sendo realizados e planejados, como a construção de corredores ecológicos. Há também vários projetos ambientais para combater a destruição das matas ciliares localizadas às margens dos rios Cachoeira, Capivari e Pinheirinho, que apresentam alto índice de poluição de suas águas. Atualmente, é importante preservar o Parque Municipal Jayme Ferragut, em Vinhedo. O parque tem uma área de 877 m², sendo um dos principais parques da RMC.[8]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Vinhedo é considerado tropical em altitude (do tipo Cwa) na classificação climática de Köppen-Geiger, segundo o Centro de Meteorologia e Climatização Aplicada à Agricultura (CEPAGRI) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Com a diminuição das chuvas no inverno e temperatura média anual de 18,0 ºC, com invernos secos e amenos e verões chuvosos com temperaturas moderadamente altas. O mês mais quente, janeiro, tem uma temperatura média de 21,6 ° C, e a mais fria, julho, de 15,2 ° C. O outono e a primavera são estações de transição. A precipitação média é de aproximadamente 1.404 milímetros (mm) anuais, concentrada entre outubro e março, sendo janeiro o mês de maior precipitação (191 mm). As precipitações ocorrem principalmente na forma de chuva e, às vezes de granizo, podendo ser de intensidade intensa e ainda acompanhadas de raios e trovoadas. A umidade do ar é relativamente alta, com médias mensais entre 60% e 80%, com uma média anual de 71%, podendo ficar abaixo de 30%, principalmente no período da tarde, durante o inverno, o que contribui para o aumento de queimados nas colinas e arbustos, principalmente na área rural, bem como pelo desmatamento e liberação de poluentes na atmosfera, prejudicando ainda mais a qualidade do ar.[9]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), para o período de 1961 a 1967 (até 31 e agosto) e 1971 a 1981 (até 31 de março) a temperatura mais baixa registrada em Vinhedo foi de 0,6 ° C em agosto de 1965 e julho 18, 1975, e a mais alta alcançou 37,7 ° C em 21 de setembro de 1961. A maior precipitação acumulada em 24 horas foi de 106,1 mm em 22 de outubro de 1963. A menor umidade do ar foi de 15% em 9 de setembro de 1963.[10]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Composição etnica[editar | editar código-fonte]

Segundo o Censo 2010 do IBGE, cerca de 58,26% das pessoas que hoje residem no município nasceram em outras cidades ou estados do país. Na época do Censo, havia apenas 1,23% de moradores do município. Cerca de 670 estrangeiros e outros 122 naturalizados. O mesmo censo mostrou que aproximadamente 73,28% da população se declararam brancos e 25,8% declararam negros, 21,88% pardos, 3,8% negros e 0,12% indígenas. Outros 0,8% declararam-se orientais e 0,12% declararam-se mestiços, de outras raças / cores, ou não responderam. Segundo a mesma pesquisa, cerca de 11,4% da população tem 60 anos ou mais. Aproximadamente 16% da população de Vinhedo possui algum tipo de limitação motora, sensorial ou mental. O sistema público de saúde do município também passa por reestruturação e possui pontos aprovados e reprovados por seus habitantes.[11]

Religião[editar | editar código-fonte]

Catolicismo[editar | editar código-fonte]

Vinhedo pertence à Arquidiocese de Campinas. A cidade possui 4 paróquias, nomeadamente a freguesia de Sant'Ana (Centro), a freguesia de São Sebastião (Bairro Nova Vinhedo), a freguesia de Nossa Senhora de Lourdes (Bairro Capela) e a freguesia de São Francisco de Assis (Vila João XXIII).[12]

Espiritismo[editar | editar código-fonte]

Vinhedo possui seis núcleos de espiritismo, entre os quais todos os fiéis da referida religião, o centro espírita mais conhecido do município, é o Centro Espírita "Paulo de Tarso", Casa de Oração "Caminho das Flores e da Luz", Centro Espírita " Allan Kardec ", Centro Espírita" Batuíra de Vinhedo ", Fraternidade" Luís Sérgio ", Grupo Espírita" Amor e Luz ".[13]

Cultura[editar | editar código-fonte]

O responsável pelo setor cultural de Vinhedo é a Secretaria Municipal de Cultura, que visa planejar e implementar a política cultural do município por meio do desenvolvimento de programas, projetos e atividades voltadas ao desenvolvimento cultural. A cidade é um dos centros culturais do Estado de São Paulo. Vineyard tem uma casa de teatro, centros culturais, grupos de corais, biblioteca municipal, galerias de arte, museu, entre outros.[14]

Festa da Uva[editar | editar código-fonte]

O evento começou antes mesmo da emancipação do município, por volta de 1948, quando os agricultores se reuniram para celebrar a colheita das frutas ao som da música e muita alegria. Foi um momento mágico, quando os produtores celebraram com a comunidade local o fruto do seu trabalho.

Oficialmente, a primeira Festa da Uva aconteceu na Piazza Sant'Anna em 1948. Com o avanço dos tempos e também com a prosperidade da cidade, a Festa da Uva - como não poderia deixar de ser - aumentou suas proporções. Em 2009, a Festa da Uva completou a Festa do Vinho, que em 2016 estará em sua 7ª edição e que foi incorporada ao calendário de eventos para também valorizar o cultivo e a produção de suco e vinho das famílias Vinhedo.[15]

Atualmente, as festividades acontecem no Parque Municipal Jayme Ferragut e recebem milhares de pessoas, tanto locais como turistas. Tem inúmeras atrações, incluindo exposição e venda de frutas, premiado leilão de frutas, artesanato, parque de diversões, grandes shows com artistas de renome nacional, apresentações de dança, bandas regionais em vários estilos musicais, performances variadas, praça de alimentação, desfile de cavaleiros, passeio de motociclistas, entre outras atividades.

Os eventos também elegem anualmente seus promotores. Mulheres de 18 a 35 anos, que sonham em representar Vinhedo durante essas duas festividades, as mais tradicionais da cidade, podem candidatar-se à função.[16]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Vista da Montanha Russa Montezum do Parque Temático Hopi Hari, em Vinhedo.
  • Parque Temático Hopi Hari, na Rodovia dos Bandeirantes (acesso somente por Jundiaí ou Campinas).
  • Igreja Matriz de Sant'Ana, no centro da cidade.
  • Avenida Apparecida Tellau Seraphim, acesso pela Rodovia Anhanguera, Km 78.
  • Parque Municipal Jayme Ferragut, local da Festa da Uva, do Parque Aquático Municipal e da sede do Grupo Escoteiro Vinhedo.
  • Portal do Imigrante, com Monumento ao Imigrante e Memorial do Imigrante, no Jardim Itália.
  • Centro Cultural Engº Güerino Mário Pescarini e Teatro Sylvia Alencar Matheus, no centro da cidade.
  • Estação Ferroviária de Cargas e Passageiros[17] (desativada, tem prédio histórico atualmente abandonado), no centro da cidade.
  • Represa João Gasparini.
  • Fazenda Cachoeira e Quilombo remanescente (patrimônio abandonado).[18]
  • Cristo Redentor e novo Portal de acesso à cidade de Itatiba.
  • Mosteiro de São Bento em Vinhedo.
  • Casa de Retiro Siloé.
  • Observatório Abrahão de Moraes (mantido pela USP, pertence ao município de Valinhos, acesso somente sob agendamento prévio).[19]
  • Bosque Municipal José Carlos Giunco (desativado, possuía área verde nativa, trilhas, área para piqueniques, mini zoológico e cachoeira).
  • Praça do Aquário, no bairro residencial Aquário.
  • Igreja de São Sebastião, no bairro Nova Vinhedo.[20]
  • Igreja de São Cristóvão do Bairro Pinheirinho
  • Adega Ferragut (vinho artesanal, suco de uva, frutas da época, visita monitorada à plantação de uva e produção de vinho e suco).

Educação[editar | editar código-fonte]

O português é a língua nacional oficial e, portanto, a principal língua ensinada nas escolas. Mas o inglês e o espanhol fazem parte do currículo oficial do ensino médio. Vinhedo tem cerca de 12.740 crianças de até 14 anos, cerca de 20% de sua população, e enfrenta escassez de vagas em creches e escolas públicas para essa faixa etária.[21]

Em 2015, os alunos dos anos iniciais da rede pública da cidade tinham uma nota média de 6,6 no IDEB. Para os alunos nos anos finais, essa nota foi de 5,2. Na comparação com cidades do mesmo estado, a nota dos alunos dos anos iniciais situou esta cidade na posição 127 de 645. Considerando a nota dos alunos dos anos finais, a posição passou para 123 de 645. A taxa de a escolaridade (de 6 a 14 anos) foi de 97,5 em 2010. Posicionou o município na posição 446 de 645 entre as cidades do estado e na posição 2904 de 5570 entre as cidades do Brasil.[22]

Centros de Educação Infantil (CEIs)[editar | editar código-fonte]

  • CEI. Branca de Neve
  • CEI. Chapeuzinho Vermelho
  • CEI. Cuca
  • CEI. Emília
  • CEI. Grilo Falante
  • CEI. Mágico de Oz
  • CEI. Marquês de Rabicó
  • CEI. Monteiro Lobato
  • CEI. Narizinho
  • CEI. Pequeno Príncipe (Complexo Educacional Norberto Elias)
  • CEI. Pequeno Polegar
  • CEI. Peter Pan
  • CEI. Saci-Pererê
  • CEI. Sítio do Pica-Pau Amarelo
  • CEI. Tia Anastácia
  • CEI. Tio Barnabé
  • CEI. Turma da Mônica
  • CEI. Vila Sésamo
  • CEI. Visconde de Sabugosa
  • CEI. Pedrinho

(Fonte: Prefeitura Municipal de Vinhedo)

Escolas Municipais (EM)[editar | editar código-fonte]

'Do 1º ao 9º ano do ensino fundamental'

  • EM. Abel Maria Torres
  • EM. Centro Integrado de Cidadania (CIC) Eduardo Von Zuben
  • EM. Dom Mathias
  • EM. Dr. Abrahão Aun
  • EM. Jair Mendes de Barros
  • EM. Dra. Nilza Maria Carbonari Ferragut (Complexo Educacional Norberto Elias)
  • EM. Integração
  • EM. Professora Antônia do Canto e Silva Cordeiro
  • EM. Professora Darci Ana Dêgelo
  • EM. Professora Maria de Lourdes Von Zuben
  • EM. Professora Magdalena Lébeis
  • EM. Professor André Franco Montoro
  • EM. Professor Cláudio Gomes
  • EM. Professor Ricardo Junco Neto

(Fonte: Prefeitura Municipal de Vinhedo)

Escolas Estaduais (EE)[editar | editar código-fonte]

Embora não façam parte da Rede Municipal de Educação e estejam diretamente ligadas ao governo estadual, as escolas abaixo mencionadas estão localizadas no município.

  • EE. Israel Schoba
  • EE. Profª Maria do Carmo Ricci Von Zuben
  • EE. Patriarca da Independência

(Fonte: Governo do Estado de São Paulo)

Esportes[editar | editar código-fonte]

Vinhedo abriga clubes de futebol conhecidos regionalmente, que são em grande parte equipes de armadores. Está presente nos clubes de voleibol, rúgbi entre outros. O Município de Vinhedo, juntamente com o Governo do Estado de São Paulo, vem investindo para que toda a população tenha acesso ao esporte, oferecendo academias ao ar livre. Esse investimento tem atraído mais investimentos para o município e, assim, despertando o interesse dos moradores com a prática do esporte.[23]

Governo[editar | editar código-fonte]

A administração municipal é dada pelos poderes executivo e legislativo. O poder executivo é exercido pelo prefeito, auxiliado por seu gabinete de secretários e eleito por voto direto para um mandato de quatro anos. Vinhedo teve como primeiro prefeito Abrahão Aun, que permaneceu no cargo entre 1949 e 1953. O atual prefeito é Jaime César da Cruz, vice-prefeito que foi empossado após a destituição do ex-presidente Milton Álvaro Serafim e eleito na primeira rodada do mandato. Eleições de 2016, com Claudineia Vendemiatti Serafim, ambas do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). O poder legislativo é representado pelo conselho municipal, composto por 16 conselheiros.[24]

Rodovias e Transporte[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Principais ruas e avenidas[editar | editar código-fonte]

  • Avenida Independência (principal via da cidade, proporcionando acesso às diversas regiões e bairros do município).
  • Estrada da Boiada (estrada por onde chegaram os bandeirantes a Vinhedo, além de ter sido anteriormente utilizada para transporte de gado. Atualmente, dá acesso à saída Norte da cidade em direção ao município de Valinhos).
  • Rua Nove de Julho (principal via do centro comercial da cidade).
  • Avenida Apparecida Tellau Seraphim e Avenida dos Imigrantes (Dá acesso ao portal da cidade e alguns dos principais condomínios do município).
  • Rua Humberto Pescarini (rua onde está localizada a Prefeitura Municipal e a Igreja Matriz de Sant'Ana).
  • Rua Manoel Matheus (rua que proporciona acesso às diversas regiões e bairros do município).
  • Avenida Presidente Castelo Branco (via que liga a cidade de Vinhedo a Valinhos).
  • Estrada da Capela (via que liga a cidade à região Oeste, a mais populosa do município).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Lista de prefeitos de Vinhedo

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/ranking/
  2. http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/vinhedo_sp
  3. http://www.vinhedo.sp.gov.br/noticia.php?id=9038
  4. http://www.vinhedo.sp.gov.br/interna.php?id=103
  5. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6093.htm
  6. http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=355670
  7. http://www.vinhedo.sp.gov.br/noticia.php?id=9566

Referências

  1. «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 28 de janeiro de 2011. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  3. «Censo Populacional 2015». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de agosto de 2015. Consultado em 15 de outubro de 2015. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 12 jun. 2017. 
  6. http://correio.rac.com.br/_conteudo/2015/02/ig_paulista/243483-ltima-quilombola-de-vinhedo-e-derrubada.html
  7. http://www.fn10.com.br/vinhedo-o-que-aconteceu-com-o-homem-do-poco/
  8. «Pontos Turísticos». www.camaravinhedo.sp.gov.br. Consultado em 7 de julho de 2018. 
  9. «Clima em Vinhedo». Meteo Blue. 1 de fevereiro de 2017. Consultado em 5 de março de 2018. 
  10. «Clima característico em Vinhedo, Brasil durante o ano - Weather Spark». pt.weatherspark.com. Consultado em 7 de julho de 2018. 
  11. «População étnica de Vinhedo». População Net. 1 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de março de 2018. 
  12. Carlos, João (3 de março de 2016). «Turismo Religioso de Vinhedo». Consultado em 3 de março de 2017. 
  13. Tarso, Centro Espírita - Paulo de. «Centro Espírita - Paulo de Tarso». Centro Espírita - Paulo de Tarso 
  14. «Cultura e Turismo». 1 de janeiro de 2018. Consultado em 6 de maio de 2018. 
  15. «Oficialização do evento» (PDF). 23 de janeiro de 208. Consultado em 6 de junho de 2018.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  16. «Festa da Uva e do Vinho». Secretária de Cultura e Turismo de Vinhedo. 2 de fevereiro de 2018. Consultado em 3 de junho de 2018. 
  17. https://sinfer.wordpress.com/2015/04/05/antiga-estacao-ferroviaria-de-vinhedo-vai-abrigar-centro-cultural/
  18. http://portal.folhanoticias.com.br/noticia.php?id=9368
  19. http://www.usp.br/mapas/materia01.html
  20. http://arquidiocesecampinas.com/local/paroquia-sao-sebastiao-2
  21. «IBGE - Vinhedo». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 1 de outubro de 2015. Consultado em 5 de julho de 2018. 
  22. Lorezon, Gilberto (1 de janeiro de 2013). «Unidades da Rede Municipal de Ensino». Prefeitura Municipal de Vinhedo. Consultado em 6 de julho de 2018. 
  23. «Secretaria de Esporte da Prefeitura define formato do Futebol Amador 2017». Prefeitura de Vinhedo. 26 de janeiro de 2017. Consultado em 6 de junho de 2018. 
  24. Municipal, Acessoria (1 de janeiro de 2018). «Histórico da Cidade». Prefeitura de Vinhedo. Consultado em 6 de julho de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]