Haroldo Corrêa de Mattos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Haroldo Corrêa de Mattos
Nascimento 10 de fevereiro de 1923
Morte 15 de junho de 1994 (71 anos)
Cidadania Brasil
Ocupação político

Haroldo Corrêa de Mattos (Engenheiro Paulo de Frontin, 10 de fevereiro de 1923 - Rio de Janeiro, 15 de junho de 1994) foi um militar e político brasileiro.

Foi ministro das Comunicações no governo João Figueiredo, de 15 de março de 1979 a 15 de março de 1985.

No período em que foi ministro, houve a mudança de concessões das redes Tupi e Excelsior (que fechou em 1970), para as redes Manchete e TVS, atuais RedeTV! e SBT.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Haroldo Correia de Matos era filho de Bernardino Correia de Matos e de Araci Tofani de Matos.

Estudou no Colégio Militar do Rio de Janeiro e a Escola Militar do Realengo, formando-se engenheiro eletricista em 1951 pela Escola Técnica do Exército, atual Instituto Militar de Engenharia (IME).

Foi diretor da Empresa Brasileira de Telecomunicações (Embratel), de 1965 a 1967. Presidiu a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), de 1969 a 1974, quando a empresa passou por um processo de modernização.

Durante a sua gestão no ministério, em julho de 1980, o governo federal extinguiu a concessão de sete emissoras da Rede Associada (TVs Tupi de São Paulo e do Rio; Itacolomi, de Belo Horizonte; Piratini, de Porto Alegre; Marajoara, de Belém; Rádio Clube, do Recife, e Rádio Ceará, de Fortaleza).

Morreu no Rio de Janeiro no dia 15 de junho de 1994. Era casado com Zaira Correia de Matos, com quem teve dois filhos.[1]

Referências

  1. CPDOC-FGV (2009). «MATOS, Haroldo Correia de». FGV. Consultado em 3 de outubro de 2019 


Precedido por
Euclides Quandt de Oliveira
Ministro das Comunicações do Brasil
1979 — 1985
Sucedido por
Antônio Carlos Magalhães


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.