Juscelino Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Juscelino Filho
Deputado federal pelo  Maranhão
Período 1 de fevereiro de 2015
até atualidade
Dados pessoais
Nascimento 6 de novembro de 1984 (36 anos)
São Luís, MA
Progenitores Pai: Juscelino Rezende
Partido PSDB (1997-2000)
PFL (2000-2007)
DEM (2007-2013)
PRP (2013-2016)
PMB (2015-2016)
DEM (2016-presente)
Profissão Médico

José Juscelino dos Santos Rezende Filho (São Luís, 6 de novembro de 1984) é um médico e político brasileiro, filiado ao Democratas (DEM). É filho do ex-deputado estadual, Juscelino Rezende e sobrinho da prefeita Vianey Bringel (DEM).[1]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Em 2010, acompanhou e apoiou Vianey Bringel para deputada estadual e Roseana Sarney para governadora na coligação "O Maranhão não pode parar". Para presidência da República, Juscelino apoiou José Serra.

Em 2013, Juscelino Filho se filiou ao Partido Republicano Progressista (PRP).

Em 2014, Juscelino Filho foi eleito deputado federal, sendo o mais votado em Santa Inês. Apoiou Lobão Filho e Aécio Neves.

Em 2016, Juscelino Filho se filiou ao Democratas, sendo o presidente do Diretório Estadual do partido no Maranhão.

Em 17 de abril de 2016, votou a favor do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.[2] Posteriormente, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[2] Em abril de 2017 votou a favor da Reforma Trabalhista.[2] [3] Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então Presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[2][4]

Referências

  1. Biografia de Juscelino Rezende (DEM)
  2. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  3. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  4. Deutsche Welle (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Carta Capital. Consultado em 18 de setembro de 2017