Partido Liberal (2006)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para o partido político brasileiro do período imperial, veja Partido Liberal (1831). Para o partido político brasileiro, fundado por Alvaro Valle, existente no período 1985-2006, veja Partido Liberal (1985).
Partido Liberal
Número eleitoral 22
Presidente Valdemar Costa Neto[1]
Vice-presidente André do Prado[1]
Secretária-geral Mariucia Tozatti[1]
Primeiro-tesoureiro Jucivaldo Salazar[1]
Fundação 26 de outubro de 2006 (14 anos)[2]
Registro 19 de dezembro de 2006 (14 anos)[3]
Sede Brasília, DF
Ideologia Conservadorismo social
Liberalismo econômico[4]
Republicanismo[4]
Nacionalismo[4]
Espectro político Centro-direita á Direita[5][6]
Think tank Instituto Fundação Alvaro Valle[7]
Ala feminina PL Mulher
Antecessor Fusão entre PRONA e PL
Membros (2021) 774.122 filiados[8]
Governadores (2021)
1 / 27
Prefeitos (2020)[9]
346 / 5 568
Senadores (2021)
4 / 81
Deputados federais (2021)[10]
42 / 513
Deputados estaduais (2021)
50 / 1 024
Vereadores (2020)[11]
3 467 / 56 810
Cores      Azul
     Vermelho
Página oficial
pl22.com.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

O Partido Liberal (PL), anteriormente conhecido como Partido da República (PR),[12] é um partido político brasileiro de direita[5] fundado e registrado oficialmente em 2006.[2][3] Atualmente detém a terceira maior bancada na câmara dos deputados, atrás apenas do PSL e do PT.[10] Como membro do chamado "Centrão", o partido é base de apoio do governo do presidente Jair Bolsonaro,[6] como também foi dos ex-presidentes Lula, Dilma Rousseff e Michel Temer.[13] Em fevereiro de 2021, o partido tinha 774.122 filiados, sendo o oitavo maior partido do país e o quarto maior no estado do Mato Grosso.[8]

História[editar | editar código-fonte]

Primeira logomarca do partido

O Partido da República uniu dois partidos: o Partido Liberal (PL) e o Partido de Reedificação da Ordem Nacional (PRONA), que se fundiriam para atingirem a cláusula de barreira (derrubada pelo Supremo Tribunal Federal, no final de 2006) e poderem gozar de todos os direitos que estariam reservados aos partidos que atingirem porcentagem de votos superior a 5% dos votos, até então exigida.[2]

Diagrama da origem histórica do partido
Partido Geral dos Trabalhadores
(PGT) 1995–2003
Partido Social Trabalhista
(PST) 1996–2003
Partido Liberal
(PL) 1985–2006
Partido de Reedificação da Ordem Nacional
(PRONA) 1989–2006
Partido da República
(PR) 2006–2019

Partido Liberal
(PL) 2019–presente
Fonte: Tribunal Superior Eleitoral[14][15][16]

Nas eleições de 2012, elegeu 3110 vereadores em todo o país,[17] e em 2014, elegeu 40 deputados federais.[18]

No dia 7 de maio de 2019, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou o Partido da República (PR) a mudar de nome, voltando a se chamar Partido Liberal (PL).[12]

Nas eleições de 2020, o partido elegeu 345 prefeituras e 3467 vereadores, sem eleger nenhum prefeito nas capitais.[9][11]

Organização[editar | editar código-fonte]

Parlamentares atuais[editar | editar código-fonte]

Senadores atuais (4)
UF Senador
e Legislaturas
Imagem
MT Wellington Fagundes
55ª, 56ª
Wellington Fagundes
RJ Carlos Portinho
56ª e 57ª
Carlos Portinho
RJ Romário
55ª, 56ª
Romário
SC Jorginho Mello
56ª e 57ª
Jorginho Mello
Observação: Carlos Portinho (RJ) foi candidato pelo PSD em 2018 e é suplente empossado. Romário (RJ) foi eleito pelo PSB em 2014.
Deputados federais atuais (42)[10]
UF Deputado(a) UF Deputado(a)
AL Sergio Toledo PI Capitão Fábio Abreu²
AM Marcelo Ramos PR Pastora Christiane Yared²
AP Vinícius Gurgel³ PR Fernando Giacobo
BA Pastor Abílio Santana* PR Luiz Nishimori³
BA João Carlos Bacelar RJ Altineu Côrtes²
BA José Rocha RJ Gelson Azevedo*
BA Raimundo Costa* RJ Luiz Antônio Corrêa*
CE Dr. Jaziel RJ Soraya Santos²
CE Gorete Pereira+⁴ RN João Maia
CE Júnior Mano* RR Édio Lopes²
DF Flávia Arruda RS Giovani Cherini³
GO Magda Mofatto³ SE Bosco Costa
MA Josimar de Maranhãozinho SE Valdevan Noventa*
MA Júnior Lourenço SP Capitão Augusto²
MA Pastor Gildenemyr* SP Luiz Carlos Motta
MG Aelton Freitas+⁴ SP Márcio Alvino²
MG Pastor Lincoln Portela SP Miguel Lombardi²
MG Zé Vitor* SP Pastor Paulo Freire Costa³
PA Cristiano Vale SP Policial Katia Sastre
PB Wellington Roberto SP Tiririca³
PE Fernando Rodolfo* TO Vicentinho Júnior²
Observações: Nomes marcados com o símbolo * foram eleitos por outros partidos. Nomes marcados com o símbolo + são suplentes em exercício ou efetivados. Os números (a partir de 2) indicam a quantidade de mandatos exercidos no cargo. Em 2018, o PL elegeu 33 deputados federais.[19] Sebastião Oliveira (PE) e Lauriete (ES) saíram do PL em novembro de 2019 e junho de 2020 respectivamente.
Deputados estaduais atuais (50)
UF Deputado(a) UF Deputado(a)
AC Pastor Wagner Felipe PI Coronel Carlos Augusto
AM Cabo Maciel³ PI Dr. Hélio²
AM Joana Darc Protetora PI Fábio Xavier²
AP Kaká Barbosa⁴ PR Delegado Jacovós
AP Luciana Gurgel² PR Gugu Bueno+
AP Paulinho Ramos RJ Pedro Brazão
AP Charly Jhone RN George Soares³
BA Vitor Bonfim² RN Kleber Rodrigues*
CE Doutora Silvana RN Ubaldo Fernandes*
DF Agaciel Maia³ RS Airton Lima
DF Daniel Donizet* RS Paparico Bacchi
ES Alexandre Xambinho* SC Ivan Naatz*
MA Detinha Lima SC Marcius Machado
MA Hélio Soares⁵ SC Maurício Eskudlark³
MA Leonardo Sá* SC Nilso Berlanda³
MA Vinícius Louro² SE Janier Mota
MG Gustavo Santana² SE Talysson de Valmir
MG Léo Portela² SP André do Prado³
MS João Henrique SP Delegada Graciela²
PA Alex Santiago² SP Dirceu Dalben
PA Antonio Tonheiro² SP Marcos Damásio²
PA José Maria Tapajós+ SP Rafa Zimbaldi*
PB Caio Roberto³ SP Ricardo Madalena²
PE Henrique Queiroz Filho SP Thiago Auricchio
PE Rogério Leão² TO Fabion Gomes⁴
Observações: Nomes marcados com o símbolo * foram eleitos por outros partidos. Nomes marcados com o símbolo + são suplentes em exercício ou efetivados. Os números (a partir de 2) indicam a quantidade de mandatos exercidos no cargo. Em 2018, o PL elegeu 43 deputados estaduais.[19] Marcel Micheletto (PR) assumiu a Secretaria Estadual de Administração em julho de 2020. Renato Ogawa (PA) tornou-se prefeito de Barcarena em janeiro de 2021.

Desempenho eleitoral[editar | editar código-fonte]

Bancada na Câmara dos Deputados[20]
Momento Bancada % ±
Criação[2]
25 / 513
4,87 Aumento 25
Eleição 2010
41 / 513
7,99 Aumento 16
Eleição 2014
34 / 513
6,62 Baixa 7
Eleição 2018
33 / 513
6,43 Baixa 1
Março/2021[10]
42 / 513
8,18 Aumento 9

Eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Imagem Candidato(a) a Presidente Candidato(a) a Vice-presidente Coligação Votos Posição
2010
Dilma Rousseff - foto oficial 2011-01-09 2 (cropped).jpg
Dilma Rousseff (PT) Michel Temer (PMDB) Para o Brasil Seguir Mudando
(PT, PMDB, PR, PSB, PDT, PCdoB, PSC, PRB, PTC e PTN)
55.752.529 (56,05%)
2014
Dilma Rousseff - foto oficial 2011-01-09 2 (cropped).jpg
Dilma Rousseff (PT) Michel Temer (PMDB) Com a Força do Povo
(PT, PMDB, PSD, PP, PR, PROS, PDT, PCdoB e PRB)
54.495.459 (51,64%)
2018
Geraldo Alckmin em agosto de 2017.jpg
Geraldo Alckmin (PSDB) Ana Amélia (PP) Para Unir o Brasil
(PSDB, PP, PTB, PSD, PRB, PR, DEM, Solidariedade e PPS)
5.096.350 (4,76%)

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou um dossiê em 4 de outubro de 2007, com os partidos com mais parlamentares cassados por corrupção desde 2000. O PL ocupa a sétima posição no ranking, com dezessete cassações, atrás do DEM, PMDB e PSDB, PP, PTB e PDT.[21] O Partido também recebeu doações de campanha de empreiteiras privilegiadas pela sua administração na pasta do Ministério dos Transportes.[22]

Referências

  1. a b c d Partido Liberal (9 de fevereiro de 2019). «Membros da Executiva Nacional». Consultado em 17 de março de 2021 
  2. a b c d Fundação Getúlio Vargas. «História do Partido da República (até 2014)». Consultado em 17 de março de 2021 
  3. a b TSE. «Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 17 de março de 2021 
  4. a b c Partido Liberal. «PL e PRONA promovem fusão». Consultado em 17 de março de 2021 
  5. a b Pindograma (8 de dezembro de 2020). «Partidos em números: PP e PL». Consultado em 17 de março de 2021 
  6. a b Congresso em Foco (3 de março de 2021). «Radar do Congresso: Governismo». Consultado em 17 de março de 2021 
  7. IFAV. «Instituto Fundação Alvaro Valle». Consultado em 17 de março de 2021 
  8. a b TSE. «Estatísticas do eleitorado – Eleitores filiados». Consultado em 17 de março de 2021 
  9. a b G1 (29 de novembro de 2020). «MDB encolhe, mas lidera ranking de prefeitos eleitos; PP e PSD crescem e ocupam 2ª e 3ª posições». Consultado em 17 de março de 2021 
  10. a b c d Câmara dos Deputados. «Bancada dos partidos». Consultado em 17 de março de 2021 
  11. a b G1 (17 de novembro de 2020). «DEM, PP e PSD aumentam número de vereadores no Brasil; MDB, PT, PSDB, PDT e PSB registram redução». Consultado em 17 de março de 2021 
  12. a b TSE (7 de maio de 2019). «Aprovada alteração do nome do Partido da República (PR) para Partido Liberal (PL)». Consultado em 17 de março de 2021 
  13. Estadão (20 de janeiro de 2020). «Basômetro: quanto apoio o governo tem na Câmara?». Consultado em 17 de março de 2021 
  14. TSE. «Histórico de partidos». Consultado em 26 de outubro de 2016 
  15. «Resolução n.º 21374/2003». www.tse.jus.br. Consultado em 26 de outubro de 2016 
  16. «Aprovada alteração do nome do Partido da República (PR) para Partido Liberal (PL)». www.tse.jus.br. Consultado em 8 de maio de 2019 
  17. «Vereadores Eleitos no País em 2012». G1 
  18. «Bancada da Eleição de 2014 para Deputado Federal (Titulares)». Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de fevereiro de 2015 
  19. a b EBC (28 de outubro de 2018). «Eleições 2018: Confira lista completa dos candidatos eleitos». Consultado em 17 de março de 2021 
  20. Bancada na Eleição Portal da Câmara dos Deputados. Acessado em 17 de março de 2021.
  21. «Desde 2000, 623 políticos foram cassados. DEM lidera ranking». O Globo. Consultado em 11 de julho de 2010 
  22. «Doadores do PR receberam R$ 1 bi via Transportes, diz jornal». Terra Networks. 6 de julho de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]