Partido Trabalhista Cristão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros usos, veja Partido Trabalhista.
Partido Trabalhista Cristão
Número eleitoral 36[1]
Presidente Daniel Tourinho[1]
Fundação 11 de julho de 1985[2]
Registro 22 de fevereiro de 1990 (31 anos)[1]
Sede Rio de Janeiro, RJ
Ideologia democracia cristã
Liberalismo conservador
Doutrina Social da Igreja
Espectro político Centro-direita
Think tank Instituto de Estudos Políticos São Paulo
Ala jovem PTC Jovem
Membros (2021) 188.635 filiados[3]
Governadores (2021)[4]
0 / 27
Prefeitos (2020)[5]
1 / 5 568
Senadores (2021)[6]
0 / 81
Deputados federais (2021)[7]
0 / 513
Deputados estaduais (2018)
12 / 1 024
Vereadores (2020)[8]
220 / 56 810
Cores      Azul
     Amarelo
     Branco
Página oficial
ptc36nacional.com.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

Partido Trabalhista Cristão (PTC) é um partido político brasileiro fundado em 1985 e registrado definitivamente em 1990.[1] Desde sua criação até 1989 foi denominado Partido da Juventude (PJ) e entre 1989 até 2000 chamou-se Partido da Reconstrução Nacional (PRN). Elegeu o primeiro presidente via eleições diretas após a redemocratização do país, Fernando Collor de Mello, que sofreu em 1992 um processo de impeachment. Em maio de 2021 possuía 188.635 filiados.[3] Em junho de 2021, anunciou que mudaria seu nome para Agir 36[9]. No entanto, a mudança ainda não foi aprovada pelo TSE.

História

Partido da Juventude (1985-1989)

O Partido da Juventude (PJ) foi um partido político brasileiro que deu origem ao Partido Trabalhista Cristão. Seu código eleitoral foi o 20, atualmente usado pelo PSC. Seu primeiro presidente nacional foi Daniel Tourinho,[10][11] ex-integrante do Partido Democrático Trabalhista (PDT).

Em 1986, o partido se coligou com candidatos do PDS, PDT e PMDB (João Castelo no Maranhão, Darcy Ribeiro no Rio de Janeiro, Fernando Collor em Alagoas, e vários).

Partido da Reconstrução Nacional (1989-2000)

Em 1989, com a entrada de dissidentes do PDS, PMDB e até do PSDB, o partido foi renomeado para PRN (Partido da Reconstrução Nacional) em 2 de fevereiro de 1989, também com Daniel Tourinho na presidência.

Em 1989, o partido lançou Fernando Collor de Mello como candidato à presidência, que foi eleito no segundo turno com 35.085.457 votos. No Congresso Nacional, o PRN possuía como seus mais destacados líderes o senador Ney Maranhão e o deputado (e futuro senador) Renan Calheiros, líder do governo na Câmara dos Deputados.

Simbolo do PRN.

Em 1990, o partido levou ao segundo turno cinco dos seus dez candidatos a governador, entretanto o curso da campanha foi adverso aos planos da legenda: em Minas Gerais, Hélio Costa (depois ministro das comunicações do Governo Lula) foi derrotado por Hélio Garcia, no Paraná, José Carlos Martinez (proprietário da Rede OM e futuro presidente do PTB) foi vencido por Roberto Requião e em Rondônia, Valdir Raupp (atualmente senador pelo PMDB) sucumbiu ao avanço de Osvaldo Piana. No Nordeste a derrota atingiu João Castelo e Renan Calheiros. Nos dois casos, o PRN iniciou a disputa como favorito, todavia o cenário foi paulatinamente revertido: no Maranhão, o apoio de José Sarney permite que Edison Lobão derrote João Castelo e em Alagoas uma dissensão partidária elegeu Geraldo Bulhões (que trocou o PRN pelo PSC no início do ano) em lugar de Renan Calheiros. Encerrada a campanha, Márcia Kubitschek foi eleita vice-governadora do Distrito Federal na chapa de Joaquim Roriz (então no também extinto PTR) e o partido elegeu dois senadores e quarenta deputados federais (metade oriunda do Paraná, São Paulo e Minas Gerais).

Embora nenhum de seus membros tenha sido nomeado para o ministério, o PRN integrou a base parlamentar de Fernando Collor ao lado do PFL e do PDS e elegeu noventa e oito prefeitos em 1992 ante as três conquistadas pelo Partido da Juventude em 1988. Entretanto, as acusações que pairavam sobre o Presidente da República e a posterior abertura do processo de impeachment tiveram um efeito devastador e a legenda faz apenas um deputado federal em 1994. Nas eleições presidenciais daquele ano, o candidato baiano Walter Queiroz foi expulso do partido durante a campanha, logo sendo substituído pelo gaúcho Carlos Antônio Gomes, o qual obteve 387.611 votos. Em 1998, ainda filiado ao partido, Collor tentou disputar a eleição presidencial daquele ano, mas teve sua candidatura negada pelo TSE, uma vez que sua inelegibilidade de 8 anos, depois que sofreu impeachment em 1992, não havia se encerrado.

No ano 2000, as lideranças do PRN deliberaram pela mudança de sigla e surgiu então o Partido Trabalhista Cristão. Porém, nesse período, Collor já não estava no partido, estabelecendo-se à época no PRTB.

Partido Trabalhista Cristão (2000-2021)

Ainda em 2000, o candidato do partido à prefeitura de São Paulo, Ciro Moura, chamou a atenção ao não mostrar o rosto em nenhum programa eleitoral. Nas eleições de 2002, apoia o ex-governador fluminense Anthony Garotinho, então no PSB, à Presidência da República. Em 2002 o mesmo Ciro Moura é lançado candidato para governador de São Paulo com a coligação "Bandeira Paulista" na qual foi formada pelo PTC junto ao PSC - com o ex-governador de São Paulo e o que viria a ser o futuro presidente da CBF José Maria Marin - , PRP e PTdoB (atual Avante).

O PTC costuma abrigar em seus quadros alguns artistas que tentam se candidatar: o cineasta José Mojica Marins, o "Zé do Caixão", tentou candidatar-se a vereador na cidade de São Paulo, sem muito sucesso. Em 2006, o estilista e apresentador de TV Clodovil Hernandes (falecido em 2009, quando já era filiado ao PR) conquistou uma vaga na Câmara dos Deputados, também pelo estado de São Paulo, ao obter uma votação expressiva para o cargo – a terceira maior em todo o país. Com sua morte, em março de 2009, o coronel da Policia Militar Paes de Lira, que houvera recebido pouco mais de seis mil votos, assumiu a vaga. No mesmo ano, Éder Xavier foi o candidato ao governo de São Paulo, tendo recebido votação pouco expressiva.

Nas eleições de 2008, o PTC lança Ciro Moura como candidato a prefeito da cidade de São Paulo. O partido chega a lançar um candidato monarquista, Jean Tamazato, citado pela jornalista Sônia Racy, do Estadão. Além deles, Havanir Nimtz (ex-PRONA), o empresário Oscar Maroni, Osmar "Peroba" Lins (ex-presidente do extinto PAN) e outros quase 60 candidatos compuseram a chapa. Nenhum candidato do PTC conseguiu se eleger.

Em 2010, forma com o PP a coligação "Em Defesa do Cidadão" e apoia a candidatura de Celso Russomanno ao governo de SP, lançando Ciro Moura como candidato ao senado, tendo este ficado em sétimo lugar, com 275.664 votos (0,79% das intenções de voto). Entre os candidatos a deputado federal e estadual, destacou-se o estilista Ronaldo Ésper, que não conseguiu repetir o desempenho de Clodovil Hernandes em 2006, tendo votação pouco expressiva para a Câmara dos Deputados.

Em 2012, o PTC sobe de 13 para 19 prefeitos, com destaque para a vitória em São Luís, com Edivaldo Holanda Junior (na qual pela primeira vez o partido conquista a prefeitura de uma das principais metrópoles do país e capital do estado maranhense). Em 2016, recebe a filiação do ex-presidente e atual Senador pelo estado de Alagoas, Fernando Collor de Mello (hoje filiado ao PROS, após sua desfiliação ao PTB.

Em 2018, o partido desistiu de lançar o ex-presidente Collor para a eleição presidencial apoiando o senador pelo Paraná Álvaro Dias do Podemos. Elegeu 2 deputados federais - Benes Leocádio (atualmente no Republicanos), pelo Rio Grande do Norte e Marina Santos pelo Piauí (atualmente no Soliedariedade), e 12 deputados estaduais, mas perdeu boa parte dos parlamentares, ao não lograr alcançar 1,5% na cláusula de desempenho.

Nas eleições municipais de 2020, o partido elegeu apenas um prefeito, no município de Pratinha (em Minas Gerais),[5] além de 220 vereadores pelo país, tendo um resultado pior que em 2016.[8] Ao ter recebido apenas 0,20% dos votos válidos para prefeitos no primeiro turno, o PTC ficou entre os partidos que podem tender a não atingir os 2,0% de votos válidos para deputados federais em 2022, esbarrando na segunda etapa da cláusula de barreira.[12]

Agir 36

A primeira logomarca do partido, com a denominação Agir apresentada na reunião Nacional, em 2021. Não chegou a ser utilizada, já que houve acusões de plágio, sendo mudada semanas depois

Entre os dias 20 e 24 de maio do ano de 2021, ocorreu o encontro nacional do partido e nele foi debatido temas adversos e um deles foi a apresentação do novo nome do partido, o principal motivo para mudança do nome do partido são para as eleições de 2022, em que o partido pretende flechar novas conquistas. Também na mesma reunião foi selecionado o novo slogan do partido, que é o É Tempo de Agir!, agora o partido fica no aguardo da aprovação do TSE.[13][14]

Nova logomarca do partido, apresentada após boatos de plágio

Quase um mês após a reunião do partido, onde foi apresentado o novo nome e a logo do partido, houve especulações e acusações que a nova logo do partido foi acusada de plágio, pelo Movimento Agora, por conta da logo apresentada ser bastante similar ao do movimento citado, como as fonte de escritas e da coloraçao da logo. Poucos dias após a polêmica, o Agir apresentou sua nova logo, com as colorações azul, verde e laranja.[15][16]

Organização

Desempenho eleitoral

Câmara dos Deputados[17]
Legislatura Bancada % ±
49ª (1991–1995)
0 / 503
0,00 Estável 0
50ª (1995–1999)
0 / 513
0,00 Estável 0
51ª (1999–2003)
0 / 513
0,00 Estável 0
52ª (2003–2007)
0 / 513
0,00 Estável 0
53ª (2007–2011)
3 / 513
0,58 Aumento 3
54ª (2011–2015)
1 / 513
0,19 Baixa 2
55ª (2015–2019)
2 / 513
0,38 Aumento 1
56ª (2019–2023)
2 / 513
0,38 Estável 0

Os números das bancadas representam o início de cada legislatura, desconsiderando, por exemplo, parlamentares que tenham mudado de partido posteriormente.

Eleições estaduais

Participação e desempenho do PTC nas eleições estaduais de 2018[18]
  Candidatos majoritários eleitos (12 governadores e 21 senadores).
Em negrito estão os candidatos filiados ao PTC durante a eleição.
Os cargos obtidos na Câmara Federal e nas Assembleias Legislativas são referentes às coligações proporcionais que o PTC compôs.
Tais coligações não são necessariamente iguais às coligações majoritárias e geralmente são menores.
Não estão listados os futuros suplentes empossados.
UF Candidatos(as) a Governador(a) e a Vice Candidatos(as) a Senadores(as) Coligação majoritária
(governo e senado)
Deputados(as) federais eleitos(as) — 46 Deputados(as) estaduais eleitos(as) — 90
AC Gladson Cameli (PP) Sérgio Petecão (PSD) PTC / PP / PSDB / PSD / MDB / PR / PPS / PMN / SD / PTB 2 MDB, 1 PSDB, 1 DEM, 1 SD 3 PP, 1 PR
Major Rocha (PSDB) Márcio Bittar (MDB)
AL Pinto de Luna (PROS) Rodrigo Cunha (PSDB) PTC / PROS / PSDB / PP / PSB / PSC / REDE / DEM / PRB 1 PSB, 1 PP, 1 PRB, 1 PSDB 4 PP, 2 PSDB, 1 DEM, 1 PROS
Jorge VI (PSDB) Benedito de Lira (PP)
AM Omar Aziz (PSD) Plínio Valério (PSDB) PTC / PSD / PSDB / PRB / DEM / Patriota 2 PRB, 1 PSD 1 PSDB
Arthur Bisneto (PSDB)
AP Waldez Góes (PDT) Lucas Barreto (PTB) PTC / PDT / PTB / PROS, / MDB / DC / PRB / PCdoB / PRP / PMB 1 PRB Jaime Perez (PTC),
Jesus Pontes (PTC)
Jaime Nunes (PROS)
BA Rui Costa (PT) Jacques Wagner (PT) PTC / PT / PP / PDT / PODE / PSD / PSB / PCdoB / PR / PRP / PMB / PMN / PROS / Avante 1 PRP ninguém
João Leão (PP) Angelo Coronel (PSD)
CE ninguém Robert Burns (PTC) nenhuma ninguém ninguém
DF Eliana Pedrosa (PROS) Juiz Everardo Ribeiro (PMN) PTC / PROS / PMN / PHS / PTB / PMB / Patriota ninguém Eduardo Pedrosa (PTC)
Alírio Neto (PTB) Walisson Nascimento (PTB)
ES Renato Casagrande (PSB) Marcos do Val (PPS) PTC / PSB / PSDB / DEM / PPS / PCdoB / PV / DC / SD / PP / PDT / PSC / PPL / PRP / PSD / PHS / PROS / Avante 2 PSB 1 PPS, 1 Avante
Jacqueline Moraes (PSB) Ricardo Ferraço (PSDB)
GO Ronaldo Caiado (DEM) Jorge Kajuru (PRP) PTC / DEM / PRP / PROS / PMB / PR / PSC / DC / PSL / PMN / PDT / PRTB / PODE ninguém Cláudio Meirelles (PTC)
+ 4 DEM, 1 PSC
Lincoln Tejota (PROS) Wilder Morais (DEM)
MA Flávio Dino (PCdoB) Weverton Rocha (PDT) PTC / PCdoB / PTB / PT / PSB / PPS / PROS / PRB / PR / DEM / PP / PDT / SD / PPL / Avante / Patriota 2 PCdoB, 1 PTB, 1 PRB, 1 PSB, 1 DEM 7 PDT, 6 PCdoB, 5 DEM, 3 PR, 2 PSB, 2 PP, 1 PRB
Carlos Brandão (PRB) Eliziane Gama (PPS)
MG Antonio Anastasia (PSDB) Rodrigo Pacheco (DEM) PTC / PSDB / PSD / DEM / SD / PPS / PMN / PSC / PP / PTB / PMB / Patriota 2 Patriota 2 Patriota
Marcos Montes (PSD) Dinis Pinheiro (SD)
MS Junior Mochi (MDB) Waldemir Moka (MDB) PTC / MDB / PRTB / PR / PHS / PRP / DC ninguém 1 PR
Tânia Garib (MDB)
MT Mauro Mendes (DEM) Jayme Campos (DEM) PDC / DEM / PSC / PSD / MDB / PDT / PMB / PHS / PRP ninguém ninguém
Otaviano Pivetta (PDT) Carlos Fávaro (PSD)
PA Helder Barbalho (MDB) Jader Barbalho (MDB) PTC / MDB / PR / PP / PSD / PRB / PODE / PROS / PSC / PSL / PHS / DC / PMB / PTB / Avante / Patriota ninguém 1 Patriota
Lúcio Vale (PR) Zequinha Marinho (PSC)
PB Lucélio Cartaxo (PV) Daniella Ribeiro (PP) PTC / PSDB / PP / PSC / PV / SD / DC / PRTB / PHS / PSD / PSL / PPL 1 PP 3 PSDB, 2 PP, 1 PSD, 1 PSC
Michele Rodrigues (PSDB) Cássio Cunha Lima (PSDB)
PE Paulo Câmara (PSB) Humberto Costa (PT) PTC / PSB / PCdoB / PT / MDB / PP / PV / SD / PRP / PRTB / PPL / PMN / Patriota ninguém ninguém
Luciana Santos (PCdoB) Jarbas Vasconcelos (MDB)
PI José Pessoa Leal (SD) Frank Aguiar (PRB) PTC / SD / PRB / PPL / PMN Marina Santos (PTC) Evaldo Gomes (PTC)
+ 1 PRB
Vanessa Tapety (PTC) Marcus Vinícius (PTC)
PR Ogier Buchi (PSL) Roselaine Ferreira (Patriota) PTC / PSL / Patriota 3 PSL 8 PSL
Dr. Caxias Ribas (Patriota)
RJ Romário (PODE) Gabrielle Burcci (PMB) PTC / PODE / PR / REDE / PMB / PPL / PRP / PRB / Patriota ninguém Giovani Ratinho (PTC)
Marcelo Delaroli (PR) Miro Teixeira (REDE)
RN Robinson Faria (PSD) Geraldo Melo (PSDB) PTC / PSD / PSDB / PTB / PR / PPS / PRB / PMB / PSB / PRP / PROS / Avante Benes Leocádio (PTC)
+ 1 PR, 1 PSB, 1 PSD
Eudiane Macedo (PTC),
Ubaldo Fernandes (PTC)
Tião Couto (PRB)
RO Acir Gurgacz (PDT) Jesualdo Júnior (PSB) PTC / PDT / DC / PP / PSB / SD / PTB / Avante 1 PP, 1 PDT, 1 PSB Jair Monte (PTC)
Neodi de Oliveira (DC) Carlos Magno (PP)
RR Antônio Denarium (PSL) Mecias de Jesus (PRB) PTC / PSL / PRB / PSC / PRP / PROS / PPL / Patriota 1 PRB, 1 PSL Dhiego Coelho (PTC),
Eder Lourinho (PTC)
Frutuoso Lins (PTC) Pastor Isamar Ramalho (PSL)
RS José Ivo Sartori (PMDB) Beto Albuquerque (PSB) PTC / MDB / PSD / PSB / PR / PSC / PMN / PRP / Patriota 1 PSD ninguém
José Paulo Cairoli (PSD) José Fogaça (PMDB)
SC Mauro Mariani (MDB) Jorginho Mello (PR) PTC / MDB / PSDB / PR / DC / PPS / PRTB / PTB / Avante ninguém 3 PR
Napoleão Bernardes (PSDB) Paulo Bauer (PSDB)
SE Eduardo Amorim (PSDB) André Moura (PSC) PTC / PSDB / PSC / PPS / PR / SD / PRB 1 SD, 1 PR, 1 PSC 2 PPS
Ivan Leite (PRB) Pastor Heleno (PRB)
SP João Dória (PSDB) Mara Gabrilli (PSDB) PTC / PSDB / DEM / PSD / PRB / PP ninguém ninguém
Rodrigo Garcia (DEM) Ricardo Tripoli (PSDB)
TO Mauro Carlesse (PHS) Eduardo Gomes (SD) PTC / PHS / SD / PP / DEM / PRB / PROS / Avante / Patriota 2 SD, 2 DEM Cleiton Cardoso (PTC)
+ 3 SD, 1 PHS, 1 DEM, 1 PP, 1 PROS
Wanderlei Barbosa (PHS) César Halum (PRB)
Participação e desempenho do PTC nas eleições estaduais de 2014[18]
  Candidatos majoritários eleitos (9 governadores e 9 senadores).
Em negrito estão os candidatos filiados ao PTC durante a eleição.
Os cargos obtidos na Câmara Federal e nas Assembleias Legislativas são referentes às coligações proporcionais que o PTC compôs.
Tais coligações não são necessariamente iguais às coligações majoritárias e geralmente são menores.
Não estão listados os futuros suplentes empossados.
UF Candidatos(as) a Governador(a) e a Vice Candidatos(as) a Senadores(as) Coligação majoritária
(governo e senado)
Deputados(as) federais eleitos(as) — 68 Deputados(as) estaduais eleitos(as) — 82
AC Márcio Bittar (PSDB) Gladson Cameli (PP) PTC / PMDB / PSDB / PTdoB / PP / PSC / PPS / PR / SD / PSD 2 PMDB, 1 PSDB 2 PMDB, 1 PSDB
Antônia Sales (PMDB)
AL Joathans Albuquerque (PTC) Elias Barros (PTC) nenhuma ninguém ninguém
Marineide Messias (PTC)
AM José Melo (PROS) Omar Aziz (PSD) PTC / PV / PROS / PSL / PTN / PRP / PSDB / PHS / PEN / PRTB / DEM / PR / PSC / PSD / SD / PTdoB 2 PSD, 1 PSDB, 1 PR, 1 DEM 1 PV
Henrique Oliveira (SD)
AP Jorge Amanajás (PPS) Coronel Palmira (PTC)
(partido isolado)
PTC / PPS / PSC / PMN / PRTB / PRP / PPL / PTB 1 PSC, 1 PTB 2 PTB
Daiana Ramos (PMN)
BA Paulo Souto (DEM) Geddel Vieira Lima (PMDB) PTC / DEM / PSDB / PMDB / SD / PTN / PROS / PRB / PSC / PPS / PV / PRP / PSDC Uldurico Júnior (PTC) 2 PV, 2 PRP
Joaci Góes (PSDB)
CE Camilo Santana (PT) Mauro Filho (PROS) PTC / PV / PP / PDT / PT / PRTB / SD / PTB / PRB / PSL / PEN / PMN / PSD / PCdoB / PROS / PHS / PPL / PTdoB ninguém ninguém
Izolda Cela (PROS)
DF Agnelo Queiroz (PT) Geraldo Magela (PT) PTC / PT / PP / PMDB / PRB / PEN / PRP / PPL / PTN / PTdoB / PSC / PV / PROS / PHS / PSL / PCdoB 1 PMDB Agaciel Maia (PTC)
+ 1 PRB
Tadeu Filippelli (PMDB)
ES Renato Casagrande (PSB) Neucimar Fraga (PV) PTC / PSB / PSDC / PSL / PP / PTB / PTdoB / PPS / PR / PSC / PSD / PCdoB / PRTB / PEN / PTN / PPL / PMN / PRB / PHS ninguém Eliana Dadalto (PTC)
+ 1 PRTB
Fabrício Gandini (PPS)
GO Marconi Perillo (PSDB) Vilmar Rocha (PSD) PTC / PV / PRB / PDT / PTdoB / PSL / PR / PP / PHS / PMN / PROS / PPS / PSDB / PEN / PSD / PTB ninguém 2 PSL
José Eliton (PP)
MA Flávio Dino (PCdoB) Roberto Rocha (PSB) PTC / PCdoB / PSDB / PSB / PP / SD / PROS / PDT / PPS 1 PDT Edivaldo Holanda (PTC)
Carlos Brandão (PSDB)
MG Pimenta da Veiga (PSDB) Antônio Anastasia (PSDB) PTC / PSDB / PP / DEM / PSD / PTB / PV / PDT / PR / PMN / PSC / PSL / PPS / SD Brunny Gomes (PTC)
+ 1 PSC
Anselmo José Domingos (PTC)
+ 2 PSC
Dinis Pinheiro (PP)
MS Delcídio do Amaral (PT) Ricardo Ayache (PT) PTC / PT / PDT / PSL / PTB / PSDC / PROS / PCdoB / PV / PPL / PRP / PR 2 PT, 1 PDT ninguém
Londres Machado (PR)
MT Janete Riva (PSD) Rui Prado (PSD) PTC / PEN / PSD / PRTB / PTN / SD ninguém 1 SD
Aray da Fonseca (PSD)
PA Simão Jatene (PSDB) ninguém PTC / PSDB / PSB / PMN / SD / PRB / PSC / PTB / PEN / PSD / PP / PPS / PSDC / PTdoB / PRP 3 PSD, 1 PSDB, 1 PTB, 1 PSC, 1 PPS ninguém
Zequinha Marinho (PSC)
PB ninguém Walter Brito (PTC) nenhuma ninguém ninguém
PE Paulo Câmara (PSB) Fernando Coelho (PSB) PTC / PV / PMDB / PCdoB / PTRB / PRP / PTN / PR / SD / PPS / PHS / PSDB / PSD / PPL / DEM / PEN / PSDC / PROS / PP / PSB / PSL 8 PSB, 3 PSDB, 2 PR, 1 PP, 1 PMDB, 1 PSD, 1 DEM, 1 PCdoB Eriberto Medeiros (PTC)
+ 15 PSB, 3 PMDB, 3 PR, 2 PSD, 1 PSDB, 1 DEM
Raul Henry (PMDB)
PI Zé Filho (PMDB) Wilson Martins (PSB) PTC / PMDB / PSDB / PCdoB / PTdoB / PSB / PDT / PTN / PV / DEM / PSDC / PSL / PMN / PRB / PPS / PSD / PEN 3 PSB, 1 PMDB, 1 PSD Dr. Hélio (PTC),
Evaldo Gomes (PTC)
Sílvio Mendes (PSDB)
PR Tulio Bandeira (PTC) Luiz Bárbara (PTC)
(indeferido)
nenhuma ninguém ninguém
Ulisses Sabino (PTC)
RJ Luiz Fernando Pezão (PMDB) César Maia (DEM) PTC / PMDB / PP / PTB / PSL / PPS / PTN / DEM / PSDC / PHS / PEN / PMN / PRTB / PRP / PSDB / PSC / PSD / SD 1 PSDC Thiago Pampolha (PTC)
+ 1 PSC
Francisco Dornelles (PP)
RN Robinson Faria (PSD) Fátima Bezerra (PT) PTC / PSD / PT / PCdoB / PTdoB / PP / PEN / PRTB ninguém 3 PSD
Fábio Dantas (PCdoB)
RO Jaqueline Cassol (PR) Ivone Cassol (PP) PTC / PV / PP / PR / PROS / PPS 1 PR 3 PP, 1 PV
Carlos Magno (PP)
RR Ângela Portela (PT) Telmário Mota (PDT) PTC / PT / PDT / PCdoB / PV 1 PDT 1 PDT, 1 PV
Alexandre Henklain (PDT)
RS Tarso Genro (PT) Olívio Dutra (PT) PTC / PT / PCdoB / PROS / PPL / PTB / PR 3 PTB, 1 PCdoB 2 PCdoB, 1 PR, 1 PPL
Abgail Pereira (PCdoB)
SC Paulo Bauer (PSDB) Paulo Bornhausen (PSB) PTC / PSDB / PP / PSB / PSL / SD / PTN / PPS / PEN / PRTB / PHS / PTdoB 2 PP, 2 PSDB, 1 PPS 2 PSB, 1 PPS
Joares Ponticelli (PP)
SE Eduardo Amorim (PSC) Maria do Carmo (DEM) PTC / DEM / PSL / PP / PTdoB / PSC / PPS / PSDB / PTB / SD / PV / PHS / PMN / PR / PEN 1 PTB, 1 SD, 1 DEM Doutor Vanderbal (PTC),
Georgeo Passos (PTC),
Gilson Andrade (PTC)
+ 2 PP, 2 PSC, 2 DEM, 1 PSL, 1 PTdoB
Augusto Franco Neto (PSDB)
SP Geraldo Alckmin (PSDB) José Serra (PSDB) PTC / PSC / PSDB / DEM / PMN / PTdoB / PPS / PTN / SD / PEN / PRB / PSB / PSDC / PSL 1 PTN 1 PTN, 1 PSL
Márcio França (PSB)
TO Sandoval Cardoso (SD) Eduardo Gomes (SD) PTC / PRB / PP / PDT / PTB / PSC / PSL / PR / PPS / DEM / PHS / SD / PEN / PRTB / PSB / PRP / PSDB 1 PSB, 1 PRB, 1 PP, 1 DEM 1 PSL, 1 PRTB
Ângelo Agnolin (PDT)

Eleições presidenciais

Ano Imagem Candidato(a) a Presidente Candidato a Vice-Presidente Coligação Votos Posição
1989
Fernando Collor 1992 B&W.jpg
Fernando Collor

(PRN)

Itamar Franco

(PRN)

Movimento Brasil Novo

(PRN, PSC, PST, PTR)

35.089.998 (49,94%)
1994 Carlos Antônio Gomes

(PRN)

Dilton Carlos Salomoni

(PRN)

sem coligação 387.738 (0,61%)
2002
Anthony Garotinho 24559.jpeg
Anthony Garotinho

(PSB)

José Antônio Figueiredo

(PSB)

Brasil Esperança

(PSB, PGT, PTC)

15.180.097 (17,86%)
2010 Dilma Rousseff fevereiro 2011 3-B.jpg Dilma Rousseff

(PT)

Michel Temer

(PMDB)

Para o Brasil Seguir Mudando

(PT, PMDB, PR, PSB, PDT, PCdoB, PSC, PRB, PTC e PTN)

55.752.529 (56,05%)
2014
Aécio Neves em 16 de julho de 2014-3.jpg
Aécio Neves

(PSDB)

Aloysio Nunes

(PSDB)

Muda Brasil

(PSDB, PMN, SD, DEM, PEN, PTN, PTB, PTC e PTdoB)

51.036.040 (48,36%)
2018
Foto oficial de Álvaro Dias (cropped).jpg
Alvaro Dias

(PODE)

Paulo Rabello de Castro

(PSC)

Mudança de Verdade

(PODE, PRP, PSC e PTC)

859.574

(0,8%)

Referências

  1. a b c d TSE. «Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 6 de maio de 2021 
  2. PTC. «Sobre o partido». Consultado em 6 de maio de 2021 
  3. a b c TSE. «Estatísticas do eleitorado – Eleitores filiados». Consultado em 15 de setembro de 2021 
  4. a b c EBC (28 de outubro de 2018). «Eleições 2018: Confira lista completa dos candidatos eleitos». Consultado em 6 de maio de 2021 
  5. a b PATRI/Datapedia. «Resultados da eleição municipal de 2020 para as prefeituras». Consultado em 6 de maio de 2021 
  6. Senado Federal. «Senadores em Exercício 56ª Legislatura (2019 - 2023)». Consultado em 6 de maio de 2021 
  7. Câmara dos Deputados. «Bancada dos partidos». Consultado em 6 de maio de 2021 
  8. a b G1 (17 de novembro de 2020). «DEM, PP e PSD aumentam número de vereadores no Brasil; MDB, PT, PSDB, PDT e PSB registram redução». Consultado em 6 de maio de 2021 
  9. «PTC agora é AGIR 36! | PTC 36». Consultado em 17 de julho de 2021 
  10. Kevin J. Middlebrook (2000). «Conservative Parties, the Right, and Democracy in Latin America» (em inglês). Consultado em 6 de maio de 2021 
  11. Globo. «História dos partidos brasileiros (até 2013)». Consultado em 6 de maio de 2021 
  12. Carolina Freitas (2 de dezembro de 2020). «Dezesseis partidos podem parar na cláusula de barreira em 2022». Valor Econômico. Consultado em 6 de maio de 2021 
  13. «PTC agora é AGIR 36! | PTC 36». Consultado em 11 de junho de 2021 
  14. «Tomaz Holanda é Presidente Estadual do PTC, agora AGIR 36 - Mais Ceará». maisceara.com.br. Consultado em 11 de junho de 2021 
  15. «Agora! vê plágio em nova marca de partido nanico». www.msn.com. Consultado em 16 de junho de 2021 
  16. «Agora! vê plágio em nova marca de partido nanico». Terra. Consultado em 16 de junho de 2021 
  17. Câmara dos Deputados. «Bancada na Eleição (1998-2018)». Consultado em 6 de maio de 2021 
  18. a b TSE. «Repositório de Dados Eleitorais». Consultado em 6 de maio de 2021 

Bibliografia

  • Almanaque 12 ed. , São Paulo: Abril, 1986 .
  • Almanaque 16 ed. , São Paulo: Abril, 1990 .
  • Isto É – Brasil 500 Anos: Atlas Histórico, São Paulo: Três, 1998 .
  • «Voto maduro», Isto É Senhor, 3 de outubro de 1990 .

Ligações externas