Clodovil Hernandes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Clodovil Hernandes
Clodovil em 2007.
Deputado federal por São Paulo
Período 1º de fevereiro de 2007
até 17 de março de 2009
Dados pessoais
Nascimento 17 de junho de 1937
Elisiário[1], SP
Morte 17 de março de 2009 (71 anos)
Brasília, DF
Nacionalidade brasileiro
Partido PTC (2005-2007)
PR (2007-2009)
Religião cristão[2]
Profissão estilista, ator e apresentador de televisão
Assinatura Assinatura de Clodovil Hernandes

Clodovil Hernandes (nascido Clodovir Hernandes[3]; Elisiário[1], 17 de junho de 1937Brasília, 17 de março de 2009) foi um estilista, ator, apresentador de televisão, político e filantropo brasileiro.

Natural do interior de São Paulo, Clodovil começou sua carreira como costureiro no final da década de 1950, consagrando-se a nível nacional na década de 1970, ao lado de outros grandes pioneiros como Dener Pamplona de Abreu (1937-1978). Com seu ateliê baseado na cidade de São Paulo, Clodovil desenhou roupas de alta-costura para muitas mulheres ricas e famosas em todo o país, mas também se dedicou ao prêt-à-porter, voltado para um vestuário mais popular, e ao figurinismo do cinema e do teatro. Defendeu a importância e o fortalecimento da moda brasileira no cenário internacional.

Na década de 1980, paralelamente à moda e com o país sob ditadura militar, ele iniciou sua carreira na televisão como apresentador, tendo passado por diversas emissoras, onde construiu a fama de polêmico, contraditório e "sem papas na língua". Por conta de suas declarações consideradas impróprias e indelicadas, muitas vezes dirigidas a outras personalidades, Clodovil foi demitido repetidas vezes e tornado réu em processos judiciais por difamação e injúria. Ao mesmo tempo, dedicou-se ao teatro e à música, tendo participado de algumas peças e shows privados em casas noturnas. Em meados da década de 2000, ele entrou para a política, tornando-se o terceiro deputado federal mais votado do país nas eleições de 2006, com 493.951 votos ou 2,43% dos votos válidos.[4]

Em sua vida particular, Clodovil era assumidamente homossexual e teve uma formação cristã e posições conservadoras, o que atraiu críticas por parte de movimentos da causa LGBT por ter sido contra o casamento gay, embora fosse a favor da união civil de pessoas do mesmo sexo, e contra a Parada Gay, por associá-la com prostituição e drogadição e não ter orgulho gay. Além disso, foi acusado de racismo e antissemitismo.[5] Seu nome e imagem foram usados em páginas políticas de direita.[6]

Sem deixar descendentes ou herdeiros, Clodovil registrou em testamento sua vontade de doar seu patrimônio para criação de uma fundação beneficente para ajudar meninas carentes e abandonadas. Em 2011, foi criado o Instituto Clodovil Hernandes para preservar a memória do artista. Em 2019, porém, dez anos após sua morte, os bens de seu espólio, incluindo R$ 3,7 milhões, continuavam bloqueados na Justiça por processos e reivindicações.[7]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família e educação[editar | editar código-fonte]

Clodovil Hernandes nasceu em Elisiário no interior do estado de São Paulo[1]. No ano de seu nascimento, a localidade era ainda um distrito do município de Catanduva. O distrito de Elisiário só seria elevado à categoria de município em 30 de dezembro de 1991.[8]

Ainda bebê foi adotado informalmente (sem processo legal de adoção) por um casal de imigrantes espanhóis, o comerciante Domingo Hernández (1903-1961), natural de Múrcia, e sua esposa Isabel Sánchez (1908-1986), natural de Jaén. Foi registrado no ofício de registro civil do município de Floreal quando já tinha catorze anos[1] com o nome de Clodovir Hernandes[9], com o rotacismo típico do dialeto caipira do interior de São Paulo. Posteriormente passaria a usar o nome Clodovil.

Clodovil sempre teve um relacionamento mais próximo com sua mãe adotiva, uma mulher enérgica e vaidosa, que foi “a única mulher que amou em sua vida”. Segundo Clodovil, a mãe não o quis quando chegou, porque não queria aquela “coisa feia”. Felizmente, porém, Isabel aprendeu a amá-lo com o convívio. Quando Clodovil ainda era pequeno, a família vendeu a sua parte de uma fazenda e mudou-se para Catanduva, residindo nessa cidade por dois anos até se transferir para Floreal, onde Domingo Hernández estabeleceu um loja de tecidos, e posteriormente para São José do Rio Preto. O negócio da família foi o primeiro contato com a moda, e Clodovil, escondido do pai, costumava dar palpites de vestuário para sua mãe, suas tias e primas.

Apesar de ter poucos recursos, os pais de Clodovil não pouparam esforços para que o filho fosse educado. O pai dizia a Clodovil que a única herança que deixaria para ele seria o estudo, algo que ele jamais poderia perder. Assim, matricularam-no no Colégio Dom Bosco[10] um colégio interno católico em Monte Aprazível, a 49 km de Floreal. Mais tarde em sua vida, Clodovil afirmou que havia sido aliciado por um padre quando menino, mas que isso não mudou sua visão a respeito do colégio, da igreja ou de religião. Foi também nesse colégio que Clodovil recebeu, de um padre, o apelido de "Jacques Fath", um costureiro famoso da época. Em meados de 1948 ou 1949, quando tinha onze anos de idade, Clodovil descobriu que havia sido adotado quando uma tia lhe contou do fato. Segundo o próprio Clodovil, a adoção nunca foi um problema para ele, e seus pais teriam morrido sem saber que ele sabia que era adotivo. A respeito de suas origens, Clodovil afirmou, em 1990, em entrevista ao Cara a Cara de Marília Gabriela, que era descendente de italianos e de índios e o sobrenome de seu pai biológico seria "Ferrarini". Tinha ligação com o político e militar Edson Ferrarini,[11] segundo o qual Clodovil havia sido cuidado por sua família antes do casal Hernandes adotá-lo. Aos treze anos, Clodovil afirma ter visto seu pai tendo relações sexuais com outro homem, um cunhado, irmão de Dona Isabel. Clodovil diz que nunca tocou no assunto com o pai, o qual morreu sem saber que ele vira a cena, a qual ocorreu após uma missa de domingo. Por causa desse episódio, Clodovil disse que "deveu o norte de sua vida" a seu pai.

Quando tinha quinze anos de idade, Clodovil foi indagado pelo pai se ele era homossexual, mas não chegou a responder à pergunta do pai, de modo que o assunto jamais voltou a ser discutido na família. Clodovil afirmou que certa vez, quando respondeu ao pai de maneira atravessada, levou desse um forte tapa na orelha que lhe deixou com um problema de audição. Clodovil, porém, guardava momentos felizes com o pai, o qual lhe ensinou a cozinhar, pois sua mãe era péssima na cozinha.

Sobre sua juventude, Clodovil afirmou, em 2001, que ela era de liberdade total, que havia tido milhares de "escapulidas", embora nunca tenha experimentado drogas.[13]

Clodovil se formou professor na antiga Escola Normal do então Grupo Escolar Dom Pedro II,[14] na Barra Funda, em São Paulo, onde morou sustentado por uma pequena mesada enviada pelo pai, o qual queria que ele tivesse estudado Medicina, mas Clodovil tinha intenção de cursar Filosofia, o que nunca fez.

Em meados de 1955, quando tinha dezoito anos, em seu último ano na Escola Normal, Clodovil foi preso por um guarda após sair do cinema, porque não portava documento de identidade, e acabou levado para o antigo DI - Departamento de Investigações (atual DEIC), onde passou a noite aguardando ser interrogado, e no dia seguinte inexplicavelmente foi levado para o antigo Carandiru, onde dividiu cela com dezenas de detentos, que ameaçavam estuprá-lo; quando finalmente conseguiu se dirigir ao delegado, Clodovil ficou indignado com ele; acabou então transferido para outra cela com um detento, antes de ser eventualmente liberado.[15]

Tendo sofrido fome, esgotamento e desilusões em sua primeira estada na capital paulista, ele decidiu regressar ao lar em Mandaguari, no Paraná, para onde sua família havia se mudado por volta de 1956 em busca de melhores condições financeiras. Em Mandaguari, Clodovil trabalhou brevemente no Colégio Estadual Vera Cruz, onde foi contratado como professor de Desenho em 1957, lecionando a matéria por dois anos, até decidir voltar a morar definitivamente em São Paulo.

O pai de Clodovil, Domingos Hernandes Serrano, veio a falecer aos 58 anos em 26 de janeiro de 1961, vítima de traumatismo craniano por acidente de caminhão, em Mandaguari, no Paraná.[16] Após a morte de Domingos, Clodovil e sua mãe Dona Isabel passaram necessidades financeiras e foram morar de favor na casa de uma amiga dela, Dona Abigail, que acreditava que no sucesso de Clodovil como costureiro, deu a ele uma linha telefônica para ajudar no seu trabalho e sustentava a alimentação de Clodovil e de sua mãe durante meses. Outra pessoa que ajudou Clodovil nessa época foi Dora Cavalcanti Ferraz, uma senhora rica, que disponibiliza seu carro e motorista particular para disfarçar o estado de pobreza de Clodovil no início de sua carreira.[17]

Carreira artística[editar | editar código-fonte]

Moda[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

O interesse de Clodovil por moda começou ainda criança, quando dava palpites de vestuário para a mãe, as tias e as primas, escondido do pai, dono de uma loja de tecidos em Floreal, que não podia saber disso, e ele costumava desenhar croquis em cartolina em seu tempo livre, declarando que jamais sofreu qualquer influência para isso e que seus desenhos eram de boa qualidade. Quando estudante em um colégio interno católico, por causa dos cadernos rabiscados de desenhos de vestidos, recebeu de um professor o apelido de "Jacques Fath"[18], um costureiro francês famoso da época.

Aos dezesseis anos, no último ano da Escola Normal no Dom Pedro II, quando pensava em cursar Filosofia, uma colega de Clodovil lhe perguntou por que não desenhava vestidos para uma loja. Clodovil pegou então uma página de caderno e desenhou onze vestidos; porém, segundo ele, a loja do centro de São Paulo, lhe comprou "apenas um desenho e copiou o restante". Apesar disso, ele ganhou quase metade da mesada que o pai lhe mandava para morar na capital paulista.

Em outubro de 1954, por volta de seus dezessete anos, já de volta ao lar em Floreal, no interior de São Paulo, Clodovil se inscreveu, sem muita expectativa, em um concurso de desenho de roupa da extinta Revista Radiolândia organizado pela cantora Marlene (1922-2014) em sua coluna Recados de Marlene, para eleger o melhor traje criado especialmente para ela. Clodovil acabou vencendo com elogios, e seu desenho e descrição detalhada do vestido foram publicados na edição 26 da revista de circulação nacional. Mais tarde, em entrevista à jornalista Liba Frydman, Clodovil declarou que a experiência foi de grande emoção, pois tinha encontrado seu futuro, sua profissão; e em 1982, Clodovil recriou o vestido de Marlene em seu programa na TV Mulher.

Em Mandaguari, no Paraná, para onde se mudara com os pais por volta de 1956, enquanto atuava na docência no Colégio Vera Cruz, Clodovil alcançou sucesso desenhando vestidos para moças e senhoras da sociedade mandaguariense, a tal ponto que Clodovil organizou seus primeiros desfiles no salão do aeroporto da cidade. Em meados de 1959, quando percebeu que poderia expandir sua carreira na moda em São Paulo, a maior cidade do país, o jovem Clodovil recebeu apoio do então prefeito de Mandaguari, Élio Duarte Dias (1955-1959), o qual pagou a passagem de avião do jovem costureiro para a capital paulista, além de ter ajudado com as primeiras despesas.

Casa Signorinella e prêmios[editar | editar código-fonte]

Em São Paulo, Clodovil trabalhou como costureiro para uma casa de alta costura, chamada Signorinella, de grande prestígio na capital paulistana, fundada em maio de 1960, em uma casa antiga na Rua Maranhão, n° 851, no Higienópolis.[19] Era um dos responsáveis pelos figurinos da casa, ao lado de outro costureiro chamado Jason.[20]

Durante seu trabalho na Signorinella, Clodovil conquistou dois prêmios para a boutique durante os festivais de moda promovidos pela Tecidos Matarazzo: o Prêmio Agulha de Ouro (1960), dado à melhor criação na moda-esporte, por um traje inspirado em George Sand que consistia em um tailleur com casaco e saia em tecido listrado cinza e branco; e o Prêmio Agulha de Platina (1961), para melhor traje a rigor, por um vestido de noite que Clodovil batizou de "Turandot", inspirado na última ópera de Giacomo Puccini e descrito como uma "sinfonia de tons amarelo, branco, ouro em mousselline degradée Arc-en-ciel.[21]

Porém, Clodovil acabou tendo desentendimentos com a dona da boutique, uma costureira italiana chamada Angioletta Miroglio, e demitido por ela, e o costureiro Matteo Amalfi acabou entrando em seu lugar.[22] De acordo com Amalfi, Clodovil havia cometido a "loucura" de gastar 80 metros de tecido mousseline para criar um tailleur, o que causou a briga com dona Angioletta.[23]

Popularidade e Guerra das Tesouras[editar | editar código-fonte]

Depois de vencer seus prêmios nos festivais de moda, Clodovil passou a conquistar para si clientes da alta sociedade de São Paulo. Na época também começou a chamar atenção a "rivalidade" de Clodovil com o conhecido e pioneiro costureiro Dener Pamplona de Abreu (1937-1978), cujo trabalho Clodovil pessoalmente não gostava, mas nutria uma "profunda inveja" de sua "profundíssima personalidade". Com frequência eles passaram a se atacar verbalmente na imprensa, o que passou a se chamar de Guerra das Tesouras, com Dener chamando Clodovil de "Nega Vina" e Clodovil chamando Dener de "Gênio Asmático".[22]

Na realidade, a disputa entre eles, muito evidenciada em revistas de fofocas, era uma tática de promoverem a si mesmos, tendo servido de inspiração, mais tarde, para a novela Ti-Ti-Ti da TV Globo[24] Nos bastidores, Dener e Clodovil eram mais amigos e colegas de profissão do que competidores, e brincavam de vestirem-se de mulher e fotografarem-se em estúdio, o que era feito às escondidas em função da censura.

O talento de Clodovil para a moda foi reconhecido por mulheres de variadas origens sociais, desde artistas como Elis Regina e Cacilda Becker a empresárias como Hebe Alves (antiga proprietária das lojas Mappin)[25] e às famílias Diniz e Matarazzo, para as quais a linha prêt-à-porter era muito apreciada.[26]

Pioneiro, por anos seria um dos pilares da alta costura, numa sociedade que importava modelos europeus, inaugurou uma moda made in Brazil.[27] Segundo Costanza Pascolato, “Esse termo 'alta costura' cabe especificamente às coleções de Paris. Podemos dizer que o Clô fez uma ‘moda de ateliê’ muito requintada e luxuosa, destinada a ocasiões específicas, como casamentos e coquetéis”, define.[28] Clodovil formou-se professor, mas ainda jovem tornou-se um estilista conhecido no país e logo passou a trabalhar também na televisão, na qual acumulou mais de 45 anos de carreira em quase todas as emissoras de televisão do país.

I Festival Nacional de Alta Costura[editar | editar código-fonte]
Clodovil em 1967.

Em agosto de 1967, ao lado de Dener, José Guimarães e José Nunes, Clodovil foi apresentado na Revista Manchete como um dos "quatro grandes" costureiros brasileiros do primeiro "Festival Nacional de Alta Costura", lançado como um das programações especiais por ocasião da X Feira Nacional da Indústria Têxtil (FENIT) e do aniversário de dez anos da primeira feira. O evento de alta costura, que seria realizado em São Paulo no dia 17 de agosto do ano seguinte, reuniu diversas celebridades do mundo da moda e da beleza, e Clodovil manteve segredo sobre as linhas de sua coleção até o dia do desfile.[29]

Em 1969, Clodovil realizou um importante ensaio para a revista Manchete com o fotógrafo Sérgio Jorge (1937-2020) com modelos vestindo suas criações no "Rancho da Maioridade", na Estrada Velha de Santos.

Entre janeiro e fevereiro de 1971, Clodovil estava em Paris, na França, onde acabou comparecendo ao velório de Coco Chanel representando, não-oficialmente, a costura brasileira[30], enquanto pesquisava na cidade inspirações para suas criações, tendo comprado uma peruca de Vidal Sassoon no meio-tempo.[31]

Ateliê na Oscar Freire[editar | editar código-fonte]
Clodovil estilista em 1971.

Por volta de março de 1971, enquanto atendia clientes em sua casa, no Ibirapuera, Clodovil estava montando seu ateliê próprio em uma casa alugada à Rua Oscar Freire, n.° 537, entre as ruas Augusta e Padre João Manoel, em São Paulo, inaugurado em 28 de junho de 1971[32]. Em maio daquele ano, ele lançou uma coleção de alta costura, com cores diferentes das coleções europeias e com tecidos importados, mas também tecidos feitos no Brasil, tais como o veludo de seda bordado com suas iniciais CH - Clodovil Hernandez, produzido pela tecelagem De Maia.[33] Em seu ateliê na Oscar Freire, Clodovil lançou suas coleções primavera-verão e outono-inverno de 1972 e 1973, reunindo artistas e gente de sociedade[34][35].

Em abril de 1973, Clodovil havia se disposto a apresentar suas coleções no I Salão Internacional de Moda, ocorrido no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, porém voltou atrás da decisão porque, na sua opinião, o evento estava desorganizado, tendo reclamado da falta de apoio dos organizadores para passagem e hospedagem de seus manequins dentro do prazo previsto em contrato, e afirmando que "não colocaria em risco seu trabalho em um ambiente confuso". Em sua desistência, Clodovil aproveitou e criticou a falta de incentivo do governo brasileiro para a costura nacional, tal como o governo francês fazia com seus costureiros, além da ausência da integração necessária de costureiros brasileiros, o que impedia de competir com o interesse estrangeiro de "empurrar" para o Brasil perfumes franceses e uma moda prêt-à-porter que nada tinha a ver com a brasileira.[36]

Em outubro de 1973, no dia seguinte do desfile de apresentação de sua coleção primavera-verão 73/74 em seu ateliê, em que ele adotou um estilo neoclássico inspirado nos anos 50, assistida por um público na rua sob um toldo por causa da chuva, Clodovil partiu para a Bélgica para representar o Brasil em um desfile de moda no Museu de Arte Moderna da Antuérpia - a primeira vez em que um costureiro brasileiro apresenta sua moda no exterior - e para a inauguração do Hotel Sheraton em Bruxelas para entrevista com a imprensa belga. A viagem foi patrocinada pela marca de uísque brasileira Old Eight.[37]

Ateliê Jardim da Moda[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 1975, Clodovil fechou seu ateliê na Rua Oscar Freire, devido ao aluguel crescente, para inaugurar sua nova loja[38], chamada Jardim da Moda, em uma casa na Avenida Cidade Jardim, n° 43, esquina Rua Itália, em São Paulo, iniciando uma nova etapa na marca Clodovil. Seguindo um modelo existente em outros países, prometia um novo tipo de comercialização de moda no Brasil, através do qual qualquer comerciante poderia abrir boutiques nas capitais brasileiras com produtos de etiqueta Clodovil entregues a partir da loja principal; essas boutiques, não padronizadas, deveriam ser montadas ao gosto de Clodovil com sua equipe de decoração e teriam cada uma a sua moda, mas dentro da mesma linha, variando conforme as tendências regionais. Na inauguração do Jardim da Moda, Clodovil lançou sua coleção primavera-verão 75/76, rica em vestidos "românticos" e com um espírito "bem brasileiro e sexy", com transparências delicadas, e sua loja-ateliê tinha 25 funcionários e incluía um showroom com vestuário feminino e masculino que englobava todos os itens, menos sapatos. Na ocasião da inauguração, ele voltou a criticar a mentalidade do governo diante do setor da moda nacional como algo lucrativo, defendendo a criação de um "sindicato de alta costura" no país.[39][40]

Em 1976, porém, Clodovil anunciou sua intenção de deixar parte de seu prêt-à-porter em São Paulo, "desistir" da alta costura na cidade e partir para o Rio de Janeiro - a "única cidade internacional" do Brasil na sua opinião - e fazer o "estilo brasileiro" de moda, sem copiar o estilo europeu ou americano, e criar roupa exclusiva para "uma ou duas pessoas" no Rio. O motivo que ele alegou para isso foi a falta de mão de obra "competente" na capital paulista para auxiliá-lo, o que o aborrecia, e sua ideia era passar a supervisionar a confecção de sua marca de longe, sem "grandes envolvimentos", e delegar a fabricação de sua etiqueta a uma indústria paranaense.[41]

Figurinista e ator[editar | editar código-fonte]

Clodovil trabalhou como figurinista em muitas produções brasileiras, como filmes, novelas e peças de teatro, às vezes atuando como ele próprio nas cenas, o que ajudava a promover seu trabalho na moda. Sua primeira colaboração foi em O Corpo Ardente (1966), um romance-drama estrelando a atriz francesa Barbara Laage.

Na década de 1970, já mais consagrado como costureiro, ele apareceu na telenovela Beto Rockfeller (1970), da Rede Tupi; na comédia romântica Lua de Mel e Amendoim (1971), na qual, além de ter desenhado roupas de inspiração hippie e ufanista dos tempos do "milagre econômico brasileiro", inclusive biquínis e cangas, ele aparece interpretando o costureiro do vestido de casamento da personagem Marcinha (Rossana Ghessa);[42] ainda no ano de 1971, participou de um episódio da novela Editora Mayo, Bom Dia, da RecordTV, o qual acabou censurado por conta dos "gestos irreverentes" de Clodovil; atuou depois em A Infidelidade ao Alcance de Todos (1972), uma comédia erótica; em 1973, fez o papel de costureiro na telenovela Mulheres de Areia com Eva Wilma, vestida por ele no papel da noiva Raquel[43]; e foi figurinista de Paranóia (1976), um drama policial.[44].

Em 1977, a convite de Marika Gidali, Clodovil criou figurinos para um conhecido espetáculo do Ballet Stagium, chamado Kuarup, ou a Questão do Índio,[45] em que desenhou trajes indígenas e macacões de operários com as cores da bandeira brasileira para catorze bailarinos de ambos os sexos. Ao apresentar os figurinos do espetáculo, Clodovil afirmou então em entrevista à televisão:

Em 1979, Clodovil fez uma participação especial na telenovela Marron Glacé, da TV Globo, porém não poupou críticas ao elenco de atrizes, entre elas Mila Moreira (sua ex-manequim) e Rosita Thomaz Lopes, bem como com a figurinista responsável, Lulu, gerando um ambiente de insultos; ao final do trabalho, questionado por uma repórter, Clodovil ainda disse que "não precisava da TV Globo para vender seus modelos".[47]

Em 1980, Clodovil desenhou os figurinos da peça de teatro "A Carta", dirigida por Maria Della Costa e estrelando nomes como Beatriz Segall e Rubens de Falco.[48]

Em 1983, na época apresentando seu programa homônimo na Rede Bandeirantes, Clodovil participou da novela Sabor de Mel da mesma emissora, no capítulo em que as personagens Laura (Sandra Bréa) e Rebeca (Françoise Forton) visitam o seu ateliê na Avenida Cidade Jardim, em São Paulo.[49]

Em 1988, Clodovil participou de um esquete do Chico Anysio Show, ao lado da personagem Neyde Taubaté e interpretando uma versão parodiada de si mesmo, como autor de vestuário inspirado em ambiente hospitalar e de um perfume com essência de formol.

Em 2001, Clodovil fez participação especial na novela O Clone, da TV Globo.[50]

Coleção Jeans Clodovil[editar | editar código-fonte]

No dia 10 de março de 1981, Clodovil Hernandes lançou a sua grife de jeans, tipicamente nacional e produzida exclusivamente por uma indústria brasileira de confecções, a paulistana Ernesto Borger SA. O estilista tencionava exportar a grife para a Europa, e esperava trazer royalties para o Brasil. A grife lançou primeiramente uma linha para mulheres, mas almejava o público masculino e infantil posteriormente; em suas criações, Clodovil desenhou um modelo de bermuda e dois modelos de calças, valendo-se das cores da bandeira do Brasil, além de uma assinatura personalizada de seu nome. A bermuda tinha um friso verde e amarelo na costura lateral, de alto a baixo[51]. Já na linha de calças, o modelo mais esportivo, para o dia, era pespontado em amarelo, com passantes traseiros alongados para lenço de seda, e o outro modelo, mais sofisticado, para a noite, pespontado em azul e com assinatura bordada em seda.[51]

Monza Clodovil[editar | editar código-fonte]

Em 1983, Clodovil assinou a decoração interior de uma série especial do modelo Chevrolet Monza[52]. A ideia partiu da concessionária Chevrolet Itororó, de São Paulo, que esperava atrair o público feminino, e teve o aval da GM do Brasil, ainda que não tivesse sido criado oficialmente por essa. A série acabou ficando melhor conhecida como Monza Clodovil e tinha a assinatura do estilista no vigia traseiro, além das iniciais "CH" gravadas nos bancos de couro, além de um chaveiro em ouro 24 quilates; um jogo opcional de malas para o porta-malas também foi desenhado por Clodovil. Porém, as vendas do Monza Clodovil não foram um suesso, pois apenas doze exemplares teriam sido vendidos.[53]

Noivas[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2000, então temporariamente fora da televisão, Clodovil Hernandes lançou seu website, através do endereço www.clodovil.com.br, para ser um site "especializado em casamentos", oferecendo todos os serviços para esse tipo de cerimônia, desde os mais variados estilos de vestido de noiva até preparativos para festas e decoração.[54]

No início da década de 2000, Clodovil também firmou parceria com Revista Noivas, da editora Nova Fórmula, para edições especiais.

Música[editar | editar código-fonte]

Na década de 1970, tendo aulas de canto, o costureiro Clodovil começou a se apresentar como cantor em boates[55] e shows privados. Na época, o jornal Diário de Notícias escreveu que o costureiro estava "atacando de cantante".[56]

Em janeiro de 1975, ele participou do então programa Fantástico: O Show da Vida interpretando "Ma Mélo Mélodie", uma canção originalmente cantada pela egípcio-francesa Dalida em 1972. O video-clipe foi feito ao ar livre, em um grande gramado e piscina, contando com a presença de seis modelos trajando vestidos desenhados por Clodovil, além de quatro músicos. Em junho daquele ano, ele fez sua segunda apresentação no programa, interpretando "Senza Fine", do italiano Gino Paoli.

Em dezembro de 2006, eleito deputado mas sem tomar posse, Clodovil apresentou o seu show musical "Clodovil Celebra a Vida" no Teatro Garden Hall, no Rio de Janeiro' em que cantou músicas que "fizeram parte de sua vida", como El día que me quieras, de Carlos Gardel; Palpite Infeliz, de Noel Rosa; e Da cor do pecado, de Sílvio Caldas.[57]. Em janeiro de 2007, a poucos dias da posse como deputado, Clodovil fez o mesmo show em Balneário Camboriú, Santa Catarina.[58]

Em 2020, a TV Record revelou que Clodovil tinha o sonho de lançar um álbum solo, um projeto que não pôde ser concretizado por falta de tempo após ter sido eleito deputado, bem como a existência de um CD que tinha sido presenteado a Clodovil por sua amiga, a jornalista Carmem Farão, ex-colega do artista na TV Gazeta. O CD, chamado de "Clodovil Hernandes Exclusivo", reunia uma compilação de várias músicas conhecidas, cantadas por Clodovil em suas apresentações na TV Gazeta. O CD incluía as faixas: Não se esqueça de mim, Senza Fine / Valsa de uma cidade, Body and Soul, Paris, Besame, Vida de Bailarina e Nem às paredes confesso.[59]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Clodovil atuou no teatro três vezes em sua vida. A primeira peça de que participou, Seda Pura e Alfinetadas, foi também coescrita por ele e por Leilah Assumpção. Estreou no Teatro Brigadeiro, em São Paulo, em 1981.[60] Nela, Clodovil atuou ao lado de Bruno Barroso, Hilton Have, Isadora de Faria, Lilia Cabral e Márcia Real. A segunda peça, Sabe Quem Dançou?, de Zeno Wilde, teve Clodovil no papel principal.

A terceira e última peça de Clodovil, Eu e Ela,[61] foi escrita por ele e estreou em 15 de janeiro de 2006, no Teatro Brigadeiro.

Rádio e participações na televisão[editar | editar código-fonte]

Na década de 1960, o jovem costureiro Clodovil trabalhou para a Rádio Jovem Pan, onde dava conselhos de moda durante poucos minutos. Apesar de breve, a participação de Clodovil no programa matinal atraía milhares de ouvintes, e serviu como uma experiência importante para o estilista antes de começar a trabalhar na televisão na década de 1980.

Em setembro de 1968, Clodovil teria criticado ao vivo na rádio as roupas que Iolanda Costa e Silva.[62] esposa do então presidente-general Costa e Silva, usou na ocasião da visita oficial da primeira-ministra indiana Indira Gandhi ao Palácio da Alvorada. Acabou demitido da Rádio Jovem Pan. Anos mais tarde, Clodovil desmentiu dizendo que não havia criticado a indumentária da primeira-dama, mas sim sua atitude: "Eu não critiquei a roupa dela. Não. Eu critiquei a atitude dela (...) Ela recebendo a Indira Gandhi, ela parecia uma espanhola enlouquecida, com vestido de veludo azul marinho, com sutiã azul marinho. Era uma espanhola louca. Digo, é pior do que uma brasileira enlouquecida, pelo menos ela tava de candomblé, né?".

Em 1977, Clodovil participou do programa "8 ou 800?", apresentado por Paulo Gracindo na Globo, respondendo corretamente todas as perguntas sobre Dona Beja - uma personalidade do século XIX de Araxá, Minas Gerais - e venceu o prêmio máximo de Cr$ 800 mil; porém, ao retirar o dinheiro da cadernata de poupança Delfin, instituição financeira que patrocinava o programa, Clodovil percebeu que só teria direito a Cr$ 566 mil em razão da incidência de 30% de imposto de renda retido na fonte e, indignado, recusou-se a receber o prêmio, criticando o grupo Delfin.[63]

Programas de televisão[editar | editar código-fonte]

A equipe original do TV Mulher; Clodovil em pé, no canto superior direito.

Em 1980, já consagrado como costureiro da elite brasileira, Clodovil foi convidado pela Rede Globo para participar da equipe de apresentadores do TV Mulher, seu primeiro programa de televisão, tendo como colegas Marília Gabriela, Ney Gonçalves Dias, Ala Szerman, Xênia Bier e Marta Suplicy. O programa matinal era voltada para o público feminino, tendo sido pioneiro ao abordar temas como sexo, o que gerou protestos entre conservadores e religiosos. No TV Mulher, Clodovil costumava ler cartas de mulheres que queriam dicas e sugestões de vestuário e desenhava ao vivo os modelos, desde vestidos de festas até roupas adequadas para o trabalho. Em 1982, porém, Clodovil acabou demitido do TV Mulher após discutir ao vivo com Marília Gabriela, âncora do programa. De acordo com Marília Gabriela, o apresentador queria ser "o dono do programa"[64] e, após ela ter sido chamada para um especial chamado "Marília Mulher Gabriela", no qual cantava, Clodovil ficou com "muita raiva" e passou a provocá-la de forma constante nos bastidores do programa, envolvendo a equipe de produção. Conforme Ney Gonçalves Dias, quando fora do ar, os dois não se dirigiam um para o outro e eram "inimigos mortais".[65] Acabou substituído por Ney Galvão.

Demitido da Rede Globo, Clodovil migrou para a Rede Bandeirantes, onde ganhou, em 1983, um programa com seu próprio nome, Clodovil. Ainda no mesmo ano, Clodovil entrou para a Rede Manchete, a qual o contratou para apresentar dois programas na década de 1980: os vespertinos Manchete Shopping Show (1983-1985) e Clô para os Íntimos (1985-1988); e no início da década de 1990, o noturno Clodovil Abre o Jogo (1992-1993). O lapso entre os dois últimos programas se deu porque Clodovil foi demitido em 1988 pelo dono da Manchete, Adolpho Bloch, após ter chamado a então Assembleia Constituinte de "Prostituinte". Segundo Clodovil, Ulysses Guimarães ligou indignado à Manchete e disse para tirá-lo do ar. Com isso, Clodovil ficou quase quatro anos ausente na televisão, tendo sido readmitido pela emissora em 1992. Foi em Clodovil Abre o Jogo que ele lançou seu famoso bordão "Olha para a lente da verdade e me diz..." ao fazer perguntas inesperadas a entrevistados. Em 1993, com a crise enfrentada pela Manchete, Clodovil mudou para a CNT (Central Nacional de Televisão), sediada no Paraná, que continuou transmitindo Clodovil Abre o Jogo enquanto coligada com a TV Gazeta. Essa emissora lançou Clodovil em dois programas que tiveram pouca duração: o Clodovil em Noite de Gala (1993-1994), gravado ao vivo dentro do teatro do Ópera de Arame, em Curitiba (a um custo de 150 mil dólares, segundo Clodovil), e Retratos (1996-1997). Porém, Clodovil teve desentendimentos financeiros com a CNT, a qual ele processou por salários atrasados em 1994; durante seu afastamento da CNT, ele apresentou um programa homônimo na Rede Mulher entre 1995 e 1996.

Clodovil apresentou "Noite de Gala" no Ópera de Arame no início dos anos 90.

Em 16 de novembro de 1994, Clodovil foi demitido da CNT após "desrespeitar a hierarquia e os assuntos internos da emissora", além de desentender-se constantemente com a equipe de trabalho e ofender publicamente o presidente da empresa.[66] Em julho de 1996, porém, ele retornou para CNT, para apresentar "Retratos", também muito brevemente. Na ocasião, ele falou que havia saído da CNT dois anos antes por "autopunição",[67] por conta de uma relação amorosa fracassada. Na mesma época de sua readmissão, a CNT estudou a possibilidade de voltar a transmitir "Noite de Gala" com o apoio do governo paranaense e da prefeitura de Curitiba. Em 1998, Clodovil voltou para a Rede Bandeirantes, após quinze anos, para comandar o programa Clodovil Soft,[68] no qual cozinhava, fazia ginástica e dava dicas de etiqueta e moda. "Cansado de ficar parado", em razão do impasse do pagamento de seu salário com a emissora CNT, foi Clodovil quem pediu para trabalhar para a Bandeirantes. Após diversas brigas envolvendo Adriane Galisteu, o programa foi encerrado, e Clodovil foi demitido da Band, o que levou o apresentador a processar a emissora por quebra de contrato.[69] Em março de 1999, ele apresentou novamente Clodovil na Rede Mulher, uma segunda versão de seu programa original de 1995 nessa emissora, mas o novo programa ficou menos de um mês no ar — o mais curto de todos na carreira do apresentador —, e ele atribuiu sua demissão à compra da emissora pela Igreja Universal do Reino de Deus.

Clodovil passou a virada para a década de 2000 desempregado, mas em maio de 2000 gravou entrevistas para a DirecTV durante o Festival de Cannes 2000, na França[70]; e em 2001 ele aceitou a proposta de voltar a apresentar Clodovil Frente e Verso novamente na CNT. O projeto não durou muito. Subsequentemente, Clodovil concordou em coapresentar o programa Mulheres na TV Gazeta, ao lado de Christina Rocha. Alguns meses após a estreia, a parceira entre os dois apresentadores terminou, e Clodovil se despediu de Christina, que saiu do programa, chamando-a de "jararaca do brejo". Ele continuou apresentando o programa até 2002, passando a apresentar um talk show noturno com seu nome, no qual preparava receitas para receber convidados. Todavia, o horário nobre na Gazeta acabou sendo arrendado para televendas. Em novembro de 2003, Clodovil estreou na RedeTV! com A Casa é Sua, seu penúltimo programa de televisão, substituindo Leonor Corrêa, que havia saído em outubro daquele ano. Ao longo de 2004, mesmo advertido e aconselhado, Clodovil criou diversas polêmicas com personalidades e colegas de trabalho, fazendo críticas e provocações ao vivo no programa. Fez ataques verbais contra Luciana Gimenez, sua colega na RedeTV!,[71] passou três meses fugindo e evitando a equipe do Pânico na TV, que queriam que ele calçasse as "sandálias das humildade", uma espécie de "troféu" para celebridades tidas como arrogantes; ofendeu a pessoa da então prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, sua ex-colega do programa TV Mulher, o que resultou em um processo judicial por calúnia e difamação; e criticou também o presidente da Band, Johnny Saad, o que fez com que seu programa deixasse de ser ao vivo por decisão dos diretores da emissora. O último dos conflitos criados por Clodovil na RedeTV! foi o que justificou sua demissão: no dia 12 de janeiro de 2005, o apresentador afirmou que Luísa Mell, que havia sido entrevistada pela Playboy, terminaria seus dias como "atriz pornô, assim como Rita Cadillac". O episódio acabou indo ao ar, mas sem o trecho polêmico, de maneira que, dois dias depois, Clodovil acabou demitido. Em abril de 2007, Clodovil voltou à televisão com o programa Por Excelência, na TV JB. O nome do programa, que foi o último do apresentador, faz referência à sua então condição de deputado federal. Pediu demissão por causa de problemas de saúde.

Comerciais de televisão[editar | editar código-fonte]

Clodovil Hernandes já foi contratado para fazer alguns comerciais de televisão, a maioria deles destinado para o público feminino. Em 1977, fez um comercial de sutiãs para a francesa Valisère. Em 1984, participou de um comercial de esmaltes e batons para a Colorama. Em 1985, Clodovil apareceu em um comercial da antiga marca de desodorantes para mulheres "Mistral", ao lado de Ingra Lyberato, no qual dizia que a protagonista tinha que usá-lo para não cheirar "igual a um homem". Em 2004, Clodovil protagonizou um comercial de kit de cozinha, Kit Cozinha Brasil, que ele mesmo criou, filmado em sua residência em Ubatuba. Em abril de 2008, um comercial realizado por ele para uma agência de publicidade contratada pela Suvinil acabou vetado para ir ao ar pela própria companhia porque nele o estilista usou palavra de baixo calão e gesto impróprio.[72]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Clodovil durante um pronunciamento na Câmara dos Deputados em 2007.

Em 2006, novamente demitido da televisão, Clodovil decidiu entrar para a política, candidatando-se a deputado federal para a 53.ª legislatura da Câmara de Deputados Federais do Brasil pelo Partido Trabalhista Cristão (PTC). Seu número de candidato era o 3611 e, em sua campanha política na televisão, dizia que se eleito "Brasília nunca mais será a mesma", valendo-se também de ironias como a frase: "Vocês acham que eu sou passivo? Pisa no meu calo para você ver…".[73]

Acabou eleito com 493.951 votos ou 2,43% dos votos válidos, tornando-se o terceiro deputado federal mais votado do país e de São Paulo. Tornou-se também o primeiro homossexual assumido a ser eleito deputado federal.[74] Mesmo declarando-se, logo após ser eleito, contra a Parada do Orgulho LGBT, o casamento homossexual e o movimento LGBT brasileiro,[74] Clodovil apresentou um projeto para regulamentar a união civil de pessoas do mesmo sexo.[75]

Em setembro de 2007 o deputado decidiu trocar de partido e filiou-se ao Partido da República (PR), correndo desde então o risco de perder o mandato por infidelidade partidária, pois o TSE decidiu no dia 27 de março de 2007, que o mandato pertence ao partido e não ao eleito. No entanto, em 12 de março de 2009, foi absolvido por unanimidade dos votos.[76] Clodovil deixou o partido alegando ter sido abandonado pela legenda desde a eleição, quando não recebeu material de campanha, e posteriormente, quando não recebeu assessoria jurídica do partido. Devido a isso, os ministros do TSE concordaram que houve perseguição interna, uma das condições que permitem que o parlamentar troque de legenda.

Ele desconversava quando indagado sobre candidatar-se à Prefeitura de São Paulo em 2008.[77]

Projetos propostos[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2008, apresentou proposta de emenda constitucional pretendendo reduzir o número de deputados de 513 para 250,[78] na qual constava que nenhuma Unidade da Federação poderia ter menos de 4 deputados, nem mais de 35. Hoje, a menor representação tem 8 assentos e a maior 70.

Apresentou o projeto 580/07 para regulamentar a união civil entre homossexuais.[75]

Em 27 de março de 2009, dez dias depois da sua morte, três de seus projetos foram aprovados na Comissão de Constituição e Justiça:[79]

  • a obrigatoriedade das escolas divulgarem a lista de material escolar 45 dias antes da data final para a matrícula
  • a criação do Dia da Mãe Adotiva, uma homenagem à sua mãe adotiva Isabel Hernandes
  • a obrigatoriedade da menção dos nomes dos dubladores nos créditos das obras audiovisuais dos quais eles tenham participado.

Visões políticas[editar | editar código-fonte]

Não Cotas Raciais Sim União de pessoas do mesmo sexo Não Imigrantes
Sim Privatização Não Pena de Morte Não Aborto
Não Intervenção Militar Não Liberação de substâncias psicoativas Sim Redução da maioridade penal

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

Em 2004, já na RedeTV!, passou por uma fase polêmica devido ao desentendimento com integrantes do programa Pânico na TV. Um dos quadros do programa propunha que personalidades consideradas arrogantes pela equipe calçassem as "sandálias da humildade", e em certo momento Clodovil tornou-se o alvo dos humoristas. O apresentador se esquivou de duas investidas dos repórteres do Pânico. Na terceira tentativa, foi perseguido por dois carros, um helicóptero e um trio elétrico. Seguido desde os estúdios da emissora, em Barueri, na Grande São Paulo, o veículo do apresentador foi fechado no meio da Marginal Pinheiros, e acabou por escapar. No dia seguinte à apresentação de todo o incidente no Pânico, Clodovil fez um desabafo ao vivo em seu próprio programa, A Casa é Sua, que apresentava desde 2003. Seu programa, a partir de então, passou a ser gravado. Em 2005, ofendeu ao vivo Luisa Mell, contratada da mesma emissora, quando este declarou em seu programa, que Luisa terminaria seus dias como atriz pornográfica, assim como Rita Cadillac. A ofensa rendeu a demissão do estilista.[80] Em 2004, durante o programa A Casa é Sua, Clodovil chamou a vereadora Claudete Alves de "macaca de tailleur metida a besta". A vereadora entrou com uma queixa-crime e o apresentador respondeu por dois processos criminais no Tribunal de Justiça de São Paulo. Clodovil alegou em sua defesa que a palavra "macaca" foi usada com o intuito de demonstrar que a vereadora "gostava de aparecer", e não com conotação racista. O apresentador, porém, foi condenado a pagar indenização por danos morais.[81]

Clodovil em Brasília após ser eleito Deputado federal.

Em uma entrevista à Rádio Tupi, em 27 de outubro de 2006, Clodovil declarou que os judeus teriam manipulado o Holocausto e forjado o atentado de 11 de setembro contra o World Trade Center. Na mesma entrevista, referiu-se a um negro como "crioulo cheio de complexo". Para defender suas opiniões, disse à rádio carioca que existe um "poder escuso, que está no subsolo das coisas". Segundo o apresentador, "As pessoas são induzidas a acreditar. Quando houve aquele incidente com as torres gêmeas lá não tinha americano nenhum e nem judeu". O presidente da Federação Israelita do Rio, Osias Wurman, declarou-se indignado com as declarações, sobretudo por virem de uma pessoa advinda de uma minoria que também sofre preconceito. Wurman entrou com uma interpelação judicial contra Clodovil, acusando-o de racista, além de enviar cópias do áudio da entrevista à Secretaria Estadual de Direitos Humanos, a deputados estaduais e a organizações não-governamentais ligadas ao movimento negro.[82]

Clodovil junto a Enéas Carneiro, em dezembro de 2006.

Em 2007, envolveu-se em nova polêmica no Congresso, após discutir com a deputada Cida Diogo, do PT do Rio de Janeiro.[83] A discussão iniciou por conta das declarações de Clodovil de que "as mulheres ficaram muito ordinárias, ficaram vulgares, cheias de silicone" e ainda que atualmente "as mulheres trabalham deitadas e descansam em pé".[83] Ao ser questionado pela deputada quanto à declaração, respondeu: "Digamos que uma moça bonita se ofendesse porque ela pode se prostituir. Não é o seu caso. A senhora é uma mulher feia".[83]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Espiritualidade[editar | editar código-fonte]

A despeito da vida de glamour e da fama, Clodovil sempre fez questão de demonstrar sua espiritualidade e evidenciar o amor recíproco entre ele e o Criador e o amor que tinha por sua mãe, Dona Isabel, citando Deus de forma recorrente nos diálogos e entrevistas: "Eu não sou briguento. Como eu poderia ser? Eu sou temente a Deus".[84]

Filho adotivo de espanhóis, Clodovil foi criado como católico romano. Em 1981, Clodovil havia se definido como um "espiritualista divorciado da igreja", acreditando que Deus deu ao homem duas dávidas: o amor (o sentido da vida) e a religião (a para suportar o mundo); mas que o diabo deu-lhe a igreja e o casamento; que, no tocante ao sexo, o homem era reprimido a partir de uma educação castradora da moral da igreja e do Estado; que sua visão de felicidade estava no orgasmo e que o paraíso era o amor.[85] Em 2008, revelou que tinha afinidades com a igreja católica, mas que não considerava mais essa sua religião, embora a respeitasse por sua hierarquia, liturgia, os cantos e a arte sacra, mas criticando sua postura julgadora diante dos homossexuais.[86]

Em 1988, aos cinquenta anos e no auge de seu trabalho em Clô para os Íntimos, Clodovil afirmou que passava por um momento de "profunda revisão de valores" e de "crescimento pessoal", muito em virtude da morte de sua mãe, dona Isabel Hernandes, em 1986. A saudade da mãe o tornou cada vez mais "espiritualizado e crente na vida extraterrena", e ele procurava aconselhamento com o espírita Chico Xavier.[87] Segundo Clodovil, no dia em que sua mãe faleceu, Sílvio Santos lhe deu de presente um livro de Shirley MacLaine que foi "extremamente importante" para ele superar o luto.[88] Mais tarde, em 2005, em entrevista concedida a Gugu Liberato, no Santuário do Sagrado Coração de Jesus, nos Campos Elíseos[89], Clodovil afirmou que sua mãe falecera vítima de infecção hospitalar e que, durante sua internação, ela havia recebido sangue de um amigo dele que, sem conhecimento de Clodovil, estava com Aids.[90] Em março de 2008, conforme Clodovil em entrevista a Amaury Jr., ele revelou que, não fosse seu interesse por trabalhar na televisão, ele teria "enlouquecido e cometido suicídio" após a morte da mãe, a quem ele construiu uma capela em sua casa em Ubatuba, dizendo que seu único medo na vida era "não encontrá-la no astral" quando falecesse.[91]

Relacionamentos[editar | editar código-fonte]

Em 2008, já deputado federal, Clodovil afirmou, sem revelar nome, que só amou "decididamente" uma única pessoa, mas sem saber disso e que era algo recíproco, e que certa vez "pegou essa pessoa e foi embora para Paris". A pessoa em questão, um homem, segundo Clodovil, ressurgiu em sua vida no Natal de 2007 escrevendo-lhe que "amava muito sua esposa e filhos", mas não tanto como amou Clodovil.[92]

Em 2012, um ex-colaborador da equipe de Clodovil, cuja identidade não foi revelada, entrou na justiça pedindo reconhecimento de união estável com Clodovil, com quem teria tido um relacionamento no passado, a fim de requerer direitos sobre sua herança; porém, não houve reconhecimento na primeira instância.[93]

Problemas financeiros[editar | editar código-fonte]

Em vida, Clodovil Hernandes ganhou muito dinheiro como estilista e apresentador de televisão, mas também perdeu muito dinheiro devido a perdas em processos judiciais, a investimentos pouco rentáveis e, sobretudo, aos gastos com o estilo de vida extravagante a que estava habituado. Ao falecer, ele deixou inúmeras dívidas, as quais passaram a ser respondidas por seu espólio. Em seu testamento, havia nomeado sua advogada, Maria Hebe Pereira de Queiroz, sua inventariante. Antes de ser demitido da RedeTV! em janeiro de 2005, Clodovil recebia um salário de R$ 15 mil, acrescidos de R$ 130 mil de comissão por merchandising.

Em 1983, enquanto apresentava o Manchete Shopping Show, Clodovil suspendeu temporariamente sua carreira de alta costura por conta de um prejuízo em seu ateliê em São Paulo, obrigado a pagar nada menos do que Cr$ 400 milhões em impostos.[94]

Clodovil declarou em agosto de 1994 no programa Hebe, que ainda estava pagando o seu apartamento em Paris, cujo sinal havia pago. Em 1999, quando enfrentava um situação difícil, Clodovil recebeu do apresentador Faustão um buquê de flores com cerca de R$ 40 mil em notas, presas em um grampo de ouro, e com um cartão anexado que dizia: "Não é dinheiro. É um presente de um amigo".[95]

Edifício São Carlos, na Vila Nova Conceição.

Em São Paulo, Clodovil alugava um apartamento no Edifício São Carlos, na Avenida República do Líbano, em frente ao Parque do Ibirapuera. Em Cotia, ele mantinha uma casarão de 787 m² no bairro Granja Viana, na Rua Perdigão, n.° 494. A residência entrou em estado de abandono quando Clodovil deixou de poder arcar com reformas em 2005, por conta de sua demissão da RedeTV!. A propriedade foi vendida por seu espólio em 2012, pelo valor de 500 mil reais.[96] O dinheiro foi utilizado pelo espólio para pagar a indenização por difamação à Marta Suplicy e dívidas trabalhistas.[97]

Em 1980, começou a construir um retiro particular em Ubatuba, no litoral Norte de São Paulo. Ele adquirira três lotes que somavam 3 200 m², na Rua das Rosas, num local conhecido como "Sertãozinho do Léo". Abrangida pelo Parque Estadual da Serra do Mar, a propriedade cercada pela Mata Atlântica está numa área de proteção ambiental. Ao longo dos anos, o próprio Clodovil projetou, sem requerer serviços de arquitetos e engenheiros, um complexo de casas interligadas por passeios ajardinados, todas minuciosamente decoradas com seu gosto pessoal e, como tido por muitos, excêntrico.

Em janeiro de 2005, parte de uma das casas de Clodovil desabou após um deslizamento de terra, de modo que o imóvel acabou parcialmente interditado por técnicos da Defesa Civil de Ubatuba.[98] À medida que ampliava irregularmente seus aposentos na propriedade, Clodovil recebeu muitas denúncias por degradação ambiental. Em agosto de 2018, após dois leilões virtuais, a propriedade em Ubatuba de Clodovil foi arrematada por R$ 750 mil.[99] Pouco tempo depois, porém, o leilão da terreno foi anulado judicialmente a pedido da parte compradora, alegando que desconhecia a escritura de "cessão de direitos possessórios" da área pelo Estado, a qual havia sido dada a Clodovil.[100]

Doença e morte[editar | editar código-fonte]

Velório de Clodovil, ocorrido na ALESP.

Clodovil Hernandes foi diagnosticado em 2005 com um tumor maligno na próstata. Ele retirou o tumor em uma cirurgia e não precisou fazer tratamentos complementares, porém passou a apresentar um quadro de incontinência urinária.[101] Em 2007, o deputado sentiu fortes dores no corpo e febre, com princípio de infarto. Depois voltou a passar mal na Câmara dos Deputados, teve um derrame cerebral e ficou com o lado direito do corpo paralisado. Em agosto de 2008, passou por mais uma cirurgia em decorrência das deficiências na próstata. Após a cirurgia, durante a recuperação o estilista e deputado sofreu uma embolia pulmonar.[102]

Clodovil morreu em 17 de março de 2009, após ser registrada sua morte cerebral, causada por um acidente vascular cerebral (AVC). O velório ocorreu no Salão Nobre da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo e o sepultamento teve lugar no dia seguinte à morte no Cemitério do Morumbi, na capital paulista.[103]

Espólio, fundação e instituto[editar | editar código-fonte]

Clodovil morreu sem deixar descendentes, tampouco nomeou herdeiros para seu patrimônio. Em vez disso, doou seus bens para a criação de uma fundação que idealizou ainda em vida. Conforme mencionado pelo próprio Clodovil, em entrevista a Amaury Júnior em 2008, o testamento do estilista propunha a criação da "Fundação Isabel Hernandes", que teria sua sede em sua casa em Ubatuba, com o escritório administrativo em uma parte do imóvel e outra parte transformada em museu, para que as pessoas pudessem conhecer mais sobre a casa que Clodovil viveu por décadas e os hábitos do estilista.

Em relação à gestão da "Fundação Isabel Hernandes", Clodovil deixou claro que não queria deixar para a prefeitura de Ubatuba. Dentro dessa fundação, funcionariam as “Casas Clô”, que abrigaria durante o dia meninas abandonadas e também funcionaria como uma espécie de "creche", onde meninas poderiam ficar das 7h até 17h e ser capacitadas para o mercado de trabalho. No entanto, devido à falta de verbas, problemas com a casa de Ubatuba (que está construída em uma área protegida de Mata Atlântica) e uma série de dificuldades enfrentadas por seu Espólio em andamento (considerando 2022), até o momento não foi possível realizar o sonho de Clodovil de criar uma fundação beneficente. A casa do estilista tem ido para leilão e também corre o risco de ser demolida, em razão de estar em reserva florestal.

Com a intenção de concretizar o sonho de Clodovil, um grupo de amigos do falecido criou o Instituto Clodovil Hernandes em 2011, cuja missão é proteger e divulgar a memória do artista, enquanto não é possível criar a Fundação que ele tinha interesse. Desde então, o Instituto tem guardado e exposto por meio de parcerias o acervo de itens da marca CLODOVIL, aceitando doações de objetos criados pelo artista e divulgado informações em suas páginas nas principais redes sociais. O presidente do Instituto é Maurício Petiz, assessor e amigo de Clodovil.

Clodovil na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Clodovil Hernandes, em vida, jamais publicou a sua autobiografia. O primeiro livro sobre o estilista, "Clodovil Hernandes do Palco aos Bastidores", publicado pela CD Editora em 2012, foi escrito pelo escritor Carlinhos Columbia, que trabalhou como copeiro do estilista. Em novembro de 2017, o jornalista Carlos Minuano publicou a biografia "Tons de Clô" (ISBN 9788546500697), pela editora Best Seller, com aba escrita por Ronaldo Ésper.[104]

Minissérie e cinebiografia póstuma[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2014, a produtora Casablanca, da família Siaretta, anunciou que estava captando recursos e contatando emissoras interessadas para lançar uma minissérie sobre a vida de Clodovil Hernandes, o qual havia negociado com a Casablanca seus direitos de imagem antes de seu falecimento[105]. Uma parceria chegou a ser negociada entre Casablanca e a Record[106]; no entanto, em 2015, a Record engavetou o projeto, que se chamava A Lente de Clodovil, previsto para contar com 13 episódios[107].

Em 2019, o filme Hebe: A Estrela do Brasil (2019) mostrou em uma cena uma fotografia de Clodovil ao lado de Hebe.

Em 2019, a Ancine autorizou a captação de recursos para uma cinebiografia, intitulada Clodovil.[108] Em junho de 2021 foi anunciada uma série biográfica a ser produzida, tendo o ator Silvero Pereira como intérprete do estilista.[109]

Clodovil Presente[editar | editar código-fonte]

Em março de 2019, no décimo aniversário da morte de Clodovil, foi lançada a campanha Clodovil Presente, um projeto cultural do grupo Endireita Fortaleza, um grupo suprapartidário de posicionamento ideológico de direita e conservador com atuação política, social e cultural na capital cearense. O objetivo do projeto, cujo embaixador é Elias Soares, é servir para um "resgate da memória" do estilista e político Clodovil, que foi o primeiro deputado assumidamente homossexual do Brasil, era rechaçado pelo Movimento LGBT e tinha opiniões conservadoras sobre a sociedade[110]. No seu lançamento, diversos políticos, a maioria de direita, manifestaram apoio à campanha, tais como Marco Feliciano (que apoiou a campanha no Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados[111]), Carla Zambelli (que propôs batizar a sala II do plenário como Plenário Deputado Clodovil Hernandes[112]), Damares Alves (então ministra dos Direitos Humanos), Joice Hasselmann, Hélio Lopes e Alexandre Frota. Em outubro daquele ano, integrantes da campanha participaram do Conservative Political Action Conference (CPAC) Brasil. No entanto, a campanha sofreu críticas por utilizar a imagem de Clodovil por "puro oportunismo".[113]

Simplesmente Clô[editar | editar código-fonte]

Em 21 de novembro de 2021, estreou no Teatro União Cultural, em São Paulo, a peça teatral e monólogo Simplesmente Clô, escrita por Bruno Cavalcanti, a qual teve o ator Eduardo Martini no papel de Clodovil Hernandes.[114] Martini, que conhecia Clodovil, venceu o Prêmio Bibi Ferreira de 2022, na categoria de "melhor ator de peça teatral" por seu trabalho.[115]

Imitações[editar | editar código-fonte]

Por conta de sua voz, trejeitos e estilo próprio, Clodovil Hernandes já foi imitado por diversos humoristas e artistas. Sobre as sátiras que testemunhou em vida, Clodovil teve divergências com alguns dos parodistas.

Em 1981, Mussum imitou Clodovil (através do personagem Criolovil) em um quadro de Os Trapalhões. Quando o comediante faleceu em 1994, Clodovil o elogiou chamando-o de divertido e muito alegre.[116]

Em 1981, Clodovil ganhou uma liminar judicial que interditou uma publicidade de faziam de sua imagem.[117]

Em 1982, Agildo Ribeiro fez uma sátira de Clodovil em seu programa "Estúdio A...gildo", com o personagem "Clô Clô".[118] Recebendo-o em seu programa TV Mulher naquela época, Clodovil afirmou que Agildo era "engraçado", mas que o personagem era "triste". Em 1993, Agildo novamente parodiou Clodovil ao seu lado, no seu programa "Não Pergunta que Eu Respondo", mas ressaltou que Clodovil era "inimitável" em sua arte na televisão e na costura.[119]

Em 1993, o apresentador do Jornal Nacional William Bonner, ao lado de Cid Moreira, imitou Clodovil usando seu bordão "Olha para a lente da verdade e me diz...". A brincadeira foi gravada mas não foi ao ar na ocasião, tendo sido colocada na internet em 2004 apenas.[120]

Tom Cavalcanti imitou Clodovil em várias ocasiões através do personagem Tomdovil. Em 1997, em entrevista para o programa Passando a Limpo, Clodovil afirmou que Cavalcanti o reverenciava e que nunca o imitou para "cafajestada ou grosseria", caricaturizando-o de uma maneira elegante.

Clodovil foi imitado por diversas vezes por Wellington Muniz, o Ceará, do Programa Pânico na TV, classificado por ele como "o pior imitador do Clodovil" e ainda afirmou: "toda vez que você é imitado, você não fica feliz por uma razão, porque é uma caricatura, tinta forte, ninguém gosta."

Recentemente, em 2019, Viny Vieira imitou Clodovil com o personagem Clodoviny.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Cargo Emissora
1971 Editora Mayo, Bom Dia Ele mesmo RecordTV
1979 Marron Glacé [121] Rede Globo
1980–83 TV Mulher Apresentador[122]
1983 Clodovil Rede Bandeirantes
Sabor de Mel Ele mesmo
1983–85 Manchete Shopping Show Apresentador Rede Manchete
1985–88 Clô para os Íntimos
1992–93 Clodovil Abre o Jogo Rede Manchete e CNT
1993–94 Clodovil em Noite de Gala CNT
1995-96 Clodovil Rede Mulher
1996–97 Retratos CNT
1998 Clodovil Soft Rede Bandeirantes
1999 Clodovil Rede Mulher
1999–2000 Clodovil Hernandez Séries de Web
2001 Clodovil Frente e Verso CNT
O Clone Ele mesmo Rede Globo
2001–02 Mulheres Apresentador TV Gazeta
2002 Clodovil
2003–05 A Casa É Sua RedeTV!
2007 Por Excelência TV JB

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel Notas
1966 O Corpo Ardente Figurinista
1970 Beto Rockfeller Convidado da festa
1971 Lua de Mel e Amendoim Figurinista
1972 A Infidelidade ao Alcance de Todos Ele mesmo Também Figurino
1977 Paranoia

Notas e referências

Notas

Referências

  1. a b c d Ofício de registro civil de Floreal (27 de março de 1952). «Talão do registro de nasciemnto de Clodovir Hernandes». Consultado em 22 de junho de 2022 
  2. «Clodovil na lente da verdade». Revista Veja 
  3. «Biografia de Clodovil traz um desfile de polêmicas e histórias reveladoras». O Globo. 29 de novembro de 2017. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  4. «Clodovil se elege deputado federal por SP com terceira maior votação do estado». O Globo. 2 de outubro de 2006. Consultado em 17 de março de 2021 
  5. «Federação Israelita intima Clodovil Hernandes por racismo». O Globo. Globo.com 
  6. «Gay de direita, Clodovil é lembrado por polêmicas no Plenário». epoca.globo.com. Consultado em 17 de março de 2021 
  7. OAM. «Fortuna de Clodovil continua bloqueada dez anos depois de sua morte». Gazetaweb. Consultado em 17 de março de 2021 
  8. IBGE. «Elisiário - formação administrativa». Consultado em 22 de junho de 2022 
  9. O Globo. «O Globo - Biografia de Clodovil traz um desfile de polêmicas e histórias reveladoras» 
  10. Revista Manchete nº 1.421 - 14/07/79 - Depoimento a Ronaldo Bôscoli. Clodovil: "não deixarei que façam comigo o que fizeram com Denner"
  11. «Políticos lamentam morte de Clodovil em velório - 18/03/2009 - Ilustrada». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de março de 2021 
  12. «Clodovil Hernández». Isto é gente. Terra. Consultado em 11 de novembro de 2011 
  13. «Clodovil, vítima de notícia falsa no jornal». www.terra.com.br. ISTOÉ Gente Online. Consultado em 17 de março de 2021 
  14. Revista Manchete nº 1.421 - 14/07/79 - Depoimento a Ronaldo Bôscoli. Clodovil: "Eu fiz o curso Normal no Pedro II. Mesmo comendo uma vez por dia, eu já tinha pose."
  15. Depoimento de Clodovil Hernandes no quadro "Os Donos do Jogo" no programa "Hoje em Dia", apresentado por Ana Hickmann, Edu Guedes e Britto Júnior, em 11 de abril de 2007]
  16. «Certidão de óbito de Domingos Hernandes Serrano. Registro Civil de Mandaguari, Livro 06, Termo 6261, Folha 218». FamilySearch. Consultado em 18 de setembro de 2022 
  17. Entrevista de Clodovil Hernandes ao repórter Ronaldo Ruiz no Teatro Brigadeiro, São Paulo, em 2006.
  18. «Realidade (SP) - 1966 a 1976 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  19. «Correio Paulistano (SP) - 1960 a 1963 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  20. «Correio Paulistano (SP) - 1960 a 1963 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  21. «Correio Paulistano (SP) - 1960 a 1963 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  22. a b «Folha de S.Paulo - Serafina 46 - 29/01/2012». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  23. Carvalheiro, Vagner. «O poliglota da moda: a trajetória de Matteo Amalfi na moda brasileira» (PDF). Colóquio Moda. Consultado em 4 de novembro de 2022. Arquivado do original (PDF) em 1 de agosto de 2020 
  24. «"Tons de Clô": Vida de Clodovil vai virar filme baseado em livro». NaTelinha. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  25. «Só aceitei a homossexualidade aos 60 anos». Isto é Gente. Terra 
  26. «Equipe médica confirma morte cerebral de Clodovil». Estadão.com.br 
  27. «Clodovil foi um dos pilares da "alta costura brasileira"». BOL. UOL 
  28. «Clodovil Hernandes foi pioneiro na 'alta-costura brasileira'». G1. Globo 
  29. Revista Manchete - Os Quatro Grandes da FENIT. Ano 1967, edição 800. 19 de agosto de 1967
  30. Diário do Paraná. "Uma delícia de guerra", por Sérgio Bitencourt. 7 de fevereiro de 1971, edição 4673.
  31. Jornal A Tribuna (São Paulo): As Fotos do Dia, por Thereza Bueno Wolf. 8 de fevereiro de 1971, edição 301.
  32. Jornal A Tribuna (São Paulo) - Coluna de Thereza Bueno Wolf. 28 de junho de 1971, edição 95.
  33. Correio da Manhã (Rio de Janeiro): A nova linha de Clodovil. 15 de março de 1971, edição 23899.
  34. Jornal Intervalo (Rio de Janeiro): Grandes elogios para Clodovil. Ano 1972, edição 489.
  35. Diário da Noite (São Paulo) - Ponto Top: Linha Aberta. 25 de abril de 1973.
  36. Jornal do Brasil (Rio de Janeiro): A realidade empresarial na moda de Clodovil. 24 de abril de 1973, edição 16.
  37. Jornal A Tribuna (São Paulo): Coluna de Thereza Bueno Wolf. 25 de outubro de 1973, edição 212.
  38. Diário de Pernambuco. "No Jardim de Modas de Clodovil Hernandez", por João Alberto. 29 de outubro de 1976, edição 292.
  39. Jornal do Brasil (Rio de Janeiro) - Mulher: Clodovil lança a coleção primavera-verão. É o novo prêt-à-porter de luxo. Por Catarina Vitória Penna. 18 de julho de 1975, edição 101.
  40. Jornal do Brasil (Rio de Janeiro): Clodovil Hernandez, um estilo definido. 10 de agosto de 1979, edição 124.
  41. [https://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=030015_09&Pesq=clodovil%20%22oscar%20freire%22&pagfis=83169 Jornal do Brasil (Rio de Janeiro): "Clodovil vem para Ficar", por Iesa Rodrigues. Ano 1976, edição 206.
  42. "101 Filmes para quem ama moda", Editora SENAI-SP, página 104"
  43. Mulheres de Areia (1973): Um casamento de novela. Reportagem de Lyba Frydman.
  44. «Clodovil». IMDb. Consultado em 17 de março de 2021 
  45. Cunha, Tarcísio (25 de setembro de 2017). «Após 40 anos, Kuarup, do Ballet Stagium, volta ao palco do Theatro Municipal de SP». Agenda de Dança. Consultado em 17 de março de 2021 
  46. «Anais I Congresso Internacional de Memória, Design e Moda. Moda Documenta: Museu, Memória e Design - Maio, 2014» (PDF). Artigo "A ATUAÇÃO DE CLODOVIL HERNANDES COMO FIGURINISTA", por Vagner D. G. Carvalheiro (CEETEPS)". Consultado em 1 de agosto de 2020 
  47. Diário de Pernambuco - Clodovil xingou todo mundo na Globo. 4 de dezembro de 1979, edição 329.
  48. Beatriz Segall - Além das Aparências, por Nilu Lebert
  49. O Fluminense - Desfile de Clodô movimenta bairro. Ano 1983, edição 24432.
  50. «Em O Clone, Clodovil 'ressuscita', destrói Alicinha e alegra fãs: 'Icônico'». Notícias da TV. 23 de fevereiro de 2022. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  51. a b «Jornal do Brasil (RJ) - 1980 a 1989 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  52. «Jornal do Brasil (RJ) - 1980 a 1989 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  53. «Monza Clodovil: quando a Chevrolet lançou o primeiro carro fashion do Brasil | FlatOut!». 13 de setembro de 2018. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  54. «Tribuna da Imprensa (RJ) - 2000 a 2009 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  55. «Morte de Clodovil Hernandez». CLAUDIA. 17 de março de 2009. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  56. «Diario de Noticias (RJ) - 1970 a 1976 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  57. «Jornal do Brasil (RJ) - 2000 a 2009 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  58. «Jornal O Município (SC) - 2005 a 2019 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 4 de novembro de 2022 
  59. «Clodovil tinha sonho de se tornar cantor e gravar um álbum solo». R7.com. 1 de setembro de 2020. Consultado em 17 de março de 2021 
  60. Cultural, Instituto Itaú. «Seda Pura e Alfinetadas». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 17 de março de 2021 
  61. «Folha Online - Ilustrada - Candidato a deputado, Clodovil volta ao teatro em SP - 24/01/2006». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  62. «ISTOÉ Gente». www.terra.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  63. TV História: Apresentador recusou prêmio da Globo: “Não gosto de passar por tolo”...
  64. «Em entrevista, Marília Gabriela diz: "O Clodovil era muito cruel"». NaTelinha. Consultado em 17 de março de 2021 
  65. «Ney Gonçalves Dias lembra "TV Mulher": "Gabi e Clodovil eram inimigos"». tvefamosos.uol.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  66. «Folha de S.Paulo - Clodovil é demitido da CNT; TV Plus quer fazer 4 novelas; Fleury visita cidade cenográfica; Cultura participa de "pool"; Benedito ganha US$ 100 mil; MTV desmente volta de Thunder; Gleiser cuidará de produções; Atores gravam histórias infantis - 27/11/1994». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  67. «Folha de S.Paulo - Clodovil terá 2 programas - 28/7/1996». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  68. «Folha de S.Paulo - Estréia: Clodovil volta à TV em versão "light' - 23/08/98». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  69. «Bandeirantes é condenada a pagar indenização para Clodovil». Consultor Jurídico. Consultado em 17 de março de 2022 
  70. Jornal A Tribuna - João Carlos Moraes Camargo - 22 de julho de 2000
  71. «Folha Online - Colunas - Ooops! - Cansada de ironias, Luciana Gimenez dá uma "dura" em Clodovil - 30/06/2004». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  72. Caristina, Jean (27 de novembro de 2017). «Comercial proibido da Suvinil». IntervaloLegal. Consultado em 17 de março de 2021 
  73. «Artistas aproveitam notoriedade para conseguir votos». Folha de S.Paulo. UOL 
  74. a b «Com quase 500 mil votos, Clodovil é o primeiro gay eleito para o cargo de Deputado Federal». A capa 
  75. a b «G1 > Política - NOTÍCIAS - Relembre a trajetória de Clodovil, estilista, apresentador de TV e deputado». g1.globo.com. Consultado em 16 de junho de 2017 
  76. «Diário de Pernambuco». 13 de março de 2009. Consultado em 13 de março de 2009. Arquivado do original em 22 de março de 2009 
  77. «Clodovil e seu gabinete». Época. Globo 
  78. «Clodovil Hernandes apresenta nova emenda constitucional». Ministério do planejamento [ligação inativa]
  79. «CCJ aprova três projetos de Clodovil Hernandes». Câmara dos deputados 
  80. Revista da TV: O Globo (17 de março de 2009). «Trajetória de Clodovil na tv é marcada por declarações polêmicas e demissões». Consultado em 15 de março de 2010 
  81. «Clodovil Hernandes é condenado por racismo». Consulte já. Consultado em 9 de julho de 2008. Arquivado do original em 21 de março de 2009 
  82. «Clodovil nega Holocausto e 11 de setembro». Estadão.com.br 
  83. a b c «Deputada acusa Clodovil de agressão verbal». G1. Globo 
  84. «Só córneas de Clodovil serão doadas». Época. Globo 
  85. Revista O Cruzeiro: "A primeira-dama é um luxo". Por Antonieta Santos. Ano 1981, edição 34, pág. 25.
  86. Participação de Clodovil no programa Nada Além da Verdade de Sílvio Santos em 02/12/2008. Clodovil: "Eu tenho várias afinidades, eu fui criado por ela (Igreja Católica) [...] mas eu também não sou mais católico".
  87. Revista Manchete (Rio de Janeiro): CLODOVIL: nasci para brilhar na TV. Por Jussara Matins. Ano 1988, Edição 1881, páginas 83 e 84.
  88. Participação de Clodovil no programa Nada Além da Verdade de Sílvio Santos em 02/12/2008. Clodovil: "O carinho foi o dia em que a mamãe morreu e você me mandar o livro da Shirley MacLaine [...] que foi de extrema importância para mim".
  89. O Fuxico: Gugu entrevista Clodovil numa igreja, em São Paulo. 15 de setembro de 2005.
  90. Entrevista de Clodovil Hernandes a Gugu Liberato, no Domingo Legal, gravada em 15 de setembro de 2005. Clodovil: "Eu tinha um amigo meu que estava com Aids e eu não sabia. E quando a mamãe estava nas últimas no hospital, ele deu sangue para a mamãe duas ou três vezes. A mamãe morreu de infecção hospitalar."
  91. Entrevista de Clodovil Hernandes no Programa Amaury Jr. (Rede TV!) em Ubatuba, em 07/03/2008. Clodovil: "Tudo o que sou eu devo à televisão, inclusive não enlouquecer quando a mamãe morreu. Se eu não estivesse na televisão naquela épooca eu teria me suicidado."
  92. Entrevista de Clodovil Hernandes no Programa Amaury Jr. (Rede TV!) em Ubatuba, em 07/03/2008. Clodovil: "Eu amei uma pessoa, muito, sem saber. E eu peguei essa pessoa e fui embora para Paris. [...] mas eu não sabia que ela também me amava."
  93. Correio do Estado: Correio B: Ex-companheiro de Clodovil pede à Justiça reconhecimento de união estável. 6 de junho de 2012.
  94. Jornal dos Sports (Rio de Janeiro). "Antes do Museu", por Eli Halfoun. Edição 16717, 13 de dezembro de 1983.
  95. «Terra - ISTOÉ GENTE - Vale quanto pesa». www.terra.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  96. «É o fim de uma era, diz amiga de Clodovil após venda de casa em Cotia». Consultado em 30 de junho de 2018. Arquivado do original em 30 de junho de 2018 
  97. OFuxico. «Venda da casa de Clodovil em Cotia paga indenização à Marta Suplicy». Consultado em 17 de março de 2021 
  98. «Folha Online - Cotidiano - Defesa Civil interdita parcialmente casa de Clodovil no litoral de SP - 20/01/2005». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  99. «Mansão de Clodovil em Ubatuba é arrematada por R$ 750 mil em leilão». G1. Consultado em 17 de março de 2021 
  100. «Compradora da mansão de Clodovil desiste do negócio e tenta na Justiça anular leilão». G1. Consultado em 17 de março de 2021 
  101. «Em entrevista a Amaury Jr, Clodovil diz ter tumor maligno». Folha Online. UOL 
  102. «Clodovil Hernandes é internado com embolia pulmonar». G1. 5 de setembro de 2009. Consultado em 27 de Fevereiro de 2020 
  103. «Clodovil tem morte cerebral confirmada; polêmica marcou carreira na televisão e na política». Universo Online. UOL 
  104. UOL - TV e Famosos - Censura, chilique e "anti-orgulho" gay: relembre sete polêmicas de Clodovil...
  105. UOL Coluna de Flávio Ricco - Vida de Clodovil Hernandes será contada em minissérie. 17 de fevereiro de 2014.
  106. UOL NaTelinha - Minissérie de Clodovil pode ser negociada com a Record. 29 de março de 2014.
  107. UOL - Observatório da TV: Com série sobre Mamonas Assassinas, Record engaveta minissérie de Clodovil. 12 de novembro de 2015.
  108. «Os tons de Clodovil na tela do cinema». Época. 10 de julho de 2019. Consultado em 17 de março de 2021 
  109. «Silvero Pereira é convidado para ser Clodovil Hernandez em série». R7.com. 3 de junho de 2021. Consultado em 18 de junho de 2021 
  110. Pleno News - Parlamentares apoiam campanha Clodovil Presente. 19 de março de 2019.
  111. Pleno News: Marco Feliciano adere a campanha “Clodovil Presente”. 16 de março de 2019.
  112. Câmara dos Deputados - PRC 122/2019 Projeto de Resolução de Alteração do Regimento e outros.
  113. Observatório G - Marco Feliciano homenageia Clodovil Hernandes. Março de 2019.
  114. Vogue Globo - Eduardo Martini estreia 'Simplesmente Clô' em SP. 21 de novembro de 2021.
  115. Folha: Prêmio Bibi Ferreira consagra atrizes trans e evita apoios políticos
  116. Folha de S.Paulo - Cotidiano
  117. O Fluminense - Clodovil ganhou liminar contra imitação.
  118. «Uma década sem Clodovil Hernandes: relembre sua trajetória na TV - Emais». Estadão. Consultado em 17 de março de 2021 
  119. Jornal A Tribuna (São Paulo): Bastidores. 8 de março de 1993.
  120. «Folha Online - Ilustrada - William Bonner imita Clodovil em vídeo que está na internet - 12/12/2004». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  121. Xavier, Nilson. «Marron-Glacé». Teledramaturgia. Consultado em 16 de dezembro de 2022 
  122. «Trajetória de Clodovil na TV é marcada por declarações polêmicas e demissões». Portal na TV. WordPress. 18 de março de 2009. Consultado em 6 de setembro de 2009. Arquivado do original em 21 de julho de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons