Aborto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aborto
Classificação e recursos externos
CID-10 O04
CID-9 779.6
DiseasesDB 4153
MedlinePlus 002912
eMedicine article/252560
Star of life caution.svg Aviso médico

Um aborto ou interrupção da gravidez é a remoção ou expulsão prematura de um embrião ou feto do útero, resultando na sua morte ou sendo por esta causada.[1] Isto pode ocorrer de forma espontânea ou induzida, provocando-se o fim da gestação, e consequente fim da atividade biológica do embrião ou feto, mediante uso de medicamentos ou realização de cirurgias.

O aborto induzido, quando realizado por profissionais capacitados e em boas condições de higiene é um dos procedimentos mais seguros da medicina atual.[2] Entretanto, o aborto inseguro, feito por pessoas não-qualificadas ou fora de um ambiente hospitalar, resulta em aproximadamente 70 mil mortes maternas e cinco milhões de lesões maternas por ano no mundo.[3] Estima-se que sejam realizados no mundo 44 milhões de abortos anualmente, sendo pouco menos da metade destes procedimentos realizados de forma insegura.[4] A incidência do aborto se estabilizou nos últimos anos,[4] após ter tido uma queda nas últimas décadas devido ao maior acesso a planejamento familiar e a métodos contraceptivos.[5] Quarenta por cento das mulheres do mundo têm acesso a aborto induzido em seus países (dentro dos limites gestacionais).[6]

Historicamente, o aborto induzido vem sendo realizado através de diferentes métodos e seus aspectos morais, éticos, legais e religiosos ainda são objeto de intenso debate em diversas partes do mundo.

Tipos[editar | editar código-fonte]

O aborto geralmente é dividido em dois tipos, aborto espontâneo e aborto induzido. Outras classificações também são usadas, de acordo com o tempo de gestação, por exemplo.

Aborto espontâneo[editar | editar código-fonte]

Aborto espontâneo, involuntário ou casual, é a expulsão não intencional de um embrião ou feto antes de 20-22 semanas de idade gestacional. Uma gravidez que termina antes de 37 semanas de idade gestacional que resulta em um recém-nascido vivo é conhecida como parto prematuro ou pré-termo. Quando um feto morre no interior do útero após a viabilidade, ou durante o parto, geralmente é chamado de natimorto.

A causa mais comum de aborto espontâneo durante o primeiro trimestre são as anomalias cromossômicas do feto/embrião, que contabilizam pelo menos 50% das perdas gestacionais precoces.

Outras causas incluem doenças vasculares (como o lúpus eritematoso sistêmico), diabetes, problemas hormonais, infecções, anomalias uterinas e trauma acidental ou intencional. A idade materna avançada e a história prévia de abortos espontâneos são os dois fatores mais associados com um risco maior de aborto espontâneo.

Aborto induzido[editar | editar código-fonte]

O aborto induzido, também denominado aborto provocado ou interrupção voluntária da gravidez, é o aborto causado por uma ação humana deliberada. Ocorre pela ingestão de medicamentos ou por métodos mecânicos. A ética deste tipo de abortamento é fortemente contestada em muitos países do mundo mas é reconhecida como uma prática legal em outros locais do mundo, sendo inclusive em alguns totalmente coberta pelo sistema público de saúde. Os dois polos desta discussão passam por definir quando o feto ou embrião se torna humano ou vivo (se na concepção, no nascimento ou em um ponto intermediário) e na primazia do direito da mulher grávida sobre o direito do feto ou embrião.

O aborto induzido possui as seguintes subcategorias:

Outras classificações[editar | editar código-fonte]

Quanto ao tempo de duração da gestação:

  • Aborto subclínico: abortamento que acontece antes de quatro semanas de gestação
  • Aborto precoce: entre quatro e doze semanas
  • Aborto tardio: após doze semanas

Riscos de um Aborto[editar | editar código-fonte]

Os riscos para a saúde envolvidos no aborto induzido dependem de o procedimento ser realizado com ou sem segurança.

A Organização Mundial de Saúde define como abortos não-seguros aqueles realizados por indivíduos sem formação, equipamentos perigosos ou em instituições sem higiene.[8] Os abortos legais realizados nos países desenvolvidos estão entre os procedimentos mais seguros na medicina.[2] [9] Nos Estados Unidos, a taxa de mortalidade materna em abortos entre 1998 e 2005 foi de 0,6 morte por 100.000 procedimentos abortivos, tornando o aborto cerca de 14 vezes mais seguro do que o parto, cuja taxa de mortalidade é de 8,8 mortes por 100.000 nascidos vivos.[10] [11]

O risco de mortalidade relacionada com o aborto aumenta com a idade gestacional, mas permanece menor do que o do parto até pelo menos 21 semanas de gestação.[12] [13] Isso contrasta com algumas leis presentes em alguns países que exigem que os médicos informem os pacientes que o aborto é um procedimento de alto risco.[14]

A aspiração uterina a vácuo no primeiro trimestre é o método de aborto não-farmacológico mais seguro, e pode ser realizado em uma clínica de atenção primária em saúde, clínica de aborto ou hospital. As complicações são raras e podem incluir perfuração uterina, infecção pélvica e retenção dos produtos da concepção necessitando de um segundo procedimento para evacuá-los.[15]

Geralmente são administrados antibióticos profiláticos (preventivos) (como a doxiciclina ou metronidazol) antes do aborto eletivo,[16] pois acredita-se que eles diminuem substancialmente o risco de infecção uterina pós-operatória.[17] [18] As complicações após abortos no segundo-trimestre são similares às que ocorrem após o aborto no primeiro trimestre, e dependem do método escolhido.

Existe pouca diferença em termos de segurança e eficácia entre o aborto farmacológicos usando regime combinado de mifepristona e misoprostol e o aborto não-farmacológico (aspiração a vácuo) quando são realizados no início do primeiro trimestre (até 9 semanas de idade gestacional).[19] O aborto farmacológico com o uso do análogo de prostaglandina misoprostol isolado é menos efetivo e mais doloroso do que o aborto usando o regime combinado de mifepristona e misoprostol ou do que o aborto cirúrgico.[20] [21]

Existe controvérsia na comunidade médica e científica sobre os efeitos do aborto. As interrupções de gravidez feitas por médicos competentes são normalmente consideradas seguras para as mulheres, dependendo do tipo de cirurgia realizado.[22] [23] Entretanto, um argumento contrário ao aborto seria de que, para o feto, o aborto obviamente nunca seria "seguro", uma vez que provoca sua morte sem direito de defesa.[24] [25]

Os métodos que não são realizados com acompanhamento médico (uso de certas drogas, ervas, ou a inserção de objectos não cirúrgicos no útero) são potencialmente perigosos para a mulher, conduzindo-a a um elevado risco de infecção permanente ou mesmo à morte, quando comparado com os abortos feitos por pessoal médico qualificado.

Segundo a ONU, pelo menos 70 mil mulheres perdem a vida anualmente em consequência de abortos realizados em condições precárias,[26] não há, no entanto, estatísticas confiáveis sobre o número total de abortos induzidos realizados no mundo nos países e/ou situações em que o aborto é criminalizado.

Existem, com variado grau de probabilidade, possíveis efeitos negativos associados à prática abortiva, nomeadamente a hipótese de ligação ao câncer de mama, a dor fetal, o síndrome pós-abortivo. Possíveis efeitos positivos incluem redução de riscos para a mãe e para o desenvolvimento da criança não desejada.

Em janeiro de 2012 uma pesquisa realizada pela Organização Mundial de Saúde revelou que a prática do aborto é maior nos países em que ele é proibido e quase metade de todos os abortos feitos no mundo é realizada com altos riscos para a mulher.

Entre 2003 e 2008, cerca de 47 mil mulheres morreram e outros 8,5 milhões tiveram consequências graves na sua saúde, decorrentes da prática do aborto.

Quase todas as interrupções de gravidez intencionais realizadas de maneira insegura, aconteceram em nações em desenvolvimento, na América Latina e África. "O aborto é um procedimento muito simples.

Todas essas mortes e complicações poderiam ter sido facilmente evitadas", disse Gilda Sedgh, pesquisadora-sênior do Instituto norte-americano Guttmacher, autora do estudo.[27]

Câncer da mama[editar | editar código-fonte]

Há uma hipótese de relação causal entre o aborto induzido e o risco de desenvolvimento de câncer de mama.

A teoria é que no início da gravidez, o nível de estrogénio aumenta, levando ao crescimento das células mamárias necessário à futura fase de lactação. A hipótese de relação positiva entre câncer de mama e aborto sustenta que se a gravidez é interrompida antes da completa diferenciação celular, então existirão relativamente mais células indiferenciadas vulneráveis à contracção da doença.

Esta hipótese, não é bem aceita pelo consenso científico de estudos de associações e entidades ligadas ao câncer,[28] [29] [30] mas tem alguns defensores como o dr. Joel Brind.[31]

Dor do feto[editar | editar código-fonte]

A existência ou ausência de sensações fetais durante o processo de abortamento é hoje matéria de interesse médico, ético e político. Diversas provas entram em conflito, existindo algumas opiniões defendendo que o feto é capaz de sentir dor a partir da sétima semana[32] enquanto outros sustentam que os requisitos neuro-anatómicos para tal só existirão a partir do segundo ou mesmo do terceiro trimestre da gestação.[33]

Os receptores da dor surgem na pele na sétima semana de gestação.

O hipotálamo, parte do cérebro receptora dos sinais do sistema nervoso e que liga ao córtex cerebral, forma-se à quinta semana.

Todavia, outras estruturas anatómicas envolvidas no processo de sensação da dor ainda não estão presentes nesta fase do desenvolvimento. As ligações entre o tálamo e o córtex cerebral formam-se por volta da 23ª semana.[34] Existe também a possibilidade de que o feto não disponha da capacidade de sentir dor, ligada ao desenvolvimento mental que só ocorre após o nascimento.[35]

Novos estudos do Hospital Chelsea, realizados pela Dra. Vivette Glover em Londres sugerem que a dor fetal pode estar presente a partir da décima sétima semana de vida do feto. O que justificaria, segundo os proponentes do aborto, o uso de anestésicos para diminuir o provável sofrimento do feto. Estes estudos contrariam a versão da entidade que reúne obstetras e ginecologistas do Reino Unido, o Royal College of Obstretics and Gynacologists; para esta organização, só há dor depois de 26 semanas.[36]

Síndrome pós-abortivo[editar | editar código-fonte]

A síndrome pós-abortivo seria uma série de reações psicológicas apresentadas ao longo da vida por mulheres após terem cometido um aborto.

Há vários relatos de problemas mentais relacionados direta ou indiretamente ao aborto; uma descrição clássica pode ser encontrada na obra "A psicopatologia da vida cotidiana", de Sigmund Freud.[37] No livro "Além do princípio de prazer", Freud salienta: "Fica-se também estupefato com os resultados inesperados que se podem seguir a um aborto artificial, à morte de um filho não nascido, decidido sem remorso e sem hesitação."[38]

Há médicos portugueses, porém, que questionam a existência do síndroma; não existe nenhum estudo português publicamente divulgado sobre o assunto. Entretanto nos Estados Unidos, Reino Unido e mesmo no Brasil, essa possibilidade já é bastante discutida, com resultados contrastantes.[39] [40]

O síndroma pós-abortivo (PAS), conhecido também como síndroma pós-traumático pós-abortivo ou por síndroma do trauma abortivo, é um termo que designa um conjunto de características psicopatológicas que alguns médicos dizem ocorrer nas mulheres após um aborto provocado.[41] Alguns estudos, no entanto, concluem que alguns destes sintomas são consequência da proibição legal e/ou moral do aborto e não do ato em si. [carece de fontes?]

Entretanto, tal síndrome teria sido catalogada em inúmeras pesquisas, entre elas a do dr. Vincent Rue que no estudo da Desordem Ansiosa Pós-Traumática (DAPT), presente em ex-combatentes do Vietnã, que teria sua correspondente na síndrome pós-aborto (SPA).

Algumas estatísticas de organizações pró-vida argumentam que há um aumento de 9% para 59% nos índices de distúrbios psicológicos em mulheres que se submetem ao aborto.[42]

Outro estudo, do Royal College of Psychiatrists, a associação dos psiquiatras britânicos e irlandeses, considerou que o aborto induzido pode trazer distúrbios clínicos severos para a mulher, e que essa informação deve ser passada para a mesma, antes da opção pelo aborto.

Esse estudo foi repassado à população pelo Jornal Britânico Sunday Times.[43]

Mulheres grávidas vítimas de violência[editar | editar código-fonte]

Embora existam notícias[44] indicando que muitas mulheres grávidas morrem em consequência de atos violentos, aparentemente[45] não há dados conclusivos que cruzem esta informação com o risco de morte geral das mulheres não-grávidas em situações semelhantes.

Consequências a longo prazo para a criança não desejada[editar | editar código-fonte]

Muitos membros de grupos pró-escolha[46] consideram haver um risco maior de crianças não desejadas (crianças que nasceram apenas porque a interrupção voluntária da gravidez não era uma opção, quer por questões legais, quer por pressão social) terem um nível de felicidade inferior às outras crianças incluindo problemas que se mantêm mesmo quando adultas, entre estes problemas incluem-se:

  • doença e morte prematura[47]
  • pobreza
  • problemas de desenvolvimento[47]
  • abandono escolar[48]
  • delinquência juvenil[49]
  • abuso de menores
  • instabilidade familiar e divórcio[50]
  • necessidade de apoio psiquiátrico[50]
  • falta de auto estima[51]

Uma opinião contrária, entretanto, apresentada por grupos pró-vida, seria que, mesmo que sejam encontradas correlações estatísticas entre gravidez indesejáveis e situações consideradas psicologicamente ruins para as crianças nascidas, esta situação não pode ser comparada com a de crianças abortadas, visto que estas não estão vivas. Uma "situação de vida" não seria passível de comparação com uma "situação de morte", visto a inverificabilidade desta enquanto situação possivelmente existente (a chamada "vida após a morte") pelos métodos científicos disponíveis. Como não se pode estipular se uma situação ruim de vida, por pior que fosse, seria pior que a morte, o aborto, no caso, não poderia ser apresentado como solução, visto que não dá a capacidade de escolha ao envolvido, enquanto ainda é um feto.[52] [53] [54]

Métodos de indução[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

Aborto farmacológico[editar | editar código-fonte]

Também conhecido como aborto médico, químico ou não-cirúrgico, é o aborto induzido por administração de fármacos que provocam a interrupção da gravidez e a expulsão do embrião. O aborto farmacológico é aplicável apenas no primeiro trimestre da gravidez.

Tornou-se um método alternativo de aborto induzido com o surgimento no mercado dos análogos de prostaglandina no início dos anos 1970 e do antiprogestágeno mifepristona (RU-486) nos anos 1980.[55] [56] [57]

Os regimes de aborto mais comuns para o primeiro trimestre utilizam mifepristona em combinação com um análogo de prostaglandina (misoprostol) até 9 semanas de idade gestacional, metotrexato em combinação com um análogo de prostaglandina até 7 semanas de gestação, ou um análogo de prostaglandina isolado.[55] Os regimes de mifepristona–misoprostol funcionam mais rápido e são mais efetivos em idades gestacionais mais avançadas do que os regimes combinados de metotrexato-misoprostol, e os regimes combinados são mais efetivos que o uso do misoprostol isolado.[56]

Em abortos muito precoces, com até 7 semanas de gestação, o regime combinado de mifepristona-misoprostol é considerado mais efetivo do que o aborto cirúrgico (aspiração à vácuo).[19] Os regimes de aborto médico precoce que utilizam 200 mg de mifepristona, seguido por 800 mcg de misoprostol vaginal ou oral 24-48 horas após apresentam efetividade de 98% até as 9 semanas de idade gestacional.[58] Nos casos de falha do aborto farmacológico, é necessária a complementação do procedimento com o aborto cirúrgico.[59]

Os abortos farmacológicos precoces são responsáveis pela maioria dos abortos com menos de 9 semanas de gestação na Grã-Bretanha,[60] [61] França,[62] Suíça,[63] e nos países nórdicos.[64] Nos Estados Unidos, o percentual de abortos farmacológicos precoces é menor.[17] [65]

Regimes de aborto farmacológico usando mifepristona em combinação com um análogo de prostaglandina são os métodos mais comumente usados para abortos de segundo trimestre no Canada, maior parte da Europa, China e Índia,[57] ao contrário dos Estados Unidos, onde 96% dos abortos de segundo trimestre são realizados cirúrgicamente com dilatação e esvaziamento uterino.[66]

Aborto cirúrgico ou por procedimentos[editar | editar código-fonte]

Os procedimentos no primeiro trimestre podem geralmente ser realizados usando anestesia local, enquanto os realizados no segundo trimestre podem necessitar de sedação ou anestesia geral.[17]

Aspiração uterina a vácuo[editar | editar código-fonte]

Um aborto realizado por aspiração a vácuo com equipamento elétrico em uma gestação de oito semanas (seis semanas após a fertilização).1: Bolsa amniótica2: Embrião3: Endométrio4: Espéculo5: Cureta de aspiração6: Saída para a bomba à vácuo

No procedimento de aspiração uterina a vácuo o médico realiza vácuo no útero da gestante para remover o feto. São utilizados equipamentos manuais ou elétricos para a realização do vácuo. Geralmente são realizados em gestações de até doze semanas (primeiro trimestre).

A aspiração manual intrauterina (AMIU) consiste em uma aspiração cujo vácuo é criado manualmente utilizando-se uma cânula flexível acoplada a uma seringa. Foi desenvolvida para ser realizada ambulatorialmente sem anestesia geral, não necessitando ser realizada em bloco cirúrgico. Não é necessária a dilatação cervical.

O procedimento também pode ser utilizando um aparelho de vácuo eléctrico. Neste tipo de aspiração o conteúdo do útero é sugado pelo equipamento.

Ambos os procedimentos são considerados não-cirúrgicos e são realizados em cerca de dez minutos. São eficazes e seguros, pois apresentam um baixo risco para a mulher (0,5% de casos de infecção).

Dilatação e curetagem uterina[editar | editar código-fonte]

Figura mostrando como é empregada a técnica da curetagem

Em gestações mais avançadas, nas quais o material a ser removido do útero é muito volumoso, recorre-se à curetagem. Ao contrário da aspiração uterina à vácuo, que pode ser realizada em consultórios ou clínicas, a dilatação e curetagem é um procedimento cirúrgico, devendo ser realizado em um hospital com bloco cirúrgico. Inicialmente o médico alarga o colo do útero da paciente com dilatadores, para permitir a passagem da cureta a seguir. A cureta é um instrumento cirúrgico cortante, em forma de colher, que é introduzida no útero para realizar a raspagem. Servindo-se da cureta, o médico retira todo o conteúdo uterino, incluindo o endométrio.

Uma das principais complicações da curetagem é a perfuração uterina causada pela cureta.

Evita-se a realização da curetagem uterina em gestações com mais de 12-16 semanas sem antes realizar a expulsão fetal.

Dilatação e evacuação[editar | editar código-fonte]

O procedimento de curetagem é aplicável ainda no começo do segundo trimestre, mas se não for possível terá de recorrer-se a métodos como a dilatação e evacuação. Neste procedimento o médico promove primeiro a dilatação cervical (um dia antes).

Na intervenção que é feita sob anestesia é inserido um aparelho cirúrgico na vagina para cortar o material intra-uterino em pedaços, e retirá-los de dentro do útero. No final é feita a aspiração. O feto é remontado no exterior para garantir que não há nenhum pedaço no interior do útero que poderia levar a infecção séria. Em raríssimas situações (0,17% das IVGs realizadas nos Estados Unidos em 2000) o feto é removido intacto.

Eliminação ou expulsão fetal (indução do trabalho de parto)[editar | editar código-fonte]

A eliminação ou expulsão fetal geralmente é reservada para gestações com mais de doze semanas. Consiste em forçar prematuramente o trabalho de parto com o uso do análogo de prostaglandina misoprostol. Pode-se associar o uso de ocitocina ou injeção no líquido amniótico de soluções hipertônicas com solução salina ou ureia.

Após a expulsão fetal, pode ser necessária a realização de curetagem.

Aborto por esvaziamento craniano intrauterino[editar | editar código-fonte]

O aborto por esvaziamento craniano intrauterino (ECI), também conhecido como aborto com "nascimento parcial", é uma técnica utilizada para provocar o aborto quando a gravidez está em estágio avançado, entre 20 e 26 semanas (cinco meses a seis meses e meio).[67] Guiado por ultrassom, o médico segura a perna do feto com um fórceps, puxa-o para o canal vaginal, e então retira o feto do útero, com exceção da cabeça.

Faz então uma incisão na nuca, inserindo depois um catéter para sugar o cérebro do feto e então o retira por inteiro do corpo da mãe. Em alguns países, essa prática é proibida em todos os casos, sendo considerada homicídio e punida severamente.[68] [69] Esta técnica tem sido alvo de intensas polêmicas nos Estados Unidos.

Em 2003, sua prática foi proibida em todo o país, gerando revoltas de movimentos pró-aborto.[70]

Outros métodos[editar | editar código-fonte]

No passado diversas ervas já foram consideradas portadoras de propriedades abortivas, e foram usadas na medicina popular.[71] No entanto, o uso de ervas com a intenção abortiva pode causar diversos efeitos adversos graves e até mesmo letais, tanto para a mãe quanto para o feto, e não é recomendado pelos médicos.[72]

O aborto às vezes é tentado através de trauma no abdômen. O grau da força, se intensa, pode causar diversas lesões internas graves sem necessariamente induzir com sucesso a perda fetal.[73] No Sudeste da Ásia, há uma tradição antiga de tentar o aborto através de forte massagem abdominal.[74]

Métodos utilizados em abortos auto-induzidos não-seguros incluem o uso incorreto de misoprostol, a inserção de materiais não-cirúrgicos como agulhas e prendedores de roupas no útero. A utilização destes métodos não-seguros raramente é observada em países desenvolvidos onde o aborto cirúrgico é legal e disponível.[75]

História[editar | editar código-fonte]

A história do aborto, segundo a Antropologia, remonta à Antiguidade.

Há evidências que sugerem que, historicamente, dava-se fim à gestação, ou seja, provocava-se o aborto, utilizando diversos métodos, como ervas abortivas, o uso de objetos cortantes, a aplicação de pressão abdominal entre outras técnicas.

Terminologia[editar | editar código-fonte]

A palavra aborto tem sua origem etimológica no latim abortacus, derivado de aboriri ("perecer"), composto de ab ("distanciamento", "a partir de") e oriri ("nascer").

Sociedade e cultura[editar | editar código-fonte]

Debate sobre o aborto[editar | editar código-fonte]

Situação jurídica do aborto ao redor do mundo:
  Legalizado em todos os casos
  Legalizado em caso de estupro, risco de vida, problemas de saúde, fatores socioeconômicos ou má-formação do feto
  Legalizado em caso de estupro, risco de vida, problemas de saúde ou má-formação do feto
  Legalizado em caso de estupro, risco de vida ou problemas de saúde
  Legalizado em caso de risco de vida ou problemas de saúde
  Proibido em todos os casos
  Varia por região
  Não há informação

Consequências positivas[editar | editar código-fonte]

Em um estudo polêmico de Steven Levitt da Universidade de Chicago e John Donohue da Universidade Yale associa a legalização do aborto com a baixa da taxa de criminalidade na cidade de Nova Iorque e através dos Estados Unidos. Tal estudo apresenta, com base em dados de diversas cidades norte-americanas e com significância estatística, o possível efeito da redução dos índices de criminalidade onde o aborto é legal. Ainda segundo os autores, estudos no Canadá e na Austrália apontariam na mesma direção.

O recurso a abortos ilegais, segundo os defensores da legalização, aumentaria a mortalidade maternal. Tanto a mortalidade quanto outros problemas de saúde seriam evitados, segundo seus defensores, quando há acesso a métodos seguros de aborto.

Segundo o Instituto Guttmacher, o aborto induzido ou interrupção voluntária da gravidez tem um risco de morte para a mulher entre 0,2 a 1,2 em cada 100 mil procedimentos com cobertura legal realizados em países desenvolvidos. Este valor é mais de dez vezes inferior ao risco de morte da mulher no caso de continuar a gravidez.

Pelo contrário em países em desenvolvimento em que o aborto é criminalizado as taxas são centenas de vezes mais altas atingindo 330 mortes por cada 100 mil procedimentos.[76] Para o Ministro da Saúde brasileiro, José Gomes Temporão, defensor da legalização do aborto, a descriminalização do aborto deveria ser tratada como problema de saúde pública.[77]

Consequências negativas[editar | editar código-fonte]

Como consequências negativas da legalização do aborto na sociedade, apontam-se, entre outras: a banalização de sua prática, a disseminação da eugenia, a submissão a interesses mercadológicos de grupos médicos e empresas farmacológicas, a diminuição da população, o controle demográfico internacional, a desvalorização generalizada da vida, o aumento de casos de síndromes pós-aborto, e, indiretamente, o aumento do número de casos de DSTs (doenças sexualmente transmissíveis).[78] [79] [80]

Legislação[editar | editar código-fonte]

Dependendo do ordenamento jurídico vigente, o aborto do nascituro considera-se uma conduta penalizada ou despenalizada, atendendo a circunstâncias específicas.

As situações possíveis vão desde o aborto ser considerado um crime contra a vida humana, até ao apoio estatal para a sua realização a pedido da grávida. [81]

Meios de comunicação[editar | editar código-fonte]

Os assuntos relacionados com o aborto de gravidez ainda são um grande tabu em boa parte do mundo, sobretudo em países de maioria religiosa. Os meios de comunicação divulgam posicionamentos e opiniões variadas sobre a prática. O assunto já foi tema de muitas músicas, filmes e documentários.

Recentemente Rebecca Gomperts provocou polêmica no Facebook, com a publicação de um manual de aborto caseiro seguro.[82] O Facebook retirou, entretanto, a imagem que continha informações sobre como praticar o aborto com segurança - recorrendo a um medicamento com efeito abortivo - em países onde o aborto é ilegal.[83]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aborto
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Aborto

Referências

  1. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa
  2. a b Grimes, D. A.; Benson J. Singh S. Romero M. Ganatra B. Okonofua F. E. Shah I. H.. (2006). "Unsafe abortion: The preventable pandemic" (PDF). The Lancet 368 (9550): 1908–1919. DOI:10.1016/S0140-6736(06)69481-6. PMID 17126724.
  3. Shah, I.; Ahman E.. (dezembro 2009). "Unsafe abortion: global and regional incidence, trends, consequences, and challenges" (PDF). Journal of Obstetrics and Gynaecology Canada 31 (12): 1149–58. PMID 20085681.
  4. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Sedgh_2012
  5. Sedgh G, Henshaw SK, Singh S, Bankole A, Drescher J. (setembro 2007). "Legal abortion worldwide: incidence and recent trends". Int Fam Plan Perspect 33 (3): 106–116. DOI:10.1363/ifpp.33.106.07. PMID 17938093.
  6. Culwell KR, Vekemans M, de Silva U, Hurwitz M. (julho 2010). "Critical gaps in universal access to reproductive health: Contraception and prevention of unsafe abortion". International Journal of Gynecology & Obstetrics 110: S13–16. DOI:10.1016/j.ijgo.2010.04.003. PMID 20451196.
  7. a b c d e ROCHE, Natalie E. (2004). Therapeutic Abortion]. Emedicine.com. Página visitada em 8 de março de 2006.
  8. The Prevention and Management of Unsafe Abortion (PDF) (em inglês). World Health Organization (abril 1995). Arquivado do original em 30 de maio de 2010. Página visitada em 1 de junho de 2010.
  9. Grimes, DA; Creinin MD. (2004). "Induced abortion: an overview for internists". Ann. Intern. Med. 140 (8): 620–6. DOI:10.1001/archinte.140.5.620. PMID 15096333.
  10. Raymond, E. G.; Grimes D. A.. (2012). "The Comparative Safety of Legal Induced Abortion and Childbirth in the United States". Obstetrics & Gynecology 119 (2, Part 1): 215–219. DOI:10.1097/AOG.0b013e31823fe923. PMID 22270271.
  11. Grimes DA. (janeiro 2006). "Estimation of pregnancy-related mortality risk by pregnancy outcome, United States, 1991 to 1999". Am. J. Obstet. Gynecol. 194 (1): 92–4. DOI:10.1016/j.ajog.2005.06.070. PMID 16389015.
  12. Bartlett LA. (April 2004). "Risk factors for legal induced abortion-related mortality in the United States". Obstet Gynecol 103 (4): 729–37. DOI:10.1097/01.AOG.0000116260.81570.60. PMID 15051566.
  13. Trupin, Suzanne (27 May 2010). Elective Abortion. eMedicine. Página visitada em 1 June 2010. "At every gestational age, elective abortion is safer for the mother than carrying a pregnancy to term."
  14. Pittman, Genevra (23 de janeiro de 2012). Abortion safer than giving birth: study (em inglês). Reuters. Página visitada em 4 de fevereiro de 2012.
  15. Westfall JM, Sophocles A, Burggraf H, Ellis S. (1998). "Manual vacuum aspiration for first-trimester abortion". Arch Fam Med 7 (6): 559–62. DOI:10.1001/archfami.7.6.559. PMID 9821831.
  16. (maio 2009) "ACOG practice bulletin No. 104: antibiotic prophylaxis for gynecologic procedures". Obstet Gynecol 113 (5): 1180–9. DOI:10.1097/AOG.0b013e3181a6d011. PMID 19384149.
  17. a b c Templeton, A.; Grimes D. A.. (2011). "A Request for Abortion". New England Journal of Medicine 365 (23): 2198–2204. DOI:10.1056/NEJMcp1103639.
  18. Sawaya GF, Grady D, Kerlikowske K, Grimes DA. (maio 1996). "Antibiotics at the time of induced abortion: the case for universal prophylaxis based on a meta-analysis". Obstet Gynecol 87 (5 Pt 2): 884–90. PMID 8677129.
  19. a b WHO Department of Reproductive Health and Research. Frequently asked clinical questions about medical abortion. Geneva: World Health Organization, 23 de novembro de 2006. ISBN 9241594845 Página visitada em 2011-11-22.
  20. Grossman D (3 September 2004). Medical methods for first trimester abortion: RHL commentary. Reproductive Health Library. World Health Organization. Página visitada em 2011-11-22.
  21. Chien P, Thomson M (15 December 2006). Medical versus surgical methods for first trimester termination of pregnancy: RHL commentary. Reproductive Health Library. World Health Organization. Arquivado do original em 17 May 2010. Página visitada em 2010-06-01.
  22. Cates W., Jr, & Tietze C. (1978). Standardized mortality rates associated with legal abortion: United States, 1972-1975 Electronic version. Family Planning Perspectives, 10 (2), 109-12. Visitado em 28 de janeiro de 2006.
  23. Grimes, D.A. (1994). The morbidity and mortality of pregnancy: still risky business. American Journal of Obstetrics and Gynecology, 170 (5 Pt 2), 1489-94. Visitado em 21 de dezembro de 2006.
  24. Revista Âmbito Jurídico - "Direito à vida: aborto - estupro - feto anencefálico" (em português).
  25. Aldeia - "Tudo é Vida"..
  26. Título não preenchido, favor adicionar. Un.org.
  27. Aborto é mais frequente em países onde é proibido, aponta estudo. Colunas.revistamarieclaire.globo.com.
  28. WHO. O aborto não aumenta o risco de câncer de mama (em inglês). WHO. Página visitada em 8 de maio de 2011.
  29. Royal College of Obstetricians and Gynaecologists. The Care of Women Requesting Induced Abortion (PDF) (em inglês) p. 43. Royal College of Obstetricians and Gynaecologists. Página visitada em 8 de maio de 2011.
  30. oversight.house.gov. Politics & Science - Investigating the State of Science Under the Bush Administration (em inglês). Oversight.house.gov. Página visitada em 8 de maio de 2011.
  31. Early Reproductive Events and Breast Cancer: A Minority Report (em inglês). Bcpinstitute.org (10 de março de 2003). Página visitada em 8 de maio de 2011.
  32. Schmidt, Dr. Richard T. F., et. al. (1984-02-13). Open Letter to President Reagan]. Mpomerle.com. Página visitada em 18 de novembro de 2006.
  33. BBC News Article (2005). ". Fetos 'sem dor até as 29 semanas'."] (em inglês). News.bbc.co.uk. Página visitada em 18 de julho de 2006.
  34. Parliamentary Office of Science and Technology. (1997). . Fetal Awareness.] (PDF) (em inglês). Página visitada em 11 de janeiro de 2006.
  35. Artigo da BBC News (2006). ". Foetuses 'cannot experience pain'."] (em inglês). News.bbc.co.uk. Página visitada em 18 de julho de 2006.
  36. Dor no feto. Aborto. Webciencia.com.
  37. FREUD, S. "Sobre a Psicopatologia da Vida Cotidiana (1901)". In: Edição Standard das Obras Completas de Sigmund Freud. Vol. VI. Rio de Janeiro: Ed Imago, 1976
  38. FREUD, S. "Além do princípio de prazer (1920)". In: Edição Standard das Obras Completas de Sigmund Freud. Vol. XVIII. Rio de Janeiro: Ed Imago, 1976
  39. Título não preenchido, favor adicionar (em inglês). BBC.co.uk.
  40. Título não preenchido, favor adicionar. Noticias.terra.com.br.
  41. Gomez, Lavin C & Zapata, Garcia R."Diagnostic categorization of post-abortion syndrome", Actas Esp Psiquiatr. 2005 Jul-Aug;33(4):267-72
  42. Mentiras e verdades sobre o Aborto. Acidigital.com. Página visitada em 13/04/2013.
  43. Psiquiatras afirmam que aborto pode causar distúrbios mentais nas mulheres.
  44. Grávidas vítimas de violência. Washingtonpost.com.
  45. Título não preenchido, favor adicionar. Ifeminists.net.
  46. Título não preenchido, favor adicionar (em inglês). Prochoiceforum.org.uk.
  47. a b Myhrman, A. (1986), Longitudinal Studies on Unwanted Children. Scandinavian Journal of Social Medicine 14:57-59
  48. Dytrych, Z., Matejcek, Z., and Schüler,V. (1988). The Prague cohort: Adolescence and early adulthood. In H.P. David,,Z.Dytrych, Z. Matejcek, and V. Schüller (Eds.) Born unwanted: Developmental effects of denied abortion. New York: Springer, 87-102
  49. David, H.P., Dytrych, Z.,Matejcek, Z., and Schüller, V. (Eds.)(1988). Born unwanted: Developmental effects of denied abortion. New York: Springer; Prague: Avicenum, 1988; Mexico City: EDAMEX, 1991.
  50. a b Kubicka, L., Matejcek, Z., David, H.P., Dytrych, Z., Miller, W.B., and Roth, Z. (1995). Children from unwanted pregnancies in Prague, Czech Republic revisited at age Thirty. Acta Psychiatrica Scandinavica, 91, 361-369
  51. Kubicka, L., Roth, Z., Dytrych, Z., Matejcek, Z., and David, H.P. (2002). The menthael alth of adults born from unwanted pregnancies, their siblings, and matched controls; A 35-year follow-up study from Prague, Czech Republic. Journal of Nervous and Mental Disease, 190, 653-552
  52. VIVO PELA VIDA (site). "Aborto: FAQ".. Vivopelavida.com.br.
  53. PATTO, Pero Vaz. "Pela Vida, contra o aborto: Respostas e argumentos".. Federacao-vida.com.pt.
  54. PATTO, Pero Vaz. "Pelo Não: Respostas e argumentos". Abortonao.net.
  55. a b Kulier R, Kapp N, Gülmezoglu AM, Hofmeyr GJ, Cheng L, Campana A. (2011). "Medical methods for first trimester abortion". Cochrane Database Syst Rev 11 (11): CD002855. DOI:10.1002/14651858.CD002855.pub4. PMID 22071804.
  56. a b Creinin MD, Gemzell-Danielsson K. In: Paul M, Lichtenberg ES, Borgatta L, Grimes DA, Stubblefield PG, Creinin MD (eds.). Management of unintended and abnormal pregnancy: comprehensive abortion care. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009. Capítulo: Medical abortion in early pregnancy. , 111–134 p. ISBN 1405176962
  57. a b Kapp N, von Hertzen H. In: Paul M, Lichtenberg ES, Borgatta L, Grimes DA, Stubblefield PG, Creinin MD (eds.). Management of unintended and abnormal pregnancy: comprehensive abortion care. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009. Capítulo: Medical methods to induce abortion in the second trimester. , 178–192 p. ISBN 1405176962
  58. Fjerstad M, Sivin I, Lichtenberg ES, Trussell J, Cleland K, Cullins V. (setembro 2009). "Effectiveness of medical abortion with mifepristone and buccal misoprostol through 59 gestational days". Contraception 80 (3): 282–286. DOI:10.1016/j.contraception.2009.03.010. PMID 19698822.
    • The regimen (200 mg of mifepristone, followed 24–48 hours later by 800 mcg of vaginal misoprostol) previously used by Planned Parenthood clinics in the United States from 2001 to March 2006 was 98.5% effective through 63 days gestation—with an ongoing pregnancy rate of about 0.5%, and an additional 1% of patients having uterine evacuation for various reasons, including problematic bleeding, persistent gestational sac, clinician judgment or patient request.
    • The regimen (200 mg of mifepristone, followed 24–48 hours later by 800 mcg of buccal misoprostol) currently used by Planned Parenthood clinics in the United States since abril 2006 is 98.3% effective through 59 days gestation
  59. Holmquist S, Gilliam M. In: Gibbs RS, Karlan BY, Haney AF, Nygaard I (eds.). Danforth's obstetrics and gynecology. 10ª ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2008. Capítulo: Induced abortion. , 586–603 p. ISBN 9780781769372
  60. "[1]". Londres: Department of Health, United Kingdom. Página visitada em 2011-11-22.
  61. (31 de maio de 2011) "Abortion statistics, year ending 31 de dezembro de 2010" (PDF). Edinburgh: ISD, NHS Scotland. Página visitada em 2011-11-22.
  62. Vilain A, Mouquet M-C. (22 de junho de 2011). "Voluntary terminations of pregnancies in 2008 and 2009" (PDF). Paris: DREES, Ministry of Health, France. Página visitada em 2011-11-22.
  63. .. (5 de julho de 2011). "Abortions in Switzerland 2010". Neuchâtel: Office of Federal Statistics, Switzerland. Página visitada em 2011-11-22.
  64. Gissler M, Heino A. (21 de fevereiro de 2011). "Induced abortions in the Nordic countries 2009" (PDF). Helsinki: National Institute for Health and Welfare, Finland. Página visitada em 2011-11-22.
  65. Jones RK, Kooistra K. (março 2011). "Abortion incidence and access to services in the United States, 2008" (PDF). Perspect Sex Reprod Health 43 (1): 41–50. DOI:10.1363/4304111. PMID 21388504. Página visitada em 2011-11-22.
  66. Hammond C, Chasen ST. In: Paul M, Lichtenberg ES, Borgatta L, Grimes DA, Stubblefield PG, Creinin MD (eds.). Management of unintended and abnormal pregnancy: comprehensive abortion care. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009. Capítulo: Dilation and evacuation. , 178–192 p. ISBN 1405176962
  67. O que é o aborto por nascimento parcial. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais.
  68. Partial Birth Abortion (em inglês). Nrlc.org.
  69. Como funciona o aborto por nascimento parcial (em inglês). Nrlc.org.
  70. Críticos entram na Justiça contra proibição de aborto nos EUA (em inglês). BBC.co.uk.
  71. Riddle, John M.. Eve's herbs: a history of contraception and abortion in the West. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1997. ISBN 978-0-674-27024-4 OCLC 36126503[falta página]
  72. Ciganda C, Laborde A. (2003). "Herbal infusions used for induced abortion". J. Toxicol. Clin. Toxicol. 41 (3): 235–239. DOI:10.1081/CLT-120021104. PMID 12807304.
  73. doi:10.1016/S0891-5245(98)90245-0
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  74. Potts, M.; Graff M. Taing J.. (2007). "Thousand-year-old depictions of massage abortion". Journal of Family Planning and Reproductive Health Care 33 (4): 233–234. DOI:10.1783/147118907782101904. PMID 17925100.
  75. Thapa, S. R.; Rimal D. Preston J.. (2006). "Self induction of abortion with instrumentation". Australian Family Physician 35 (9): 697–698. PMID 16969439.
  76. Abortion and maternal mortality in the developing world. F Okonofua - J Obstet Gynaecol Can,2006 Nov;28(11):974-9
  77. Título não preenchido, favor adicionar. Folha.com.
  78. Título não preenchido, favor adicionar. Revista Jus Navigandi.
  79. Título não preenchido, favor adicionar. Providafamilia.org.br.
  80. Título não preenchido, favor adicionar (em inglês). Lifesitenews.com.
  81. CABRAL, Bruno Fontenele. Precedentes sobre a prática de aborto no direito norte-americano de 1973 a 2007. Jus Navigandi, Teresina, ano 14, n. 2224, 3 ago. 2009. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/13256>. Acesso em: 15 ago. 2013.
  82. Perfil de Rebecca Gomperts. Facebook.com.
  83. Público P3 (30 de dezembro de 2011). PINTO, Mariana Correia - Facebook remove imagem de Rebecca Gomperts, activista do barco do aborto. Publico.pt.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • DWORKIN, Ronald - Domínio da vida. Aborto, eutanásia e liberdades individuais. São Paulo: Martins Fontes, 2003. ISBN 85-336-1560-4
  • GALVÃO, Pedro - Ética do aborto - perspectivas e argumentos. Lisboa: Dinalivro, 2005.
  • GANDRA MARTINS, Ives - A questão do aborto - aspecto jurídicos fundamentais. São Paulo: Quartier Latin, 2008 ISBN 978857674326-2
  • MORAES, Walter, Desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo "O problema da autorização judicial para o aborto". Revista de Jurisprudência do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, março/abril 1986
  • OLIVEIRA DA SILVA, Miguel - Sete teses sobre o aborto. ISBN 9789722117463
  • PENICHE, Andrea - Elas somos nós: o direito ao aborto como reivindicação democrática e cidadã. Porto: Afrontamento, 2007. ISBN 978-972-36-0865-6
  • SINGER, Peter - Aborto in Ética Prática. Lisboa. Gradiva.
  • TAVARES, Manuela - Aborto e contracepção em Portugal. Lisboa: Livros Horizonte, 2007. ISBN 9722412353
  • VILADRICH, Pedro Juan - Aborto e sociedade permissiva. Lisboa: Rei dos Livros, 1987.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]