Pénis humano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o pénis humano. Para outros significados, veja Pénis.
Pénis humano
Pene profesional.jpg
Pénis semi-ereção
Latim 'penis, penes'
Gray assunto #262 1247
Sistema Aparelho reprodutor
Vascularização Artéria dorsal do pénis, Artéria profunda do pénis, Artéria do bulbo do pénis
Drenagem venosa Veia dorsal superficial do pénis
Inervação Nervo dorsal do pénis
Drenagem linfática Gânglios linfáticos inguinais
Precursor Tubérculo genital, Pregas urogenitais
MeSH Penis

O pênis (português brasileiro) ou pénis (português europeu) humano é o órgão sexual copulatório masculino que também é o responsável pela micção.[1][2] As principais partes são: a raiz (radix); o corpo (corpus); e o epitélio do pénis incluindo o corpo cavernoso e o prepúcio cobrindo a glande.[1] O corpo do pénis é constituido de três colunas de tecidos: dois corpos cavernosos, os dorsais e o corpo esponjoso entre os anteriores no lado ventral. A uretra humana masculina passa através da glândula prostática onde une-se com o ducto ejaculatório através do pénis.[3] A uretra atravessa os corpos esponjosos, e a sua abertura, o meato, dependo do tipo de glande. É a saída excretora para a micção e ejaculação de sémen.[2] A maior parte de desenvolvimento do pénis é composto polo mesmo tecido embrionário que o do clítoris nas mulheres; a pele arredor do pénis e da uretra provém do mesmo tecido embrionário do qual são feitos os lábios menores nas mulheres.[4][5] A ereção[6] é a mudança de estado do pénis, o qual expande-se aumentado de tamanho e ficando teso e duro; isto acontece durante a excitação sexual, porém, também pode ter lugar em situação não-sexuais. A alteração genital mais comum é a circuncisão,[7] a remoção parcial ou total do prepúcio por vários motivos; culturais, religiosos e mais raramente, médicos.[7][8] Há bastante controvérsia acerca da circuncisão.[9]

Anatomia[editar | editar código-fonte]

Seção transversal lateral do pénis

Partes[editar | editar código-fonte]

  • Raiz do pénis (radix): É a parte anexada, consistindo no bulbo do pénis no meio e na crus do pénis, um de cada lado do bulbo. Encontra-se dentro da bolsa perineal superficial.
  • Corpo do pénis (corpus): Possui duas superfícies: dorsal (posterossuperior no pénis ereto) e ventral ou uretral (voltado para baixo e para trás no pênis flácido). A superfície ventral é marcada por um sulco na direção lateral.
  • O epitélio do pénis consiste na pele da haste, no prepúcio e na mucosa prepucial na parte interna do prepúcio e cobrindo a glande. O epitélio não está preso à haste subjacente, por isso é livre para deslizar de um lado para o outro.[10]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

1 Meato
2 Glande
3 Coroa
4 Corpo cavernoso
5 Corpo esponjoso
6 Escroto
7 Crus do pênis
8 Bulbo do pênis
9 Ânus
10 Frênulo prepucial
11 Raiz do pênis.
Diagrama anatômico de um pénis humano

O pénis humano é formado por três colunas de tecido: dois corpos cavernosos situam-se lado a lado no lado dorsal e um corpo esponjoso entre eles no lado ventral.[11]

A extremidade alargada e em forma de bulbo do corpo esponjoso forma a glande do pénis com dois tipos específicos de sinusóides, que sustentam o prepúcio, uma prega de pele solta que em adultos pode retrair para expor a glande.[12] A área no lado inferior do pénis, onde o prepúcio é ligado, é chamado o frênulo prepucial. A base arredondada da glande é chamada de coroa. As glândulas Prepuciais, situadas na coroa, secretam substâncias que compõem a secreção esbranquiçada que recobre o pênis, o esmegma.[13] A rafe perineal é a linha perceptível ao longo da parte inferior do pénis.

A uretra, é a última parte do tracto urinário, atravessa o corpo esponjoso, e a sua abertura, conhecida como o meato ureteral, situa-se sobre a ponta da glande do pénis. É uma passagem tanto para a urina quanto para a ejaculação do sêmen. Os espermatozoides são produzidos nos testículos e armazenados no epidídimo anexado. Durante a ejaculação, os espermatozoides são impulsionados pelos canais deferentes, dois ductos que passam por cima e por trás da bexiga. Os fluidos são adicionados pelas vesículas seminais e os vasos deferentes transformam-se nos ductos ejaculatórios, que se unem à uretra dentro da próstata. Tanto a próstata quanto as glândulas bulbouretrais adicionam mais secreções e o sêmen é expelido pelo pénis.

A rafe perineal é a crista visível entre as metades laterais do pénis, encontrada na parte ventral ou inferior do pénis, indo do meato (abertura da uretra) através do escroto até o períneo (área entre o escroto e o ânus).[14]

O pénis humano difere da maioria dos outros mamíferos, pois não possui o báculo (ou osso erétil) e, em vez disso, depende inteiramente do ingurgitamento de sangue para atingir seu estado ereto. Um ligamento distal apoia a glande do pénis e desempenha um papel integral no fibroesqueleto peniano, e a estrutura é chamada de "os analog", um termo cunhado por Geng Long Hsu na Encyclopedia of Reproduction.[15] É um remanescente do báculo que evoluiu provavelmente devido à mudança na prática de acasalamento.[16]

O pénis humano é maior do que a média no reino animal em proporção à massa corporal. O pénis humano alterna de um algodão macio para uma rigidez óssea resultante do fluxo arterial peniano variando entre 2-3 a 60-80 mL /min implica o meio mais ideal para aplicar a lei de Pascal em todo o corpo humano; a estrutura geral é única.[15]

Tamanho[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Tamanho do pênis humano
Imagem da circunferência do pênis sendo medida
Ficheiro:Homem Medindo Seu Pênis.jpg
Imagem do comprimento do pênis sendo medida

As medidas penianas variam, com estudos que se baseiam em auto-medidas relatando um tamanho médio significativamente maior do que aqueles que se baseiam em medidas feitas por profissionais de saúde. A partir de 2015 uma revisão sistemática de 15 521 homens concluiu que a medida média de um pênis ereto humano é 13,12 cm (5,17 polegadas) de comprimento, enquanto a circunferência média de um pénis humano ereto é 11,66 cm (4,59 polegadas).[17][18]

Entre todos os primatas, o pénis humano é o maior em circunferência, mas é comparável ao pénis de chimpanzé e aos pénis de alguns outros primatas em comprimento.[19] O tamanho do pénis é afetado pela genética, mas também por fatores ambientais, como medicamentos para fertilidade[20] e exposição a produtos químicos/poluição.[21][22][23] O pénis humano mais grande documentado oficialmente foi encontrado pelo médico Robert Latou Dickinson. Tinha 34,3 cm (13,5 polegadas) de comprimento e 15,9 cm (6,26 polegadas) de diâmetro.[24]

Variações normais[editar | editar código-fonte]

  • Pápulas penianas peroladas são protuberâncias de cor um pouco mais claras ao redor da base (sulco) da glande, que normalmente se desenvolvem em homens com idade entre 20 e 40 anos. Em 1999, diferentes estudos haviam produzido estimativas de incidência variando de 8 a 48% de todos os homens.[25] Eles podem ser confundidos com verrugas, mas não são prejudiciais ou infecciosos e não requerem tratamento.[26]
  • As manchas de Fordyce são manchas brancas amareladas pequenas, elevadas, de 1 a 2 mm de diâmetro que podem aparecer no pénis, as quais também são comuns e não infecciosas.
  • As proeminências sebáceas são protuberâncias semelhantes às manchas de Fordyce na haste do pénis, localizadas nas glândulas sebáceas e são normais.
  • Fimose é a incapacidade de retrair totalmente o prepúcio. É normal e inofensivo na infância e na pré-adolescência, ocorrendo em cerca de 8% dos meninos aos 10 anos de idade. De acordo com a British Medical Association, o tratamento (creme esteróide tópico e/ou alongamento manual) não precisa ser considerado até os 19 anos.
  • Curvatura: poucos pénis são completamente retos, com curvas comumente vistas em todas as direções (para cima, para baixo, esquerda, direita). Às vezes, a curva é muito proeminente, mas raramente inibe a relação sexual. Uma curvatura de até 30 ° é considerada normal e o tratamento médico raramente é considerado, a menos que o ângulo exceda 45 °. Alterações na curvatura de um pénis podem ser causadas pela doença de Peyronie.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Estágios no desenvolvimento da genitália externa masculina

Diferenças entre órgãos femininos e masculinos[editar | editar código-fonte]

No feto em desenvolvimento, o tubérculo genital se desenvolve na glande do pénis nos homens e na glande clitoriana nas mulheres; eles são homólogos. A prega urogenital se desenvolve na pele ao redor do corpo do pénis e da uretra nos homens e nos pequenos lábios nas mulheres.[4] Os corpos cavernosos são homólogos ao corpo do clitóris; o corpo esponjoso é homólogo aos bulbos vestibulares abaixo dos pequenos lábios; o escroto, homólogo aos grandes lábios; e o prepúcio, homólogo ao capuz clitoridiano.[4][5] A rafe não existe no sexo feminino, porque ali as duas metades não estão conectadas.

Puberdade[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Escala de Tanner
Desenvolvimento de um pénis humano não circuncidado (cinco estágios de Tanner)

Na puberdade, os testículos começam a amadurecer e o pênis aumenta. O pénis cresce, mais ou menos, até aos 18 anos, e o crescimento na largura começa, aproximadamente, aos 11.[27] Durante o processo, os pelos púbicos crescem acima e em torno do pénis. É também no início da puberdade que se dão as primeiras ejaculações, normalmente durante o período em que o rapaz está a dormir (polução noturna).[28]

Fisiologia[editar | editar código-fonte]

Micção[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Micção
Pénis em função excretora

Nos homens, a expulsão da urina do corpo é feita pelo pénis. A uretra drena a bexiga através da próstata, onde é unida pelo ducto ejaculatório e, em seguida, para o pénis. Na raiz do pénis (a extremidade proximal do corpo esponjoso) está o músculo esfíncter externo . Este é um pequeno esfíncter de tecido muscular estriado e está em homens saudáveis ​​sob controle voluntário. O relaxamento do esfíncter da uretra permite que a urina na parte superior da uretra entre no pénis de maneira adequada e, assim, esvazie a bexiga.

Fisiologicamente, a micção envolve a coordenação entre os sistemas nervoso centralautônomo e somático. Em bebês, alguns idosos e aqueles com lesões neurológicas, a micção pode ocorrer como um reflexo involuntário. Os centros cerebrais que regulam a micção incluem o centro de micção pontina, o cinza periaquedutal e o córtex cerebral.[29] Durante a ereção, esses centros bloqueiam o relaxamento dos músculos do esfíncter, de modo a agir como uma separação fisiológica da função excretora e reprodutiva do pénis, evitando que a urina entre na parte superior da uretra durante a ejaculação.[30]

Ereção[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ereção

Ereção é o enrijecimento e elevação do pénis, que ocorre durante a excitação sexual, embora também possa acontecer em situações não sexuais. As ereções espontâneas ocorrem frequentemente durante a adolescência devido à fricção com roupas, bexiga cheia ou intestino grosso, flutuações hormonais, nervosismo e despir-se em uma situação não sexual. Também é normal que ocorram ereções durante o sono e ao acordar. O mecanismo fisiológico primário que provoca a ereção é a dilatação autonôma das artérias que fornecem sangue ao pénis, o que permite que mais sangue encha as três câmaras de tecido erétil esponjoso do pénis, fazendo com que ele se alongue e enrijeça. O tecido erétil, agora ingurgitado, pressiona e contrai as veias que transportam o sangue para fora do pénis. Mais sangue entra do que sai do pénis até que um equilíbrio seja alcançado, onde um volume igual de sangue flui para as artérias dilatadas e para fora das veias contraídas; um tamanho erétil constante é alcançado neste equilíbrio. O escroto geralmente fica tenso durante a ereção.

A ereção facilita a relação sexual, embora não seja essencial para várias outras atividades sexuais.

Ejaculação[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ejaculação
Ejaculação de um pénis humano

A ejaculação é a ejeção do sêmen do pénis e geralmente é acompanhada pelo orgasmo. Uma série de contrações musculares liberam sêmen, contendo gametas masculinos conhecidos como espermatozóides. Geralmente é o resultado de estimulação sexual, raramente, é devido a doenças da próstata. A ejaculação pode ocorrer espontaneamente durante o sono (conhecida como polução noturna ou sonho molhado). Anejaculação é a condição de não conseguir ejacular.

A ejaculação tem duas fases: a emissão e a ejaculação propriamente dita. A fase de emissão do reflexo ejaculatório está sob controle do sistema nervoso simpático, enquanto a fase ejaculatória está sob o controle de um reflexo espinhal no nível dos nervos espinhais S2-4 via nervo pudendo. Um período refratário se segue à ejaculação e a estimulação sexual a precede.

Aumento peniano[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Aumento peniano e Faloplastia

As soluções para o aumento do pénis, divulgadas na mídia, passam por técnicas manuais, bombas de vácuo, esticadores e cirurgia. A maioria dessas soluções, excetuando-se a cirurgia, não é comprovada cientificamente. A cirurgia de aumento peniano também é chamada faloplastia, e envolve, tanto a Cirurgia do Ligamento Suspensor[31] com objetivo de aumento no comprimento do pênis, como a "Injeção de PMMA no corpo Peniano", para engrossamento do órgão. É necessária uma cirurgia de fimose (postectomia), antes de efetuar o procedimento.[32]

Adaptações evolutivas[editar | editar código-fonte]

O pénis humano tem várias adaptações evolutivas. O objetivo dessas adaptações é maximizar o sucesso reprodutivo e minimizar a competição espermática. A competição espermática ocorre quando o espermatozóide de dois machos reside simultaneamente no trato reprodutivo de uma fêmea e eles competem para fertilizar o óvulo.[33] Se a competição espermática resultar na fertilização do óvulo pelo espermatozóide do macho rival, pode ocorrer a traição. Este é o processo pelo qual os machos involuntariamente investem seus recursos na prole de outro macho e, evolutivamente falando, deve ser evitado.[34]

As adaptações do pénis humano mais pesquisadas são o tamanho dos testículos e do pénis , o ajuste da ejaculação e o deslocamento do sêmen.[35] A evolução fez com que ocorressem adaptações selecionadas sexualmente no tamanho do pénis e testículos para maximizar o sucesso reprodutivo e minimizar a competição espermática, acredita-se que a forma do pénis humano tenha evoluído como resultado da competição.[36][37]

Doenças e lesões[editar | editar código-fonte]

  • A parafimose é a incapacidade de mover o prepúcio para a frente, sobre a glande. Pode resultar de líquido preso em um prepúcio retraído, talvez após um procedimento médico, ou acúmulo de líquido no prepúcio devido à fricção durante uma atividade sexual vigorosa.
  • Na doença de Peyronie, o tecido cicatricial anômalo cresce no tecido mole do pénis, causando curvatura. Os casos graves podem ser melhorados com correção cirúrgica.
  • A trombose pode ocorrer durante períodos de atividade sexual frequente e prolongada, especialmente felação. Geralmente é inofensivo e corrige-se automaticamente em algumas semanas.
  • A infecção com o vírus do herpes pode ocorrer após o contato sexual com um portador infectado; isso pode levar ao desenvolvimento de feridas de herpes.
  • A compressão do nervo pudendal é uma condição caracterizada por dor ao sentar e perda da sensação peniana e do orgasmo. Ocasionalmente, ocorre uma perda total de sensação e orgasmo. O nervo pudendo pode ser danificado por assentos estreitos e rígidos de bicicleta e acidentes. Isso também pode ocorrer no clitóris das mulheres.
  • A fratura peniana pode ocorrer se o pénis ereto for dobrado excessivamente. Um som de estalo ou estalo e dor estão normalmente associados a este evento. Assistência médica de emergência deve ser obtida o mais rápido possível. O atendimento médico imediato reduz a probabilidade de curvatura peniana permanente.
  • Na diabetes, a neuropatia periférica pode causar formigamento na pele do pénis e, possivelmente, sensação reduzida ou completamente ausente. As sensações reduzidas podem levar a lesões para qualquer um dos parceiros e sua ausência pode tornar impossível ter prazer sexual por meio da estimulação do pénis. Como os problemas são causados ​​por danos permanentes nos nervos, o tratamento preventivo por meio de um bom controle da diabetes é o tratamento primário. Alguma recuperação limitada pode ser possível por meio de um melhor controle da diabetes.
  • A disfunção erétil é a incapacidade de desenvolver e manter uma ereção suficientemente firme para um desempenho sexual satisfatório. A diabetes é uma das principais causas, assim como o envelhecimento natural. Existe uma variedade de tratamentos, mais notavelmente incluindo os medicamentos inibidores da fosfodiesterase tipo 5 (como o citrato de sildenafil, comercializado como Viagra), que atuam por vasodilatação.
  • O priapismo é uma condição médica dolorosa e potencialmente prejudicial em que o pénis ereto não retorna ao seu estado flácido. O priapismo com duração superior a quatro horas é uma emergência médica. Os mecanismos causais são mal compreendidos, mas envolvem fatores neurológicos e vasculares complexos. As complicações potenciais incluem isquemia, trombose e impotência. Em casos graves, a condição pode resultar em gangrena, o que pode resultar em amputação. No entanto, isso geralmente ocorre apenas se o órgão se romper e sofrer lesões por causa disso. A condição tem sido associada a uma variedade de medicamentos, incluindo prostaglandina. Ao contrário do conhecimento comum, sildenafil (Viagra) não vai causar isso.[38]
  • A linfangiosclerose é um vaso linfático endurecido, embora possa parecer uma veia endurecida, quase calcificada ou fibrosa. No entanto, ele tende a não compartilhar a tonalidade azul comum com uma veia. Pode ser sentido como um caroço endurecido ou "veia", mesmo quando o pénis está flácido, e é ainda mais proeminente durante uma ereção. É considerada uma condição física benigna. É bastante comum e pode ocorrer após uma atividade sexual particularmente vigorosa para os homens, e tende a desaparecer se houver repouso e cuidados mais delicados, por exemplo, com o uso de lubrificantes.
  • O carcinoma do pénis é raro, com uma taxa relatada de uma pessoa em cem mil nos países desenvolvidos. Algumas fontes afirmam que a circuncisão pode proteger contra essa doença, mas essa noção permanece controversa entre os círculos médicos.[39]

Transtornos de desenvolvimento e distúrbios[editar | editar código-fonte]

  • A hipospádia é um distúrbio do desenvolvimento em que o meato está mal posicionado ao nascimento. A hipospádia também pode ocorrer iatrogenicamente pela pressão descendente de um cateter uretral permanente.[40] Geralmente é corrigido por cirurgia.
  • Um micropénis é um pénis muito pequeno causado por problemas de desenvolvimento ou congênitos.
Imagem de um micropênis sendo medido
  • Difalia, ou duplicação peniana, é a condição de ter dois pénis. No entanto, esse distúrbio é extremamente raro.

Distúrbios psicológicos alegados e observados[editar | editar código-fonte]

  • Pânico do pénis (koro em malaio/indonésio) delusão de encolhimento do pênis e retração no corpo. Isso parece ser culturalmente condicionado e amplamente limitado a Gana, Sudão, China, Japão, Sudeste Asiático e África Ocidental.
  • Em abril de 2008, a Polícia de Kinshasa, na República Democrática do Congo, na África Ocidental, prendeu 14 supostas vítimas (de sequestro de pénis) e feiticeiros acusados ​​de usar magia negra ou bruxaria para roubar (fazer desaparecer) ou reduzir o pénis de homens para extorquir dinheiro para a cura uma onda de pânico. As prisões foram feitas em um esforço para evitar o derramamento de sangue visto em Gana uma década antes, quando 12 ladrões de pénis foram espancados até a morte por turbas.[41]
  • Inveja do pênis - a contestada crença freudiana que todas as mulheres invejam os homens por terem pénis.

Sociedade e cultura[editar | editar código-fonte]

Festival Kanamara Matsuri no Japão
Homem da Papuásia com bainha de pénis tradicional

Terminologia[editar | editar código-fonte]

Em muitas culturas, referir-se ao pénis é um tabu ou vulgar, e uma variedade de gírias e eufemismos são usados ​​para falar sobre isso, alguns exemplos em português: pau, cacete, pica, peru, vara, rôla, salsicha, pinto, piroca, entre outros.

Alterações[editar | editar código-fonte]

O pénis às vezes é perfurado ou decorado por outra arte corporal. Além da circuncisão, as alterações genitais são quase universalmente eletivas e geralmente com o propósito de estética ou aumento da sensibilidade.

Circuncisão[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Circuncisão
Uma visão dorsal rotulada de um pénis circuncidado: (1) Eixo, (2) Cicatriz da circuncisão, (3) Coroa, (4) Glande, (5) Meatus

A forma mais comum de alteração genital é a circuncisão: remoção de parte ou de todo o prepúcio por vários motivos culturais, religiosos e, mais raramente, médicos.

As circuncisões em adultos geralmente são realizadas sem grampos e requerem quatro a seis semanas de abstinência de masturbação ou relações sexuais após a operação para permitir a cicatrização da ferida.[42]

Em alguns países africanos, a circuncisão masculina é frequentemente realizada por pessoal não médico em condições não estéreis.[43] Após a circuncisão hospitalar, o prepúcio pode ser usado em pesquisas biomédicas,[44] produtos para o cuidado da pele de consumo,[45] enxertos de pele[46][47][48] ou medicamentos à base de interferon β.[49] Em partes da África, o prepúcio pode ser mergulhado em conhaque e comido pelo paciente, pelo circuncidador ou dado aos animais.[50] De acordo com a lei judaica, após um Brit milah, o prepúcio deve ser enterrado.

Há controvérsia em torno da circuncisão. Os defensores da circuncisão argumentam, por exemplo, que ela fornece vantagens importantes para a saúde que superam os riscos, não tem efeitos substanciais na função sexual, tem uma baixa taxa de complicações quando realizada por um médico experiente e é melhor realizada durante o período neonatal.[51] Os oponentes da circuncisão argumentam, por exemplo, que a prática foi e ainda é defendida por meio do uso de vários mitos; que interfere com a função sexual normal; que é extremamente doloroso; e que, quando realizado em bebês e crianças, viola os direitos humanos do indivíduo.[52]

A Organização Mundial da Saúde (OMS; 2007), o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV / AIDS (UNAIDS; 2007) e os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC; 2008) afirmam que as evidências indicam que a circuncisão masculina reduz significativamente o risco de HIV aquisição por homens durante o sexo peniano-vaginal, mas também afirmam que a circuncisão fornece apenas proteção parcial e não deve substituir outras intervenções para prevenir a transmissão do HIV.[53][54] Além disso, alguns médicos expressaram preocupação com a política e os dados que a suportam.[55][56]

Referências

  1. a b «Male reproductive anatomy: MedlinePlus Medical Encyclopedia Image». medlineplus.gov. Consultado em 14 de agosto de 2016 
  2. a b «Reproductive system - male» (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2016. Arquivado do original em 29 de abril de 2016 
  3. «Contraception - vasectomy» (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2016 
  4. a b c Moore, Keith L.; Persaud, T. V. N.; Torchia, Mark G. (6 de abril de 2015). The Developing Human: Clinically Oriented Embryology (em inglês). [S.l.]: Elsevier Health Sciences. ISBN 9780323313483 
  5. a b Richard E. Jones; Kristin H. Lopez (28 de setembro de 2013). Human Reproductive Biology. [S.l.]: Academic Press. p. 352. ISBN 978-0-12-382185-0 
  6. Leonard, Robert J. (1 de janeiro de 1995). Human Gross Anatomy: An Outline Text (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780195090031 
  7. a b Namavar, Mohammad Reza; Boroomand (1 de janeiro de 2011). «Removal of foreskin remnants in circumcised adults for treatment of premature ejaculation». Urology Annals. 3 (2): 87–92. ISSN 0974-7796. PMID 21747599. doi:10.4103/0974-7796.82175 
  8. «Circumcision» (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2016 
  9. «The Circumcision Controversy: The Risks and Benefits of Circumcision for Babies». The Huffington Post. 7 de abril de 2015. Consultado em 14 de agosto de 2016 
  10. «Vídeo de ação de deslizamento.» 
  11. Bannister LH, Dyson M. (1999). Reproductive system. In: Williams PL, ed. Gray's Anatomy. Londres: New York: Churchill Livingstone. OCLC 45217979 
  12. Hsu, GL; Brock, G; Von Veyden, B; Nunes, L; Lue, TF; Tanagho, Emil A. A distribuição de elementos fibrosos elásticos dentro do pênis humano. [S.l.]: British Journal of Urology. PMID 8012781. doi:10.1111/j.1464-410X.1994.tb07645.x 
  13. Josué Da Silva Brito (2019). «Livro De Ouro Da Medicina». Clube de Autores (Google Livros). Consultado em 26 de março de 2021 
  14. Snell, Richard S. (2006). Clinical anatomy by systems. Filadélfia, Pensilvânia: Lippincott Williams & Wilkins. p. 430. 1 páginas. ISBN 9780781791649 
  15. a b Skinner, Michael K. (2018). Encyclopedia of Reproduction, 2th Edition. Estados Unidos: Academic Press. ISBN 9780128118993 
  16. ShultzDec. 13, David; 2016; Pm, 7:15 (13 de dezembro de 2016). «Why humans lost their penis bone». Science | AAAS (em inglês). Consultado em 6 de novembro de 2020 
  17. Veale, David; Miles, Sarah; Bramley, Sally; Muir, Gordon; Hodsoll, John (junho de 2015). «Am I normal? A systematic review and construction of nomograms for flaccid and erect penis length and circumference in up to 15 521 men: Nomograms for flaccid/erect penis length and circumference». BJU International (em inglês) (6): 978–986. doi:10.1111/bju.13010. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  18. «Is Your Penis Normal? There's a Chart for That | RealClearScience». www.realclearscience.com. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  19. Dixson, Alan F. (2009). Sexual selection and the origins of human mating systems 1st ed ed. Oxford: Oxford University Press. OCLC 519654063 
  20. «Known Health Effects for DES Sons». www.cdc.gov. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  21. «Hormone Hell». Discover Magazine (em inglês). Consultado em 6 de novembro de 2020 
  22. «COPA, Inc. - Library: Articles: RHWN: PCBS Diminish Penis Size». web.archive.org. 3 de março de 2012. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  23. Swan, Shanna H.; Main, Katharina M.; Liu, Fan; Stewart, Sara L.; Kruse, Robin L.; Calafat, Antonia M.; Mao, Catherine S.; Redmon, J. Bruce; Ternand, Christine L. (agosto de 2005). «Decrease in Anogenital Distance among Male Infants with Prenatal Phthalate Exposure». Environmental Health Perspectives (8): 1056–1061. ISSN 0091-6765. PMC 1280349Acessível livremente. PMID 16079079. doi:10.1289/ehp.8100. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  24. «Maior pênis do mundo tem 34 cm». Ponta Porã Informa - Notícias de Ponta Porã - MS e Pedro Juan Caballero - PY. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  25. «Pearly Penile Papules: Background, Pathophysiology, Etiology». 8 de julho de 2020. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  26. Ghelani, Rita (25 de outubro de 2019). «When to worry about spots on your penis». Netdoctor (em inglês). Consultado em 6 de novembro de 2020 
  27. Portal da Saúde. «A saúde dos adolescentes e jovens». Consultado em 23 de fevereiro de 2021. Arquivado do original em 18 de outubro de 2012 
  28. Sua Pesquisa. «Puberdade». Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  29. Sie, J. A.; Blok, B. F.; de Weerd, H.; Holstege, G. (22 de janeiro de 2001). «Ultrastructural evidence for direct projections from the pontine micturition center to glycine-immunoreactive neurons in the sacral dorsal gray commissure in the cat». The Journal of Comparative Neurology (4): 631–637. ISSN 0021-9967. PMID 11135240. doi:10.1002/1096-9861(20010122)429:43.0.co;2-m. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  30. Schirren, C.; Rehacek, M.; Cooman, S. de; Widmann, H.-U. (24 de abril de 2009). «Die retrograde Ejakulation: Retrograde Ejaculation/Éjaculation retrograde». Andrologia (em inglês) (1): 7–14. doi:10.1111/j.1439-0272.1973.tb00878.x. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  31. Junior, Adalberto. «Sociedade brasileira de urologia - Aumento peniano». Consultado em 12 de novembro de 2007. Arquivado do original em 16 de fevereiro de 2009 
  32. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome c
  33. Shackelford, T (março de 2002). «Psychological adaptation to human sperm competition». Evolution and Human Behavior (2): 123–138. doi:10.1016/S1090-5138(01)00090-3. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  34. Pham, Michael N.; Shackelford, Todd K.; Welling, Lisa L. M.; Ehrke, Alyse D.; Sela, Yael; Goetz, Aaron T. (20 de dezembro de 2013). «Oral sex, semen displacement, and sexual arousal: testing the ejaculate adjustment hypothesis». Evolutionary Psychology: An International Journal of Evolutionary Approaches to Psychology and Behavior (5): 1130–1139. ISSN 1474-7049. PMID 24356208. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  35. Current Directions in Psychological Science. [S.l.]: SAGE Publications 
  36. Mautz, Brian S.; Wong, Bob B. M.; Peters, Richard A.; Jennions, Michael D. (23 de abril de 2013). «Penis size interacts with body shape and height to influence male attractiveness». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (17): 6925–6930. ISSN 1091-6490. PMC 3637716Acessível livremente. PMID 23569234. doi:10.1073/pnas.1219361110. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  37. Møller, Anders Pape (agosto de 1988). «Ejaculate quality, testes size and sperm competition in primates». Journal of Human Evolution (em inglês) (5): 479–488. doi:10.1016/0047-2484(88)90037-1. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  38. Goldenberg, M. M. (novembro de 1998). «Safety and efficacy of sildenafil citrate in the treatment of male erectile dysfunction». Clinical Therapeutics (6): 1033–1048. ISSN 0149-2918. PMID 9916601. doi:10.1016/s0149-2918(98)80103-3. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  39. Boczko, S.; Freed, S. (novembro de 1979). «Penile carcinoma in circumcised males». New York State Journal of Medicine (12): 1903–1904. ISSN 0028-7628. PMID 292845. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  40. Andrews, H. O.; Nauth-Misir, R.; Shah, P. J. (março de 1998). «Iatrogenic hypospadias--a preventable injury?». Spinal Cord (3): 177–180. ISSN 1362-4393. PMID 9554017. doi:10.1038/sj.sc.3100508. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  41. Bavier, Joe (22 de abril de 2008). «Lynchings in Congo as penis theft panic hits capital». Reuters (em inglês). Consultado em 6 de novembro de 2020 
  42. Holman, J. R.; Stuessi, K. A. (15 de março de 1999). «Adult circumcision». American Family Physician (6): 1514–1518. ISSN 0002-838X. PMID 10193593. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  43. Rosenthal, Elisabeth (27 de fevereiro de 2007). «In Africa, a problem with circumcision and AIDS (Published 2007)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  44. Hovatta, Outi; Mikkola, Milla; Gertow, Karin; Strömberg, Anne-Marie; Inzunza, José; Hreinsson, Julius; Rozell, Björn; Blennow, Elisabeth; Andäng, Michael (julho de 2003). «A culture system using human foreskin fibroblasts as feeder cells allows production of human embryonic stem cells». Human Reproduction (Oxford, England) (7): 1404–1409. ISSN 0268-1161. PMID 12832363. doi:10.1093/humrep/deg290. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  45. «'Miracle' Wrinkle Cream's Key Ingredient: Circumcised Baby Foreskin». www.banderasnews.com. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  46. «07/27/98 BIOTECH BODIES». web.archive.org. 24 de julho de 2008. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  47. «Skin Grafting: History of the Procedure, Indications, Relevant Anatomy». 31 de agosto de 2020. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  48. «High-Tech Skinny on Skin Grafts». web.archive.org. 21 de fevereiro de 2016. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  49. Cowan, Alison Leigh (19 de abril de 1992). «Wall Street; A Swiss Firm Makes Babies Its Bet (Published 1992)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  50. «A Ritual Operation». British Medical Journal (4642): 1458–1459. 24 de dezembro de 1949. ISSN 0007-1447. PMC 2051965Acessível livremente. PMID 20787713. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  51. Schoen, Edgar J. (dezembro de 2007). «Should newborns be circumcised?». Canadian Family Physician (12): 2096–2098. ISSN 0008-350X. PMC 2231533Acessível livremente. PMID 18077736. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  52. Milos, M. F.; Macris, D. (março de 1992). «Circumcision. A medical or a human rights issue?». Journal of Nurse-Midwifery (2 Suppl): 87S–96S. ISSN 0091-2182. PMID 1573462. doi:10.1016/0091-2182(92)90012-r. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  53. «Welcome to CDC stacks |». stacks.cdc.gov. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  54. «Novos dados sobre circuncisão masculina e prevenção do HIV» (PDF). Organização Mundial da Saúde. 28 de março de 2007. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  55. Vardi, Yoram; Sadeghi-Nejad, Hossein; Pollack, Shimon; Aisuodionoe-Shadrach, Oseremen I.; Sharlip, Ira D. (julho de 2007). «Male circumcision and HIV prevention». The Journal of Sexual Medicine (4 Pt 1): 838–843. ISSN 1743-6095. PMID 17627731. doi:10.1111/j.1743-6109.2007.00511.x. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  56. «Male Circumcision and HIV Prevention: Is There Really Enough of the Right Kind of Evidence?». www.cirp.org. Consultado em 6 de novembro de 2020