Glande

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura glande de árvore, veja bolota.
Glande
An image of the ridged band of prepuce second image.jpg
Glande (cabeça do pênis)
Latim Glans penis
Gray assunto #262 1248

A glande é a estrutura bulbosa sensível na extremidade distal do pênis humano. A glande é anatomicamente homóloga à glande do clitóris da fêmea humana.

Tipicamente, a glande é completamente ou parcialmente coberta pelo prepúcio, exceto em homens que foram circuncidados. O prepúcio geralmente pode ser retraído e passado pela glande, e pode se retrair automaticamente durante uma ereção.

A glande é mais comumente conhecida como "cabeça" ou "ponta" do pênis. O nome médico vem das palavras latinas glans ('bolota') e penis ('do pênis') - o genitivo latino dessa palavra tem a mesma forma que o nominativo.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A glande é o tampão expandido do corpo esponjoso. Ele é moldado nas extremidades arredondadas do corpo cavernoso do pênis, estendendo-se mais na parte superior do que nas superfícies inferiores. No topo da glande está o orifício uretral externo vertical, semelhante a uma fenda. A circunferência da base da glande forma uma borda saliente arredondada, a coroa da glande, pendendo sobre um sulco retroglandular profundo (o sulco coronal), atrás do qual está o colo do pênis. O tamanho proporcional da glande pode variar muito. Em alguns pênis é muito mais largo em circunferência do que o eixo, dando ao pênis uma aparência de cogumelo, e em outros é mais estreito e mais parecido com uma sonda. A textura macia e protetora da glande é destina-se a absorver o impacto durante instâncias rigorosas de cópula.[1]

O prepúcio mantém a mucosa em um ambiente úmido.[2] Nos homens que foram circuncidados, a glande fica permanentemente exposta e seca. Vários estudos sugeriram que a glande é igualmente sensível em homens circuncidados e não circuncidados,[3][4][5] enquanto outros relataram que é mais sensível em homens que não são circuncidados.[6][7]

Glande do pênis humano vista de vários ângulos.

Halata & Munger (1986) relatam que a densidade dos corpúsculos genitais é maior na coroa,[8] enquanto Yang & Bradley (1998) relatam que seu estudo "não mostrou áreas na glande mais densamente inervadas do que outras".[9]

Halata & Spathe (1997) relataram que "a glande contém uma predominância de terminações nervosas livres, numerosos bulbos genitais e raramente corpúsculos de Pacini e Ruffini. O corpúsculo de Meissner e os discos de Merkel não estão presentes".[10]

Yang & Bradley argumentam que "o padrão distinto de inervação da glande enfatiza o papel da glande como uma estrutura sensorial".[9] Alguns pesquisadores sugeriram que a glande evoluiu para se tornar bolota, cogumelo ou em forma de cone, de modo que durante a cópula atua como um dispositivo de remoção de sêmen na vagina de parceiros sexuais anteriores, mas isso não é apoiado quando se olha para parentes primatas que têm diferentes comportamentos com parceiros.[11][12]


Significância clínica[editar | editar código-fonte]

O meato (abertura) da uretra está localizado na ponta da glande do pênis.

O epitélio da glande é o tecido mucocutâneo.[10] Birley et al relatam que a lavagem excessiva com sabão pode secar a membrana mucosa que cobre a glande e causar uma dermatite não específica.[13]

Inflamação da glande é conhecida como balanite. Ocorre em 3-11% dos homens e até 35% dos homens diabéticos. Geralmente é mais comum em homens que têm hábitos de higiene inadequados ou que não foram circuncidados.[14] Tem muitas causas, incluindo irritação ou infecção com uma ampla variedade de patógenos. A identificação cuidadosa da causa com a ajuda da história do paciente, exame físico, zaragatoas e culturas e biópsia são essenciais para determinar o tratamento adequado.[14]

A estenose meatal é uma complicação tardia da circuncisão, que ocorre em cerca de 2 a 20% dos meninos circuncidados.[15][16]

Outros animais[editar | editar código-fonte]

Anatomia do pênis de um cavalo, com a glande na extremidade direita

Felinos machos são capazes de urinar para trás curvando a ponta da glande para trás.[17][18] Nos gatos, a glande é coberta de espinhos, mas em cães a glande é suave. Espinhas penianas também ocorrem na glande de hienas malhadas machos e fêmeas.[17]

Nos cães machos, a glande é composta por duas partes chamadas bulbus glandis e pars longa glandis.[19] A glande do pênis de uma fossa se estende até a metade do eixo e é espinhosa, exceto na ponta. Em comparação, a glande dos felídeos é curta e espinhosa, enquanto a dos viverrídeos é suave e longa.[20] A forma da glande varia entre diferentes espécies de marsupiais.[21][22][23] Na maioria dos marsupiais, a glande é dividida, mas os macrópodes masculinos têm uma glande não dividida.[24] A glande do pênis também é dividida em duas partes nos ornitorrincos e echidnas.[25][26]

A glande do rato de arroz do pântano é longa e robusta,[27] com média de 7,3 mm (0,29 pol.) de comprimento e 4,6 mm (0,18 pol.).[28]

No Thomasomys ucucha, a glande é arredondada, curta e pequena e é superficialmente dividida em metades esquerda e direita por uma depressão no topo e uma crista na parte inferior. A maior parte da glande é coberta por espinhos, exceto por uma área perto da ponta.[29]

O camundongo de Winkelmann pode ser facilmente distinguido de seus parentes próximos por sua glande parcialmente corrugada.[30]

Quando ereta, a glande do pênis de um cavalo aumenta de 3 a 4 vezes. A uretra se abre dentro da fossa uretral, uma pequena bolsa na extremidade distal da glande.[31] Ao contrário da glande humana, a glande do pênis de um cavalo se estende para trás em seu eixo.[32][33][34][35][36][37][38][39][40]

Os Pipistrellus raceyi tem um pênis de glande estreita em forma de ovo.[41]

A glande do pênis de um Xerus inauris macho é grande com um baculum proeminente.[42]

Referências

  1. HSU, G‐L., et al. "The distribution of elastic fibrous elements within the human penis." BJU International 73.5 (1994): 566-571.
  2. Prakash, Satya; Raghuram Rao; K. Venkatesan; S. Ramakrishnan (julho de 1982). «Sub-Preputial Wetness--Its Nature». Annals of National Medical Science (India). 18 (3): 109–112 
  3. Bleustein, Clifford B.; James D. Fogarty; Haftan Eckholdt; Joseph C. Arezzo; Arnold Melman (abril de 2005). «Effect of neonatal circumcision on penile neurologic sensation». Urology. 65 (4): 773–7. PMID 15833526. doi:10.1016/j.urology.2004.11.007 
  4. Bleustein, Clifford B.; Haftan Eckholdt; Joseph C. Arezzo; Arnold Melman (26 de abril – 1 de maio de 2003). «Effects of Circumcision on Male Penile Sensitivity». American Urological Association 98th Annual Meeting. Chicago, Illinois. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2005 
  5. Payne, Kimberley; Thaler, Lea; Kukkonen, Tuuli; Carrier, Serge; Binik, Yitzchak (maio de 2007). «Sensation and Sexual Arousal in Circumcised and Uncircumcised Men». Journal of sexual medicine. 4 (3): 667–674. PMID 17419812. doi:10.1111/j.1743-6109.2007.00471.x 
  6. Sorrells, Morris L.; Snyder, James L.; Reiss, Mark D.; Eden, Christopher; Milos, Marilyn F.; Wilcox, Norma; Van Howe, Robert S. (abril de 2007). «Fine-touch pressure thresholds in the adult penis». British Journal of Urology International. 99 (4): 864–869. PMID 17378847. doi:10.1111/j.1464-410X.2006.06685.x 
  7. Yang, DM; Lin H; Zhang B; Guo W (abril de 2008). «Circumcision affects glans penis vibration perception threshold». Zhonghua Nan Ke Xue. 14 (4): 328–330. PMID 18481425 
  8. Halata, Zdenek; Bryce L. Munger (abril de 1986). «The neuroanatomical basis for the protopathic sensibility of the human glans penis». Brain Research. 371 (2): 205–30. PMID 3697758. doi:10.1016/0006-8993(86)90357-4 
  9. a b Yang, C. C.; W.E. Bradley (julho de 1998). «Neuroanatomy of the penile portion of the human dorsal nerve of the penis». British Journal of Urology. 82 (1): 109–13. PMID 9698671. doi:10.1046/j.1464-410x.1998.00669.x 
  10. a b Halata, Zdenek; A. Spaethe (1997). «Sensory innervation of the human penis». Advances in Experimental Medicine and Biology. Advances in Experimental Medicine and Biology. 424: 265–6. ISBN 978-0-306-45696-1. PMID 9361804. doi:10.1007/978-1-4615-5913-9_48. Consultado em 7 de julho de 2006. 
  11. Gallup, Gordon G., et al. "The human penis as a semen displacement device." Evolution and Human Behavior 24.4 (2003): 277-289
  12. Dixson, Alan F. (2009). Sexual Selection and the Origins of Human Mating Systems (em inglês). [S.l.]: OUP Oxford. p. 68. ISBN 9780191569739 
  13. Birley, H. D.; M .M. Walker; G. A. Luzzi; R. Bell; D. Taylor-Robinson; M. Byrne; A. M. Renton (outubro de 1993). «Clinical features and management of recurrent balanitis; association with atopy and genital washing». Genitourinary Medicine. 69 (5): 400–3. PMC 1195128Acessível livremente. PMID 8244363. doi:10.1136/sti.69.5.400 
  14. a b Edwards, Sarah (junho de 1996). «Balanitis and balanoposthitis: a review». Genitourinary Medicine. 72 (3): 155–9. PMC 1195642Acessível livremente. PMID 8707315. doi:10.1136/sti.72.3.155 
  15. Sorokan SK, Finlay JC, Jefferies AL. Canadian Paediatric Society. Newborn male circumcision; 2015 [citado em 20 de outubro de 2017].
  16. Koenig JF. EMedicine. Meatal stenosis; 22 de setembro de 2016 [citado em 2 de outubro de 2017].
  17. a b R. F. Ewer (1973). The Carnivores. [S.l.]: Cornell University Press. pp. 116–. ISBN 978-0-8014-8493-3. Consultado em 8 de fevereiro de 2013. 
  18. Reena Mathur (2010). Animal Behaviour 3/e. [S.l.]: Rastogi Publications. ISBN 978-81-7133-747-7. Consultado em 10 de fevereiro de 2013. 
  19. Howard E. Evans; Alexander de Lahunta (7 de agosto de 2013). Miller's Anatomy of the Dog. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. ISBN 978-0-323-26623-9 
  20. Köhncke, M.; Leonhardt, K. (1986). «Cryptoprocta ferox» (PDF). Mammalian Species (254): 1–5. Consultado em 19 de maio de 2010. 
  21. Australian Mammal Society (dezembro de 1978). Australian Mammal Society. [S.l.]: Australian Mammal Society. pp. 73–. Consultado em 25 de dezembro de 2012. 
  22. Wilfred Hudson Osgood; Charles Judson Herrick (1921). A monographic study of the American marsupial, Caēnolestes ... [S.l.]: University of Chicago. pp. 64–. Consultado em 25 de dezembro de 2012. 
  23. The Urologic and Cutaneous Review. [S.l.]: Urologic & Cutaneous Press. 1920. pp. 677–. Consultado em 25 de dezembro de 2012. 
  24. Renfree, Marilyn; Hugh Tyndale-Biscoe (30 de janeiro de 1987). Reproductive Physiology of Marsupials. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9780521337922. Consultado em 5 de maio de 2013. 
  25. Mervyn Griffiths (2 de dezembro de 2012). The Biology of the Monotremes. [S.l.]: Elsevier Science. ISBN 978-0-323-15331-7 
  26. Libbie Henrietta Hyman (15 de setembro de 1992). Hyman's Comparative Vertebrate Anatomy. [S.l.]: University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-87013-7 
  27. Hooper and Musser, 1964, p. 13
  28. Hooper and Musser, 1964, table 1
  29. Voss, 2003, p. 11
  30. Bradley, R.D.; Schmidley, D.J. (1987). «The glans penes and bacula in Latin American taxa of the Peromyscus boylii group». Journal of Mammalogy. 68 (3): 595–615. JSTOR 1381595. doi:10.2307/1381595 
  31. «The Stallion: Breeding Soundness Examination & Reproductive Anatomy». University of Wisconsin-Madison. Consultado em 7 de julho de 2007.. Cópia arquivada em 16 de julho de 2007 
  32. Mating Males: An Evolutionary Perspective on Mammalian Reproduction. [S.l.]: Cambridge University Press. 30 de junho de 2012. ISBN 978-1-107-00001-8. Consultado em 5 de maio de 2013. 
  33. McCurnin's Clinical Textbook for Veterinary Technicians - Joanna M Bassert, Dennis M McCurnin - Google Boeken. [S.l.]: Books.google.com. Consultado em 16 de agosto de 2013. 
  34. Horseman's Veterinary Encyclopedia, Revised and Updated - Equine Research - Google Boeken. [S.l.]: Books.google.com. 1 de julho de 2005. Consultado em 16 de agosto de 2013. 
  35. Equine Clinical Medicine, Surgery and Reproduction - Graham Munroe BVSc (Hons) PhD Cert EO DESM Dip ECVS FRCVS, Scott Weese DVM DVSc DipACVIM - Google Boeken. [S.l.]: Books.google.com. 15 de março de 2011. Consultado em 16 de agosto de 2013. 
  36. Veterinary Anatomy of Domestic Mammals: Textbook and Colour Atlas - Google Boeken. [S.l.]: Books.google.com. Consultado em 16 de agosto de 2013. 
  37. Horse Conformation: Structure, Soundness, and Performance - Equine Research - Google Boeken. [S.l.]: Books.google.com. Consultado em 16 de agosto de 2013. 
  38. The Horse - Google Boeken. [S.l.]: Books.google.com. Consultado em 16 de agosto de 2013. 
  39. Comparative Reproductive Biology - Heide Schatten, Gheorghe M. Constantinescu - Google Boeken. [S.l.]: Books.google.com. 21 de março de 2008. Consultado em 16 de agosto de 2013. 
  40. Equine Reproduction - Google Boeken. [S.l.]: Books.google.com. Consultado em 16 de agosto de 2013. 
  41. Bates et al., 2006, pp. 306–307
  42. Skurski, D., J. Waterman. 2005. "Xerus inauris", Mammalian Species 781:1-4.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Glande
Ícone de esboço Este artigo sobre Anatomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.