Micção

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Manneken Pis, um monumento localizado em Bruxelas, na Bélgica, exibe um garoto a urinar.

Micção é o ato de expelir urina, voluntariamente ou não.[1]

A capacidade média da bexiga de um adulto é de 700 a 800 ml, mas o estímulo é percebido a partir de 270 - 310 ml. As mulheres começam a sentir o estímulo mais tarde que os homens, pois a bexiga esférica contém volumes um pouco maiores.[2][3][4][5]

Fisiologia[editar | editar código-fonte]

A micção é controlada pelo sistema nervoso, que possui vários pontos envolvidos na coordenação dos órgãos do sistema urinário. Estes diferentes núcleos localizam-se no cérebro e medula espinhal e estão conectados entre si e com os diferentes órgãos do sistema urinário.

O controle da continência é realizado por músculos chamados esfíncteres, localizados na base da bexiga (colo vesical) e na parede da uretra. Na maior parte do tempo, estes músculos atuam fechando o colo vesical e a uretra (como um barbante amarrado ao redor da boca de um balão) de forma a impedir a saída de urina. Podem ser contraídos voluntariamente para impedir a saída de urina. Os músculos do assoalho pélvico são importantes para o controle da micção especialmente nas mulheres, em quem são responsáveis por sustentar os órgãos pélvicos. Quando enfraquecidos, levam ao prolapso (descida) destes órgãos e à condição denominada "bexiga caída". Na micção, os esfíncteres se relaxam e a uretra abre-se para a livre passagem da urina. Ao mesmo tempo o músculo da parede vesical contrai-se e força a urina para fora da bexiga. Ao final da micção, quando a bexiga já se esvaziou, os esfíncteres se contraem novamente e a bexiga interrompe sua contração e relaxa.

O ciclo normal da micção pode ser dividido em duas fases: a primeira de enchimento vesical onde a bexiga acomoda quantidade crescentes de urina sem aumentar a pressão no seu interior. Isto permite a livre drenagem de urina proveniente dos rins através dos ureteres. Durante esta fase o esfíncter uretral se mantém contraído para evitar vazamento da urina. Quando a bexiga está cheia, receptores transmitem esta informação para o cérebro e, desde que possamos ir ao banheiro, o cérebro desencadeia o processo de micção com contração da bexiga e relaxamento do esfíncter resultando no ato de urinar com bom jato, pequena elevação da pressão dentro da bexiga e esvaziamento completo da mesma.

Esta segunda fase é denominada fase miccional e ao seu final reiniciamos todo o ciclo da micção. O esfíncter urinário além deste mecanismo automático também possui controle voluntário. Por esta razão podemos interromper o fluxo urinário durante a micção sempre que desejarmos. Além disto, a contração persistente do esfíncter inibe a contração da bexiga. Como podemos notar, todo o controle das duas fases da micção é realizado pelo sistema nervoso a partir do cérebro através da medula espinhal e posteriormente através dos nervos que vão para a bexiga. Por esta razão, as doenças neurológicas geralmente afetam a micção. Os recém-nascidos ainda não têm o sistema nervoso completamente desenvolvido e, por isto, não têm ainda o controle voluntário da micção. Por esta razão urinam de forma reflexa ou seja, cada vez que a bexiga se enche ela se contrai, o esfíncter relaxa e ela se esvazia. Este controle só é adquirido por volta de 2 a 4 anos de idade.

Existem lugares próprios para urinar, o banheiro. Pode-se usar o vaso sanitário ou o mictório (usado por homens).

Valores[editar | editar código-fonte]

A bexiga serve como um regulador para a urina continuamente formados nos rins. Esta deve ser esvaziada, em uma ingestão normal de líquidos, geralmente de duas a seis vezes por dia através da uretra. A eliminação de urina é geralmente de 400 ml, mas não há valores universalmente aceites.

Não há diferença entre homens e mulheres em relação à estimulação da micção, como mostra toda pesquisa.[6][7][8][9] Parece, no entanto, que as mulheres começam a sentir a plenitude da bexiga mais tarde que os homens (ou seja, em volumes mais altos), uma vez que sua bexiga é de forma esférica e, portanto, sujeita a menos pressão; a bexiga masculina é mais alongada e sente o enchimento um pouco mais cedo. A presença da próstata, que naturalmente ocupa um certo volume, também parece influenciar um pouco a sensibilidade.[10][11][12]

As análises realizadas mostram, de fato, que o primeiro sinal de enchimento (formigamento quase imperceptível, diferente do estímulo) é sentido em 244 ml para a bexiga feminina e 186 ml para a masculina, sem variabilidade particular de indivíduo para indivíduo, pois esse número depende apenas do controle nervoso e não do tamanho da bexiga.[13][14][15][16] O verdadeiro desejo de urinar (o estímulo, também conhecido como "urgência 2") ocorre em torno de 310 ml para mulheres e 270 ml para homens, com variabilidade mínima vinculada a fatores ambientais (frio, umidade, ...).[17][18][19][20]

Finalmente, quando a bexiga é preenchida por uma grande parte (aproximadamente 400 ml para ambos os géneros, um pouco maior nas mulheres), o estímulo se torna menos suportável e a real urgência começa. No entanto, as pessoas tendem a se libertar primeiro se houver um banheiro disponível, com um volume vazio médio igual a 382 ml para mulheres e 346 ml para homens.[21][22][23][24] Além disso, as análises realizadas tendem a indicar que as mulheres esvaziam a bexiga com classes de urgência ligeiramente inferiores às dos homens, tendo, portanto, um pouco menos de necessidade (colocando a urgência de 0 a 4, as mulheres tendem a esvaziar quando o estímulo atinge 2,3 e os homens em 2,5).[25][26][27]

Finalmente, no que diz respeito à capacidade cistométrica máxima (isto é, o volume além do qual a bexiga esvazia involuntariamente), ela varia perceptivelmente de acordo com o indivíduo, sem qualquer diferença relacionada ao sexo, e está entre 700 e 800 ml. Essa capacidade pode ser aumentada em menor grau com exercícios e treinamentos. Em casos graves de retenção aguda, foi demonstrado que a bexiga pode conter entre 4500 e 5000 ml de urina antes da ruptura.[28][29]

Quanto ao volume esvaziado ao acordar ou à noite, geralmente é maior que o urinado durante o dia, mas não há dados determinados. As investigações realizadas tendem a indicar um volume médio, para a primeira micção da manhã, igual a 602 ml nas mulheres e 565 ml nos homens. Porém, como o sono inibe o estímulo, é possível que a bexiga acumule quantidades ainda maiores antes de induzir o despertar, na ordem de 700 - 800 ml. Há uma tendência a considerar 800 ml como o volume máximo que pode ser mantido de forma independente (para ambos os sexos, dia e noite): além disso, é provável que o reflexo incondicional cause o esvaziamento automático e prorrogável do órgão.[30][31][32]

A quantidade diária de micção varia relativamente de pessoa para pessoa, também porque a diurese (quantidade de urina produzida) difere para cada um, dependendo de vários fatores. Normalmente, a diurese, para a mesma quantidade de líquidos, é muito maior nas mulheres, porque os homens respiram em média mais volumes e absorvem mais água, pois seu corpo contém uma quantidade significativamente maior (80% contra 60%), como a densidade corporal denota).[33][34][35] Em média, o número de micções em um indivíduo de pelo menos 14 anos varia de quatro a seis (ou sete) vezes por dia para 1500 - 2500 ml de urina total expelida; sete (ou oito) micções diurnas ou mais de uma micção noturna são consideradas sintomas de hiperatividade da bexiga. Embora não exista uma definição precisa, há uma tendência a falar de hiperatividade acentuada da bexiga quando o primeiro sinal de enchimento é percebido em 150 ml ou menos e o primeiro estímulo abaixo de 200 ml e / ou quando o volume urinário cai abaixo de 300 ml . Para manter a bexiga em treinamento, os especialistas recomendam esvaziar pelo menos 400 ml por vez, embora a utilidade real desse conselho seja discutida.[36][37][38]

Um caso específico a ser analisado é a micção noturna (noctúria), que afeta mais de 86% dos homens com mais de 50 anos de idade. Como regra, isso não deve ocorrer em homens e mulheres jovens, mas em homens idosos é considerado normal desde que o número de micções não exceda 2 (ou 3) vezes por 8 horas de sono. Além de enfraquecer a bexiga, as principais causas do distúrbio são os problemas da próstata ou da vesícula seminal - que quase sempre afetam a própria bexiga.[39][40]

A partir das análises envolvidas, parece que um resíduo reduzido de urina na bexiga é perfeitamente normal, especialmente com o aumento da idade, mas também em jovens. Portanto, não seria uma questão de retenção se o volume restante for relativamente pequeno ou devido ao fato de que a pessoa evitou deliberadamente expulsar todo o conteúdo, "empurrando" para o fundo. Segundo os especialistas, um volume residual de 100 ml é no máximo aceitável, mas apenas se o paciente não tiver deliberadamente concluído a expulsão; se, a pedido do médico, esvaziar o volume restante, o paciente não puder fazê-lo, a condição exigirá uma investigação mais aprofundada, embora ainda não esteja classificada como "retenção". Um volume residual de 50 ml, no entanto, é considerado perfeitamente normal e não é fonte de nenhum problema. Frequentemente, a bexiga não é esvaziada completamente porque o paciente não percebe o volume restante, uma vez que a bexiga não envia nenhum sinal de enchimento antes de 270 - 310 ml. Nos idosos, fraqueza muscular e aumento da próstata podem ser a causa do esvaziamento incompleto.[41][42][43][44]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Micção». Encyclopædia Britannica Online (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2019 
  2. Carpenito-Moyet, Lynda Juall (2009). Nursing Care Plans & Documentation: Nursing Diagnoses and Collaborative Problems (em inglês). [S.l.]: Lippincott Williams & Wilkins. ISBN 978-0-7817-7064-4. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  3. «Osmotic diuresis: MedlinePlus Medical Encyclopedia». medlineplus.gov (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  4. Y. Cheng, K. J. Mansfield, W. Allen, R. Chess-Williams, E. Burcher, K. H. Moore (2014). «ATP during Early Bladder Stretch Is Important for Urgency in Detrusor Overactivity Patients». BioMed Research International (em inglês). Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  5. Oh, Seung-June (8 de junho de 2018). Interpretation of Urodynamic Studies: A Case Study-Based Guide (em inglês). [S.l.]: Springer. ISBN 978-981-10-2284-5. Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  6. «Urination | physiology» (em inglês). Consultado em 15 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |sito= ignorado (|website=) sugerido (ajuda)
  7. (PDF) http://itarget.com.br/newclients/sogirgs.org.br/2008/docs/urod-normal.pdf  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  8. Corcos, Jacques; Przydacz, Mikolaj (2 de outubro de 2017). Consultation in Neurourology: A Practical Evidence-Based Guide (em inglês). [S.l.]: Springer. ISBN 978-3-319-63910-9. Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  9. «Reduced/absent bladder sensation». ICS (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  10. «Bladder pressure: What is normal, treatment, and causes». Medical News Today (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  11. Medina Lucena, Hayser; Tincello, Douglas G. (1 de janeiro de 2019). «Methods of assessing and recording bladder sensation: a review of the literature» (em inglês). 30 (1): 3–8. doi:10.1007/s00192-018-3760-x. Consultado em 16 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  12. Herrewegh, A. G. M.; Vrijens, D. M. J.; Marcelissen, T. A. T. (4 de julho de 2019). «Bladder sensations in male and female overactive bladder patients compared to healthy volunteers: a sensation-related bladder diary evaluation». 53 (4): 255–260. doi:10.1080/21681805.2019.1641551. Consultado em 16 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  13. Medina Lucena, Hayser; Tincello, Douglas G. (1 de janeiro de 2019). «Methods of assessing and recording bladder sensation: a review of the literature» (em inglês). 30 (1): 3–8. doi:10.1007/s00192-018-3760-x. Consultado em 15 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  14. Craggs, Michael D. (2005). «Objective measurement of bladder sensation: use of a new patient-activated device and response to neuromodulation» (em inglês). 96 (s1): 29–36. doi:10.1111/j.1464-410X.2005.05649.x. Consultado em 15 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  15. Tsunoyama, Kuniko; Sakakibara, Ryuji; Yamaguchi, Chiharu (março de 2011). «Pathogenesis of reduced or increased bladder sensation». 30 (3): 339–343. doi:10.1002/nau.20953. Consultado em 15 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  16. Athwal, B. S.; Berkley, K. J.; Hussain, I. (1 de fevereiro de 2001). «Brain responses to changes in bladder volume and urge to void in healthy men» (em inglês). 124 (2): 369–377. doi:10.1093/brain/124.2.369. Consultado em 15 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  17. Y. Cheng, K. J. Mansfield, W. Allen, R. Chess-Williams, E. Burcher, K. H. Moore (2014). «ATP during Early Bladder Stretch Is Important for Urgency in Detrusor Overactivity Patients». BioMed Research International (em inglês). Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  18. Oh, Seung-June (8 de junho de 2018). Interpretation of Urodynamic Studies: A Case Study-Based Guide (em inglês). [S.l.]: Springer. ISBN 978-981-10-2284-5. Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  19. «What the Frequent Urge to Pee Can Tell You About Your Health». Verywell Health (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  20. Mukerji, Gaurav; Yiangou, Yiangos; Corcoran, Stacey L. (6 de março de 2006). «Cool and menthol receptor TRPM8 in human urinary bladder disorders and clinical correlations». 6 (1). 6 páginas. doi:10.1186/1471-2490-6-6. Consultado em 16 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  21. Herrewegh, A. G. M.; Vrijens, D. M. J.; Marcelissen, T. A. T. (4 de julho de 2019). «Bladder sensations in male and female overactive bladder patients compared to healthy volunteers: a sensation-related bladder diary evaluation». 53 (4): 255–260. doi:10.1080/21681805.2019.1641551. Consultado em 15 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  22. https://www.researchgate.net/figure/During-bladder-filling-he-felt-a-first-sensation-to-void-at-216mL-and-a-strong-desire-to_fig1_299356845  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  23. (PDF) http://itarget.com.br/newclients/sogirgs.org.br/2008/docs/urod-normal.pdf  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  24. www.karger.com https://www.karger.com/Article/FullText/342815. Consultado em 16 de janeiro de 2020  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  25. Sakakibara, R.; Uchiyama, T.; Asahina, M. (1 de fevereiro de 2004). «Micturition disturbance in acute idiopathic autonomic neuropathy» (em inglês). 75 (2): 287–291. doi:10.1136/jnnp.2003.010298. Consultado em 15 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  26. Truzzi, Jose C.; Bruschini, Homero; Srougi, Miguel (dezembro de 2005). «Assessment of urodynamic bladder behavior on filling with solutions representing physiological extremes of urinary osmolarity» (em inglês). 31 (6): 569–578. doi:10.1590/S1677-55382005000600011. Consultado em 15 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  27. Abrams, Paul; Cardozo, Linda; Fall, Magnus (1 de janeiro de 2003). «The standardisation of terminology in lower urinary tract function: report from the standardisation sub-committee of the International Continence Society» (em inglês). 61 (1): 37–49. doi:10.1016/S0090-4295(02)02243-4. Consultado em 15 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  28. Leitner, Lorenz; Walter, Matthias; Sammer, Ulla (13-ott-2016). «Urodynamic Investigation: A Valid Tool to Define Normal Lower Urinary Tract Function?» (em inglês). 11 (10): e0163847. doi:10.1371/journal.pone.0163847. Consultado em 15 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda); Verifique data em: |data= (ajuda)
  29. «The Kidney & Urology Foundation of America». www.kidneyurology.org. Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  30. https://byjus.com/biology/micturition-urination-process/  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  31. Sugaya, Kimio; Nishijima, Saori; Miyazato, Minoru (2005). «Central nervous control of micturition and urine storage». 41 (3): 117–132. doi:10.1540/jsmr.41.117. Consultado em 27 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  32. Hotta, Harumi; Suzuki, Harue; Iimura, Kaori (2018). «Age-Related Changes in Neuromodulatory Control of Bladder Micturition Contractions Originating in the Skin» (em inglês). 12. doi:10.3389/fnins.2018.00117. Consultado em 27 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  33. «Diuresis - an overview | ScienceDirect Topics». Consultado em 16 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |sito= ignorado (|website=) sugerido (ajuda)
  34. «Osmotic diuresis: MedlinePlus Medical Encyclopedia». medlineplus.gov (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  35. «What Is Diuresis? - Definition, Symptoms & Treatment - Video & Lesson Transcript». Study.com (em inglês). Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  36. Carpenito-Moyet, Lynda Juall (2009). Nursing Care Plans & Documentation: Nursing Diagnoses and Collaborative Problems (em inglês). [S.l.]: Lippincott Williams & Wilkins. ISBN 978-0-7817-7064-4. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  37. «Bladder Disturbance: A Red Flag Symptom». Cauda Equina (em inglês). 3 de setembro de 2018. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  38. «Daytime wetting and voiding dysfunction in children». University of Iowa Stead Family Children's Hospital (em inglês). 7 de abril de 2011. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  39. «Micturition: Meaning, Stages, Physiology of Micturition with Videos». Toppr-guides (em inglês). 22 de fevereiro de 2018. Consultado em 27 de janeiro de 2020 
  40. Fowler, Clare J.; Griffiths, Derek; de Groat, William C. (junho de 2008). «The neural control of micturition». 9 (6): 453–466. doi:10.1038/nrn2401. Consultado em 27 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  41. Ballstaedt, Levi; Woodbury, Blair (2019). StatPearls. [S.l.]: StatPearls Publishing. Consultado em 27 de janeiro de 2020 
  42. https://www.sciencedirect.com/topics/nursing-and-health-professions/postvoid-residual-urine-volume  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  43. Selius, Brian A.; Subedi, Rajesh (1 de março de 2008). «Urinary Retention in Adults: Diagnosis and Initial Management» (em inglês). 77 (5): 643–650. Consultado em 27 de janeiro de 2020  Parâmetro desconhecido |rivista= ignorado (ajuda)
  44. https://www.mayoclinicproceedings.org/article/S0025-6196(11)63368-5/pdf  Em falta ou vazio |título= (ajuda)