Ureter

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uréter
Anatomia renal.png
Partes do rim:
1. Cápsula renal
2. Córtex renal
3. Coluna de Bertin
4. Medula renal
5. Pirâmide renal
6. Papila renal
7. Pelve renal
8. Cálice maior
9. Cálice menor
10. Ureter
11. Corpúsculo renal
12. Veia interlobular e Artéria interlobular
13. Veia arqueada e Artéria arqueada
14. Veia interlobar e Artéria interlobar
15. Artéria renal
16. Veia renal
17. Hilo renal
18. Seio renal
19. Veia segmentar e Artéria segmentar
20. Arteríola aferente
21. Arteríola eferente
22. Artéria radial perfurante
23. Veia estrelada
Gray assunto #254 1225
Vascularização Artéria vesical superior artéria vaginal, ramos ureterais da artéria renal
Precursor Ureteric bud
MeSH Ureter

O uréter ou ureter é um tubo que faz parte das vias urinárias e que liga a pelve do rim à bexiga. A sua função é propelir a urina do rim até à bexiga.

Anatomia[editar | editar código-fonte]

Cada uréter tem entre 25 a 30 cm de comprimento e três milímetros de diâmetro. Eles se originam da confluência dos vários cálices renais, reunindo-se enquanto pelve renal. Os uréteres descem então do abdome superior (onde estão os rins) até à pelve por detrás dos órgãos do trato gastrointestinal, retroperitonealmente. A sua passagem junto de outras estruturas condiciona estruturas onde é mais frequente um cálculo renal (pedra dos rins) ficar retido gerando obstrução: estas estruturas incluem , a artéria ilíaca, o rebordo ósseo da pelve e aquando da entrada na bexiga. Os uréteres entram na bexiga posteriormente fazendo-o de forma oblíqua, envolvidos pelas diversas camadas musculares da bexiga, de modo a prevenir o refluxo da urina.

Histologia[editar | editar código-fonte]

Secção transversal do uréter mostrando sua estrutura histológica

Os uréteres têm três camadas, conforme descrito abaixo:[1][2][3]

1. Camada mucosa: É a camada mais interno do órgão, formada por quatro a cinco camadas de células epiteliais, sendo que as células mais superficiais possuem um espessamento em sua região apical, além de serem maiores e mais achatadas (células em guarda-chuva). Trata-se de um epitélio de transição, ou seja várias camadas de células com formatos diferentes. As células epiteliais apoiam-se sobre uma membrana basal, e logo abaixo desta, exite uma camada de tecido conjuntivo chamada lâmina própria ou córion.

2. Camada muscular: É a segunda camada do uréter, constituída por duas camadas de fibras musculares lisas: a camada interna, com fibras dispostas no sentido longitudinal, e a camada externa, com fibras dispostas em sentido circular.

3. Camada adventícia: É a camada mais externa, onde encontramos vasos sanguíneos, células adiposas e fibras nervosas.

Fisiologia[editar | editar código-fonte]

A função dos uréteres é a propulsão da urina. O método é a contracção por peristalse (em ondas) da sua camada de músculo liso. Esta contracção é completamente inconsciente.

Patologia[editar | editar código-fonte]

  • Alterações congénitas: uréter duplicado, por vezes com Pénis bífido; divertículos; alterações na porção intravesicular (terminal) que são obstrutivas ou não impedem o refluxo da urina.
  • A uréterite é a inflamação do uréter, frequentemente de causa infecciosa. Pode ser obstrutiva.
  • Litíase uretérica com obstrução: é muito dolorosa, é causada por cálculo ("pedra") originária do Rim. A obstrução pode complicar em hidronefrose.
  • uréterocelo: expansão do uréter distal com conteúdo liquido, devido a estenose da comunicação com a bexiga. Pode complicar em hidronefrose.
  • Cancro do uréter: o carcinoma transicional epitelial, tumor maligno primário do uréter, é raro. São mais comuns tumores benignos do mesênquima (pólipos fibroepiteliais, leiomiomas, lipomas) que causam obstrução devido à compressão do lúmen.
  • Outras causas de obstrução são a gravidez normal, a endometriose (inflamação no Útero), Salpingite (inflamação na trompas), ou neurogénica (defeito de peristalse devido à má função dos nervos uretéricos).

Referências

  1. Junqueira, L.C.; Carneiro, J, ed. (1995). Histologia Básica 8 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. pp. 313–330. ISBN 85-277-0336-X 
  2. Di Fiore, M.S.H, ed. (1995). Atlas de Histologia 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 150 páginas. ISBN 85-226-0170-4 
  3. Cotran, R.S.; Kumar, V.; Robbins, S.L, ed. (1996). Patologia estrutural e funcional 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 892 páginas. ISBN 85-277-0364-5