Fimose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fimose
Phimosis.jpg
Pênis ereto com fimose
EspecialidadeUrologia
SintomasIncapacidade de retrair o prepúcio para trás além da glande[1]
ComplicaçõesBalanopostite[1]
Início comumNormal no nascimento[1]
DuraçãoNormalmente resolve-se até 3 anos de idade[2]
CausasNormal, balanitis,[1] líquen escleroso
Fatores de riscoEritema das fraldas, ausência de limpeza, Diabetes[3]
PrevençãoCorticosteroide, exercícios de alongamento, circuncisão[2]

Fimose é uma condição em que, no pênis humano, o prepúcio não pode ser completamente retraído para expor totalmente a glande.[1] Um inchaço em forma de balão sob o prepúcio pode ocorrer com a micção.[1] Em adolescentes e adultos, pode resultar em dor durante a ereção, mas durante a flacidez não é doloroso.[1] As pessoas afetadas correm maior risco de inflamação da glande, conhecida como balanite, e outras complicações.[1]

Em crianças pequenas, é normal não ser capaz de puxar o prepúcio.[2] Em mais de 90% dos casos, esta incapacidade desaparece aos sete anos e em 99% dos casos aos 16 anos.[2][4] Ocasionalmente, a fimose pode ser causada por uma condição subjacente, como cicatrizes por balanite ou balanite xerotica obliterante.[4] Isso geralmente pode ser diagnosticado vendo cicatrizes na abertura do prepúcio.[4]

Normalmente, resolve-se sem tratamento aos três anos de idade.[2] Esforços para puxar o prepúcio durante os primeiros anos da vida de um menino não devem ser tentados.[2] Para aqueles em quem a condição não melhora ainda mais tempo pode ser dado ou um corticoide pode ser usado para tentar afrouxar a pele firme.[2] Se este método, combinado com exercícios de alongamento, não for eficaz, então outros tratamentos, como a circuncisão, podem ser recomendados.[2] Uma complicação potencial da fimose é a parafimose, em que o prepúcio apertado fica preso atrás da glande.[4] A palavra vem do grego phimos (φῑμός), significando "mordaça".[5]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Ao nascer, a camada interna do prepúcio é selada à glande do pênis. O prepúcio é geralmente não retrátil na primeira infância, e alguns homens podem atingir a idade de 18 anos antes que o prepúcio possa ser totalmente retraído.[6]

Associações médicas aconselham a não retrair o prepúcio de uma criança, a fim de evitar cicatrizes.[7][8] Alguns argumentam que a não retratilidade pode "ser considerada normal para os homens até e incluindo a adolescência".[9][10] O médico George Hill afirma que a retratilidade total do prepúcio pode não ser alcançada até a infância tardia ou início da idade adulta.[11] Uma pesquisa dinamarquesa descobriu que a idade média da primeira retração do prepúcio é 10,4 anos.[12]

Vários autores sugeriram que a verdadeira fimose é super-diagnosticada devido à falha em distinguir entre a não retratabilidade normal do desenvolvimento e uma condição patológica.[13][14][15] Alguns autores usam os termos "fisiológico" e "patológico" para distinguir entre estes tipos de fimose;[16] outros usam o termo "prepúcio não retrátil" para distinguir essa condição de desenvolvimento da fimose patológica.[13]

Em alguns casos, uma causa pode não estar clara, ou pode ser difícil distinguir fimose fisiológica de fimose patológica se uma criança parecer ter desconforto ao urinar ou demonstrar óbvio balonismo do prepúcio. No entanto, o balonismo não indica obstrução urinária.[17]

Nas mulheres, uma condição comparável é conhecida como "fimose clitoridiana", em que a coberta do clitóris não pode ser retraída, limitando a exposição da glande clitoridis.[18]

Graus de intensidade[19][editar | editar código-fonte]

  • Grau 1: retração total do prepúcio, mas apertando atrás da glande.
  • Grau 2: exposição parcial da glande.
  • Grau 3: retração parcial, orifício urinário visível, mas o restante da glande continua encoberto.
  • Grau 4: leve retração, mas orifício urinário continua encoberto.
  • Grau 5: absolutamente nenhuma retração do prepúcio.

Causa[editar | editar código-fonte]

Existem três condições mecânicas que impedem a retração do prepúcio:

  • A ponta do prepúcio é estreita demais para passar sobre a glande do pênis. Isso é normal em crianças e adolescentes.[20][21]
  • A superfície interna do prepúcio é fundida com a glande do pênis. Isso é normal em crianças e adolescentes, mas anormal em adultos.[21]
  • O frênulo é muito curto para permitir a completa retração do prepúcio (uma condição chamada frênulo curto).[21]

A fimose patológica (em oposição à não retratabilidade natural do prepúcio na infância) é rara e as causas são variadas. Alguns casos podem surgir de balanite (inflamação da glande).[22]

O líquen escleroso e atrófico (supostamente a mesma condição da balanite xerotica obliterante) é considerado comum (ou até mesmo o principal)[23] causa de fimose patológica.[24] Esta é uma condição da pele de origem desconhecida que faz com que um anel esbranquiçado de tecido endurecido (uma cicatriz) se forme perto da ponta do prepúcio. Este tecido inelástico impede a retração.

A fimose pode ocorrer após outros tipos de inflamação crônica (como balanopostite), cateterismo repetido ou retração forçada do prepúcio.[25]

A fimose também pode surgir em diabéticos não tratados devido à presença de glicose na urina, causando infecção no prepúcio.[26]

A fimose em crianças mais velhas e adultos pode variar em gravidade, com alguns capazes de retrair parcialmente o prepúcio (fimose relativa), enquanto outros são completamente incapazes de retrair o prepúcio, mesmo quando o pênis está em estado flácido (fimose completa).

Tratamento[editar | editar código-fonte]

A fimose fisiológica, comum em homens com 10 anos ou menos, é normal e não requer intervenção.[20][27][28] O prepúcio não retrátil geralmente se torna retrátil durante o curso da puberdade.[28]

Se a fimose em crianças mais velhas ou adultos não estiver causando problemas agudos e graves, medidas não cirúrgicas podem ser eficazes. A escolha do tratamento é geralmente determinada pela possibilidade de a circuncisão ser considerada como uma opção de último recurso a ser evitada ou como o curso preferido.[2]

Não cirúrgico[editar | editar código-fonte]

  • Cremes esteroides tópicos como betametasona, furoato de mometasona e cortisona são eficazes no tratamento de fimose e devem ser considerados antes da circuncisão.[27][29][30] É teorizado que os esteroides atuam reduzindo as respostas inflamatórias e imunológicas do corpo, e também diminuindo a espessura da pele.[27]
  • O alongamento delicado do prepúcio pode ser feito manualmente, com balões ou com outras ferramentas. A pele que está sob tensão se expande pelo crescimento de células adicionais.

Cirúrgico[editar | editar código-fonte]

Preputioplastia:
Fig 1. Pênis com anel fimótico apertado dificultando a retração do prepúcio.
Fig 2. Prepúcio retraído sob anestesia com o anel fimótico ou estenose constringindo o eixo do pênis e criando uma "cintura".
Fig 3. Incisão fechada lateralmente.
Fig 4. O pênis com o prepúcio solto é substituído sobre a glande

Os métodos cirúrgicos variam desde a remoção completa do prepúcio até operações menores para aliviar o aperto do prepúcio:

  • Fenda dorsal (superincisão) é uma única incisão ao longo do comprimento superior do prepúcio da ponta até a coroa, expondo a glande sem remover nenhum tecido.
  • Fenda ventral (subincisão) é uma incisão ao longo do comprimento inferior do prepúcio da ponta do frênulo até a base da glande, removendo o frênulo no processo. Frequentemente usado quando o frênulo curto ocorre junto da fimose.
  • Prepucioplastia, em que uma fenda dorsal limitada com fechamento transversal é feita ao longo da faixa constritiva da pele,[31] pode ser uma alternativa eficaz à circuncisão.[15] Tem a vantagem de apenas dor limitada e uma curta duração de cura em relação à circuncisão, evitando ao mesmo tempo efeitos cosméticos.[31]
  • Às vezes, a circuncisão é realizada para fimose e é um tratamento eficaz; no entanto, este método tornou-se menos comum a partir de 2012.[6]

Enquanto a circuncisão previne fimose, estudos sobre a incidência de bebês saudáveis circuncidados para cada caso evitado de fimose são inconsistentes.[14][25]

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

A complicação mais aguda é a parafimose. Nessa condição, a glande fica inchada e dolorida, e o prepúcio é imobilizado pelo inchaço em uma posição parcialmente retraída. O pênis proximal é flácido. Alguns estudos concluíram que a fimose é um fator de risco para retenção urinária[32] e carcinoma do pênis.[33]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Vários relatórios médicos de incidência de fimose foram publicados ao longo dos anos. Elas variam amplamente devido às dificuldades de distinguir fimose fisiológica (não-retratilidade do desenvolvimento) de fimose patológica, diferenças de definição, problemas de averiguação e múltiplas influências adicionais nas taxas de circuncisão pós-neonatal em culturas onde a maioria dos recém-nascidos é circuncidada. Uma estatística de incidência comumente citada para fimose patológica é de 1% dos homens não circuncidados.[25][34][14] Quando a fimose é simplesmente equacionada com a não retratilidade do prepúcio após os 3 anos de idade, foram relatadas taxas de incidência consideravelmente maiores.[28][35] Outros descreveram incidências em adolescentes e adultos em até 50%, embora seja provável que muitos casos de fimose fisiológica ou não-retratilidade parcial tenham sido incluídos.[36]

História[editar | editar código-fonte]

Segundo alguns relatos, a fimose impediu Luís XVI de França de engravidar sua esposa durante os primeiros sete anos de seu casamento. Ela tinha 14 anos e ele tinha 15 anos quando se casaram em 1770. No entanto, a presença e a natureza de sua anomalia genital não são consideradas certas, e alguns estudiosos (como Vincent Cronin e Simone Bertiere) afirmam que o reparo cirúrgico teria sido mencionado no livro de registros de seus tratamentos médicos, se isso de fato ocorreu.[carece de fontes?] O prepúcio não retrátil na adolescência é normal, comum e geralmente se resolve com o aumento da maturidade.[28]

O presidente dos EUA, James Garfield, foi assassinado por Charles Guiteau em 1881. O relatório da autópsia de Guiteau indicava que ele tinha fimose. Na época, isso levou à especulação de que o comportamento assassino de Guiteau era devido à insanidade induzida por fimose.[37]

Notas e referências

  1. a b c d e f g h «Phimosis». PubMed Health. Consultado em 28 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2017 
  2. a b c d e f g h i «What are the treatment options for phimosis?». PubMed Health. Institute for Quality and Efficiency in Health Care. 7 de outubro de 2015. Consultado em 28 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2017 
  3. Domino, Frank J.; Baldor, Robert A.; Golding, Jeremy (2013). The 5-Minute Clinical Consult 2014 (em inglês). [S.l.]: Lippincott Williams & Wilkins. p. 138. ISBN 9781451188509 
  4. a b c d McGregor, TB; Pike, JG; Leonard, MP (março de 2007). «Pathologic and physiologic phimosis: approach to the phimotic foreskin.». Canadian Family Physician. 53 (3): 445–8. PMC 1949079Acessível livremente. PMID 17872680 
  5. Kirk, Raymond Maurice; Winslet, Marc C. (2007). Essential General Surgical Operations (em inglês). [S.l.]: Elsevier Health Sciences. p. 365. ISBN 978-0443103148. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2017 
  6. a b Sukhbir Kaur Shahid (5 de março de 2012). «Phimosis in Children». ISRN Urol. 2012: 1–6. PMC 3329654Acessível livremente. PMID 23002427. doi:10.5402/2012/707329 
  7. «Care of the Uncircumcised Penis». Guide for parents. American Academy of Pediatrics. Setembro de 2007. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2012 
  8. «Caring for an uncircumcised penis». Information for parents. Canadian Paediatric Society. Julho de 2012. Cópia arquivada em 16 de julho de 2012 
  9. Huntley JS, Bourne MC, Munro FD, Wilson-Storey D (setembro de 2003). «Troubles with the foreskin: one hundred consecutive referrals to paediatric surgeons». J R Soc Med. 96 (9): 449–451. PMC 539600Acessível livremente. PMID 12949201. doi:10.1258/jrsm.96.9.449 
  10. Denniston; Hill (outubro de 2010). «Gairdner was wrong». Can Fam Physician. 56 (10): 986–987. PMC 2954072Acessível livremente. PMID 20944034. Consultado em 5 de abril de 2014. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2015 
  11. George Hill (2003). «Circumcision for phimosis and other medical indications in Western Australian boys». The Medical Journal of Australia. 178 (11): 587; author reply 589–90. PMID 12765511. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2008 
  12. Thorvaldsen MA, Meyhoff H.. Patologisk eller fysiologisk fimose?. Ugeskrift for Læger. 2005 [archived 2016-02-07];167(16):1852–62. PMID 15929334.
  13. a b Rickwood AM, Walker J (1989). «Is phimosis overdiagnosed in boys and are too many circumcisions performed in consequence?». Ann R Coll Surg Engl. 71 (5): 275–7. PMC 2499015Acessível livremente. PMID 2802472. Authors review English referral statistics and suggest phimosis is overdiagnosed, especially in boys under 5 years, because of confusion with developmentally nonretractile foreskin. 
  14. a b c Spilsbury K, Semmens JB, Wisniewski ZS, Holman CD (2003). «Circumcision for phimosis and other medical indications in Western Australian boys». Med. J. Aust. 178 (4): 155–8. PMID 12580740. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2004 . Recent Australian statistics with good discussion of ascertainment problems arising from surgical statistics.
  15. a b Van Howe RS (1998). «Cost-effective treatment of phimosis». Pediatrics. 102 (4): e43. PMID 9755280. doi:10.1542/peds.102.4.e43. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2009  A review of estimated costs and complications of 3 phimosis treatments (topical steroids, praeputioplasty, and surgical circumcision). The review concludes that topical steroids should be tried first, and praeputioplasty has advantages over surgical circumcision. This article also provides a good discussion of the difficulty distinguishing pathological from physiological phimosis in young children and alleges inflation of phimosis statistics for purposes of securing insurance coverage for post-neonatal circumcision in the United States.
  16. McGregor TB, Pike JG, Leonard MP (março de 2007). «Pathologic and physiologic phimosis: approach to the phimotic foreskin». Can Fam Physician. 53 (3): 445–8. PMC 1949079Acessível livremente. PMID 17872680 
  17. Babu R, Harrison SK, Hutton KA (2004). «Ballooning of the foreskin and physiological phimosis: is there any objective evidence of obstructed voiding?». BJU Int. 94 (3): 384–387. PMID 15291873. doi:10.1111/j.1464-410X.2004.04935.x 
  18. Munarriz R, Talakoub L, Kuohung W, et al. (2002). «The prevalence of phimosis of the clitoris in women presenting to the sexual dysfunction clinic: lack of correlation to disorders of desire, arousal and orgasm». J Sex Marital Ther. 28 (Suppl 1): 181–5. PMID 11898701. doi:10.1080/00926230252851302 
  19. Kikiros, C. S.; Beasley, S. W.; Woodward, A. A. (1 de maio de 1993). «The response of phimosis to local steroid application» (PDF). Pediatric Surgery International (em inglês). 8 (4): 329–332. ISSN 0179-0358. doi:10.1007/BF00173357. Cópia arquivada (PDF) em 4 de março de 2016 
  20. a b Kayaba H, Tamura H, Kitajima S, et al.. Analysis of shape and retractability of the prepuce in 603 Japanese boys. J Urol. 1996;156(5):1813–5.. doi:10.1016/S0022-5347(01)65544-7. PMID 8863623.
  21. a b c Øster J. Further fate of the foreskin: incidence of preputial adhesions, phimosis, and smegma among Danish schoolboys. Arch Dis Child. 1968;43(228):200–3. doi:10.1136/adc.43.228.200. PMID 5689532.
  22. Edwards S (junho de 1996). «Balanitis and balanoposthitis: a review». Genitourin Med. 72 (3): 155–9. PMC 1195642Acessível livremente. PMID 8707315. doi:10.1136/sti.72.3.155 
  23. Bolla G, Sartore G, Longo L, Rossi C (2005). «[The sclero-atrophic lichen as principal cause of acquired phimosis in pediatric age]». Pediatr Med Chir (em Italian). 27 (3–4): 91–3. PMID 16910457 
  24. Buechner SA (setembro de 2002). «Common skin disorders of the penis». BJU Int. 90 (5): 498–506. PMID 12175386. doi:10.1046/j.1464-410X.2002.02962.x. Arquivado do original em 5 de janeiro de 2013 
  25. a b c Cantu Jr. S. Phimosis and paraphimosis no eMedicine
  26. Bromage, Stephen J.; Anne Crump; Ian Pearce (2008). «Phimosis as a presenting feature of diabetes». BJU International. 101 (3): 338–340. PMID 18005214. doi:10.1111/j.1464-410X.2007.07274.x. Arquivado do original em 5 de janeiro de 2013 
  27. a b c Hayashi, Y.; Kojima, Y.; Mizuno, K.; Kohri, K. (2011). «Prepuce: phimosis, paraphimosis, and circumcision.». ScientificWorldJournal. 11: 289–301. PMC 5719994Acessível livremente. PMID 21298220. doi:10.1100/tsw.2011.31. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2014 
  28. a b c d Øster J (1968). «Further fate of the foreskin. Incidence of preputial adhesions, phimosis, and smegma among Danish schoolboys». Arch. Dis. Child. 43 (228): 200–203. PMC 2019851Acessível livremente. PMID 5689532. doi:10.1136/adc.43.228.200 
  29. Zampieri N, Corroppolo M, Giacomello L, et al.. Phimosis: Stretching methods with or without application of topical steroids?. J Pediatr. 2005;147(5):705–6. doi:10.1016/j.jpeds.2005.07.017. PMID 16291369.
  30. Moreno, G; Corbalán, J; Peñaloza, B; Pantoja, T (2 de setembro de 2014). «Topical corticosteroids for treating phimosis in boys.». The Cochrane Database of Systematic Reviews. 9 (9): CD008973. PMID 25180668. doi:10.1002/14651858.CD008973.pub2 
  31. a b Cuckow PM, Rix G, Mouriquand PD (1994). «Preputial plasty: a good alternative to circumcision». J. Pediatr. Surg. 29 (4): 561–563. PMID 8014816. doi:10.1016/0022-3468(94)90092-2 
  32. Minagawa T, Murata Y (junho de 2008). «[A case of urinary retention caused by true phimosis]». Hinyokika Kiyo (em Japanese). 54 (6): 427–9. PMID 18634440 
  33. Daling JR, Madeleine MM, Johnson LG, et al. (setembro de 2005). «Penile cancer: importance of circumcision, human papillomavirus and smoking in in situ and invasive disease». Int. J. Cancer. 116 (4): 606–616. PMID 15825185. doi:10.1002/ijc.21009 
  34. Shankar KR, Rickwood AM (1999). «The incidence of phimosis in boys». BJU Int. 84 (1): 101–102. PMID 10444134. doi:10.1046/j.1464-410x.1999.00147.x. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2013  This study gives a low incidence of pathological phimosis (0.6% of uncircumcised boys by age 15 years) by asserting that balanitis xerotica obliterans is the only indisputable type of pathological phimosis and anything else should be assumed "physiological". Restrictiveness of definition and circularity of reasoning have been criticized.
  35. Imamura E (1997). «Phimosis of infants and young children in Japan». Acta Paediatr Jpn. 39 (4): 403–5. PMID 9316279. doi:10.1111/j.1442-200x.1997.tb03605.x  A study of phimosis prevalence in over 4,500 Japanese children reporting that over a third of uncircumcised had a nonretractile foreskin by age 3 years.
  36. Ohjimi T, Ohjimi H (1981). «Special surgical techniques for relief of phimosis». J Dermatol Surg Oncol. 7 (4): 326–30. PMID 7240535. doi:10.1111/j.1524-4725.1981.tb00650.x 
  37. Hodges FM (1999). «The history of phimosis from antiquity to the present». In: Milos, Marilyn Fayre; Denniston, George C.; Hodges, Frederick Mansfield. Male and Female Circumcision: Medical, Legal and Ethical Considerations in Pediatric Practice. New York: Kluwer Academic/Plenum Publishers. pp. 37–62. ISBN 978-0-306-46131-6. doi:10.1007/978-0-585-39937-9_5 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Fimose