Endometriose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Endometrite.
Endometriose
Endometriose observada durante uma laparoscopia
Especialidade Ginecologia
Sintomas Dor na parte inferior do abdómen, infertilidade[1]
Início habitual 30–40 anos de idade[2][3]
Duração Crónica[1]
Causas Desconhecidas[1]
Fatores de risco Antecedentes familiares[2]
Método de diagnóstico Baseado nos sintomas, exames imagiológicos, biópsia[2]
Condições semelhantes Doença inflamatória pélvica, síndrome do cólon irritável, cistite intersticial, fibromialgia[1]
Prevenção Contracetivos orais combinados, exercício[2][4]
Tratamento AINEs, continuação da toma da pílula, dispositivo intrauterino com progestógeno, cirurgia[2]
Frequência 10,8 milhões (2015)[5]
Mortes ~100 (2015)[6]
Classificação e recursos externos
CID-10 N80
CID-9 617.0
OMIM 131200
DiseasesDB 4269
MedlinePlus 000915
eMedicine med/3419 ped/677 emerg/165
MeSH D004715
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Endometriose é uma condição em que células semelhantes às do endométrio – a camada de tecido que reveste o útero – crescem no seu exterior.[7][8] Os locais de crescimento mais frequentes são os ovários, as trompas de Falópio e o tecido que envolve o útero e os ovários. Em casos raros, podem também crescer noutras partes do corpo.[2] Os principais sintomas são dor na parte inferior do abdómen e infertilidade.[1] Cerca de metade dos casos apresentam dor pélvica crónica, enquanto em 70% a dor ocorre durante a menstruação.[1] Também é comum ocorrer dor durante as relações sexuais.[1] A infertilidade afeta cerca de metade das mulheres com a condição.[1] Entre sintomas pouco comuns estão sintomas urinários ou intestinais.[1] Cerca de 25% das mulheres não manifesta sintomas.[1] A endometriose pode ter sequelas sociais e psicológicas.[9]

A causa não é totalmente clara.[1] Entre os fatores de risco estão antecedentes familiares da doença.[2] As áreas de endometriose sangram todos os meses, dando origem a inflamação e cicatrização.[1][2] As formações de tecido causadas pela endometriose não são cancro.[2] O diagnóstico é suspeito com base nos sintomas e em exames imagiológicos,[2] podendo ser confirmado com biópsia dos tecidos.[2] Entre outras condições que causam sintomas semelhantes estão a doença inflamatória pélvica, a síndrome do cólon irritável, a cistite intersticial e a fibromialgia.[1]

Algumas evidências sugerem que o uso de contracetivos orais combinados diminui o risco de desenvolver endometriose.[4] O exercício físico e evitar consumo de grandes quantidades de álcool pode também prevenir a condição.[2] Embora não exista cura para a endometriose, estão disponíveis vários tratamentos para melhorar os sintomas.[1] Entre eles estão os analgésicos, tratamentos hormonais ou cirurgia.[2] Os analgésicos recomendados são geralmente anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) como o naproxeno.[2] A toma continuada do componente ativo da pílula contracetiva ou a utilização de um dispositivo intrauterino com progestógeno pode também ser útil.[2] A administração de um agonista da hormona libertadora da gonadotrofina pode melhorar a capacidade de engravidar em mulheres inférteis.[2] A remoção cirúrgica da endometriose pode ser viável no tratamento de casos que não melhoram com outros tratamentos.[2]

Um estudo estima que em 2015 a condição afetasse 10,8 milhões de mulheres em todo o mundo.[5] Outros estudos estimam que afete entre 6% e 10% de todas as mulheres.[1] A endometriose é mais comum na casa dos 30 e 40 anos de idade. No entanto, pode ter início em idades tão precoces como oito anos.[2][3] Raramente causa a morte.[10] Foi só na década de 1920 que se determinou que a endometriose era uma condição distinta.[11] Até então, a endometriose e a adenomiose eram consideradas a mesma doença.[11] Não é ainda claro quem terá descrito primeiro a doença.[11]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas mais comuns são dismenorreia, dispareunia e dor pélvica crônica não menstrual (acíclica).[12] A dor pode variar desde leve a grave ou cólicas de dor aguda que ocorrem em ambos os lados da bacia, na área inferior das costas e área retal e até mesmo até as pernas. A quantidade de dor que a mulher sente se correlaciona com a extensão ou estágio (1 a 4) da endometriose, porém há casos em que algumas mulheres têm pouca ou nenhuma dor, apesar de ter extensa endometriose ou endometriose com cicatrizes, enquanto que outras mulheres podem ter dor severa, apesar de terem apenas algumas pequenas áreas de endometriose.[13] Os sintomas de dor relacionada à endometriose podem incluir:[14]

  • Dismenorréia - cólica muito dolorosa, às vezes incapacitantes durante o período menstrual; a dor pode piorar ao longo do tempo (dor progressiva), dores nas costas inferiores também ligados à pelve
  • Dor pélvica crônica - normalmente acompanhado de dor lombar ou dor abdominal
  • Dispareunia - sexo doloroso
  • Disúria - urgência em urinar, freqüência e esvaziamento por vezes doloroso

Fatores de risco[editar | editar código-fonte]

A predisposição genética desempenha um papel na endometriose.[15] Filhas ou irmãs de mulheres com endometriose estão em maior risco de desenvolver a endometriose; baixos níveis de progesterona podem ser genéticas e pode contribuir para um desequilíbrio hormonal.[16] Há uma incidência de cerca seis vezes maior em mulheres com um parente de primeiro grau afetado.[17]

Tipos[editar | editar código-fonte]

Pílulas contraceptivas podem diminuir a chance de recorrência de endometriose.[18]

Os locais comuns da endometriose são: ovários, peritônio pélvico, trompas e nas áreas entre o útero, vagina e o reto (septo retovaginal). Sendo menos comum no intestino, bexiga, diafragma, vagina e parede abdominal. Dependendo da área afetada será classificada por uma subcategoria do CID-10:

  • N80.0 Endometriose do útero
  • N80.1 Endometriose do ovário
  • N80.2 Endometriose da trompa de falópio
  • N80.3 Endometriose do peritônio pélvico
  • N80.4 Endometriose do septo retovaginal e da vagina
  • N80.5 Endometriose do intestino
  • N80.6 Endometriose em cicatriz cutânea
  • N80.8 Outra endometriose
  • N80.9 Endometriose não especificada
Endometriose profunda

A Endometriose profunda é uma das apresentações da endometriose. Atualmente consideramos que existem três formas de endometriose. A superficial, a ovariana (o endometrioma de ovário) e a profunda. São consideradas profundas as lesões que ultrapassam 5 mm abaixo do epitélio peritoneal. As lesões profundas podem acometer outros orgãos como o intestino, bexiga e ureter. Os segmentos intestinais mais atingidos(90%) são sigmóide e reto.

Cerca de 10 a 15% das mulheres com endometriose apresentam acometimento intestinal. Os sintomas normalmente apresentados por essas pacientes , além das cólicas habituais e infertilidade, são dor para evacuar principalmente durante o período menstrual e em casos mais raros sangramento intestinal.

O diagnóstico de endometriose profunda depende, como primeira etapa, de detalhada anamnese, atentando-se para os sintomas citados, e cuidadoso exame físico. Neste o especialista pode notar lesões nos ligamentos úterossacrais e paramétrios, além de posição anômala do útero. Recomenda-se que, diante da suspeita de endometriose profunda, solicite-se ressonância magnética de pelve ou ultrassom transvaginal com preparo de cólon. Desta forma o diagnóstico fica fortalecido além de possibilitar a programação do tratamento individual.

O tratamento pode ser clínico (medicamentoso) ou cirúrgico, pela videolaparoscopia. Deve ser individualizado e discutido cuidadosamente com cada paciente. Para algumas mulheres pode ser vantajoso iniciar pelo tratamento medicamentoso. Em alguns casos o tratamento cirúrgico é obrigatório. Atualmente a maioria das cirurgias para endometriose profunda são realizadas por videolaparoscopia. O objetivo do tratamento é a redução máxima das lesões sendo por vezes necessário retirar o segmento intestinal acometido.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O ginecologista pode suspeitar de uma endometriose na sua paciente que estiver com infertilidade sem explicação. O exame físico pode indicar a presença da doença. O médico pode fazer o toque vaginal em busca de espessamento e/ou dor em ligamentos útero-sacros e nódulo em fundo de saco de Douglas.

Em geral, a confirmação da doença pode ser feita através da videolaparoscopia ou utilizando substâncias como anticorpos antiendométrio, propeptídeo protocolágeno tipo III, proteína C reativa, anticorpos anticardiolipina, proteína sérica amilóide A, CA19-9, CA15-3, antígeno carcinoembrionário, alfa-feto-proteína e beta-2-microglobulina, entre outras.[19] Os marcadores bioquímicos, biofísicos e moleculares não apresentam sensibilidade adequada para o diagnóstico da endometriose. Os exames complementares ajudam a identificar presença de lesões de endometriose ovariana ou profunda infiltrativa[20] Outros exames como a ultrassonografia e a ressonância magnética nuclear também podem ser utilizados.

Podem também ser utilizados vários exames imagiológicos tais como a Ecografia, a TAC ou TC, RM entre outras.[21]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Caso uma mulher com endometriose grave deseje ter filhos, existem diversas terapias para auxiliá-la como induzir a ovulação, inseminação intrauterina ou, em casos avançados, a fertilização in vitro.[22]

O tratamento varia conforme a vontade de engravidar, a área afetada, a intensidade dos sintomas, tolerância a medicamentos e a idade da paciente.

Dentre os tratamentos possíveis mais conservadores, voltados para casos menos graves, está a administração por 6 a 12 meses de uma combinação de contraceptivos hormonais orais, somado a antiinflamatórios não hormonais de nova geração no período perimenstrual e determinados exercícios físicos.[19]

Casos moderados e graves frequentemente necessitam de cirurgia para remover as células endométricas. Além dos tratamentos cirúrgicos podem ser associados o uso injeções de hormônios ou anti-hormônios, implantes subcutâneos de bastões de medicações ou DIU impregnados por substâncias inibidoras da menstruação.[23]

Nos casos mais graves pode ser necessário a remoção de partes de órgãos como útero, ovários, tubas ou de porções do intestino. A excisão total de todas as lesões visíveis e palpáveis da doença traz melhora significativa da dor pélvica e da fertilidade.[24]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o Bulletti C, Coccia ME, Battistoni S, Borini A (agosto de 2010). «Endometriosis and infertility». Journal of Assisted Reproduction and Genetics. 27 (8): 441–7. PMC 2941592Acessível livremente. PMID 20574791. doi:10.1007/s10815-010-9436-1 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r «Endometriosis». womenshealth.gov (em inglês). 13 de fevereiro de 2017. Consultado em 20 de maio de 2017. Cópia arquivada em 13 de maio de 2017 
  3. a b McGrath PJ, Stevens BJ, Walker SM, Zempsky WT (2013). Oxford Textbook of Paediatric Pain (em inglês). [S.l.]: OUP Oxford. p. 300. ISBN 9780199642656. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2017 
  4. a b Vercellini P, Eskenazi B, Consonni D, Somigliana E, Parazzini F, Abbiati A, Fedele L (1 de março de 2011). «Oral contraceptives and risk of endometriosis: a systematic review and meta-analysis». Human Reproduction Update. 17 (2): 159–70. PMID 20833638. doi:10.1093/humupd/dmq042 
  5. a b «Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 310 diseases and injuries, 1990-2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015». Lancet. 388 (10053): 1545–1602. Outubro de 2016. PMC 5055577Acessível livremente. PMID 27733282. doi:10.1016/S0140-6736(16)31678-6 
  6. «Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980-2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015». Lancet. 388 (10053): 1459–1544. Outubro de 2016. PMC 5388903Acessível livremente. PMID 27733281. doi:10.1016/S0140-6736(16)31012-1 
  7. «Endometriosis: Overview». www.nichd.nih.gov (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2017. Cópia arquivada em 18 de maio de 2017 
  8. «Endometriosis: Condition Information». www.nichd.nih.gov (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2017. Cópia arquivada em 30 de abril de 2017 
  9. Culley L, Law C, Hudson N, Denny E, Mitchell H, Baumgarten M, Raine-Fenning N (1 de novembro de 2013). «The social and psychological impact of endometriosis on women's lives: a critical narrative review». Human Reproduction Update. 19 (6): 625–39. PMID 23884896. doi:10.1093/humupd/dmt027 
  10. GBD 2013 Mortality and Causes of Death Collaborators (janeiro de 2015). «Global, regional, and national age-sex specific all-cause and cause-specific mortality for 240 causes of death, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013». Lancet. 385 (9963): 117–71. PMC 4340604Acessível livremente. PMID 25530442. doi:10.1016/S0140-6736(14)61682-2 
  11. a b c Brosens I (2012). Endometriosis: Science and Practice. [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 3. ISBN 9781444398496 
  12. Fernando FREITAS (1989). Rotinas em Ginecologia. Artmed. p. 143. ISBN 978-85-363-2473-9.
  13. Stratton P, Berkley KJ (2011). «Chronic pelvic pain and endometriosis: translational evidence of the relationship and implications». Hum. Reprod. Update. 17 (3). pp. 327–46. PMC 3072022Acessível livremente. PMID 21106492. doi:10.1093/humupd/dmq050 
  14. Endometriosis;NIH Pub. No. 02-2413; September 2002
  15. Fauser BC, Diedrich K, Bouchard P, Domínguez F, Matzuk M, Franks S, Hamamah S, Simón C, Devroey P, Ezcurra D, Howles CM (2011). «Contemporary genetic technologies and female reproduction». Hum. Reprod. Update. 17 (6). pp. 829–47. PMC 3191938Acessível livremente. PMID 21896560. doi:10.1093/humupd/dmr033 
  16. Kapoor D, Davila W (2005). Endometriosis, eMedicine.
  17. Giudice LC, Kao LC (2004). «Endometriosis». Lancet. 364 (9447). p. 1789–99. PMID 15541453. doi:10.1016/S0140-6736(04)17403-5 
  18. http://www.sobrage.org.br/a13.html
  19. a b Sérgio Podgaec e Maurício Simões Abrão. Endometriose: aspectos atuais do diagnóstico e tratamento. Disponível em: http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?id_materia=2567&fase=imprime
  20. http://portaldaendometriose.com.
  21. http://www.manualmerck.net/?id=263 Manual Merck
  22. http://www.endometriose.org.br/site_abend/site/home.asp
  23. «Home Oficial – Endometriose - O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos - Dr Sérgio Podgaec». Endometriose - O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos - Dr Sérgio Podgaec (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2018 
  24. Vercellini, P.; De Giorgi, O.; Pisacreta, A. Surgical management of endometriosis. Baillieres Clin Obstet Gynaecol 2000; 14:501-23.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ESHRE guideline for the diagnosis and treatment of endometriosis. Hum Reprod. 2005 Oct;20(10):2698-704. Epub 2005 Jun 24.
  • Chapron C et al. Surgical management of deeply infiltrating endometriosis: an update. Ann N Y Acad Sci. 2004 Dec;1034:326-37. Review.
  • Possover M et al. Laparoscopic therapy for endometriosis and vascular entrapment of sacral plexus. Fertil Steril. 2011 Feb;95(2):756-8. Epub 2010 Sep 25