Cistite intersticial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde agosto de 2011).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Cistite intersticial
Classificação e recursos externos
CID-10 N30.1
CID-9 595.1
DiseasesDB 30832
MedlinePlus 000477
eMedicine med/2866
MeSH D018856
Star of life caution.svg Aviso médico

A cistite intersticial, ou a cistite intersticial crônica é uma síndrome clínica que atinge o sistema urinário inferior, causando sintomas urinários e dor pélvica, na ausência de outras causas identificáveis. É também chamada de Síndrome da Bexiga Dolorosa.

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Acomete cerca de 10,8 em cada 100.000 mulheres. É bem mais frequente em mulheres com uma proporção de 9 para 1 caso masculino. Mais comum em pessoas de origem judaica e raça branca. Existe associação de doenças reumatológicas como lupus , artrite reumatoide e poliarterite nodosa.

Quadro clínico[editar | editar código-fonte]

Os principais sintomas são urgência miccional e o aumento da frequencia urinária, associados à sensação de dor no andar inferior do abdomem.

A urgência miccional confunde-se com os sintomas da bexiga hiperativa. Uma diferença entre as duas condições clínicas é que na cistite intersticial a pessoa apresenta-se ansiosa para urinar devido à dor que sente quando a bexiga está cheia, enquanto na bexiga hiperativa a urgência acontece por medo de não conseguir reter a urinar a molhar a roupa. O aumento da frequência urinária leva a pessoa a urinar em média 10 vezes ao dia e cerca de 5 vezes à noite. Raramento observa-se hematúria.

Etiopatogenia[editar | editar código-fonte]

A etiopatogenia da cistite intersticial ainda é pouco conhecida. Até o momento o que os demonstraram que o principal acontecimento é a rotura do epitélio vesical em sua camada (barreira hemato-urinária)composta de glicosaminoglicanos. Isto pode decorrer de insuficiente sulfatação dos polissacarídeos ou da presença na urina de aminas quaternárias, que inativam esses polissacarídeos.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

São critérios de exclusão aceitos: Frequência urinári diurna menor que 5 vezes.Urodinâmico com contrações não inibidas do detrusor, capacidade vesical maior que 350mL ou ausência de urgência com 150mL serve para descartar o diagnóstico. Ausência de noctúria e duração do quadro menor que 9 meses. À cistoscopia com hidrodistensão (80 cm H2O) espera-se: Petéquias – 10 por quadrante – ao menos 3 quadrantes , áreas hemorrágicas difusas, fissuras lineares, trabeculações, úlcera de Hunner (10% das pacientes).

A cistoscopia é importante também para excluir o carcinoma vesical.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento pode ser comportamental, medicamentoso ou cirúrgico. A escollha da melhor opção vai depender de cuidadosa avaliação médica.

O tratamento pode ser inicialmente comportamental: Alimentar (refrigerantes,chocolate, sucos ácidos), eliminar café / cigarro, exercícios, redução do estresse, treinamento vesical, biofeedback.

O medicamentoso via oral pode ser feito com o polisufato de pentosano sódico, anti-depressivos tricíclicos, anti-histamínicos e anti-convulsivantes.

O medicamentoso tópico intravesical como Dimetyl-Sulfoxide.

O círurgico é a hidrodistensão sob anestesia.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Parsons CL, Tatsis V. Prevalence of interstitial cystitis in young women. Urology 64(5):866-70, 2004
  • van de Merwe JP et al, Diagnostic criteria, classification, and nomenclature for painful bladder syndrome/interstitial cystitis: an ESSIC proposal.Eur Urol. 2008 Jan;53(1):60-7. Epub 2007 Sep 20.
  • Dell JR, Mokrzycki ML, Jayne CJ. Differentiating interstitial cystitis from similar conditions commonly seen in gynecologic practice.Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 2009 Jun;144(2):105-9. Epub 2009 May 5.
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.