Ejaculação facial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

thumb|Ejaculação facial Uma ejaculação facial é uma atividade sexual em que um homem ejacula sémen no rosto do parceiro sexual.[1] É uma forma de sexo não penetrativo, mas que geralmente é antecedido de sexo oral, vaginal ou anal. São muito usados em filmes pornográficos.[2]

A performance de uma ejaculação facial é tipicamente precedida por atividades que resultam no prazer sexual e estimulação do participante que ejacula. Depois do necessário de prazer, e a ejaculação é iminente, o macho irá posicionar o pénis para ejacular no rosto da(o) parceira(o).

O volume de sémen ejaculado depende de vários fatores, incluindo saúde do homem, idade, nível de excitação sexual e a última vez que ele ejaculou.[3] As quantidades normais de sémen vão de 1.5 a 0.5 mililitros (1 colher de chá). Segundos depois de ser depositado na face, o sémen engrossa, antes de liquefazer 15-30 minutos depois.[4]

Riscos à saúde[editar | editar código-fonte]

Transmissão de doenças[editar | editar código-fonte]

Qualquer interação sexual que tenha contato com fluídos corporais de outra pessoa contém o risco de transmissão de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).[5] O sémen por si só é inofensivo se em contato com a pele ou se engolido.[6][7] Mas, o sémen pode ser o veículo de muitas infecções sexualmente transmissíveis, como HIV e a hepatite.

Os riscos corridos entre o parceiro que dá e o que recebe são diferentes. Para o parceiro que ejacula há quase nenhum risco de transmitir uma DST. Para o parceiro que recebe o risco é maior.[8] Desde que o sémen infectado consiga entrar em contato com feridas abertas ou membranas sensíveis (olhos, lábios, boca) há risco de transmitir uma doença infecciosa.

Nível cultural[editar | editar código-fonte]

Antecedendo a era moderna da pornografia, as ejaculações faciais foram descritas na literatura. Um exemplo, o aristocrata francês Marquês de Sade, escreveu sobre performar ejaculações faciais em seu livro 120 Dias de Sodoma, escrito em 1785.

Na pornografia[editar | editar código-fonte]

Nos anos 1970, a pornografia hardcore introduziu a "cumshot" (também conhecida por "money shot") cena do elemento principal do filme hardcore, em que o ator macho ejacula de uma maneira assegurando a máxima visibilidade do ato.[9] Estas cenas podem envolver uma atriz, dizendo onde quer que o homem ejacule.[10] Agora as ejaculações faciais são regularmente protagonizadas nos filmes, vídeos, revistas e sites pornográficos. Hugo Ohira, diretor do marketing da Silvercash, retoricamente pergunta: "Quem não gosta de espalhar o líquido deles num bonito rosto novo?"[11]

Em adição à indústria pornográfica, a popularidade das ejaculações faciais levou à criação do seu mercado, como vídeos especializados em mostrar essas cenas. A psicóloga, Ana Bridges [12] e colegas conduziram uma análise dos melhores filmes pornográficos heterossexuais mostram que 96% das cenas concluem que um ator masculino ejaculando no corpo de uma mulher. A boca é a zona mais comum para a ejaculação. Quando todas as regiões da face são incluídas, as ejaculações cumprem aproximadamente 62% das cenas em que a ejaculação externa acontece.[13]

Notas e referências

  1. Westheimer, Ruth K.; Lehu, Pierre A. (2006). Sex for Dummies. [S.l.]: Wiley. p. 194. ISBN 978-0-470-04523-7 
  2. «A First Timer's Guide to Watching Porn by Violet Blue». Tinynibbles. Consultado em 17 de novembro de 2014 
  3. «Swimming Toward Conception: The Semen Analysis». Focus on Fertility, American Infertility Association and Organon Pharmaceuticals USA Inc. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2008 
  4. Gallup, G. G.; Burch, R. L.; Mitchell, T. J. B. (2006). «Semen displacement as a sperm competition strategy» (PDF). Human Nature. 17 (3). 253 páginas. doi:10.1007/s12110-006-1008-9 
  5. Taylor, Emma; Sharkey, Lorelei (2006). Em & Lo's Rec Sex: An A-Z Guide to Hooking Up. [S.l.]: Chronicle Books. p. 60. ISBN 978-0-8118-5212-8 
  6. Mann, Thaddeus (1981) [1981]. Male Reproductive Function and Semen. [S.l.]: Springer. ISBN 978-0-387-10383-9 
  7. Scheit, Karl H. (1990) [1990]. Proteins of Seminal Plasma. [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 978-0-471-84685-7 
  8. Moore, LJ (2007). Sperm Counts: Overcome by Man's Most Precious Fluid. [S.l.]: New York University Press. p. 84. ISBN 978-0-8147-5718-5 
  9. Linda Williams (1989). Hard core: power, pleasure, and the "frenzy of the visible". [S.l.]: University of California Press. p. 93–94. ISBN 978-0-520-06652-6 
  10. Linda Williams (1989). Hard core: power, pleasure, and the "frenzy of the visible". [S.l.]: University of California Press. p. 101. ISBN 978-0-520-06652-6 
  11. «Silvercash Releases New Solo-Girl, Tranny and Facial Sites». AVN Online 
  12. Ana J. Bridges. «Pornography's Effects on Interpersonal Relationships» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 30 de dezembro de 2010 
  13. Bridges, Ana J.; Wosnitzer, Robert; Scharrer, Erica; Sun, Chyng; Liberman, Rachael (outubro de 2010). «Aggression and sexual behavior in best-selling pornography videos: a content analysis update». Sage. Violence Against Women. 16 (10): 1065-1085. PMID 20980228. doi:10.1177/1077801210382866.  Pdf.; preprint