Abstinência sexual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Outubro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A abstinência sexual é a prática voluntária ou involuntária de abster-se de alguns ou todos os aspectos da atividade sexual. Supostas razões comuns para a abstenção deliberada ou forçada da expressão física do desejo sexual incluem doutrinas, preceitos ou opniões religiosas e filosóficas (por exemplo, castidade), e razões matrimôniais e de saúde, como prevenir a concepção (gravidez indesejada) ou contaminação por DST - doenças sexualmente transmissíveis.1

Principalmente sob forte influência ou pressão de grupos religiosos, alguns governos (como o dos Estados Unidos) passaram a adotar como principal programa de educação sexual o estímulo e incentivo à abstinência sexual em adolescentes.2 3

Esses programas procuram informar os jovens dos supostos malefícios e convencê-los do que acreditam ser imoralidade do sexo pré-marital (antes do casamento) e sugerem a abstinência como única opção saudável e segura contra a gravidez na adolescência e as doenças sexualmente transmissíveis. No entanto, diversos estudos indicaram que esses programas, incluindo nos Estados Unidos, não foram capazes de evitar esses riscos de um modo adequado e eficaz.4 5

Aspectos religiosos[editar | editar código-fonte]

No Brasil, a abstinência sexual antes do casamento é tratada como dogma pelas religiões conservadoras, como o Catolicismo, o Islamismo e o Judaísmo, e pelas igrejas protestantes (incluindo as igrejas evangélicas), mas na prática é impossível constatar ou confirmar o suposto sucesso desse conjunto de preceitos e doutrinas, tornando-se portanto um ato de fé espontâneo e inexplicável do fiel ou uma imposição vigiada pelos seus familiares, dependendo da religião em questão, às vezes com consequências graves para a saúde mental e física da pessoa, dependendo de cada caso.6

A abstinência sexual é questionada pela psicologia, no sentido de alertar os pacientes sobre os seus riscos. Uma análise puramente racional revela que a abstinência sexual permanente traz poucas vantagens e benefícios, em face da necessidade de empenho mental dos seus adeptos, no sentido de se manterem invictos ou castos.7

Apesar disto um universo de milhares de freiras e frades insistem há séculos em se manter castos, em instituições milenares como os monges de São Bento (beneditinos), os franciscanos, carmelitas e os dominicanos (Tomás de Aquino, dominicano, uma dos mais notáveis filósofos da humanidade não só defendeu as vantagens da castidade entre os religiosos como a praticou) e de várias outras instituições centenárias como os jesuítas, ou mais recentes como as Missionárias da Caridade fundadas por Madre Teresa de Calcutá, isto sem contar os orientais dentre eles tibetanos por exemplo.

Esta passagem carece de fontes

Todos os santos, notadamente, os reconhecidos pela Igreja Católica, leigos ou religiosos, de alguma forma sempre fizeram a apologia da castidade, desde os primórdios do cristianismo até os dias atuais. São Josemaria Escrivá, canonizado no último decênio do século XX, por exemplo, deixou escrito sobre a castidade:

Que bela é a santa pureza! Mas não é santa nem agradável a Deus, se a separamos da caridade. A caridade é a semente que crescerá e dará frutos saborosíssimos com a rega que é a pureza. Sem caridade, a pureza é infecunda, e as suas águas estéreis convertem as almas num lamaçal, num charco imundo, donde saem baforadas de soberba.8
A caridade teologal surge-nos, sem dúvida, como a mais alta das virtudes. Mas a castidade é o meio "sine qua non", uma condição imprescindível para se atingir o diálogo íntimo com Deus. E quando não é observada, quando não se luta, acaba-se cego; não se vê nada, porque o homem animal não pode perceber as coisas que são do Espírito de Deus.
Nós queremos olhar com olhos limpos, animados pela pregação do Mestre: "Bem-aventurados os que têm o coração puro, porque verão a Deus." A Igreja apresentou sempre estas palavras como um convite à castidade. Guardam um coração sadio, escreve São João Crisóstomo, "os que possuem uma consciência completamente limpa ou os que amam a castidade." Nenhuma virtude é tão necessária como esta para ver a Deus.9

Referências

  1. http://www.portaleducacao.com.br/psicologia/artigos/11261/por-que-a-abstinencia-sexual-nao-faz-bem
  2. SANTELLI J; Ott MA; Lyon M; Rogers J; Summers D; Schleifer R. Abstinence and abstinence-only education: a review of U.S. policies and programs. J Adolesc Health. 2006; 38(1):72-81
  3. GOODSON P; Suther S; Pruitt BE; Wilson K. Defining abstinence: views of directors, instructors, and participants in abstinence-only-until-marriage programs in Texas. J Sch Health. 2003; 73(3):91-6
  4. TANNE JH. Teenagers need sex education, not just abstinence advice. BMJ. 2005; 331(7509):129
  5. BERSAMIN MM; Walker S; Waiters ED; Fisher DA; Grube JW. Promising to wait: virginity pledges and adolescent sexual behavior. J Adolesc Health. 2005; 36(5):428-36
  6. http://www.portaleducacao.com.br/psicologia/artigos/11261/por-que-a-abstinencia-sexual-nao-faz-bem
  7. http://www.portaleducacao.com.br/psicologia/artigos/11261/por-que-a-abstinencia-sexual-nao-faz-bem
  8. (Caminho, 119)
  9. (Amigos de Deus, 175)