Vasectomia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vasectomia
Informação
Tipo Esterilização
Primeiro uso 1957
Taxas de gravidez (primeiro ano)
Uso perfeito 0.1 %
Uso típico 0.15 %
Utilização
Duração do efeito Permanente
Reversibilidade possível
Notas Teste de eficiência adicional: requer 2 amostras negativas de sêmen.
Intervalo clínico Nenhum
Vantagens e desvantagens
Proteção contra DST Não
Aumento de peso Não.
Benefícios Geralmente, anestesia local. Alguns estados dos Estados Unidos, como New Jersey, agora exigem anestesia geral.
Riscos Não muitos.

A vasectomia ou deferentectomia é um método contraceptivo através da ligadura dos canais deferentes no homem. É uma pequena cirurgia feita com anestesia local em cima do escroto. Não precisa de internação. É uma cirurgia de esterilização voluntária. Assim impedindo que produza espermatozoides.

Segurança e eficiência[editar | editar código-fonte]

As taxas de falha da vasectomia, são menores que 1%, mas a eficiência da operação e os índices de complicações variam com o nível de experiência do cirurgião que faz a operação e a técnica cirúrgica utilizada. A maioria dos homens sofrerá com pequenos problemas na pele do escroto por três a cinco dias depois da operação. Dados humanos e animais indicam que a vasectomia não aumenta a aterosclerose e que o aumento em complexos imunes circulantes após a vasectomia são temporários. Sugere-se também que homem com vasectomia não têm um risco aumentado de câncer de próstata e testículo.[1] .

Embora uma falha tardia (causada pela recanalização dos ductos deferentes) seja muito rara, ela também foi documentada.[2] Algumas fontes recomendam anualmente examinar a próstata a partir dos 40 anos de idade.

A vasectomia é o método contraceptivo a longo prazo mais eficiente que existe, e está entre as opções mais seguras para o planejamento familiar. Actualmente muitos homens em seus 30 ou 40 anos são os que mais fazem a vasectomia, a fim de um controlo de natalidade. As taxas de vasectomia em relação às ligações de tuba variam muito no mundo, e as estatísticas estão baseadas principalmente em estudos de questionários do que em contagem dos procedimentos realmente realizados. Nos Estados Unidos, a ligação de tuba está a frente da vasectomia, mas não em grandes proporções. No Reino Unido, a vasectomia é mais popular que a ligação de tuba. Os casais que optam pela ligação de tuba fazem-no por diversas razões, incluindo:

  • Recusa do homem a se submeter a uma vasectomia devido ao medo dos possíveis efeitos colaterais.

Os casais que escolhem a vasectomia são motivados por, entre outros factores:[3]

  • O baixo custo e a simplicidade da vasectomia
  • Poucas complicações
  • A baixa mortalidade da vasectomia
  • Medo de cirurgia pelas mulheres
  • Conhecem homens que fizeram a cirurgia e estão satisfeitos com os resultados
  • Uma motivação mais forte pela esterilização no homem

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Pamela J. Schwingl, Ph.D., and Harry A. Guess, M.D.. (2000). "Safety and effectiveness of vasectomy". Fertility and Sterility 73 (5): 923–936.
  2. Philp, T; Guillebaud et al. (1984). "Late failure of vasectomy after two documented analyses showing azoospermic semen". British Medical Journal (Clinical Research Ed.) 289 (6437): 77–79. PMID 6428685.
  3. William R. Finger. (Spring 1998). "Attracting Men to Vasectomy". Network 18 (3).

546556