Rigor mortis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mão rígida
Estágios da morte

Pallor mortis
Algor mortis
Rigor mortis
Livor mortis
Putrefação
Decomposição
Esqueletização

 v  e 

Rigor mortis (Do latim rigor, rigidez e mortis, morte) ou rigidez cadavérica é um sinal reconhecível de morte que é causado por uma mudança bioquímica nos músculos, causando um endurecimento dos músculos do cadáver e impossibilidade de mexê-los ou manipulá-los. O tempo de início e duração depender da temperatura e umidade do ambiente e do corpo. Em média começa após 4-8h, é máxima em 12-18h e terminando após 24-36h.

Tempos[editar | editar código-fonte]

Em média, presumindo-se temperatura ambiente de 20oC e umidade moderada a rigidez:

  • Ausente: nas primeiras 4h post-mortem;
  • Mínima: entre 4 a 8 horas;
  • Moderada: entre 8 a 12 horas;
  • Avançada: entre 12 a 18 horas;
  • Completa: entre 18 a 24 horas;
  • Dissipando: após 24 a 36 horas. Pode demorar 72h para relaxar completamente.

Causa[editar | editar código-fonte]

A causa bioquímica do rigor mortis começa com o cessamento do bombeamento de íons de cálcio para o interior do retículo sarcoplasmático (pela ausência de ATP) de forma que a concentração citossólica deste íon aumenta gradativamente, também contribui para este aumento na concentração citossólica de íon cálcio a degradação das cisternas terminais do retículo. O cálcio liberado se liga à troponina C e induz a mudança conformacional da tropomiosina expondo os sítios de ligação entre actina e miosina. Moléculas de miosina contendo ATP préviamente ligado interagem com os filamentos de actina que agora têm seus estios de ligação expostos, como não existe novo ATP para desfazer o complexo ADP-miosina/actina os músculos tornam-se rígidos.[1] A circulação sanguínea cessa, assim como o transporte do oxigênio e retirada dos produtos do metabolismo. Os sistemas enzimáticos continuam funcionando após algum tempo da morte. Assim, a glicólise continua de forma anaeróbica, gerando ácido láctico, que produz abaixamento do pH.

Fatores relevantes[editar | editar código-fonte]

Fatores que aceleram o início e fim do rigor mortis[2]:

Fatores que desaceleram o rigor mortis:

Sinais de morte[editar | editar código-fonte]

É um dos quatro sinais de morte geralmente descritos como: pallor mortis, algor mortis, rigor mortis e livor mortis.

Contração muscular extrema e rigor mortis[editar | editar código-fonte]

A contração extrema resulta da fadiga muscular. O penis enrijece por dez minutos. Os músculos tornam-se incapazes de contrair ou relaxar, devido à falta de ATP nas fibras musculares. A níveis baixos de ATP, ocorre deficiência no transporte dos ions Ca2+ para o retículo sarcoplasmático, acumulando-se cálcio no sarcoplasma e assim as pontes formadas não se podem desligar.

Após a morte, o cálcio pode permear livremente a membrana do retículo sarcoplasmático por consequência de sua degradação devido a morte celular.Com isso o sarcoplasma fica com uma concentração elevada de cálcio, formando pontes de ligação miosina-actina. Contudo como o metabolismo energético não mais sintetiza ATP, as bombas de regulação iónicas não mais funcionam (Bomba de cálcio ATPase) em consequência o músculo permanece rígido já que pontes não se libertam. O rigor mortis aparece em torno da 12ª hora após a morte, e permanece até em torno da 36ª, quando se tem sua reversão que ocorre naturalmente devido a degeneração dos tecidos musculares.

A falta de ATP impede o deslizamento e o bombeamento de cálcio, impedindo o relaxamento muscular. Depois de 15 a 25h após a morte, os lisossomos liberam enzimas que destroem as proteínas dos músculos e causam relaxamento do cadáver.

Referências

  1. Hall, John E (2011). Guyton and Hall Textbook of Medical Physiology with Student Consult Online Access 12th ed ed. Philadelphia: Elsevier Saunders. ISBN. p. 83. ISBN 978-1-4160-4574-8 
  2. http://study.com/academy/lesson/rigor-mortis-definition-timeline-stages.html