George Sand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
George Sand
Data de nascimento 1 de julho de 1804
Local de nascimento Paris, França
Nacionalidade França Francesa
Data de morte 8 de maio de 1876 (71 anos)
Local de morte Nohant, França
Ocupação Romancista e memorialista
Magnum opus A pequena Fadette

George Sand é o pseudônimo de Amandine Aurore Lucile Dupin, baronesa de Dudevant (Paris, 1 de Julho de 1804Nohant, 8 de Junho de 1876), aclamada romancista e memorialista francesa, considerada a maior escritora francesa e uma das precursoras do feminismo.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

George Sand nasceu no n°15 da rua Meslay, no dia 1 de julho de 1804, filha de Maurice e Sophie Dupin. Seu pai faleceu quando ela era ainda criança, após uma queda de cavalo, quando acompanhava o príncipe Murat em campanhas armadas. Amandine é então mandada para Nohant, aos cuidados de sua avó, Marie-Aurore de Saxe.

Sua avó era neta do célebre Marechal de França, o conde Maurício de Saxe, sendo este, filho bastardo de Augusto II, rei da Polónia e de Saxe, e da sua amante, a condessa Maria Aurora von Königsmark.

Durante sua infância, ao lado de sua avó, Amandine passava os dias brincando e descobrindo cada canto da propriedade de Nohant com seu meio- irmão Hippolyte Chatiron (filho do seu pai com uma amante da região), companheiro e parceiro em todas as suas aventuras e travessuras. Os dois estudavam em casa com um preceptor, quando não desapareciam nas profundezas da região. Sua avó preocupada com a educação e o comportamento de sua neta, a matriculou no Couvent des Anglaises em Paris e enviou Hippolyte para uma grande escola de cavalaria de uma cidade vizinha. Acontece que a menina se apaixonou pela vida silenciosa e introspectiva que levava dentro das paredes de

pedra do convento e desejou ser freira. Lá, se interessou também por música e teatro e para alegrar suas amigas,

decidiu criar pequenas peças de teatro e montar um grupo de meninas para representá-las.

As peças eram um sucesso, e Amandine gostava cada vez mais da vida no convento. Sua avó sabendo disso, levou a neta de volta a Nohant.

De volta ao convívio com Aurore de Saxe, ela começou a compreender e amar cada vez mais a sua avó e quando esta morreu, pouco tempo depois, Amandine sofreu de maneira inconsolável. Para que herdasse Nohant seria preciso que se casasse, assim, pouco tempo depois, ela se casou com François-Casimir Dudevant, em 1822. Desse casamento nasceram dois filhos - Maurice e Solange. Essa união, devido a infidelidades e alcoolismo de Casemir, desencadeou incontáveis problemas, culminando com o divórcio - fato incomum para a época - em 1836.

George começou a escrever para o jornal Le Figaro, com a colaboração de Jules Sandeau. Usavam, então, o pseudônimo de Jules Sand – inspirado no nome de Sandeau. Em 1831, lançaram o livro Rose et Blanche. Passou a usar o pseudônimo de George Sand em 1832, quando escreveu, sozinha (obrigada a usar um pseudônimo masculino, para ser aceita no meio literário), o romance Indiana, seu primeiro livro, seu primeiro sucesso. De 1832 a 1837, escreveu muitos outros romances, que invariavelmente eram publicados, primeiramente, como folhetins no jornal. Esses romances refletiam seus próprios desejos e frustrações, advogando o direito da mulher de ter um amor sincero e dirigir sua própria vida.

Além de seus comentados relacionamentos, Sand também tinha outros hábitos incomuns para sua época. Vestia-se com roupas masculinas por diversão ou praticidade e comodidade (como dizia). Também tinha o costume de fumar em público num tempo em que isso era inaceitável para uma mulher. Comentava-se, ainda, sobre a grande quantidade de obras que produzia como sendo uma característica pouco feminina.

George Sand teve uma vida amorosa agitada, com paixões que a influenciaram consideravelmente, como o escritor Jules Sandeau, que lhe deu o pseudônimo literário, o poeta Alfred de Musset, o advogado Michel de Bourges (entre 1835 e 1837), que a converteu aos ideais republicanos e socialistas, o músico Frédéric Chopin, a quem esteve ligada entre 1838 e 1847 e seu ultimo amante Alexandre Manceau, gravador e dramaturgo. Depois de Jules Sandeau e antes de Alfred de Musset, teve também uma breve aventura com o escritor e arqueólogo Prosper Mérimée.

De 1838 a 1845, Sand expressou suas preocupações com os problemas sociais em romances como Consuelo (1842-1843) e O Companheiro da Viagem pela França (Le Compagnon du Tour de France, 1840). Sonhava com um mundo em que o amor fraterno unisse as classes sociais. Teve participação ativa na revolução de 1848. De 1846 a 1853, escreveu romances leves, idealizando a vida nas províncias francesas. Estes incluem Francisco, o Bastardo (François le Champi, 1847-1848), A Pequena Fada (La Petite Fadette, 1849) O Charco do Diabo (La Mare au Diable, 1846), Mauprat, 1837, entre tantos outros de igual sucesso. Finalmente, de 1854 a 1876, escreveu contos simples, à maneira das histórias de fadas. Desse período destaca-se Contos de uma Avó (Contes d'une Grand-Mère, 1873), com histórias que ela escreveu para seus netos.

Os personagens de George Sand e suas histórias são invariavelmente repletos de ingenuidade, poesia e otimismo. Como dizia a escritora: "O romance não precisa ser necessariamente a representação da realidade." Ela faz parte também dos escritores políticos, contando em sua obra mais de 70 títulos, entre novelas, contos, peças de teatro e textos políticos. Suas memórias constituem suas obras de maior interesse, especialmente A História de Minha Vida (Histoire de Ma Vie, 1854-1855) e Ela e Ele (Elle et Lui, 1859), referência à sua ligação com Alfred de Musset

George Sand faleceu no dia 8 de junho de 1876, em Nohant, na França. Alguns dos seus romances se transformariam em filmes e séries de tv, como: Mauprat (1926), Mauprat (1972), Les Beaux Messieurs des Bois Dorées (1976), La Petite Fadette (2004), La Mare au Diable (1972), Les Enfants du Siècle (1999), entre outros. Seus romances continuam a serem versionados para o teatro e realizados muitos filmes e livros sobre sua vida, assim como grupos de estudo sobre ela, seu tempo e sua obra.

Considerada a maior escritora francesa e a primeira mulher a viver de direitos literários, sua propriedade em Nohant foi doada ao governo francês, por sua neta Aurore e está aberta a visitação publica - Maison de George Sand. Seus restos mortais e de quase toda a sua família está no pequeno cemitério ao lado de sua casa em Nohant.

Na ocasião de sua morte Victor Hugo escreveu; Je pleure une morte, et je salue une immortelle. - Eu choro uma morta e saúdo uma imortal. VH

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Rose et Blanche (com Jules Sandeau, 1831);
  • Indiana (1832);
  • Valentina (Valentine, 1832);
  • Lélia (1833);
  • Le Secrétaire Intime (1834);
  • Lettres d'un Voyager (1834-1837);
  • Jacques (1834);
  • Leone Leoni (1835);
  • André (1835);
  • Simon (1836);
  • Mauprat (1837);
  • Les Maîtres Mosaïstes (1838);
  • L'Uscoque (1838);
  • La Dernière Aldini (1839);
  • Spiridon (1839);
  • Les Sept Cordes de la Lyre (1840);
  • O Companheiro da Viagem pela França (Le Compagnon du Tour de France, 1840);
  • Horace (1842);
  • Consuelo (1842-1843);
  • La Comtesse de Rudolstadt (1844);
  • Jeanne (1844);
  • Lettres à Marcie (1844);
  • Le Meunier D'Angibault (1845);
  • Teverino (1845);
  • Le Péché de Monsieur Antoine (1846);
  • O Charco do Diabo (La Mare au Diable, 1846);
  • Isidora (1846);
  • Lucrezia Floriani (1846);
  • Le Piccinino (1847);
  • Francisco, o Bastardo (François le Champi, 1847-1848);
  • A Pequena Fadette (La Petite Fadette, 1849);
  • Le Château des Désertes (1851);
  • Les Maîtres Sonneurs (1853);
  • A História de Minha Vida (Histoire de Ma Vie, 1854-1855);
  • Adriani (1854);
  • Un Hiver à Majorque (1855);
  • Le Diable aux Champs (1856);
  • Évenor et Leucippe (1856);
  • La Daniella (1857);
  • Les Dames Vertes (1857);
  • Les Beaux Messieurs de Boisdoré (1858);
  • L'Homme de Neige (1858);
  • Ela e Ele (Elle et Lui, 1859);
  • Narcisse (1859);
  • Flavie (1859);
  • Le Marquis de Villemer (1860);
  • Jean de la Roche (1860);
  • Constance Verrier (1860);
  • La Ville Noire (1860);
  • Valvèdre (1861);
  • La Famille de Germandre (1861);
  • Tamaris (1862);
  • Antonia (1862);
  • Mademoiselle la Quintinie (1863);
  • Laura;
  • Voyage Dans le Cristal (1864);
  • La Confession d'une Jeune Fille (1865);
  • Monsieur Sylvestre (1865);
  • Le Dernier Amour (1867);
  • Cadio (1868);
  • Mille de Merquem (1868);
  • Pierre Qui Roule (1870);
  • Malgrétout (1870);
  • Césarine Dietrich (1871);
  • Francia (1872);
  • Nanon (1872);
  • Contos de uma Avó (Contes d'une Grand-Mère, 1873);
  • Ma Soeur Jeanne (1874);
  • La Tour de Percemont (1876);
  • Oeuvres Complètes (1882-1883);
  • Journal Intime (1926);
  • Oeuvres Autobiographiques (1970).
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: George Sand

Museu George Sand[editar | editar código-fonte]

http://www.berryprovince.com/visiter-et-profiter/parcs-et-jardins/maison-de-george-sand-et-parc-nohant-vic

http://www.berryprovince.com/visiter-et-profiter/histoire-et-savoir/musee-george-sand-et-de-la-vallee-noire-la-chatre

http://www.rosadoc.be/citytrips_parijs/vwsand.htm

http://www.musee-delacroix.fr/en/activities-events/recent-acquisitions-41/letter-from-george-sand-to-eugene-delacroix-october-11-1846

http://www.pays-george-sand.fr/

http://www.lanouvellerepublique.fr/Indre/Loisirs/Patrimoine-tourisme/n/Contenus/Articles/2015/02/22/Le-Musee-George-Sand-en-pleine-evolution-2233502

https://www.centrepompidou.fr/

http://www.gargilesse.com/index.php?code=GeorgeSand.php

Referências

Histoire de ma vie. George Sand.  Balade en Essonne sur les pas des écrivains. Marie-Noëlle Craissati. Éditions Alexandrines.  George Sand à Palaiseau. Société historique de Palaiseau.  Les amis de George Sand, revue publiée par l’Association des Amis de George Sand.

Association des Amis de George Sand : Marie-Thérèse Baumgartner, secrétaire générale de l’association, Villa George Sand, 12 rue George Sand, BP 83, 91123 Palaiseau Cédex (répondeur et fax : 01 60 14 89 91) ou Anne Chevereau, présidente, 70 rue Velpeau, 92160 Antony (tel. et fax : 01 46 66 91 49) ou Les Amis de George Sand.

Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a), poeta ou poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.