Le Figaro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura por outros significados, veja Figaro.
Le Figaro
Le Figaro.svg
Le Figaro.jpg
Capa da edição de 6 de dezembro de 2013.
Paris - "Le Paquebot" (32284388600).jpg
A sede do Le Figaro em Paris.
Periodicidade cotidiano
Formato Standard
Sede Paris, França
Fundação 15 de janeiro de 1826
Diretor Francis Morel
Editor Étienne Mougeotte

Le Figaro é um jornal diário francês publicado em Paris.[1] Sua linha editorial é de centro-direita, enquanto que o seu principal concorrente, o Le Monde, é considerado menos conservador, mais "centro".[2]

O Le Figaro é o segundo maior jornal nacional na França depois do Le Parisien e antes do Le Monde, embora alguns jornais regionais tenham circulações maiores. Fundado em 1826, ainda sob o governo de Carlos X, recebeu o nome do personagem de Beaumarchais.

Sua sede se encontra no 14, boulevard Haussmann, no 9e arrondissement (bairro) de Paris. É um jornal nacional que faz parte do grupo Socpresse, o primeiro da França no setor de imprensa, grupo inteiramente controlado pelo seu presidente, Serge Dassault, presidente do Grupo Dassault e senador-prefeito de Corbeil-Essones.

História

Edição de 20 de janeiro de 1826.

O Le Figaro foi fundado como um semanário satírico em 1826,[3][4] com o nome e lema de Le Mariage de Figaro, a peça de 1778 de Pierre Beaumarchais que zombava dos privilégios. Seu lema, do monólogo de Figaro no ato final da peça, é "Sans la liberté de blâmer, il n'est point d'éloge flatteur" ("Sem a liberdade de criticar, não há elogios verdadeiros"). Em 1833, o editor Nestor Roqueplan foi ferido durante um duelo travado com um coronel Gallois, que foi ofendido por um artigo no Le Figaro, mas se recuperou.[5] Em 1866, o Le Figaro tornou-se um jornal diário.[6] Sua primeira edição diária, a de 16 de novembro de 1866, vendeu 56.000 exemplares, com a maior circulação de todos os jornais da França. Sua linha editorial era monarquista.[7]

Em 16 de março de 1914, Gaston Calmette, editor do Le Figaro, foi assassinado por Henriette Caillaux, esposa do ministro das Finanças, Joseph Caillaux, depois que ele publicou uma carta que colocava sérias dúvidas sobre a integridade do marido.[8] Em 1922, o Le Figaro foi comprado pelo milionário François Coty.[9] Coty enfureceu muitos quando renomeou o jornal para simplesmente Figaro, o que permaneceu até 1933.[10]

No início da Segunda Guerra Mundial, o Le Figaro havia se tornado o principal jornal da França. Após a guerra, tornou-se a voz da classe média alta e continua a manter uma posição conservadora. Em 1975, o Le Figaro foi comprado pela Socpresse, de Robert Hersant. Em 1999, o Carlyle Group obteve uma participação de 40% no jornal, que foi vendido em março de 2002. Desde março de 2004, o Le Figaro é controlado por Serge Dassault,[3] um empresário e político conservador mais conhecido por dirigir a fabricante de aeronaves Dassault Aviation, que ele herdou de seu pai, seu fundador, Marcel Dassault (1892–1986). A Dassault possui 80% do jornal.[3]

Em 2006, o Le Figaro foi banido no Egito e na Tunísia por publicar artigos supostamente insultando o Islã.[11][12] O Le Figaro mudou para o formato berlinense em 2009.[13] O jornal publicou o The New York Times International Weekly na sexta-feira desde 2009, um suplemento de 8 páginas com uma seleção de artigos do The New York Times traduzidos para o francês. Em 2010, o Lefigaro.fr criou uma seção chamada "Le Figaro em inglês",[14] que fornece à comunidade global de língua inglesa o conteúdo diário original ou traduzido do site do jornal. A seção terminou em 2012.[15]

Posição editorial e controvérsias

O Le Figaro tradicionalmente mantinha uma postura editorial conservadora, tornando-se a voz das classes alta e média francesas.[16]

A propriedade do jornal por Serge Dassault tem sido fonte de controvérsia em termos de conflito de interesses, uma vez que Dassault também possui um grande fornecedor militar e atuou em posições políticas do partido União por um Movimento Popular. Seu filho, Olivier Dassault, é membro da Assembleia Nacional Francesa.[17] A Dassault observou em uma entrevista em 2004 na estação de rádio pública France Inter que "os jornais devem divulgar ideias saudáveis" e que "as ideias de esquerda não são as ideias saudáveis".[18]

Em fevereiro de 2012, uma assembleia geral dos jornalistas do jornal adotou uma moção acusando a editora-chefe, Étienne Mougeotte, de ter transformado o Le Figaro no "boletim" do partido governista, a União por um Movimento Popular, do então presidente Nicolas Sarkozy. Eles pediram mais pluralismo e "honestidade" e acusaram o jornal de reportagens políticas unilaterais. Mougeotte havia dito anteriormente que o Le Figaro não faria nada para embaraçar o governo e o direito.[19][20][21] Mougeotte respondeu publicamente: "Nossa linha editorial agrada a nossos leitores, pois funciona. Não vejo por que devo mudá-la. [...] Somos um jornal de direita e expressamos claramente, a propósito. Nossos leitores sabem disso, nossos jornalistas também. Não há nada novo nisso!"[22]

Ver também

Referências

  1. Le Figaro (French Newspaper), Encyclopædia Britannica
  2. "Le Monde, whose print edition comes out around lunchtime, was launched at the end of Nazi occupation of France in 1944 and took on the role of France's newspaper of record alongside the more conservative Le Figaro." - France's Le Monde newspaper editor quits after power struggle with staff, Reuters, May the 14th, 2014
  3. a b c «The press in France». BBC. 11 de novembro de 2006. Consultado em 22 de novembro de 2014 
  4. «Media Landscape Media Claims» (PDF). European Social Survey. Maio de 2014. Consultado em 12 de janeiro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 16 de agosto de 2014 
  5. Millingen, J.G. (2004). The History of Dueling Including Narratives of the Most Remarkable Encounters. [S.l.: s.n.] 
  6. «Historical development of the media in France» (PDF). McGraw-Hill Education. Consultado em 24 de fevereiro de 2015 
  7. Alan Grubb, The Politics of Pessimism: Albert de Broglie and Conservative Politics in the Early Third Republic
  8. Sarah Sissmann and Christophe Barbier, "Une épouse outragée" Arquivado em 3 de julho de 2006 no Wayback Machine., L'Express, 30 de agosto de 2004.
  9. Janet Flanner (3 de maio de 1930),"Perfume and Politics", The New Yorker.
  10. Roulhac Toledano, Elizabeth Z. Coty, “Napoleon of the Press”,"François Coty: Fragrance, Power, Money". Acessado em 28 de maio de 2018
  11. «The impact of blasphemy laws on human Rights» (Policy Brief). Freedom House. Consultado em 29 de setembro de 2013 
  12. «Tunisia, Egypt ban newspaper editions on controversy over pope's comments». CPJ. New York. 27 de setembro de 2006. Consultado em 29 de setembro de 2013 
  13. «Le Figaro». Euro Topics. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  14. «Mon Figaro - Cercle - Le Figaro in English - articles». Le Figaro. Consultado em 5 de julho de 2012 
  15. «Mon Figaro - This Week's Top Stories from France». Le Figaro. 26 de abril de 2012. Consultado em 5 de julho de 2012 
  16. «The press in France». 11 de novembro de 2006 – via news.bbc.co.uk 
  17. "Dassault se sépare d'Yves de Chaisemartin", Le Figaro, 1 de outubro de 2004. Acessado em 27 de janeiro de 2007.
  18. "M. Dassault veut une presse aux « idées saines »", Le Monde, 12 de dezembro de 2004. Acessado em 27 de janeiro de 2007.
  19. ""Le Figaro" n'est pas "le bulletin d'un parti"", Le Monde, 9 February 2012
  20. "La question du jour. "Le Figaro" est-il un journal d'opinion ou un "bulletin" de l'UMP?", Le Nouvel Observateur, 10 February 2012
  21. "Présidentielle : les journalistes du Figaro réclament un journal plus « honnête »", Rue89, 9 February 2012
  22. ""Le Figaro" : Mougeotte répond aux critiques de ses journalistes", Le Nouvel Observateur, 10 de fevereiro de 2012

Bibliografia

  • Le Figaro. Deux siècles d’histoire (Le Figaro. Dois séculos de história), por Claire Blandin, Armand Colin, 2007.
  • Le roman du Figaro’’(O romance do Figaro ): 1826-2006, par Bertrand de Saint Vincent avec Jean-Charles Chapuzet, Plon-Le Figaro, novembre 2006, ISBN 978-2259205832 (o texto deste livro foi publicado no ’’Figaro de 24 de agosto de 2006).
  • Figaro-ci, Figaro-là : L’histoire du Figaro de Hippolyte de Villemessant à Serge Dassault (A História do Figaro de Hippolyte de Villemessant a Serge Dassault),revista Médias, n°11, hiver 2006.

Ligações externas

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Le Figaro