TV Mulher

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde dezembro de 2016). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
TV Mulher
Informação geral
Formato Programa de variedades
Duração 75 minutos
País de origem  Brasil
Idioma original Português brasileiro
Produção
Diretor(es) Nilton Travesso
Régis Cardoso
Produtor(es) Acyr Fonseca
Cesar Miranda Ribeiro
Elaine Salles
Apresentador(es) Eduardo Mascarenhas
Marília Gabriela
Ney Gonçalves Dias
Ala Szerman
Xênia Bier
Marta Suplicy
Clodovil Hernandez
César Filho
Amália Rocha
Irene Ravache
Esther Góes
Marilu Torres
Ney Galvão
Tema de abertura "Cor-de-rosa choque", Rita Lee
Exibição
Transmissão original Exibição da Globo
7 de abril de 1980 - 27 de junho de 1986

Exibição do Viva
31 de Maio - 10 de outubro de 2016

N.º de temporadas 7
Disambig grey.svg Nota: Se procura a Rede de TV,consulte, veja Rede Mulher.

TV Mulher é um programa de televisão voltado para o público feminino, inicialmente produzido e exibido pela Rede Globo entre os anos de 1980 e 1986 e teve uma nova versão produzida e exibida pelo Canal Viva desde 31 de maio de 2016. Em sua primeira versão era levado ao ar à manhã, de segunda a sexta-feira, a partir das 8 horas, e teve diversos tempos de duração, quadros e apresentadores ao longo de sua trajetória; com Eduardo Mascarenhas, Leiloca, sob direção de Nilton Travesso e teve como "madrinha" Elis Regina.

Produção[editar | editar código-fonte]

A composição mais marcante de equipe do TV Mulher é a primeira, com Marília Gabriela, Ney Gonçalves Dias, Ala Szerman, Xênia Bier, Marta Suplicy e Clodovil Hernandez e com a participação de Zora Yonara. Algumas capitais brasileiras tinham quadros locais. No Rio Grande do Sul, pela TV Gaúcha (hoje RBS TV), os apresentadores eram Balala Campos e José Paulo Bisol. Nos últimos meses, assumiu o programa a apresentadora Maria do Carmo Bueno.

Entre os apresentadores, também passaram pelo programa nomes como César Filho, Amália Rocha, Irene Ravache , Esther Góes e Marilu Torres.

O editor/chefe de Jornalismo do TV Mulher no Rio era Acyr Fonseca e os quadros "Comportamento" com Eduardo Mascarenhas, Astrologia com Leiloca, "Moda Mulher" e "Claquete" com Hildegard Angel. Dirigidos e editados por Cesar Miranda Ribeiro e produzidos por Elaine Salles.

Após várias reformulações teve como último Diretor Régis Cardoso. O programa foi substituído nas manhãs globais pelo infantil Xou da Xuxa, apresentado por Xuxa. Anos mais tarde a Record colocou no ar o Hoje em Dia, programa inspirado no TV Mulher e nos programas da manhã das três emissoras americanas ABC, NBC e CBS.

Formato[editar | editar código-fonte]

Uma parte do programa apresentava compactos de telenovelas da emissora, a exemplo da sessão Vale a Pena Ver de Novo, que ia ao ar à tarde. Entre as reprises dentro do TV Mulher, Irmãos Coragem, Ciranda de Pedra e Chega Mais.

A abertura do programa mostrava os bastidores de uma central técnica da Globo em São Paulo, com apenas mulheres no controle, embalado pelo som da música "Cor de Rosa Choque", composta pela cantora Rita Lee.

Críticas e Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Um momento histórico se deu quando o apresentador Ney Gonçalves Dias, empolgado durante um comentário, acidentalmente acertou o pé direito da mesa, com sua perna, o que fez com que se movesse um pouco, quase a derrubando. Ainda falando, Ney tentou reajustar o pé da mesa, mas acabou derrubando-a e caindo junto, tudo ao vivo.

Em plena ditadura militar, em um Brasil ainda dominado pelo conservadorismo, a sexóloga Marta Suplicy sofreu muitos protestos por falar, em pleno dia, sobre orgasmo feminino e por repetir a palavra vagina. Um dos grupos foi as Senhoras de Santana que exigiu a retirada do ar o quadro da sexóloga.[1]

Outro momento que marcou o programa foi protagonizado por Xenia Bier, mas de modo mais teatral - ela invadiu o cenário da apresentadora Marília Gabriela e jogou moedas nela, citando Jesus Cristo em seu gesto contra os filisteus.

Também marcou a história do programa o apresentador Clodovil resolver abandonar o programa em pleno ar, protestando contra a apresentadora Marília Gabriela. Ney Galvão viria substituí-lo como "costureiro" do programa.

Nova versão[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2016, 30 anos após o fim do programa o Canal Viva relancou a atração com sua apresentadora original Marilia Gabriela sob direção de Jorge Espirito Santo [2] A musica-tema será regravada por Arnaldo Antunes e Tulipa Ruiz e terá como colunistas Ronaldo Fraga Fernanda Young Flávia Oliveira Gabriela Mansur Ivan Martins e Regina Navarro Lins [3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «A DEPUTADA É POP». Revista Veja. Consultado em 26 de novembro de 1997  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. Renan Santos (24 de fevereiro de 2016). «Canal Viva produzirá novos episódios do "TV Mulher" com Marília Gabriela». OTVFoco. Consultado em 24 de fevereiro de 2016 
  3. Cristina Padglione (14 de maio de 2016). «Arnaldo Antunes e Tulipa Ruiz regravam Cor de Rosa Choque para o novo TV Mulher». Estadão. Consultado em 14 de maio de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]