Carla Zambelli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carla Zambelli
Nome completo Carla Zambelli Salgado
Nascimento 3 de julho de 1980 (38 anos)
Ribeirão Preto, São Paulo
Nacionalidade brasileira
Principais trabalhos ativista pelo impeachment de Dilma Rousseff
Boneco gigante do Pixuleco, organizado pelo grupo Nas Ruas, liderado por Carla.

Carla Zambelli Salgado (Ribeirão Preto, 3 de julho de 1980)[1] é uma gerente de projetos e ativista política brasileira e líder do movimento Nas Ruas, que ganhou notoriedade pela luta no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.[2] Nas eleições de 2018, elegeu-se deputada federal por São Paulo, pelo Partido Social Liberal (PSL).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ao longo de sua militância, se envolveu em alguns momentos conturbados. Em julho de 2016, o ministro do Supremo Ricardo Lewandowski se irritou com um boneco inflável gigante que fazia referência a ele, durante protesto organizado pelo grupo Nas Ruas; o Supremo Tribunal Federal (STF) enviou ofício ao diretor-geral da Polícia Federal (PF), Leandro Daiello, pedindo que providências fossem tomadas contra os responsáveis pelo ato, citando Carla como suposta líder da manifestação.[3] Em junho de 2017, Carla foi presa pelo deputado Paulo Pimenta (PT-RS) sob acusação de tê-lo chamado de ladrão. O vídeo no qual o petista lhe dá voz de prisão foi publicado na internet pela própria ativista.[4][5] O deputado petista, contudo, não formalizou nenhuma queixa contra ela.[6]

Com seu grupo, coordenou movimento de apoio à Polícia Federal por todo o País, e de apoio à Operação Lava Jato.[7][8] Palestrante da Polícia Federal no VII Congresso Nacional de Delegados da Polícia Federal, foi homenageada pelo trabalho prestado em prol da busca da autonomia e de recursos investigativos para a instituição.

Tem um perfil alinhado a direita, sendo liberal econômico e conservadora nos costumes.[9] É contra a política de cotas, exceto para pessoas com deficiência.[10]

Nas eleições de 2018, candidatou-se a deputada federal pelo PSL, partido de Jair Bolsonaro.[11] Elegeu-se como uma das deputadas mais bem votadas.[12] Afirmou que sua linha de atuação na Câmara dos Deputados continuará sendo o combate à corrupção. De acordo com Zambelli, isso será feito por meio de três pilares: "menos Estado, mais justiça e educação de verdade".[10]

Referências[editar | editar código-fonte]