Carla Zambelli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carla Zambelli
Deputada Federal por São Paulo
Período 1º de fevereiro de 2019
até atualidade
Dados pessoais
Nascimento 3 de julho de 1980 (39 anos)
Ribeirão Preto, São Paulo
Nacionalidade brasileira
Partido PSL
Profissão gerente de projetos
Boneco gigante do Pixuleco, organizado pelo grupo Nas Ruas, liderado por Carla.

Carla Zambelli Salgado (Ribeirão Preto, 3 de julho de 1980)[1] é uma gerente de projetos, ativista e política brasileira. Fundadora do movimento Nas Ruas, ganhou notoriedade pelo ativismo em favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.[2] Nas eleições de 2018, elegeu-se deputada federal por São Paulo, pelo Partido Social Liberal (PSL).[3]

Inicialmente, quando grávida, Carla participou de movimentos feministas, mas a mesma alega não ter ligação alguma com o grupo Femen[4] ou mesmo ser feminista, inclusive explicando que a confusão se deve ao fato Sara Winter, com quem ali ela protestava. ser do grupo e não ter esclarecido os pontos que o movimento radical defendia, causando um rompimento das partes, que só viria a ser restabelecida quando Sara passasse a defender pautas mais conservadoras.

Ao longo de sua militância, se envolveu em alguns momentos conturbados. Em julho de 2016, o ministro do Supremo Ricardo Lewandowski se irritou com um boneco inflável gigante que fazia referência a ele, durante protesto organizado pelo grupo Nas Ruas. O Supremo Tribunal Federal enviou ofício ao diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, pedindo que providências fossem tomadas contra os responsáveis pelo ato, citando Carla como suposta líder da manifestação.[5] Em junho de 2017, Carla se envolveu em um conflito com Paulo Pimenta (PT-RS) ao acusá-lo de roubo. O vídeo no qual o petista lhe dá voz de prisão foi publicado na internet pela própria ativista, que chegou a ser encaminhada para a delegacia do Congresso.[6][7] O deputado petista, contudo, não formalizou nenhuma queixa contra ela.[8]

Com seu grupo, coordenou movimento de apoio à Polícia Federal por todo o País, e de apoio à Operação Lava Jato.[9][10] Palestrante da Polícia Federal no VII Congresso Nacional de Delegados da Polícia Federal, foi homenageada pelo trabalho prestado em prol da busca da autonomia e de recursos investigativos para a instituição.

Tem um perfil alinhado à direita, sendo liberal econômico e conservadora nos costumes.[11] Em 2017 se declarou monarquista, após conversas com membros da família imperial.[12] É contra a política de cotas, exceto para pessoas com deficiência.[3]

Nas eleições de 2018, foi eleita deputada federal pelo PSL.[13][14] Afirmou que sua linha de atuação na Câmara dos Deputados continuará sendo o combate à corrupção. De acordo com Zambelli, isso será feito por meio de três pilares: "menos Estado, mais justiça e educação de verdade".[3]

Também por conta das eleições de 2018, a então candidata foi processada por publicar Fake News, insinuando que o Deputado Jean Wyllys cometia crime de pedofilia.[15] Foi condenada a pagar, e após eleita esta afirmou que seria pago com crowdfunding de seus eleitores, pois a mesma já tinha destino para seu novo salário de deputada.[16]

Em 2019, a Deputada do PSL foi convidada a viajar para China, a fim de conhecer o novo sistema de reconhecimento facial produzido pelos chineses.[17][18]

Referências

  1. https://especiais.gazetadopovo.com.br/eleicoes/2018/candidatos/sp/deputado-federal/carla-zambelli-1710/
  2. Nas Ruas, Associação Brasil (2017). «Nas Ruas». Nas Ruas. Consultado em 25 de março de 2018 
  3. a b c «Carla Zambelli defende combate à corrupção e critica atuação da bancada feminina». Câmara dos Deputados. 15 de outubro de 2018. Consultado em 17 de outubro de 2018 
  4. «Carla Zambelli: "Eu nunca fui do Femen". Assista a entrevista completa do PSL Mulher». Consultado em 26 de abril de 2019 
  5. «STF quer que PF investigue manifestantes que levaram boneco de Lewandowski a manifestação». O Globo. 6 de julho de 2016 
  6. «Deputado do PT dá voz de prisão a militante do movimento "Nas Ruas"». Congresso em Foco 
  7. «Petista manda deter ativista na CPI da JBS - O Antagonista». O Antagonista. 30 de novembro de 2017 
  8. «Deputado deu voz de prisão, mas não formalizou queixa contra líder do Nas Ruas - A Protagonista». A Protagonista. 5 de dezembro de 2017 
  9. http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-03/manifestantes-vao-ruas-em-defesa-da-operacao-lava-jato-veja
  10. https://veja.abril.com.br/politica/grupos-pro-impeachment-vao-voltar-as-ruas-para-defender-lava-jato/
  11. https://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,partidos-conservadores-avancam-na-camara,70002539799
  12. Viegas, Nonato (16 de novembro de 2017). «Líder de movimento que pediu impeachment de Dilma agora é monarquista». ÉPOCA. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  13. «Zambelli no PSL - O Antagonista». O Antagonista. 5 de março de 2018 
  14. «Conheça os deputados e senadores campeões de votos nas eleições de 2018». Correio Braziliense. 8 de outubro de 2018. Consultado em 17 de outubro de 2018 
  15. «As polêmicas de Carla Zambelli: "Jean Wyllys é covarde ou mentiroso"». universa.uol.com.br. Consultado em 26 de abril de 2019 
  16. «Carla Zambelli do Brasil Nas Ruas faz 'vaquinha online' para indenizar Jean Wyllys em R$ 40 mil». Fausto Macedo. Consultado em 26 de abril de 2019 
  17. «Zambelli: 'Olavo nem sempre tem razão'». BR 18. Consultado em 26 de abril de 2019 
  18. «Carla Zambelli, do PSL, rebate críticas de parlamentares eleitos à China - Política». Estadão. Consultado em 26 de abril de 2019