Jean Wyllys

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jean Wyllys
Jean Wyllys em 2015
Deputado Federal pelo Rio de Janeiro
Período 1º de fevereiro de 2011
até 31 de janeiro de 2019
Dados pessoais
Nome completo Jean Wyllys de Matos Santos
Nascimento 10 de março de 1974 (47 anos)
Alagoinhas, Bahia
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Universidade Federal da Bahia
Partido PSOL (2009–2021)
PT (2021–presente)[1]
Profissão professor
jornalista
linkWP:PPO#Brasil

Jean Wyllys de Matos Santos (Alagoinhas, 10 de março de 1974) é um jornalista, professor universitário e político brasileiro.[2][3] Filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT), é ex-deputado federal pelo Rio de Janeiro.[4]

Wyllys se tornou conhecido inicialmente por ter sido participante[5] e ganhador[6] da quinta edição do programa de telerrealidade Big Brother Brasil, da Rede Globo.[7]

Foi eleito pela primeira vez para a Câmara dos Deputados em 2010.[8] Nas eleições de 2014, foi reeleito como o sétimo mais votado entre os candidatos a deputado federal do estado do Rio de Janeiro, com quase 145 mil votos válidos.[9]

Em 2015, a revista britânica The Economist classificou Wyllys como uma das 50 personalidades que mais lutam pela diversidade no mundo.[10] Em 2012 e 2015, Jean foi eleito pelos internautas o melhor deputado federal do Brasil pelo Prêmio Congresso em Foco.[11] Foi reeleito para o terceiro mandato em 2018, graças ao cociente eleitoral, com 24 295 votos,[12] tendo decidido, após receber ameaças de morte, não tomar posse, sendo a vaga assumida por David Miranda.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jean nasceu no município de Alagoinhas, no interior do estado da Bahia, no ano de 1974.[13][14]

Wyllys é jornalista com mestrado em Letras e Linguística pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), professor de Cultura Brasileira e de Teoria da Comunicação na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e na Universidade Veiga de Almeida - ambas no Rio de Janeiro, além de ser escritor. Inicialmente, ele tornou-se conhecido após ganhar a edição de 2005 do reality show Big Brother Brasil, exibido pela Rede Globo.[15][16]

Em 2004, Wyllys participou da criação do curso de pós-graduação em Jornalismo e Direitos Humanos da Universidade Jorge Amado, em Salvador, na Bahia.[17] Abertamente homossexual, Wyllys era um dos mais atuantes parlamentares brasileiros na defesa dos direitos humanos, especialmente em relação aos direitos LGBT.[18]

Atuação política[editar | editar código-fonte]

Após filiar-se ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) em 2009, o ex-BBB foi eleito Deputado federal pela primeira vez nas eleições de 2010 com a menor quantidade de votos pelo Rio de Janeiro, 13.018 (0,16%) votos válidos.[19] Ele conseguiu a vaga graças ao desempenho de outro candidato a deputado federal do seu partido, Chico Alencar, que conquistou 240.724 (3%) dos votos na eleição.[20][21] Nas eleições de 2014, em uma situação inversa, Wyllys foi reeleito como o sétimo mais votado entre os deputados federais eleitos do Rio de Janeiro, com 144.770 (1,90%) dos votos válidos, resultado onze vezes maior do que em 2014.[22][23]

Jean foi um dos autores dos Projetos de Leis, que dentre outros objetivos, visavam a revogação de determinados artigos do Código Civil que regulamentavam o casamento, para que houvesse o reconhecimento do casamento civil e da união estável entre pessoas do mesmo sexo (PL 5120/2013) e a regulação da atividade dos profissionais do sexo (PL 4211/2012).[24] Na sua atuação como parlamentar sempre foi um dos mais combatentes contra a família Bolsonaro e outros grupos conservadores presentes na Câmara.[25][26][27][28]

Em novembro de 2018, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) exigiu providências e proteção à Jean Wyllys por parte do Governo Federal do Brasil, frente as constantes ameaças de morte ao parlamentar.[29][30]

Em 24 janeiro de 2019, Jean anunciou que desistiu de assumir o terceiro mandato como deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro, garantido nas eleições de 2018, e deixará de viver no Brasil, dedicando-se a carreira acadêmica.[31] Desde o assassinato da vereadora Marielle Franco, Jean vive sob escolta policial.[32][33] De acordo com suas declarações à Folha de S.Paulo, "as intensificações de ameaças de mortes, recorrentes antes mesmo da execução de Marielle, e a atuação da milícia no estado, o levaram a tomar a decisão".[34][35] O Ministério da Justiça declarou em nota que foram instaurados diversos inquéritos pela Polícia Federal para apurar as ameaças ao ex-deputado federal Jean Wyllys e que já identificou um dos autores, Marcelo Valle Silveira Mello, preso desde maio de 2018 na Operação Bravata da Polícia Federal.[36]

Em 15 de fevereiro de 2019, fez sua primeira aparição pública desde a desistência do mandato, participando da sessão de gala do filme "Marighella", dirigido pelo ator Wagner Moura, no Festival de Berlim.[37] Em março de 2019, estreou um blog no portal UOL.[38]

Em maio de 2021, anunciou sua filiação ao Partido dos Trabalhadores (PT).[39] Ao sair do PSOL, Jean afirmou que o partido sofre de Complexo de Édipo - teoria psicanalista elaborada por Sigmund Freud - com o PT, porém a saída foi sem rusgas de bom diálogo de ambas a partes.[40][41][42] Sua filiação ocorreu com uma cerimônia por meio de uma Live streaming que contou com a participação de notórios petistas como Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff, Fernando Haddad, Gleisi Hoffmann e a participação do historiador estadunidense James Green.[43][44][45]

Votações relevantes[editar | editar código-fonte]

No ano de 2015, apoiou a sanção da Lei do Feminicídio defendido pelo governo Dilma.[46][47] Posicionou-se de maneira contrária a Lei Antiterrorismo, alegando que “Nós, do PSOL, somos contra esse PL. Era um horror e foi criado um pior ainda: é um projeto problemático em todos os sentidos”.[48]

Em 2016, votou a favor da cassação do mandato do Deputado federal, Eduardo Cunha (MDB).[49] Foi um dos votos que mais repercutiu durante o impeachment de Dilma Rousseff, que votou de maneira contrária.[50] O então deputado, recebeu xingamentos homofóbicos antes de seu voto e se envolveu numa discussão com os deputados Jair Bolsonaro (PSC) e Eduardo Bolsonaro (PSC).[51][52]

No ano de 2017, votou de maneira contrária à Reforma trabalhista proposta pelo governo Temer (MDB).[53] Ainda no governo de Michel Temer, votou de maneira contrária a Emenda Constitucional do Teto dos Gastos Públicos e Lei da Terceirização.[54][55]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Hoax[editar | editar código-fonte]

Em 2013 Jean foi apontado em um hoax como autor de frases de intolerância religiosa e em defesa da pedofilia, que foram disseminadas na Internet. Ele afirmou não ter escrito as frases.[56][57] Em sua defesa, o deputado afirmou em seu site oficial ser alvo de uma campanha caluniosa e, juntamente com os deputados Erika Kokay (PT-DF) e Domingos Dutra (PT-MA), protocolou uma representação criminal por calúnia, difamação, falsificação de documento público, injúria, falsidade ideológica, formação de quadrilha e improbidade administrativa por atos cometidos pelo deputado Marco Feliciano (PSC-SP), por alguns de seus assessores políticos, pelo pastor Silas Malafaia e por algumas pessoas ainda não identificadas.[58][59]

Tas ao vivo[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2013, no programa Tas ao vivo, ao ser questionado sobre a remuneração dos parlamentares brasileiros, Wyllys declarou que não acha a remuneração excessiva e comparou seus ganhos com o salário de um professor de universidade particular: "Quando desconta tudo, a contribuição partidária, o imposto de renda, eu ganho aquilo que eu ganhava como professor (estando em universidade privada) 40 horas praticamente, que dá mais ou menos 15 mil reais. Para o tanto que eu trabalho, eu não acho que esse seja um salário alto."[60] A declaração repercutiu na Internet gerando controvérsias e discussões acaloradas. Em sua defesa, Wyllys afirmou que "não disse que os deputados 'ganham pouco', nem que o salário de um deputado seja igual ao de um professor" e apenas disse que "feitos os descontos da seguridade social, imposto de renda, plano de saúde, contribuição partidária, etc., o que entra no meu bolso cada mês é menos do que eu receberia hoje, com a minha qualificação, se trabalhasse no setor privado."[61]

Eleitores do PSDB[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2014, durante a eleição presidencial brasileira mais disputada da história do país, o deputado classificou, através de uma rede social, a maioria dos eleitores do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) como "classistas, racistas e violentos".[62][63] Logo após o episódio, Wyllys se retratou dizendo que na verdade quis dizer que boa parte e não a maioria dos referidos eleitores se enquadram em sua classificação desqualificativa.[64]

Defesa de Falabella[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2014, Wyllys foi criticado por lideranças de seu próprio partido e por grupos de defesa dos direitos dos afro-brasileiros por defender o programa Sexo e as Negas, exibido pela Rede Globo.[65] Wyllys, disse que, ao contrário daqueles que acusavam o seriado de ser sexista e racista, a produção na verdade "denuncia o racismo" e afirmou que “Miguel Falabella [o idealizador do seriado] é um cara que está longe, muito longe mesmo, de ser um racista”. Entretanto, o programa foi alvo de denúncias à Secretaria de Políticas para Mulher da Presidência da República e ainda é alvo de críticas por movimentos de mulheres e negros.[66]

Desempenho em eleições[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Coligação Partido Candidato a Votos Resultado
2010 Estadual do Rio de Janeiro sem coligação PSOL Deputado federal 13.018 Eleito
2014 Estadual do Rio de Janeiro sem coligação PSOL Deputado federal 144.770 Eleito
2018 Estadual do Rio de Janeiro sem coligação PSOL Deputado federal 24.295 Eleito[67]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Aflitos - crônicas e contos, editado pela Casa de Palavras da Fundação Casa de Jorge Amado.[68] Vencedor do Prêmio Copene de Literatura (atual Prêmio Braskem).[69]
  • Ainda Lembro - crônicas e experiências vividas no BBB5, editado pela Editora Globo.[70]
  • Tudo ao mesmo tempo agora - contos e crônicas, lançado pela Giostro Editora.[71]
  • Tempo bom tempo ruim - identidades, políticas, afeto - lançado pela Cia das Letras.[72]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem Nota
2005 Big Brother Brasil Participante (Campeão)[73][74][75] Temporada 5
Mais Você Repórter[76]
2014 Cinema em Outras Cores Apresentador[77]

Prêmios e honrarias[editar | editar código-fonte]

O deputado federal Jean Wyllys foi uma das 50 personalidades incluídas na "Lista Global da Diversidade", divulgada pela revista britânica The Economist em outubro de 2015. O critério usado para a composição da lista é o comprometimento dos nomes indicados pelos leitores da publicação com as causas da diversidade de gênero e raça. Além de Jean Wyllys, também faz parte da lista a brasileira Maria Aparecida da Silva Bento, pesquisadora de temas de raça e gênero e fundadora do Centro de Estudos das Relações do Trabalho e das Desigualdades, além do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a ex-secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, o Dalai Lama, o co-fundador da Microsoft Bill Gates, a atriz Angelina Jolie e a ativista paquistanesa pela educação feminina Malala Yousafzai. Willys foi descrito como um acadêmico de origem pobre que venceu um reality show e se tornou "o primeiro deputado federal a fazer campanha pelo movimento LBGT".[10]

Prêmio Categoria Resultado
Congresso em Foco 2012 Melhor Deputado Federal Vencedor[78]
Congresso em Foco 2013[79] Melhor Deputado Federal Segundo lugar*[80]
Congresso em Foco 2015 Melhor Deputado Federal Vencedor[81]

* Em 2013 pelos votos dos internautas ficou em primeiro lugar.

Visões políticas[editar | editar código-fonte]

Sim Cotas Raciais[82] Sim União de pessoas do mesmo sexo[83] Sim Imigrantes[84]
Não Privatização[85] Não Pena de Morte[86] Sim Descriminalização e regulamentação do Aborto[87]
Não Ditadura Militar[88] Sim Liberação da Maconha[89] Não Redução da maioridade penal[90]

Referências

  1. «'Estava levando fama sem deitar na cama', diz Jean Wyllys na filiação ao PT». UOL. 24 de maio de 2021 
  2. "Partido dos Professores" (Gonçalves, 2013)
  3. Edson Sardinha (6 de novembro de 2012). «Os perfis dos melhores deputados». Congresso em Foco. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  4. «Vivendo em Barcelona, Jean Wyllys anuncia saída do Psol e filiação ao PT». VEJA. Consultado em 20 de maio de 2021 
  5. «Quem - NOTÍCIAS - Eles não saem do paredão». globo.com. Consultado em 10 de março de 2010 
  6. «Confira os anônimos que se tornaram celebridades após o BBB - Terra - BBB 9». exclusivo.terra.com.br. Consultado em 17 de março de 2010 
  7. «Folha Online - Ilustrada - Jean vence o "BBB 5" e leva para casa R$ 1 milhão - 29/03/2005». folha.uol.com.br. Consultado em 10 de março de 2010 
  8. Partido Socialismo e Liberdade (4 de outubro de 2010). «PSOL elege dois senadores, três deputados federais e quatro estaduais». Consultado em 25 de agosto de 2012. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2010 
  9. «Senador e deputados federais/estaduais eleitos: Apuração e resultado das Eleições 2014 RJ». placar.eleicoes.uol.com.br. 2014 
  10. a b G1, ed. (6 de novembro de 2015). «Revista elege Jean Wyllys um dos 50 nomes que defendem diversidade». Consultado em 8 de novembro de 2015 
  11. «Jean Wyllys é eleito pelos internautas o melhor deputado de 2012». Contigo!. 9 de setembro de 2012. Consultado em 28 de novembro de 2012. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2012 
  12. «Quociente eleitoral assegurou vaga de Jean Wyllys na Câmara Federal». Metrópoles. 9 de outubro de 2018. Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  13. «Jean Wyllys de Matos Santos». Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 22 de julho de 2021 
  14. «Salvador». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 22 de julho de 2021 
  15. Marsiglia, Ivan (23 de março de 2013). «No paredão com o pastor». Estadão. Consultado em 25 de março de 2013 
  16. «Liderança do PSOL - Deputado Jean Wyllys». PSOL na Câmara. PSOL. Consultado em 22 de maio de 2021 
  17. «Dois dedos de prosa com Jean Wyllys - Lesmonde». Consultado em 12 de janeiro de 2012 [ligação inativa]
  18. «'Sou um governador gay': além de Eduardo Leite, conheça outros políticos abertamente homossexuais em altos cargos». BBC News Brasil. Consultado em 22 de julho de 2021 
  19. «Leia a transcrição da entrevista de Jean Wyllys à Folha e ao UOL». UOL. 26 de dezembro de 2011. Consultado em 8 de setembro de 2020 
  20. «Eleito pelo PSOL, o ex-BBB Jean Wyllys não quer ser só ex-BBB». 9 de outubro de 2010. Consultado em 10 de março de 2013. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2015 
  21. «Apuração dos votos: Rio de Janeiro - Eleições 2010 - Terra». Terra. 2010 
  22. «Senador e deputados federais/estaduais eleitos: Apuração e resultado das Eleições 2014 RJ». Placar Eleicoes. UOL. 2014. Consultado em 4 de julho de 2016 
  23. Izel, Adriana (5 de outubro de 2014). «Jean Wyllys é reeleito deputado federal do RJ com mais de 144 mil votos». Correio Braziliense. Consultado em 22 de julho de 2021 
  24. Jean Wyllys. «Projetos de Leis». Jeanwyllys.com.br. Consultado em 4 de julho de 2016 
  25. Bittencourt, Mariana (16 de maio de 2013). «Bolsonaro X Jean Wyllys: veja conflito de ideias sobre casamento gay». Terra. Consultado em 22 de julho de 2021 
  26. «Justiça do RJ determina que Bolsonaro pague multa a Jean Wyllys e honorários de advogado». G1. 9 de agosto de 2020. Consultado em 22 de julho de 2021 
  27. Conversa com Bial | Jean Wyllys fala sobre a eleição de Jair Bolsonaro Assista online | Globoplay, consultado em 22 de julho de 2021 
  28. «Família Bolsonaro "comemora" saída de Jean Wyllys do Brasil». IstoÉ. 24 de janeiro de 2019. Consultado em 22 de julho de 2021 
  29. «OEA exige que Brasil garanta a segurança do deputado federal Jean Wyllys». Correio Braziliense. 28 de novembro de 2018. Consultado em 22 de julho de 2021 
  30. «Comissão da OEA pede ao Estado brasileiro proteção à vida de Jean Wyllys». Sul 21. 29 de novembro de 2018. Consultado em 22 de julho de 2021 
  31. Vivas, Fernanda (29 de janeiro de 2019). «Renúncia de Jean Wyllys ao terceiro mandato é oficializada na Câmara». G1. Consultado em 22 de julho de 2021 
  32. Conversa com Bial | Jean Wyllys se emociona ao falar sobre ofensas, agressões e ameaças que sofreu Assista online | Globoplay, consultado em 22 de julho de 2021 
  33. «Marielle Franco: Brazil's favelas mourn the death of a champion». the Guardian (em inglês). 18 de março de 2018. Consultado em 22 de julho de 2021 
  34. Carlos Juliano Barros. «Com medo de ameaças, Jean Wyllys, do PSOL, desiste de mandato e deixa o Brasil». Folha de S.Paulo. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  35. Calgaro, Fernanda; Vivas, Fernanda (24 de Janeiro de 2019). «Jean Wyllys decide não tomar posse para novo mandato em razão de ameaças». G1. Consultado em 24 de Janeiro de 2019 
  36. «Ministério da Justiça diz que já identificou um dos autores de ameaças a Jean Wyllys». O Globo. 26 de janeiro de 2019. Consultado em 25 de maio de 2020 
  37. «Jean Wyllys vai à sessão de 'Marighella' no Festival de Berlim. Veja vídeo». O Globo. 15 de fevereiro de 2019. Consultado em 15 de Fevereiro de 2019 
  38. «Blogs de Jean Wyllys e Reinaldo Azevedo reforçam compromisso do UOL com a pluralidade». UOL. 6 de março de 2019. Consultado em 27 de maio de 2021 
  39. «Vivendo em Barcelona, Jean Wyllys anuncia saída do Psol e filiação ao PT». VEJA. Consultado em 20 de maio de 2021 
  40. Kruse, Tulio (22 de maio de 2021). «'Complexo de Édipo' levou parte do PSOL ao antipetismo, diz Jean Wyllys». UOL. Consultado em 27 de maio de 2021 
  41. Medeiros, Juliano (24 de maio de 2021). «Reconheço o papel de @jeanwyllys_real na luta por um Brasil mais justo». Twitter. Consultado em 27 de maio de 2021 
  42. Gerbase, Jairo (2004). «Complexo de Édipo: paradigma da psicanálise». Cógito: 29–31. ISSN 1519-9479. Consultado em 27 de maio de 2021 
  43. «Jean Wyllys reforça fileiras da luta democrática do PT». Partido dos Trabalhadores. 24 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  44. «'Quero ser petista com o mesmo orgulho com que sou gay', diz Jean Wyllys na filiação ao PT». Folha de Pernambuco. 24 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  45. «Lula lembra Marielle e provoca choro de Jean Wyllys em filiação ao PT». UOL. 24 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  46. Haubert, Mariana (9 de março de 2015). «Com discurso contra o machismo, Dilma sanciona Lei do Feminicídio». Folha de S.Paulo. Consultado em 22 de julho de 2021 
  47. Willys, Jean (2 de dezembro de 2015). «A violência contra a mulher não é imaginária». Afrânio Boppré. Consultado em 22 de julho de 2021 
  48. Dichtchekenian, Patrícia (12 de agosto de 2015). «Lei antiterrorista não pode ser usada como desculpa para tirar direitos civis, diz Jean Wyllys». Opera Mundi. Consultado em 22 de julho de 2021 
  49. «REP Nº 1/2015 - PARECER DO CONSELHO DE ÉTICA E DECORO PARLAMENTAR - Nominal Eletrônica». Portal da Câmara dos Deputados do Brasil. 12 de setembro de 2016. Consultado em 22 de julho de 2021 
  50. Conversa com Bial | Jean Wyllys comenta o Impeachment de Dilma Rousseff Assista online | Globoplay, consultado em 22 de julho de 2021 
  51. «Jean Wyllys enfrentou "corredor polonês" ao votar contra o impeachment, diz Luiz Sérgio». Congresso em Foco. 9 de novembro de 2016. Consultado em 22 de julho de 2021 
  52. «Cusparada de Jean Wyllys e outros 12 momentos marcantes da votação do impeachment». BBC News Brasil. 18 de abril de 2016. Consultado em 22 de julho de 2021 
  53. «Saiba como votou cada deputado no texto-base da reforma trabalhista». G1. 26 de abril de 2017. Consultado em 22 de julho de 2021 
  54. «Como cada deputado votou na proposta que amplia a terceirização». Congresso em Foco. 22 de março de 2017. Consultado em 22 de julho de 2021 
  55. «366 x 111: veja como cada deputado votou na PEC do teto de gastos». Congresso em Foco. 10 de outubro de 2016. Consultado em 22 de julho de 2021 
  56. Wyllys, Jean. «Novas e velhas calúnias». Colunistas. iG. Consultado em 19 de março de 2013 
  57. «Nova onda de calúnias contra o deputado Jean Wyllys é disseminada pela Internet». PSOL. Consultado em 19 de março de 2013. Arquivado do original em 19 de dezembro de 2013 
  58. «Jean Wyllys, Erika Kokay e Domingos Dutra protocolam ação criminal por calúnia, difamação, formação de quadrilha e outros crimes». Sítio oficial Jean Wyllys. 1 de abril de 2013. Consultado em 3 de abril de 2013 
  59. «Representação Criminal» (PDF). Sítio Oficial Jean Wyllys. 1 de abril de 2013. Consultado em 3 de abril de 2013 
  60. «Jean Wyllys abre o jogo sobre salário de deputado». Portal Terra. 4 de julho de 2013. Consultado em 17 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 29 de novembro de 2014 
  61. Mino Carta, ed. (8 de julho de 2013). «Você quer saber quanto recebe um deputado?». Carta Capital. Consultado em 17 de dezembro de 2014 
  62. Brasil, Felipe (31 de julho de 2021). «As falsas desculpas de Jean Wyllys: deputado apaga post ofensivo, mas xinga mais ainda eleitores de Aécio. Agora não há só racistas e classistas, há fascistas e homofóbicos também. "Linha auxiliar do PT" segue alinhada na baixaria». Veja. Consultado em 22 de julho de 2021 
  63. Massuchin, Michele Goulart; Mitozo, Isabele Batista; Carvalho, Fernanda Cavassana de (2017). «Eleições e debate político on-line em 2014: os comentários no Facebook do jornal O Estado de S. Paulo». Revista Brasileira de Ciência Política: 295–320. ISSN 0103-3352. doi:10.1590/0103-335220172309. Consultado em 22 de julho de 2021 
  64. Brasil, Felipe Moura (13 de outubro de 2014). «As falsas desculpas de Jean Wyllys: deputado apaga post ofensivo, mas xinga mais ainda eleitores de Aécio. Agora não há só racistas e classistas, há fascistas e homofóbicos também. "Linha auxiliar do PT" segue alinhada na baixaria». Veja.com. Abril. Consultado em 16 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 1 de novembro de 2014 
  65. Bizerra, Cecília (20 de novembro de 2014). Mino Carta, ed. «O racismo se mantém no espaço midiático». Carta Capital. Consultado em 17 de dezembro de 2014 
  66. «Jean Wyllys diz que minissérie Sexo e as Negas denuncia o racismo no Brasil». Diário de Pernambuco. 18 de novembro de 2014. Consultado em 17 de dezembro de 2014 
  67. «Jean Wyllys 5005 - Eleições 2018». Eleições 2018. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  68. «Fundação Casa de Jorge Amado - Publicações». Consultado em 12 de janeiro de 2012 
  69. «Prêmio Braskem». Consultado em 12 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 13 de maio de 2014 
  70. «Ainda Lembro - Jean Wyllys - Globo Livros». Consultado em 12 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 4 de setembro de 2012 
  71. WYLLYS, Jean (2009). Tudo ao Mesmo Tempo Agora. [S.l.]: Giostri. 136 páginas 
  72. «Livro: Tempo bom tempo ruim - WYLLYS, JEAN - LITERATURA BRASILEIRA - identidades, políticas, afetos». www.companhiadasletras.com.br. Consultado em 14 de Maio de 2014 
  73. «Jean Wyllys vence a quinta edição do "Big Brother Brasil"». Uol. Consultado em 15 de junho de 2013 
  74. «Edição histórica do "BBB 5", que teve Grazi Massafera, completa dez anos; veja como estão hoje os participantes». Extra Globo. Consultado em 28 de abril de 2017 
  75. «Relembre os vencedores de todas as edições do 'Big Brother Brasil'». Consultado em 15 de junho de 2013 
  76. «Jean Wyllys é mantido como repórter do Mais Você». Ofuxico. Consultado em 1 de dezembro de 2015 
  77. «Jean Wyllys apresentará "Cinema em Outras Cores" no Canal Brasil». Zero Hora. 12 de novembro de 2014. Consultado em 22 de julho de 2021 
  78. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome emfoco2012
  79. «Cristovam Buarque e Jean Wyllys, os melhores do ano». Congresso em foco. Consultado em 28 de setembro de 2013 
  80. «Os melhores deputados de 2013, segundo os jornalistas». Congresso em foco. Consultado em 3 de julho de 2016 
  81. «Jean Wyllys é o melhor deputado de 2015». Congresso em foco. Consultado em 21 de outubro de 2015 
  82. «Jean Wyllys – Deputado do Rio, deputado do Brasil! » Jean Wyllys parabeniza STF por aprovar cotas raciais por unanimidade». jeanwyllys.com.br. Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  83. «Jean Wyllys – Deputado do Rio, deputado do Brasil! » Casamento Civil». jeanwyllys.com.br. Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  84. «Câmara dos Deputados» 
  85. «Jean Wyllys – Deputado do Rio, deputado do Brasil! » Deputado Jean Wyllys luta contra privatização do ensino técnico (24-08-2011)». jeanwyllys.com.br. Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  86. «Jean Wyllys – Deputado do Rio, deputado do Brasil! » Frente dos Direitos Humanos estuda medidas contra deputado Luis Carlos Heinze por declarações contra minorias». jeanwyllys.com.br. Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  87. «Jean Wyllys protocola projeto de regulamentação do aborto». O Globo. Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  88. «Jean Wyllys – Deputado do Rio, deputado do Brasil! » Jean Wyllys fala sobre homofobia na ditadura e na atualidade durante a Anistia Cultural». jeanwyllys.com.br. Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  89. http://g1.globo.com/politica/noticia/2014/03/jean-wyllys-propoe-legalizacao-da-producao-e-venda-de-maconha.html
  90. Câmara dos Deputados do Brasil, ed. (13 de setembro de 2015). «Contra redução da maioridade, Jean Wyllys confessa roubo na infância» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias