Malala Yousafzai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: ""Malala"" redireciona para este artigo. Este artigo é sobre a ativista paquistanesa. Para o documentário sobre ela, veja He Named Me Malala.
Malala Yousafzai
Malala numa entrevista em 2014.
Nome completo Malala Yousafzai
Nascimento 12 de julho de 1997 (24 anos)[1]
Swat, Khyber Pakhtunkhwa, Paquistão
Residência Birmingham, Inglaterra, Reino Unido
Nacionalidade paquistanesa
Progenitores Mãe: Tor Pekai Yousafzai
Pai: Ziauddin Yousafzai
Ocupação estudante, ativista, blogueira
Prémios Prémio Sakharov (2013)

Prémio Internacional Catalunha (2013)
Nobel da Paz (2014)

Malala Yousafzai (em pachto ملاله یوسفزۍ[2] em urdu: ملالہ یوسف زئی Malālah Yūsafzay; Swat, 12 de julho de 1997) é uma ativista paquistanesa. Foi a pessoa mais nova a ser laureada com um prémio Nobel.[3] É conhecida principalmente pela defesa dos direitos humanos das mulheres e do acesso à educação na sua região natal do vale do Swat na província de Khyber Pakhtunkhwa, no nordeste do Paquistão, onde os talibãs locais impedem as jovens de frequentar a escola. Desde então, o ativismo de Malala tornou-se um movimento internacional.

A família de Malala gere uma cadeia de escolas na região. No início de 2009, quando tinha 11-12 anos de idade, Malala escreveu para a BBC um blog sob pseudónimo, no qual detalhava o seu cotidiano durante a ocupação talibã, as tentativas destes em controlar o vale e os seus pontos de vista sobre a promoção da educação para as jovens no vale do Swat. No verão seguinte, o New York Times publicou um documentário[4] sobre o cotidiano de Malala à medida que o exército paquistanês intervinha na região. A popularidade de Malala aumentou consideravelmente, dando entrevistas na imprensa e na televisão e sendo nomeada para o prémio internacional da Criança pelo ativista sul-africano Desmond Tutu.

Na tarde de 9 de outubro de 2012, Malala entrou numa van escolar na província de Khyber Pakhtunkhwa. Um homem armado chamou-a pelo nome, apontou-lhe uma pistola e disparou três tiros. Uma das balas atingiu o lado esquerdo da testa e percorreu o interior da pele, ao longo da face e até ao ombro.[5] Nos dias que se seguiram ao ataque, Malala manteve-se inconsciente e em estado grave. Quando a sua condição clínica melhorou foi transferida para um hospital em Birmingham na Inglaterra. Em 12 de outubro, um grupo de 50 clérigos islâmicos paquistaneses emitiu uma fátua contra os homens que a tentaram matar, mas os talibãs reiteraram a sua intenção de matar Malala. A tentativa de assassinato desencadeou um movimento de apoio nacional e internacional. A Deutsche Welle escreveu em 2013 que Malala se tornou "a mais famosa adolescente em todo o mundo".[6] O enviado especial das Nações Unidas para a educação global, Gordon Brown, lançou uma petição da ONU em nome de Malala com o slogan I am Malala ("Eu sou Malala"), exigindo que todas as crianças do mundo estivessem inscritas em escolas até ao fim de 2015, petição que impulsionou a retificação da primeira lei de direito à educação no Paquistão.[7]

Em 29 de abril de 2013, Malala foi capa da revista Time e considerada uma das 100 pessoas mais influentes do mundo. Em 12 de julho do mesmo ano, Malala discursou na sede da Organização das Nações Unidas, pedindo acesso universal à educação. Malala foi ainda homenageada com o prémio Sakharov de 2013. Em fevereiro de 2014, foi nomeada para o World Children's Prize na Suécia.[8] Em 10 de outubro, foi anunciada a atribuição do Nobel da Paz a Malala pela sua luta contra a repressão de crianças e jovens e pelo direito de todas as crianças à educação. Com apenas 17 anos, Malala foi a mais jovem laureada com o Nobel.[9][10] Malala partilhou o Nobel com Kailash Satyarthi, um ativista indiano dos direitos das crianças.[11]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Mingora, Swat, Jaiber Pastunjuá, Paquistão. Seu pai é Ziauddin Yousafzai e sua mãe é Tor Pekai Yousafzai e tem dois irmãos. Fala pachto e inglês e é conhecida por seu ativismo em favor dos direitos civis, especialmente os direitos das mulheres do vale do rio Swat, onde o Taliban proibiu a frequência escolar de meninas. Aos 13 anos, Malala Yousafzai alcançou notoriedade ao escrever um blog para a BBC sob o nome de Gul Makai, explicando sua vida sob o regime do Tehrik-i-Taliban Pakistan (TTP) e as tentativas de recuperar o controle do vale após a ocupação militar que obrigou-os a ir para as áreas rurais. Os taliban forçaram o encerramento de escolas públicas e proibiram a educação de meninas entre 2003 e 2009.[12][13]

Em 9 de outubro de 2012 foi atacada por um miliciano do TTP em Mingora: foi baleada no crânio e teve de ser operada. O porta-voz do TTP, Ehsanullah Ehsan disse que tentariam um novo ataque.[14] Duas estudantes ficaram feridas juntamente com Malala enquanto se dirigiam para casa em um ônibus escolar. Foi levada de helicóptero para um hospital militar. Ao redor da escola onde as meninas agredidas estudam, centenas de pessoas foram protestar para a rua. A mídia paquistanesa deu ampla cobertura.[15]

Em 10 de outubro de 2012, o ministro do Interior do Paquistão, Rehman Malik, afirmou que o atirador havia sido identificado.[16] O ataque foi condenado pela comunidade internacional e Malala Yousafzai foi apoiada por numerosas figuras públicas, como Asif Ali Zardari, Pervez Raja Ashraf, Susan Rice, Desmond Tutu, Ban Ki-moon, Barack Obama, Laura Welch Bush, Selena Gomez e Madonna. Em 15 de outubro de 2012 foi transferida para o hospital Queen Elizabeth, em Birmingham, Reino Unido para continuar a recuperação. Após quase 3 meses de internação, Malala deixou o hospital em 4 de janeiro de 2013.[17]

Em 12 de julho de 2013, Malala comemorou seu aniversário de 16 anos discursando na Assembleia da Juventude na Organização das Nações Unidas em Nova Iorque, Estados Unidos: [...] "Vamos pegar nossos livros e canetas. Eles são nossas armas mais poderosas. Uma criança, um professor, uma caneta e um livro podem mudar o mundo. A educação é a única solução". [...][18] Esta foi a sua primeira aparição pública após se recuperar do ataque que sofreu pelo Talibã.[19] Em 3 de setembro de 2013, Malala inaugurou em Birmingham (Inglaterra) a maior biblioteca pública da Europa.[20]

Em 10 de outubro de 2013 Malala Yousafzai foi galardoada com o Prémio Sakharov, atribuído pelo Parlamento Europeu.[21] A ativista paquistanesa foi escolhida por unanimidade pelos líderes dos grupos políticos do Parlamento Europeu, cabendo o anúncio oficial da escolha ao presidente do Parlamento, Martins Schulz.[22]

Em 7 de junho de 2016, Malala Yousafzai foi laureada com o título de doutora honoris causa pela Universidade de Pádua, na Itália.[23][24][25]

Em 12 de abril de 2017, Malala Yousafzai recebeu a cidadania canadense honorária e o título de doutora honoris causa pela Universidade de Ottawa, também situada no Canadá.[26][27]

Em 2020, terminou sua graduação e conquistou seu diploma universitário em filosofia, política e economia pela Universidade de Oxford.[28][29][30]

Tentativa de homicídio[editar | editar código-fonte]

Conforme Yousafzai tornou-se mais reconhecida, intensificaram-se as ameaças de morte contra si, que eram publicadas em jornais e entregues debaixo de sua porta.[31] No Facebook, onde era uma usuária ativa, começou a receber ameaças.[32] Eventualmente, um porta-voz do Talibã paquistanês afirmou que foram "forçados" a agir. Durante uma reunião ocorrida no verão de 2012, os líderes do Talibã concordaram, por unanimidade, em matá-la.[31]

Em 9 de outubro de 2012, um atirador do Talibã disparou contra Yousafzai, que tinha 15 anos, enquanto ela voltava para casa, após fazer uma prova no vale do Suate. De acordo com os relatos, um homem mascarado gritou: "Qual de vocês é Malala? Digam, do contrário eu matarei vocês todas."

Frequentemente penso nisso e imagino a cena claramente. Mesmo caso eles venham me matar, eu vou lhes dizer que estão tentando fazer algo errado, que a educação é nosso direito básico.

Malala Yousafzai prevendo o atentado do Talibã.[32]

[33] Após ser identificada, Yousafzai foi atingida com uma bala, que atravessou 46 centímetros do lado de seu olho esquerdo, através de seu pescoço, e que se alojou em seu ombro.[34][35] Duas outras garotas se feriram no tiroteio: Kainat Riaz and Shazia Ramzan,[36] que permaneceram suficientemente estáveis para se comunicar com os repórteres e contar detalhes do ataque.

Tratamento médico[editar | editar código-fonte]

Após o disparo, Yousafzai foi transportada de avião para um hospital militar em Peshawar, onde os médicos foram forçados a operá-la após o desenvolvimento de um inchaço na parte esquerda de seu cérebro, que foi afetada pela bala que atravessou sua cabeça.[37] Após uma operação de cinco horas, os médicos removeram o projétil com sucesso, que se encontrava alojado em seu ombro, próximo à coluna espinal. No dia seguinte ao atentado, os médicos efetuaram uma craniectomia descompressiva, em que parte de seu crânio foi removida para aliviar a pressão nos tecidos inchados.[38]

Em 11 de outubro de 2012, um conjunto de médicos paquistaneses e britânicos decidiram transferir Yousafzai para o Instituto de Cardiologia das Forças Armadas em Rawalpindi.[38] Mumtaz Khan, um médico, declarou que ela tinha 70% de chances de sobreviver.[39] Rehman Malik, ministro do Interior, afirmou que Yousafzai seria transportada para a Alemanha, onde poderia receber a melhor assistência médica, tão logo estivesse estável o suficiente para viajar. Uma equipe de médicos lhe acompanharia, e o governo cobriria os custos do tratamento.[40][41] Os médicos reduziram sua sedação em 13 de outubro, e ela movimentou todos os quatro membros.[42]

Surgiram várias ofertas de tratamento para Yousafzai de todo o mundo.[43] Em 15 de outubro, Yousafzai viajou para o Reino Unido para um tratamento adicional, com consentimento dos médicos e da família. Seu avião aterrissou Birmingham, Inglaterra, onde ela foi internada, no Hospital Elizabeth Queen, que contava com suporte especializado para o tratamento de militares feridos em conflito.[44] De acordo com notícias veiculadas na imprensa, o governo do Reino Unido declarou que "o governo paquistanês está pagando por todo o transporte, migração, médicos, acomodação e custos de subsistência para Malala".[45]

Yousafzai desvencilhou-se do coma em 17 de outubro de 2012, estava respondendo bem ao tratamento, com boa chance de recuperação completa sem nenhum dano cerebral.[46] Atualizações posteriores, em 20 e 21 de outubro, afirmaram que ela encontrava-se estável, embora lutasse contra uma infecção.[47] Em 8 de novembro, foi fotografada sentada na cama.[48] Em 11 de novembro, Yousafzai passou por uma cirurgia de oito horas e meia, a fim de reparar seu nervo facial.[49]

Em 3 de janeiro de 2013, Yousafzai recebeu alta do hospital para continuar sua reabilitação na casa temporária de sua família, em Midlands Ocidentais,[50][51] onde fazia fisioterapia semanalmente.[49] Depois, passou por uma operação de cinco horas, em 2 de fevereiro, para reconstruir seu crânio e restaurar sua audição com um implante coclear, e, posteriormente, encontrou-se em condições estáveis.[52][53] Yousafzai escreveu em julho de 2014 que seu nervo facial se recuperou em 96%.[49]

Reação[editar | editar código-fonte]

Barack Obama, Michelle Obama e sua filha Malia encontram Yousafzai no Salão Oval, 11 de outubro de 2013.

A tentativa de homicídio recebeu cobertura midiática mundial e suscitou empatia e raiva. Protestos contra o atentado ocorreram em várias cidades paquistaneses no dia seguinte ao ataque, e mais de duas milhões de pessoas assinaram a petição da campanha Right to Education (direito à educação), que levou à ratificação[54][55] da primeira lei de acesso à educação no Paquistão.[56] Oficiais paquistaneses ofereceram uma recompensa de 10 milhões de rúpias (US$105 000) por informações que levassem à prisão dos perpetradores. Em resposta a preocupações acerca de sua segurança, o pai de Yousafzai disse: "Não deixaremos nosso país se nossa filha sobreviver ou não. Temos uma ideologia que advoga a paz. O Talibã não pode calar todas as vozes independentes pela força das balas."[41]

O presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, descreveu o atentado como um ataque às "pessoas civilizadas".[57] O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, o chamou de "ato hediondo e covarde".[58] O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que o ataque é "condenável, revoltante e trágico",[59] enquanto a secretária de Estado Hillary Clinton disse que Yousafzai tinha sido "muito corajosa ao se levantar em prol do direito das meninas" e que os atiradores foram "ameaçados por aquela espécie de empoderamento".[60] O secretário de Estado britânico William Hague chamou o tiroteio de "barbárico" e disse que "abalou o Paquistão e o mundo".[61]

A cantora americana Madonna dedicou sua música "Human Nature" a Yousafzai em uma apresentação em Los Angeles, no dia do ataque,[62] e também fez uma tatuagem com o nome "Malala" em suas costas.[63] Angelina Jolie escreveu um artigo explicando o ocorrido a seus filhos e respondendo a questões como "Por que esses homens achavam que precisavam matar Malala?".[64] Posteriormente, Jolie doou 200 mil dólares ao Fundo Malala[65] para a educação de meninas.[66] Ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Laura Bush escreveu um artigo de opinião no The Washington Post em que compara Yousafzai à sobrevivente do Holocausto Anne Frank.[67] O diretor indiano Amjad Khan anunciou que dirigiria um filme biográfico baseado em Malala.[68]

Ehsanullah Ehsan, principal porta-voz do Tehrik-i-Taliban Pakistan, reivindicou responsabilidade pelo ataque, dizendo que Yousafzai "é o símbolo dos infiéis e da obscenidade", sublinhando que, caso ela sobrevivesse, o grupo a perseguiria novamente.[69] Nos dias a seguir do ataque, o Talibã do Paquistão reiterou sua justificativa, afirmando que Yousafzai sofreu lavagem cerebral por seu pai: "O advertimos várias vezes para impedir sua filha de usar linguagem suja contra nós, mas ele não escutou e nos forçou a tomar um passo mais extremo."[36] Além disso, justificaram o atentado com o Alcorão, que supostamente afirma que "pessoas professando contra o Islã e as forças islâmicas devem ser mortas", e que "a xaria diz que até mesmo uma criança pode ser assassinada se está professando contra o Islã".[70]

Em 12 de outubro de 2012, um grupo de 50 clérigos islâmicos paquistaneses emitiram uma fátua, um pronunciamento da lei islâmica, contra os atiradores do Talibã que tentaram matar Yousafzai. Estudantes muçulmanos do Sunni Ittehad Council denunciaram publicamente as tentativas do Talibã paquistanês de elucubrar justificativas religiosas para o atentado a Yousafzai e duas de suas colegas de classe.[71]

Apesar do ataque ter sido severamente condenado no Paquistão,[72] "alguns partidos políticos marginais e extremistas" expuseram teorias da conspiração, como a suposição de que os disparos foram encenados pela CIA americana, para providenciar uma desculpa a fim de continuar ataques com drones.[73] O Talibã paquistanês e outros apoiadores rotularam Yousafzai como uma "espiã americana".[74][75][76][77]

Petição das Nações Unidas[editar | editar código-fonte]

Em 15 de outubro de 2012, o enviado especial para Educação Global das Nações Unidas, Gordon Brown, ex-primeiro-ministro britânico, visitou Yousafzai quando ela estava no hospital,[78] e lançou uma petição em seu nome e "em suporte pelo que Malala lutou".[79] Usando o slogan "Eu sou Malala", a principal demanda da petição é que não houvesse nenhuma fora da escola em 2015, com a esperança de que "meninas como Malala, em todo o mundo, em breve estarão na escola".[80] Brown disse que levaria a petição ao presidente Zardari em Islamabad, em novembro.[79]

A petição apresentava três demandas:

  • Nós chamamos o Paquistão a aceitar um plano para providenciar educação para cada criança.
  • Nós chamamos todos os países a banir a discriminação contra meninas.
  • Nós chamamos organizações internacionais a assegurar que todas as 61 milhões de crianças do mundo fora da escola estarão sendo educadas até o final de 2015.[80]

Investigação criminal, prisões e absolvições.[editar | editar código-fonte]

No dia após o atentado, o ministro do interior do Paquistão, Rehman Malik, afirmou que o atirador do Talibã que disparou contra Yousafzai foi identificado.[81] A Polícia apresentou Atta Ullah Khan, um estudante de 23 anos, graduando em Química, como o atirador no ataque.[82] Desde 2015, ele permaneceu em liberdade, possivelmente no Afeganistão.[83][84]

A polícia também prendeu seis homens por envolvimento no crime, mas posteriormente foram liberados devido à ausência de provas.[83] Em novembro de 2012, fontes dos EUA confirmaram que Mullah Fazlullah, o clérigo que ordenou o ataque a Yousafzai, estava se escondendo no leste do Paquistão.[85] Ele foi morto por um ataque aéreo americano em junho de 2018.[86]

Em 12 de setembro de 2014, o diretor de relações públicas das Forças Armadas do Paquistão, Asim Bajwa, afirmou numa conferência de imprensa, em Islamabad, que os 10 criminosos pertenciam ao grupo militante denominado "Shura", e que Israrur Rehman foi o primeiro membro do grupo a ser identificado e apreendido pelas tropas. Com as informações obtidas em seu interrogatório, todos os demais membros do grupo foram presos. A operação baseada em inteligência foi conduzida pela polícia, militares e ISI.[87][88]

Em abril de 2015, os dez presos foram sentenciados à prisão perpétua pelo juiz Mohammad Amin Kundi, especialista em contraterrorismo, com possível liberdade condicional, após 25 anos. Não se sabe se os verdadeiros atiradores estavam entre os dez condenados.[84] Em junho de 2015, revelou-se que oito dos dez homens julgados pelo crime foram secretamente absolvidos. Informantes revelaram que um deles era o mentor da tentativa de homicídio. Suspeita-se que os demais homens que atiraram em Yousafzai voaram para o Afeganistão posteriormente e nunca foram capturados. A informação sobre a liberdade dos suspeitos veio à tona após o tabloide britânico Daily Mirror tentar localizá-los na prisão. O oficial Salim Khan afirmou que os oito homens foram liberados porque não havia evidências suficientes para conectá-los ao ataque.[89][90]

Prêmio Nobel da Paz[editar | editar código-fonte]

Na manhã de sexta-feira, no dia 10 de outubro de 2014, o comitê do Nobel anunciou oficialmente a entrega do prêmio à Malala "pela sua luta contra a supressão das crianças e jovens e pelo direito de todos à educação", juntamente com o ativista indiano Kailash Satyarthi, de 60 anos. Com isso, Malala é a mais jovem ganhadora de um Nobel na história, posto antes ocupado pelo físico australiano Lawrence Bragg, que ganhou o Nobel de Física em 1915, aos 25 anos.[91]

Premiações e honrarias[editar | editar código-fonte]

Malala Yousafzai na Sala Oval em 2013

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

International Poetry Festival 2013 in Argentina
International Poetry Festival 2013 in Argentina, to honour Yousafzai

Yousafzai's memoir I Am Malala: The Story of the Girl Who Stood Up for Education and Was Shot by the Taliban, co-written with British journalist Christina Lamb, was published in October 2013 by Little, Brown and Company in the US and by Weidenfeld & Nicolson in the UK.[81] Fatima Bhutto, reviewing the book for The Guardian called the book "fearless" and stated that "the haters and conspiracy theorists would do well to read this book", though she criticised "the stiff, know-it-all voice of a foreign correspondent" that is interwoven with Yousafzai's.[82] Marie Arana for The Washington Post called the book "riveting" and wrote "It is difficult to imagine a chronicle of a war more moving, apart from perhaps the diary of Anne Frank."[85] Tina Jordan in Entertainment Weekly gave the book a "B+", writing "Malala's bravely eager voice can seem a little thin here, in I Am Malala, likely thanks to her co-writer, but her powerful message remains undiluted."[86]

Yousafzai at Women of the World Festival, 2014

A children's edition of the memoir was published in 2014 under the title I Am Malala: How One Girl Stood Up for Education and Changed the World.[103] According to Publishers Weekly, in 2017 the book had sold almost 2 million copies, and there were 750,000 copies of the children's edition in print.[87]

Yousafzai was the subject of the 2015 documentary He Named Me Malala, which was nominated for the Academy Award for Best Documentary Feature.[89] In 2020, an Indian Hindi-language biographical film Gul Makai by H. E. Amjad Khan was released, with Reem Sameer Shaikh portraying her.[90]

Yousafzai authored a picture book, Malala's Magic Pencil, which was illustrated by Kerascoët and published on 17 October 2017.[104] By March 2018, The Bookseller reported that the book had over 5,000 sales in the UK.[105] In a review for The Guardian, Imogen Carter describes the book as "enchanting", opining that it "strikes just the right balance" between "heavy-handed" and "heartfelt", and is a "welcome addition to the frustratingly small range of children's books that feature BAME central characters".[106] Rebecca Gurney of The Daily Californian gives the book a grade of 4.5 out of 5, calling it a "beautiful account of a terrifying but inspiring tale" and commenting "Though the story begins with fantasy, it ends starkly grounded in reality."[107]

In March 2018, it was announced that Yousafzai's next book We Are Displaced: True Stories of Refugee Lives[108] would be published on 4 September 2018 by Little, Brown and Company's Young Readers division. The book is about refugees, and includes stories from Yousafzai's own life along with those of people she has met.[109] Speaking about the book, Yousafzai said that "What tends to get lost in the current refugee crisis is the humanity behind the statistics"[108][110] and "people become refugees when they have no other option. This is never your first choice."[111] Profits from the book will go to Yousafzai's charity Malala Fund.[108] She visited Australia and criticized its asylum policies and compared immigration policies of the US and Europe unfavourably to those of poor countries and Pakistan.[112] The book was published on 8 January 2019.[113][114]

On March 8, 2021, a multiyear partnership between Yousafzai and Apple was announced. She will work on programming for Apple’s streaming service, Apple TV+. The work will span “dramas, comedies, documentaries, animation, and children’s series, and draw on her ability to inspire people around the world.”[115]

Notas

  1. À família de Malala foi negada a permissão para participar da cerimônia de premiação pelas autoridades paquistanesas sob a alegação de "questões de segurança", de modo que o prêmio foi levado às escondidas ao pai pelo cineasta anglo-paquistanês Ali Sevy.

Referências

  1. Memmot, Mark (9 de outubro de 2012). «Taliban Say They Shot Teenaged Pakistani Girl Who Exposed Their Cruelty». NPR (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2012 
  2. «‏امنسټي انټرنېشنل پر ملاله یوسفزۍ برید وغانده». BBC Pashto. 18 de outubro de 2012. Consultado em 11 de outubro de 2013 
  3. «Malala Yousafzai Becomes Youngest-Ever Nobel Prize Winner». 10 de outubro de 2014. Consultado em 11 de outubro de 2014 
  4. The New York Times (2009). «Class Dismissed». Consultado em 11 de outubro de 2012 
  5. Schifrin, Nick (7 de outubro de 2013). «The 72 Hours That Saved Malala: Doctors Reveal for the First Time How Close She Came to Death». Yahoo News. Consultado em 10 de outubro de 2014 
  6. Kyle McKinnon (18 de janeiro de 2013). «Will Malala's Influence Stretch to Europe?». Consultado em 24 de julho de 2013 
  7. «Quiet Progress for Education in Pakistan». Brookings Institution. 8 de abril de 2013. Consultado em 13 de outubro de 2013 
  8. «Malala nominated for 'Children's Nobel Prize'». The Hindu. 7 de fevereiro de 2014. Consultado em 11 de outubro de 2014 
  9. Público (10 de outubro de 2014). «Malala, o jovem rosto do Nobel da Paz». Consultado em 17 de outubro de 2014 
  10. «The Nobel Peace Prize for 2014». Nobel Media AB. 10 de outubro de 2014. Consultado em 10 de outubro de 2014 
  11. Alan Cowell e Declan Walshoct (10 de outubro de 2014). «Nobel Peace Prize for Malala Yousafzai and Kailash Satyarthi». New York Times. Consultado em 10 de outubro de 2014 
  12. BBC News (19 de janeiro de 2009). «Diary of a Pakistani schoolgirl» (em inglês) 
  13. BBC News (24 de novembro de 2011). «Pakistani girl, 13, praised for blog under Taliban» (em inglês) 
  14. Clarín (11 de outubro de 2012). «Los talibán prometen un nuevo ataque a la nena de 14 años» (em espanhol). Consultado em 11 de outubro de 2012 
  15. El Tiempo (10 de outubro de 2012). «Talibanes le dispararon a una niña pakistaní que lucha por los derechos» (em espanhol). Consultado em 11 de outubro de 2012 
  16. Euronews (11 de outubro de 2012). «Pakistán se vuelca con Malala» (em espanhol). Consultado em 11 de outubro de 2012 
  17. «Três meses após ataque, Malala deixa hospital britânico» 
  18. publico. «Malala esteve na ONU e apelou à educação para todos e à tolerância». Consultado em 13 de julho de 2013 
  19. «Malala Yousafzai aparece pela 1ª vez após atentado em discurso na ONU». Marie Claire 
  20. «Europe's largest public library officially opened by Malala» (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2013 
  21. publico.pt. «Prémio Sakharov entregue a Malala». Consultado em 10 de outubro de 2013 
  22. G1, Do; Paulo, em São (10 de outubro de 2013). «Garota paquistanesa Malala ganha Prêmio Sakharov do Europarlamento». Mundo. Consultado em 8 de julho de 2021 
  23. a b ANSA (7 de junho de 2016). «Padova laurea Spielberg e Malala». Consultado em 19 de junho de 2020 
  24. a b Padova Oggi (7 de junho de 2016). «Padova, laurea ad honorem a Spielberg e al premio Nobel per la pace Malala». Consultado em 19 de junho de 2020 
  25. a b Leya Portugal (20 de junho de 2016). «Manuel Alegre Doutorado "Honoris Causa" em Itália, ao lado de Steven Spielberg e Malala Yousafzai». Consultado em 19 de junho de 2020 
  26. O Globo (12 de junho de 2017). «Malala recebe das mãos de Trudeau cidadania honorária do Canadá». Consultado em 19 de junho de 2020 
  27. a b University of Ottawa (12 de junho de 2017). «Gazette». Consultado em 19 de junho de 2020 
  28. «Início de um sonho, deu tudo certo: Malala se forma em Oxford». G1. 19 de junho de 2020. Consultado em 19 de junho de 2020 
  29. «Malala Yousafzai festeja formatura na Universidade de Oxford». Revista Marie Claire. 19 de junho de 2020. Consultado em 19 de junho de 2020 
  30. «Malala completes Oxford University exams». BBC News (em inglês). 19 de junho de 2020 
  31. a b «'Radio Mullah' sent hit squad after Malala Yousafzai». The Express Tribune. 12 de outubro de 2012. Consultado em 15 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2012 
  32. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome new yorker
  33. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome My conversations with
  34. From the Preface to the 2014 edition of I Am Malala, page xix. ISBN 9781780226583.
  35. Asma Ali Zain (4 de novembro de 2012). «Malala will soon undergo reconstructive surgery». Khaleej Times. Consultado em 4 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2012 
  36. a b Declan Walsh (12 de outubro de 2012). «Taliban Reiterate Vow to Kill Pakistani Girl». The New York Times. Consultado em 12 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2012 
  37. Mushtaq Yusufza (9 de outubro de 2012). «Pakistani teen blogger shot by Taliban 'critical' after surgery». NBC News. Consultado em 11 de outubro de 2012. Arquivado do original em 12 de outubro de 2012 
  38. a b Robert Mackey; Adam B. Ellick (11 de outubro de 2012). «Pakistani Girl Airlifted to Military Hospital». The New York Times. Consultado em 11 de outubro de 2012. Arquivado do original em 14 de outubro de 2012 
  39. Nasir Habib; Reza Sayah (11 de outubro de 2012). «Official: Pakistani teen blogger's shooting a 'wake-up call' to 'clear ... danger'». CNN. Consultado em 11 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2012 
  40. «Malala to be shifted to Germany: Malik». Associated Press of Pakistan. 11 de outubro de 2012. Consultado em 11 de outubro de 2012. Arquivado do original em 16 de novembro de 2012 
  41. a b Palash R. Ghosh (10 de outubro de 2012). «Malala Yousafzai: Family Refuses To Cower In Fear As Girl Remains In Critical Condition». International Business Times. Consultado em 11 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2012 
  42. Palmer, Elizabeth (13 de outubro de 2012). «Indications of hope for shot Pakistani girl». CBS. Consultado em 15 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2012  Alt URL
  43. Walsh, Declan (15 de outubro de 2012). «Global Outpouring to Help Pakistani Schoolgirl/Girl Shot by Taliban Arrives in Britain for Treatment». The New York Times. Consultado em 16 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2012 
  44. «Malala Yousafzai: Pakistani girl shot by Taliban to be treated in Birmingham hospital that treats wounded soldiers». The Telegraph. London. 15 de outubro de 2012. Consultado em 15 de outubro de 2012. Arquivado do original em 3 de janeiro de 2020 
  45. «Malala Yousafzai: Pakistani girl shot by Taliban to be treated in Birmingham hospital that treats wounded soldiers». The Daily Telegraph. 15 de outubro de 2012. Consultado em 11 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 27 de março de 2015 
  46. Bennett, Dashiell (17 de outubro de 2012). «Malala Yousufzai Comes Out of Her Coma». Atlantic Wire. Consultado em 17 de outubro de 2012. Arquivado do original em 19 de outubro de 2012 
  47. «Malala Yousafzai status updates». Queen Elizabeth Hospital. 22 de outubro de 2012. Consultado em 22 de outubro de 2012. Arquivado do original em 21 de outubro de 2012 
  48. «Schoolgirl shot by Taliban says she has been 'humbled and inspired by messages of support'». ITV News. 9 de novembro de 2012. Consultado em 9 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2012 
  49. a b c From the Preface to the 2014 edition of I Am Malala, page xix. ISBN 9781780226583.
  50. «Malala Yousafzai to undergo cranial reconstructive surgery in UK». India Today. Consultado em 4 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 13 de outubro de 2013 
  51. «Pakistani girl Malala released from hospital». CNN. 4 de janeiro de 2013. Consultado em 4 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 6 de janeiro de 2013 
  52. «Girl shot by Taliban in stable condition after two operations to reconstruct skull and restore hearing». New York Post. Consultado em 3 de fevereiro de 2013 
  53. «Malala Yousafzai, Pakistani Girl Shot by Taliban Militants». Consultado em 6 de março de 2016. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2013 
  54. Yusuf, Huma (16 de novembro de 2012). «Ghost Education». The New York Times. Consultado em 10 de outubro de 2013. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2014 
  55. «Education is now compulsory for Pakistani children». NDTV.com. 14 de novembro de 2012. Consultado em 13 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2013 
  56. «Quiet Progress for Education in Pakistan». Brookings Institution. 8 de abril de 2013. Consultado em 13 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2013 
  57. «Malala Yousafzai: Pakistan girl 'strong' – doctors». BBC News. 16 de outubro de 2012. Consultado em 16 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2012 
  58. «UN chief strongly condemns 'heinous and cowardly' attack on Pakistani schoolgirl». UN News Service. 10 de outubro de 2012. Consultado em 11 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2012 
  59. «Pakistani teen still critical, Obama calls attack tragic». Yahoo News. Indo Asian News Service. 11 de outubro de 2012. Consultado em 11 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2013 
  60. «Malala Yousafzai: Reward offered for arrest of attackers». BBC News. 10 de outubro de 2012. Consultado em 11 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2012 
  61. «Teen girl Malala Yousafzai shot by Taliban has a 'good chance' of recovery». The Australian. Agence France-Presse. 16 de outubro de 2012. Consultado em 24 de julho de 2013. Arquivado do original em 29 de janeiro de 2014 
  62. Seth Abramovitch (11 de outubro de 2012). «Madonna Dedicates L.A. Performance to Child Activist Shot in Pakistan». The Hollywood Reporter. Consultado em 11 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2012 
  63. «Madonna Strips For Malala Yousafzai, Dedicates Song To Young Pakistani Woman Shot By Taliban». The Huffington Post. 15 de outubro de 2012. Consultado em 10 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2014 
  64. Jolie, Angelina (16 de outubro de 2012). «Angelina Jolie: We All Are Malala». The Daily Beast. Consultado em 19 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2012 
  65. «malalafund.org». Malala Fund. Consultado em 10 de outubro de 2014. Arquivado do original em 1 de agosto de 2014 
  66. «Angelina Jolie Donates $200,000 to the Malala Fund». ABC News. 5 de abril de 2013. Consultado em 24 de julho de 2013. Arquivado do original em 25 de junho de 2013 
  67. Bush, Laura (10 de outubro de 2012). «A girl's courage challenges us to act». The Washington Post. Consultado em 22 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2012 
  68. «Indian director to make biopic on Malala Yousufzai». The Express Tribune. 7 de dezembro de 2012. Consultado em 10 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2012 
  69. Richard Leiby; Michele Langevine Leiby (10 de outubro de 2012). «Taliban says it shot Pakistani teen for advocating girls' rights». The Washington Post. Consultado em 11 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2012 
  70. «Malala Yousafzai deserved to die, say Pakistani Taliban». The Guardian. London. 16 de outubro de 2012. Consultado em 16 de outubro de 2012. Arquivado do original em 16 de outubro de 2012 
  71. Jon Boone (12 de outubro de 2012). «Malala Yousafzai: 'fatwa' issued against gunmen». The Guardian. Consultado em 12 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2013 
  72. «Taliban threat worries Pakistan media». BBC News. 17 de outubro de 2012. Consultado em 30 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2012 
  73. Venky Vembu (15 de outubro de 2012). «How Pak jihadi minds justify attack on Malala: Perversely». firstpost.com. Consultado em 15 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2012 
  74. «TTP labels Malala as 'an American spy'». The News. 16 de outubro de 2012. Consultado em 20 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 22 de março de 2013 
  75. Mackey, Robert (16 de outubro de 2012). «After a Bullet in the Head, Assaults on a Pakistani Schoolgirl's Character Follow». The New York Times. Consultado em 20 de outubro de 2012. Arquivado do original em 19 de outubro de 2012 
  76. Taqi, Mohammad (18 de outubro de 2012). «Malala and anti-Malala Pakistan». Daily Times. Consultado em 20 de outubro de 2012. Arquivado do original em 21 de outubro de 2012 
  77. Walsh, Declan (18 de outubro de 2012). «Pakistani Police Detain Family of Suspect in Attack on Girl». The New York Times. Consultado em 20 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2012 
  78. «Malala Inc: Global operation surrounds teenage activist». Agence France-Presse. Consultado em 12 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2013 
  79. a b «Malala Yousafzai: Taliban shooting victim flown to UK». BBC News. 15 de outubro de 2012. Consultado em 15 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2012 
  80. a b «A World at School». The Office of the UN Special Envoy for Global Education. Consultado em 15 de outubro de 2012. Arquivado do original em 24 de outubro de 2012 
  81. a b «Pakistani Interior Minister: Taliban Gunman Who Shot 14-Year-Old Girl Identified». VOA News. 10 de outubro de 2012. Consultado em 11 de outubro de 2012. Arquivado do original em 13 de outubro de 2012 
  82. a b «Arrests made in shooting of Pakistani schoolgirl Malala». CNN. 28 de outubro de 2012. Consultado em 24 de julho de 2013. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2013 
  83. a b «Malala at U.N.: The Taliban failed to silence us». CNN. 12 de julho de 2013. Consultado em 24 de julho de 2013. Cópia arquivada em 27 de julho de 2013 
  84. a b Zahir Shah; Greg Botelho (30 de abril de 2015). «Pakistan: 10 sentenced to life in prison for attack on Malala Yousafzai». CNN. Cópia arquivada em 1 de maio de 2015 
  85. a b «Mullah Fazlullah hiding in Afghanistan: US officials». The Express Tribune. 8 de novembro de 2012. Consultado em 8 de novembro de 2012. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2012 
  86. a b «Air Strike Kills Pakistani Taliban Leader Who Reportedly Ordered Attack On Malala». The Huffington Post. Reuters. 15 de junho de 2018. Consultado em 15 de junho de 2018 
  87. a b «Malala Yousafzai's attackers arrested: ISPR». Pakistan Today. 12 de setembro de 2014. Consultado em 10 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2014 
  88. Dockterman, Eliana (12 de setembro de 2014). «Malala's Attackers Arrested in Pakistan». Time. Reuters. Consultado em 13 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2014 
  89. a b Hughes, Chris. «Brave Malala's hitmen secretly FREED just weeks after their 25-year prison sentences». Daily Mirror. MGN Ltd. Consultado em 5 de junho de 2015. Cópia arquivada em 5 de junho de 2015 
  90. a b «Pakistan court frees eight men charged with attack on schoolgirl Malala». Reuters. 5 de junho de 2015. Consultado em 4 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2015 
  91. G1 (10 de outubro de 2014). «Indiano Kailash Satyarthi e Malala Yousafzay vencem Nobel da Paz». G1. Consultado em 10 de outubro de 2014 
  92. «Malala Yousufzai to be given Pak's highest civilian bravery award». The Indian Express. 16 de outubro de 2012 
  93. «The FP Top 100 Global Thinkers». Foreign Policy. 26 de novembro de 2012. Arquivado do original em 28 de novembro de 2012 
  94. Carbone, Nick (18 de dezembro de 2012). «TIME Reveals Its Short List for Person of the Year 2012». Time. Consultado em 20 de dezembro de 2012 
  95. «Teresa awards given away». The Indian Express. 29 de novembro de 2012. Consultado em 9 de dezembro de 2012 
  96. «Top words of 2012 capture 'impending doom'». USAToday. 1 de janeiro de 2013 
  97. «Teenage icon: Rome again honours Malala, father collects reward». Express Tribune 
  98. «Awarding of the Simone de Beauvoir Prize to Malala Yousafzai (January 9, 2013)». France Diplomatie. 2013 
  99. «The Fred & Anne Jarvis Award». NUT. Arquivado do original em 31 de outubro de 2013 
  100. «Malala Yousafzai receives OFID 2013 Annual Award for Development». Ofid.org 
  101. «Premi Internacional Catalunya». Generalitat de Catalunya. 27 de maio de 2013. Consultado em 12 de julho de 2013. Arquivado do original em 10 de novembro de 2013 
  102. Claudio Cavalhares. «Malala Yousafzai – International Children's Peace Prize 2013 / Prêmio 'Internacional da Paz da Criança'» (em inglês). Consultado em 18 de outubro de 2013 
  103. Yousafzai, Malala (2014). I Am Malala: How One Girl Stood Up for Education and Changed the World. [S.l.]: Little, Brown Books for Young Readers. ISBN 978-0-316-32793-0 
  104. Malala's Magic Pencil (em inglês). [S.l.: s.n.] 27 de junho de 2017. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2017 
  105. Cowdrey, Katherine (12 de março de 2018). «Malala signs We Are Displaced with W&N». The Bookseller. Consultado em 13 de março de 2018. Cópia arquivada em 13 de março de 2018 
  106. Carter, Imogen (10 de outubro de 2017). «Malala's Magic Pencil by Malala Yousafzai review – an enchantingly light touch». The Guardian. Consultado em 25 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2017 
  107. Gurney, Rebecca (23 de outubro de 2017). «Illustrating a better world: 'Malala's Magic Pencil' inspires, invokes youth voices». The Daily Californian. Consultado em 25 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2017 
  108. a b c Wilson, Kristian (12 de março de 2018). «Malala Yousafzai's New Book 'We Are Displaced' Will Tell The True Stories Of Refugees She's Met». Bustle. Consultado em 13 de março de 2018. Cópia arquivada em 14 de março de 2018 
  109. Canfield, David (12 de março de 2018). «Malala Yousafzai is writing about refugees for her next book». Entertainment Weekly. Consultado em 13 de março de 2018. Cópia arquivada em 12 de março de 2018 
  110. «What is Malala Yousafzai up to now?». The Week UK (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2019 
  111. Cowdrey, Katherine (13 de março de 2018). «Malala leads Hachette showcase 2018». The Bookseller. Consultado em 13 de março de 2018. Cópia arquivada em 14 de março de 2018 
  112. Power, Julie (13 de dezembro de 2018). «'Your job as a human is to welcome them': Malala's disappointment at Australia». The Sydney Morning Herald (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  113. We Are Displaced by Malala Yousafzai. [S.l.]: Little, Brown and Company. 13 de março de 2018. Consultado em 11 de março de 2019 
  114. We Are Displaced by Malala Yousafzai. [S.l.]: Orion Publishing Group. 13 de julho de 2018. Consultado em 11 de março de 2019 
  115. «Apple TV+ announces programming partnership with Nobel laureate Malala Yousafzai». Apple Newsroom (em inglês). Consultado em 8 de março de 2021 

Precedida por
Organização para a Proibição de Armas Químicas
Nobel da Paz
2014
com Kailash Satyarthi
Sucedida por
Quarteto para o Diálogo Nacional da Tunísia